The Guardian vê “digitais de Bolsonaro” no assassinato de Bruno e Dom

Para o The Guardian, Bolsonaro ataca quem defende a região onde Dom Phillips e o Bruno Pereira perderam suas vidas

Rio Amazonas no Brasil. Foto: mantaphoto/Getty Images/iStockphoto

No último sábado, 18, o jornal britânico The Guardian publicou uma matéria por Andrew Downie que mostra a relação entre a guerra travada na Amazônia pelo governo do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o contexto que levou ao assassinato do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.

Segundo o jornal, se Bolsonaro não tivesse sido eleito presidente do Brasil em outubro de 2018, tanto a viagem quanto o desfecho da história de Dom e Bruno poderiam ter sido diferentes. Para o Guardian, há “digitais” de Bolsonaro em uma série de medidas que abriram um corredor para a criminalidade avançar na região da Amazônia.

A matéria evidencia o desmonte dos direitos indígenas praticados na agenda do presidente ,que cumpriu sua promessa ao dizer que se eleito, não demarcaria mais um centímetro de terra para os povos originários.

Além disso, deixa claro os perigos que essa parcela da população sofre nos dias atuais, e o que a perda do indigenista Bruno Pereira e sua luta representou.

Confira o que a mídia britânica pensa sobre o caso de Dom e Bruno, sobre o governo Bolsonaro e a gestão da Amazônia com a tradução do texto abaixo, feita pelo GGN:

‘As impressões digitais de Bolsonaro estão por toda parte’: como a guerra do presidente na Amazônia desempenhou papel no duplo assassinato

O líder do Brasil têm atacado constantemente aqueles que defendem a região onde o jornalista Dom Phillips e o especialista indígena Bruno Pereira perderam suas vidas

Por Andrew Downie em São Paulo

Sáb, 18 de junho de 2022 16:00 BST

Se Jair Bolsonaro não tivesse sido eleito presidente do Brasil em outubro de 2018, a relação entre Dom Phillips e Bruno Pereira poderia ter sido diferente e sua fatídica última viagem à Amazônia também.

Quando se conheceram, Phillips era um jornalista britânico e Pereira uma figura sênior da agência indígena do governo brasileiro, a Funai. O explorador abriu as portas para as comunidades da selva para Phillips pesquisar um livro sobre desenvolvimento sustentável.

Como chefe da divisão de índios isolados da Funai, Pereira ajudou os povos indígenas sob ameaça de invasão a demarcar suas terras e instalar cercas, postos de guarda e placas de alerta.

Mas quando foi demitido em 2019, poucos dias depois de liderar uma operação bem-sucedida para destruir uma operação de mineração ilegal dentro da reserva indígena Yanomami, Pereira foi forçado a começar de novo. Trabalhando com os índios do Vale do Javari, próximo à fronteira do Brasil com o Peru, iniciou um trabalho semelhante, desta vez sem a proteção do Estado.

Pereira desapareceu com Phillips em 5 de junho após retornar de uma viagem de reportagem no Rio Itaquaí. Seus corpos foram descobertos na semana passada, enterrados nas profundezas da floresta. Dois homens estão presos, suspeitos de matá-los depois que descobriram sua operação de pesca ilegal.

A demissão de Pereira da Funai no final de 2019 foi apenas um exemplo de como a extrema-direita Bolsonaro baniu aqueles cujo compromisso com a natureza colide com seu ethos pró-negócios. O assassinato dos dois homens é outra ilustração trágica de como as políticas do presidente são fatais, não apenas para o meio ambiente, mas para aqueles que se preocupam com ele.

“As balas que matam jornalistas, ativistas e indígenas na Amazônia são compradas com dinheiro de grilagem de terras, mineração ilegal e extração de madeira”, disse Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma ONG ambiental.

“Por sua omissão nas buscas ou pela forma como incentivou esses criminosos, as impressões digitais do governo Bolsonaro estão por toda parte nessa tragédia.”

Membro da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) segura a imagem de Dom Phillips e Bruno Pereira durante um protesto em Bruxelas em 16 de junho. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP/Getty Images

Em um país do tamanho do Brasil, que contém cerca de 60% da floresta amazônica , as organizações ambientais estaduais estão na linha de frente da guerra contra as mudanças climáticas.

Além do Ministério do Meio Ambiente e da Funai, há o Ibama, braço de conservação e desenvolvimento sustentável do ministério; o Inpe, órgão que monitora o desmatamento; e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade , em homenagem ao seringueiro cujo assassinato em 1988 ajudou a impulsionar o movimento ambientalista moderno no Brasil.

Bolsonaro tem sistematicamente minado todos eles, disseram funcionários atuais e antigos, reduzindo e desmoralizando funcionários, diminuindo e retendo orçamentos e introduzindo legislação contraproducente.

O Ibama, por exemplo, gastou apenas 41% de seu orçamento em 2021, ano em que o desmatamento atingiu a maior alta de 15 anos, disse Suely Araujo, sua ex-presidente. O orçamento anual da Funai este ano foi de 746 milhões de reais (119 milhões de libras), mas apenas um quarto dele foi gasto em comunidades indígenas. E o orçamento anual do Ministério do Meio Ambiente caiu de R$ 3,4 bilhões em 2019 para R$ 2,5 bilhões em 2021.

Mesmo quando o governo está ativo, os que estão na linha de frente têm a mesma probabilidade de serem militares do que especialistas reais no campo. Como ex-capitão do exército e amante de todas as coisas verde-oliva, Bolsonaro expurgou funcionários qualificados.

“Eles colocam pessoas que não sabem o que estão fazendo no comando”, disse Araújo. “Eles não conhecem o corpo e não conhecem a Amazônia. É planejado e deliberado, para enfraquecer a supervisão. E está funcionando muito bem, infelizmente.”

A ira destrutiva de Bolsonaro tem um efeito particularmente prejudicial sobre as cerca de 235 tribos indígenas que fazem de seu lar o comprimento e a largura desta nação do tamanho de um continente.

Bolsonaro uma vez parabenizou a cavalaria dos EUA por dizimar os índios norte-americanos e lamentou que os soldados brasileiros não tivessem feito o mesmo. Antes de assumir o cargo, ele prometeu não dar aos indígenas “nem mais um centímetro quadrado de terra” e cumpriu com orgulho essa promessa.

Em vez disso, o presidente está trabalhando para fazer o oposto, abrindo terras indígenas para madeireiros, mineradores e outras indústrias extrativas. Ele aumentou o número de agrotóxicos autorizados para uso no Brasil e quer tornar mais fácil para colonos sem escrúpulos legalizarem as terras que apropriam. Ele fez 593 mudanças regulatórias ligadas ao meio ambiente somente em 2020.

Guardian graphic

“O governo está desmantelando as proteções ambientais”, disse Monica Sodré, diretora executiva da ONG Network for Political Action on Sustainability. “Não começou com este governo, mas tornou-se muito mais nítido e evidente sob este presidente. E não apenas enfraqueceu as leis, com essa retórica de dizer absolutamente qualquer coisa, incentiva a ilegalidade e age como (o assassinato de Bruno e Dom).”

A retórica incendiária de Bolsonaro é parte integrante de sua presidência divisiva e um fator no aumento da violência contra ativistas e jornalistas. Dos 430 ataques registrados na mídia em 2021, Bolsonaro ou sua emissora estatal estiveram envolvidos em dois terços deles, segundo dados da Federação Nacional dos Jornalistas .

Da mesma forma, na região amazônica, 8.729 pessoas morreram de mortes violentas intencionais em 2020, a maioria delas relacionadas a conflitos agrários e ambientais, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Esse aumento ocorreu quando as mortes em outras comunidades rurais caíram e destacou os perigos inerentes ao oeste selvagem do Vale do Javari.

Esses perigos não eram desconhecidos para Pereira, que trabalhava na região há anos. Madeireiros, mineiros e pescadores são repletos na área, assim como quadrilhas de traficantes cada vez mais poderosas que cruzam a fronteira com o Peru.

Mas sua perda é um golpe especial para a Univaja, a organização local de direitos indígenas com a qual ele se associou depois de deixar a Funai.

Ela não tem apoio do Estado, mas com o talento de Pereira para arrecadação de fundos e construção de pontes, juntamente com o descaso de Bolsonaro com a Funai, significou que a Univaja agora tem barcos e equipamentos melhores do que o órgão do governo.

Membros da Univaja estavam entre as primeiras pessoas no rio a ajudar na busca por Phillips e Pereria depois que eles desapareceram em 5 de junho. A Funai não tinha barcos em funcionamento e precisou contratar lanchas para auxiliar nos trabalhos.

“Não temos mais a menor estrutura, nem para fazer fiscalização de rotina”, disse um funcionário da Funai conhecedor das operações da Amazônia. “A Univaja está capacitando os povos indígenas a cuidarem de si mesmos.”

Com Bolsonaro no comando, talvez seja a melhor alternativa.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador