Redes sociais, desinformação e fortalecimento da democracia, por Eliara Santana

Sigamos intensificando a mobilização para que essa discussão ocupe todos os cenários e alcance o maior número possível de cidadãos.

Redes sociais, desinformação e fortalecimento da democracia

por Eliara Santana

Em Nova York, no dia 14/11, o ministro Alexandre de Moraes, reunido com quatro outros ministros do STF que estavam ali para um seminário, enfatizou que o Brasil, além de prestar total atenção ao desenvolvimento social, deve focar e olhar atentamente a regulamentação das redes sociais (plataformas) para FORTALECER A DEMOCRACIA, fortalecer o Estado de Direito.  

Cristalinamente, esse posicionamento de Moraes, seguido pelos outros ministros, liga a Comunicação e a desinformação à Democracia. Cristalinamente, os ministros do STF dizem: não é possível pensar a democracia e o seu fortalecimento sem pensarmos nas estruturas de comunicação e no ecossistema de desinformação. Claramente, o posicionamento de Moraes vincula os debates e enfatiza a grande relevância desses temas e da interface entre eles.

Segundo Alexandre de Moraes, “Discursos agressivos nas redes sociais, essas milícias digitais, vêm corroendo a democracia. Sob o falso manto da liberdade de expressão sem limites, o que se pretende é corroer a democracia”. Ou seja, a ideia de corrosão da democracia passa pela compreensão dos arranjos comunicacionais e pelas estruturas de desinformação. Não se compreende um sem compreender os outros.

Claro, há um longo caminho e muitos desafios pela frente. Essa é uma discussão muito ampla, que envolve questões problemáticas e que precisa ser bem pontuada, bem dosada, muito bem discutida – para que se evitem os abusos, as perseguições, os atropelos, prevendo-se as inúmeras falhas do judiciário.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Mas, para quem como eu está afundada nesse ecossistema de desinformação há bastante tempo e entende que a Comunicação é CONSTITUTIVA de todos os processos e que sem discutir e pautar a Comunicação em tudo o que ela envolve não há como discutir a Democracia, é um alento ver esse posicionamento. É uma alegria enorme ver essa pauta desenhada, apresentada, ganhando esse corpo. Sigamos intensificando a mobilização para que essa discussão ocupe todos os cenários e alcance o maior número possível de cidadãos.

Há muitas iniciativas essenciais sendo desenvolvidas e contemplando esse campo, e aqui quero destacar algumas das quais, neste ano, tive a alegria e a honra de fazer parte. Muitas outras estão a caminho:

I Ciclo de Letramento Midiático – promovido pelo PPGL FURG e coordenado por mim e pelo professor Adail Sobral (já preparamos o II Ciclo)

Curso “Desinformação, Letramento Midiático e Democracia” – promovido pelo GGN e coordenado por mim, com a participação de vários professores convidados (temos desdobramentos lindos a caminho)

Observatório das Eleições e da Democracia – coordenado pelo professor Leonardo Avritzer (UFMG), em que participei como uma das coordenadoras da Editoria de Redes e Desinformação

MILWEEK 2022 – coordenado pela professora Claudia Wanderley (CLE/Unicamp), com várias discussões sendo pautadas

Curso de extensão “Desinformação, Linguagem e Política no Brasil” – promovido pelo IEL/Unicamp e coordenado pela professora Anna Christina Bentes (IEL/Unicamp) e por mim, com a participação de vários professores convidados.

Por fim, começando o novo e esperançoso ciclo democrático no Brasil, aqui em João Pessoa vamos promover o seminário “Mídia, Liberdade de Expressão e Democracia”, no dia 17/11, com a professora Maria Luiza Alencar Feitosa (UFPB), a professora Gisele Cittadino (PUC-Rio) e o professor Leonardo Avritzer (UFMG), além da preciosa atuação da jornalista Mabel Dias.

Sigamos mobilizados.

Eliara Santana é uma jornalista brasileira e Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), com especialização em Análise do Discurso. Ela atualmente desenvolve pesquisa sobre a desinfodemia no Brasil em interlocução com diferentes grupos de pesquisa.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected].

Leia também:

O debate da Globo no Facebook, por Eduardo Barbabela

Bolsonarismo usa factoide sobre inserções em rádios para insuflar golpe, mas não domina narrativas

Campo bolsonarista perde protagonismo nas redes na reação ao caso Roberto Jefferson

Eliara Santana

Eliara Santana é uma jornalista brasileira e doutora em Linguística e Língua Portuguesa, com foco em Análise do Discurso. Ela é pesquisadora do Observatório das eleições (INCT IDDC UFMG) e pesquisadora colaboradora do IEL/Unicamp. Desenvolve pesquisa sobre desinformação, desinfodemia e letramento midiático no Brasil.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador