Os ausentes, por Rui Daher

Os ausentes

por Rui Daher

A propósito do manifesto, reproduzido 19/12 neste GGN, em que várias personalidades de profundos saber e notoriedade denunciam a interminável perseguição contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, uma anotação se faz necessária: a ausência total de representantes, sejam eles proprietários, diretores, editores, jornalistas, atores e atrizes, das folhas e telas cotidianas tradicionais. Aí incluídos certos portais blogs.

O que mais estranho: procurem na lista alguém que trabalhe para as Organizações Globo, para os jornais Estadão e Folha de São Paulo, ou para as revistas Veja, Isto É, Época. Todos ausentes.

Mas, por quê? Impedidos, proibidos, distraídos, ou simplesmente não acreditam que o que se faz com Lula é uma perseguição política, usando fatos não provados de corrupção para corroer sua popularidade (cada vez mais comprovada) e impedir sua candidatura nas eleições do ano que vem? A pergunta não cala.

Não posso aceitar que todos empregados dessas empresas de comunicação tenham o pensamento homogêneo sobre a culpabilidade de Lula. Caso contrário, certas colunas não nos induziriam a pensar o contrário. Na Folha, por exemplo, para usar quem mais alardeia equilíbrio e neutralidade, onde os nomes de Juca, Jânio, Laura, Vladimir?

Não puderam ou não quiseram assinar o manifesto? Digam aí! Pelo menos, esclareçam se houve impedimento. Caso positivo, é censura, ou isto não contraria a liberdade de expressão? Seu público leitor precisará inferir sobre proibição e desacordo. Por quê?

Da mesma forma, não poupo jornalistas e blogueiros independentes, também ausentes do manifesto. Ainda mais, quando hoje penalizados financeiramente, ao ponto da  inviabilidade até o fechamento. Não basta martelar nas impurezas da quadrilha golpista que se instalou nos três Poderes. Até porque o teor do manifesto não representa apoio político a Lula, mas sim protesto à forma como está sendo conduzido o processo persecutório.

Leia também:  Circense, por Wilson Ramos Filho

Mais uma vez, apesar de ser um dos donos da revista, sobrou-nos como ressalva Mino Carta, de CartaCapital, com seu nome ali presente, junto aos de Noam Chomsky, Chico Buarque, Raduan Nassar, e outros tantos comprometidos com a verdade acima dos interesses e riscos pessoais.  

Não me pediram, mas eu assinaria, mesmo trabalhando para patrões de direita.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Caro Rui,
    a pressa com que

    Caro Rui,

    a pressa com que alguns desses manifestos de artistas e intelectuais são feitos para ganhar o ar de “vanguarda”, exclui de muitos brasileiros a possibilidade de assinarem e dar o seu apoio. É ´mais do mesmo’. A esquerda brasileira está perdendo o rumo…

  2. O leitinho das crianças,

    O leitinho das crianças, seria o leitinho das crianças? Cobrei certa vez Riardo Boechat por ter gaguejado ao falar sobre Daniel Dantas, banqueiro que tem ligação direta em sua demissão do jornal e televisão globo. Perguntei se a exitação a por conta do leitinho das crianças. Em resposta ele me garantiu que seus anos de profissão ja lhe permite se importar menos com o leitinho… . O fato é que “matraquear” como ele mesmo diz que faz todas as manhãs na radio( a noite não por que sera?), jamais deveria ler o tal editorial do grupos bandeirantes sobre “esperar para ver as investigações a respeito de michel termer). Esse eu garanto que é  “anarquista” de direita que pensa que independencia vem do berço de qualquer ser humano assim como pensa todo direitista alienado. 

  3. Rui

    No próximo não faltarão as assinaturas do Bonner, do Waaaack, do Mitre e daquele “isso é uma vergonha”.

    Pode crer!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome