A Petrobras e o Pré-sal: entre o curto e o longo prazo, por William Nozaki e Rodrigo Leão

A Petrobras e o Pré-sal: entre o curto e o longo prazo

por William Nozaki 

e Rodrigo Leão

Não é de hoje que as principais correntes teóricas da ciência econômica – clássica e heterodoxa – divergem quanto à dinâmica de funcionamento de uma economia capitalista. Em recente artigo veiculo pelo jornal Folha de São Paulo, Luiz Gonzaga Belluzzo e Pedro Paulo Zaluth Bastos expõem essas diferenças: “[A teoria neoclássica] herda a previsão feita por Adam Smith e radicalizada pelo modelo de equilíbrio geral que, mantidos livres em sua interação, os indivíduos alcançariam um equilíbrio estável e maximizador, orientados pelo sistema de preços para alocar recursos escassos. (…) Ao invés de reduzir a ação a um indivíduo representativo, [na teoria heterodoxa] os indivíduos são classificados e posicionados em uma estrutura que os divide como sujeitos sociais cuja harmonia não pode ser pressuposta: trabalhadores e capitalistas, empresários, banqueiros e rentistas. A estrutura é assimétrica pois certos indivíduos controlam a riqueza, mas é mutável e interage com as estratégias de organizações empresariais, classes e grupos sociais, Estados e sistemas econômicos nacionais que têm poder desigual e que não podem ser previstas”.

A partir dessas premissas, cada uma das teorias enxerga o horizonte temporal de modo completamente distinto: para a teoria neoclássica, se os agentes econômicos tiverem plena liberdade para realizar alocações de recursos, a economia tende ao equilíbrio no longo prazo, enquanto que para a teoria heterodoxa, a estrutura assimétrica e incerta da economia capitalista, num cenário de ausência de coordenação, pode gerar longos períodos de depressão econômica.

A atual estratégia para a condução do setor de petróleo, confeccionada pelo governo Temer, materializa essa divergência entre a visão neoclássica e heterodoxa. Entre 2003 e 2014, principalmente até 2011, a política do setor petrolífero seguiu uma visão mais heterodoxa privilegiando um conjunto de ações para fortalecer e integrar uma série de cadeias da indústria nacional – metal-mecânica, naval, petroquímico, biocombustíveis etc. – utilizando a Petrobras como o principal agente indutor dessas ações. Nesse sentido, a política de conteúdo nacional, a transformação da empresa numa companhia fortemente verticalizada de energia e a forte expansão dos investimentos foram aspectos fundamentais para a consecução dessa estratégia. Junto dessa política, encontra-se também uma mudança na regulação do setor com a criação de novas regras de exploração e produção, principalmente após a descoberta do pré-sal.

A descoberta do pré-sal em 2007 foi considerada uma das ações estratégicas mais importantes do setor petrolífero, apenas uma das reservas, a de Libra, anunciada em 2010, tinha volume superior à de todas as reservas brasileiras de petróleo à época. O pré-sal foi recebido pelo governo Lula como um elemento fundamental para a soberania do país, e a lei que regulamentou sua exploração determinava que os royalties (compensação financeira paga pelos produtores em troca do direito à extração do petróleo) deveriam ser investidos em educação e saúde. De acordo com a regra vigente até hoje todos os poços do pré-sal devem ser explorados obrigatoriamente sob a liderança da Petrobrás, que deve atuar como operadora única.

Em suma, a nova legislação do setor e a atuação a Petrobras assumem um papel central para a geração de riqueza e articulação da economia nacional no longo prazo. Os investimentos de longuíssimo prazo e elevada diversificação da Petrobras permitem que a empresa exerça um papel contracíclico no longo prazo, isto é, por meio das diversas cadeias integradas de produção a empresa dinamiza diferentes setores da economia. Nesse cenário, cabe ressaltar que a existência de funding para o financiamento dessas cadeias é um instrumento complementar e fundamental para o sucesso dessa política. Além disso, a nova legislação do pré-sal permite que o Estado Nacional, em detrimento da lógica de curto prazo e fortemente direcionada pela maximização de ganhos do mercado, controle a forma de exploração deste recurso considerando a evolução do preço do petróleo, da demanda internacional entre outros, alem de gerar uma expansão da renda em outros setores. Assim, a exploração do pré-sal fica condicionada aos interesses de longo prazo ao invés da lógica de maximização curto prazista.

Com a gestão Temer-Parente, essa visão se altera profundamente. A lógica passa a ser exclusivamente de curto prazo, desprezando os desafios de longo prazo, a fim de atender dois objetivos: valorizar os ativos da empresa o mais rápido possível e gerar caixa para readequar os indicadores financeiros da companhia aos bons parâmetros estabelecidos pelo mercado. Em outras palavras, perde-se o sentido de olhar a Petrobras no longo prazo, uma vez que o sucesso financeiro de curto prazo levaria “naturalmente” ao êxito num período mais longo. Nesse sentido, duas ações ganham grande relevância: i) o desinvestimento de negócios menos rentáveis ou mais “afastados” do core da Petrobras e; ii) condução das políticas financeiras da empresas – determinação do preço do combustível e condução do grau de endividamento, por exemplo – alinhada às boas práticas do mercado. Outras duas iniciativas que complementam essa estratégia são o desarranjo da Petrobras como centro indutor da indústria e a mudança da legislação do pré-sal – que desobriga a participação da Petrobras no consorcio de exploração do pré-sal. Novamente, busca-se maximizar o retorno de curto prazo, ou seja, a Petrobras fica desobrigada de fomentar cadeias nacionais – mesmo que não seja financeiramente mais rentável no curto prazo – e a exploração do pré-sal passa a ser conduzida num ritmo mais acelerado dada a disponibilidade de recursos das empresas do setor.

Portanto, os desinvestimentos, a alteração do papel de indutor da Petrobras e a mudança de legislação do pré-sal compõem um mesmo pacote: valorização dos ativos no curto prazo e adequação da atuação da empresa e do setor petróleo as boas praticas de mercado. Com isso, ganha espaço uma visão de que todas as ações devem sinalizar ganhos de curto prazo e liberdade de atuação de qualquer agente econômico, independente do papel estratégico do setor.

Em suma, o que fica claro é que duas visões distintas estão em jogo: uma, que articula a Petrobras ao desenvolvimento estrutural de longo prazo e visa fortalecer os instrumentos internos para atenuar momentos de depressão da economia capitalista e, outra, que foca excessivamente no curto prazo a fim de gerar valor do setor e da Petrobras o mais rápido possível. A questão é: para a sociedade brasileira, qual a visão que mais adéqua aos desafios e necessidades colocados para o desenvolvimento nacional?

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. Vamos falar sério e parar de
    Vamos falar sério e parar de emoldurar essa traição a nação brasileira. Lá tem lógica ou estrategia econômica na entrega do pré sal por esse governo ilegal? São interesses das petrolíferas casado com a corrupção dos serras, parentes e temers. Essa é a verdade real e não estratégia de longo ou curto prazo. É roubo, crime de lesa pátria e pronto.
    É corrupção misturado com interesses estratégicos por parte dos paises centrais. No Iraque, Líbia houve guerra para o roubo. No Irã, na Russia, Venezuela governos fortes defenderam os interesses nacionais e são demonizados pela midia mundial. Aqui, com a porta podre dessa elite ordinaria e um povo desinformado e malemolente nada disso foi necessário. Vão nos roubar e pronto.
    Nem um centavo dessa riqueza nacional será utilizado pelo povo brasileiro.

  2. Aposta errada…
    Sem entrar no mérito das políticas de proteção a indústrias nascentes que foram articuladas no caso do pré-sal (no Brasil elas têm um histórico questionável, para dizer o mínimo), o fato é que qualquer texto que coloque o petróleo como elemento relevante para o desenvolvimento da economia brasileira no longo prazo e não escreva uma linha sobre a transição tecnológica em curso, na forma dos carros elétricos e autônomos, automaticamente perde bastante o crédito.

    Basta lembrar: a Noruega já baniu a venda de veículos a combustão a partir de 2025; a Europa está considerando bani-los a partir de 2030; até mesmo nos EUA, vorazes consumidores de petróleo, as metas CAFE de consumo de veículos são cada vez mais exigentes, e a iminente vitória democrata não vai mudar isso; e a China sofre em seus grandes centros com a poluição, o que é um forte driver para a adoção de tecnologias limpas de mobilidade. Tudo isso leva a um cenário de estabilização e eventual queda no consumo de petróleo e derivados. Como eu ouvi ontem, “a idade da pedra não acabou por falta de pedra” – a indústria petrolífera vai continuar a existir, mas terá que se reinventar em uma base possivelmente muito mais modesta.

    Então, ao invés de usar o poder de compra governamental para incentivar tecnologias do passado, o Brasil tem que olhar para a frente e fomentar as indústrias do amanhã. A heterodoxia pode sim dar certo, mas exige governos com visão de futuro, que no Brasil têm sido uma absoluta exceção na sua história.

    • Mas o senhor so se esqueceu
      Mas o senhor so se esqueceu que o petrolo nao e so combustivel, e mutio mais coisas tais como :
      Quando refinado,ele se transforma em querosene, óleo diesel, óleo lubrificante, solventes, tintas, asfalto, plásticos, borracha sintética, fibras, produtos de limpeza, gelatinas, remédios, explosivos e fertilizantes, parafina, GLP, produtos asfálticos, nafta petroquímica, querosene, solventes, óleos combustíveis e combustível de aviação.

      • Não esqueci não!

        Do comentário original: “a indústria petrolífera vai continuar a existir, mas terá que se reinventar em uma base possivelmente muito mais modesta”.

        Sem contar que o óleo diesel e óleos combustíveis também terão quedas de consumo, e que há alternativas renováveis para petroquímicos…

    • Você vê que coisa! A Noruega

      Você vê que coisa! A Noruega baniu a venda dos veículos a combustão. Quero ver agora a Noruega fabricar um carro sem plástico com um pneu sem borracha sintética.

      Essas tecnologias do passado, esse petróleo que tem que ser entregue… Acorda modernoso!

  3. Mas não esqueção  que o
    Mas não esqueção  que o petroleo nao e so combustivel(gasolina e Diesel) , e mutio mais coisas quando refinado,ele se transforma em querosene, óleo diesel, óleo lubrificante, solventes, tintas, asfalto, plásticos, borracha sintética, fibras, produtos de limpeza, gelatinas, remédios, explosivos e fertilizantes, parafina, GLP, produtos asfálticos, nafta petroquímica, querosene, solventes, óleos combustíveis e combustível de aviação.

  4. Eles querem o fim dos

    Eles querem o fim dos combustiveis fosseis até 2025 , 2030 mas será que vão conseguir essa é a questão..

    Foi realizada uma pesquisa onde  usando todas as terrras agriculturaveis da terra para uso  de   biocombustiveis 

    só se conseguiria subsituir o PETROLEO  em 30 % .. Portanto não será facil substituir o Petroleo por isso essa corrida 

    entreguista . Exemplo é  o Campo de Carcará  que possui 470metros de coluna de Petroleo isso acho que não tem nem na

     Arabia    Saudita  , veja que o campo de LIBRA tem coluna de 400 metros de Petroleo  e  deve  ter entre 12 Bilhões de Barris 

    ou seja tudo que já foi produzido no Golfo do Mexico até hoje .. Portanto o Campo de Carcará deverá ter muito mais do que

    isso .. ( 2,5 Bilhões) .. Temos que aprender muito com a  NORUEGA   

     

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome