Do “país de merda”, suas elites e classes médias, por Eduardo Ramos

Os brasileiros de nossas elites e classes médias isentando-se completamente de qualquer responsabilidade ou culpa, ao longo dos séculos

Do “país de merda”, suas elites e classes médias

por Eduardo Ramos

Não sou formado em História.   Mas uma coisa, com o tempo, pude concluir com muita convicção através de muita leitura: aquilo que culturalmente chamamos de “povo”, não teve e não tem, e digo isso referindo-me aos últimos dez mil anos da História humana, voz e força políticas com intensidade e capacidade de mudar a forma, o curso, a formação de seus países, suas nações, salvo raríssimas exceções. Quem tem a primazia, a voz e a força políticas para transformar um país e dar a ele “a cara que tem hoje”, sempre foi a junção de elites + classes médias de cada país (isso, quando até a classe média não era excluída do processo…).

A quem duvida dessa premissa, faço um desafio: pesquise as grandes transformações, mesmo que momentâneas, nas nações, havidas desde os tempos remotos… O “povo” pode ter participado como massa de manobra necessária a alguns enfrentamentos, mas a voz de peso, a força de peso, a articulação para o acontecimento do processo político, para a derrubada de um rei, um ministro, um presidente, e/ou a instauração de um novo sistema político, um novo governo, novos conceitos, SEMPRE PERTENCERAM A ESSE BINÔMIO, elites + classe média. No Brasil, isso é de um óbvio tão gritante, que torna risível um dos conceitos mais toscos de nossas elites e classes médias.

De que conceito falamos no parágrafo anterior? das frases ditas com revolta e desprezo por esses segmentos sociais, como: “povinho de merda!”, ou “nordestinos e favelados não sabem votar, votam pra matar a fome, pelo Bolsa Família, esses ignorantes são o atraso do Brasil…”, ou “país de merda, quando me aposentar vou dar o fora desse lugar odioso…”

E eu poderia com facilidade escrever dezenas e dezenas de frases semelhantes, TODAS COM A MESMA ESSÊNCIA NARCÍSICA, ARROGANTE E TOSCA: os brasileiros de nossas elites e classes médias isentando-se completamente de qualquer responsabilidade ou culpa, ao longo dos séculos e HOJE, pelo “país de merda” que somos em tantas áreas, como instituições indignas que não funcionam republicanamente, miséria, fome, desemprego, violência contra índios, favelados, mulheres, negros, lgbt, etc, etc., falta de democracia, Judiciário lento e parcial, enfim, apenas alguns dos problemas gravíssimos que temos e fazem de nós esse país injusto, degradado, motivo de vergonha e vexame aos olhos do mundo….

Mas para esses brasileiros, há sempre um alvo para seus dedos arrogantes e burros apontarem: “a culpa é do PT” (sic….), “a culpa é do povo ignorante”, “a culpa é dos nordestinos e favelados”, a culpa é de qualquer um que não viva em seus aquários sociais, não faça as viagens que eles fazem, não tenha os bens que eles possuem, não façam parte, enfim, DA CASTA SUPERIOR NARCÍSICA FORMADA POR NOSSAS ELITES E CLASSES MÉDIAS, com seu fortíssimo sentimento de superioridade, facilitado pela comparação “natural” que fazem, inconscientemente na maioria das vezes, entre eles mesmos (os vencedores, os “que chegaram lá”) e os perdedores (os faxineiros, garçons, empregados domésticos, etc.), os que os servem, e se tornam INVISÍVEIS, visíveis apenas na hora de serem desprezados e escrachados, porque “CULPADOS” pelo “país de merda”…

1964, não é culpa deles, é de Jango e seu “radicalismo”, o golpe de 2016, não é culpa deles, “é da anta, que pertencia ao partido dos petralhas”, a prisão de Lula, longe de ser culpa deles, é seu maior triunfo, sentem orgulho, foram às ruas lutar contra “O SATANÁS DO BRASIL”, o mal personificado, o ladrão dos ladrões…. (sic….)

Mesmo Bolsonaro, não é culpa deles, nem do fato de terem apoiado a Lava Jato: “Bolsonaro é culpa do PT, e do idiota do Lula que insistiu em sua candidatura….” – ou seja, mesmo inocente, Lula deveria se recolher à sua insignificância e “abrir caminho para Ciro Gomes” (sic…..) – a desculpa miserável ética e intelectualmente falando, dos fanáticos antipetistas que mesmo detestando Bolsonaro foram incapazes de votar em Haddad, “o petralha”, lavando suas mãos limpinhas e deixando Bolsonaro vencer com sua falsa neutralidade.

NÃO SOMOS UM “PAÍS DE MERDA” por causa de nossos pobres e miseráveis…. A eles foi negada Educação, cultura, arte e dignidade de vida POR SÉCULOS!

Quem teve e tem acesso a essas coisas, quem teve e tem força e vos políticas para mudar o Brasil, são os brasileiros de nossas elites e classes médias.

A eles devemos o “país de merda”. Eles apoiaram Moro e o que veio como consequência: fim da democracia, desmantelamento total do Estado de Direito, impeachment sem motivo, o ódio, nojo e perseguição selvagens a Lula e o PT, e o pior: a fratura na sociedade brasileira, o país lançado num mar de ódios, preconceitos, fanatismos, barbáries….

Em 2022, o futuro do Brasil estará de novo, atrelado às suas falas e ações.

Que reflitam enquanto é tempo!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora