PT quer Diretas Já, mas sem lançar Lula por recomendação de advogados

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
 
 
Jornal GGN – O ex-presidente Lula está em Brasília, nesta quarta (31), para discutir com lideranças do partido a pauta do Congresso nacional do PT, que será realizado entre 1 e 3 de junho, em Brasília. Segundo informações do ex-ministro Gilberto Carvalho, o PT vai definir que, em caso de queda de Michel Temer, não participará de uma eleição indireta pelo Congresso. Apesar de defender a bandeira das Diretas Já, a legenda tampouco deve lançar Lula como candidato virtual nesse momento.
 
“A militância pode até lançar o Lula, mas o que ele acha importante, neste momento, é manter a unidade. E a única palavra que unifica essa frente suprapartidária é eleição direta”, disse o ex-ministro Gilberto Carvalho ao Estadão. “Eleição indireta para substituir Temer significa a continuidade das reformas e nós somos frontalmente contra isso”, completou ele, numa referência às mudanças na Previdência e na lei trabalhista, propostas por Temer.
 
Segundo o jornal, Lula não quer antecipar candidatura para não “constranger outros aliados adeptos da campanha por Diretas Já” e, além disso, “seus advogados avaliam que não é conveniente provocar antecipadamente o Judiciário”.
 
Réu em cinco processos, sendo três na Lava Jato, Lula pode ser impedido de disputar a eleição de 2018 se for condenado em segunda instância. O caso triplex, que é o mais adiantado, está nas mãos de Sergio Moro e pode ter um desfecho a partir do dia 20 de junho, quando acaba o prazo para as alegações finais do petista.
 
Ainda de acordo com o Estadão, uma das missões de Lula em Brasília, nesta semana, é unificar o partido. No caso da disputa pelo novo presidente nacional da legenda, por exemplo, Lula tentará emplacar Gleise Hoffmann com Lindbergh Farias na primeira-vice-presidência, para conter as críticas de diversos grupos dentro do PT.
 
O partido também deve definir no Congresso um programa para sair da crise de má imagem após ser atingido por mensalão e Lava Jato.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora