A implosão de Moro nos EUA, por Freddy Freitas

Acaba-se o herói Moro, acaba-se a Lava Jato – e lá se vai, junto com o prejuízo de bilhões de reais na economia brasileira, milhões de desempregados e uma população sem líderes, sem rumo e amargurada

Por Freddy Freitas

Em Os Divergentes

Três meses atrás diversos institutos americanos ainda estavam cortejando o ex-juiz federal e atual ministro da Justiça e Segurança Pública do governo brasileiro Sérgio Fernando Moro. O ex-herói da Operação Lava Jato teria torcido o nariz a tais propostas, preferindo ficar no Brasil.

Na última semana, diversos pesquisadores reuniram-se em Washington para homenagear o aniversário de morte do professor Alfred C. Stepan. Ele foi um destacado cientista político e administrador universitário, com experiência nas áreas de estudos latino-americanos, política comparada e transições governamentais em países árabes, e principalmente profundo conhecedor da política brasileira. Stepan foi um dos cientistas políticos (leiam-se “brazilianists”) mais originais, perceptivos e influentes do último meio século.

O principal assunto da homenagem foi o processo de implosão do ex-herói da Lava Jato.

É inevitável, assim, que já se comece a perguntar qual será o futuro do ministro Moro. Os institutos americanos reconhecem que a contratação do ex-juiz Moro teria sido um desastre. Deve-se concordar, desde logo, que recrutar celebridades é, em princípio, coisa péssima, sobretudo quando tais celebridades não têm o perfil adequado.

Há uma grande diferença entre Stepan e Moro. É a mesma coisa querer comparar vinho com água. O Brazilianist tinha uma sólida formação acadêmica, publicou dezessete livros e escreveu centenas de trabalhos acadêmicos.

Stepan, 81 anos, morreu de complicações do câncer em 27 de setembro de 2017 em sua casa no Upper West Side em Nova York.

É bom notar, ainda, que no início de sua carreira, Stepan fez contribuições extremamente importantes para entender por que as democracias às vezes explodem.

Leia também:  Fome, obesidade e mudança climática: a Sindemia Global Contemporânea, por Antonio Hélio Junqueira 

Acaba-se o herói Moro, acaba-se a Lava Jato – e lá se vai, junto com o prejuízo de bilhões de reais na economia brasileira, milhões de desempregados e uma população sem líderes, sem rumo e amargurada.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

27 comentários

  1. Prejuízo de bilhões, só?
    A lava jato destruiu as instituições, “concretou” o estado de exceção, permitiu o fim da soberania brasileira transformando este território que se chama Brasil, numa neo colônia ( este processo está começando, começando…)
    O Brasil é uma colônia fascista…simples assim…
    É impressionante como um psicopata sem noção, burro, acompanhado por um amontoado de imbecis ( procuradores) tenham feito o que somente uma guerra faria..assim “na manha”…
    Me perdoem o baixo nível: uma “merda” tão grande.
    Sob a supervisão dos militares.
    Com a cobertura da mídia.
    Com a alienação do povo.

    O moro vai acabar sendo prefeito em Curitiba, outro “mito”.

    56
    3
  2. Dizia Cazuza, “meus heróis morreram de overdose, meus inimigos estão no poder”.

    LULA LIVRE.

    29
    3
  3. Mais uma vez, as quadrilhas dominantes, que ocupam o lugar onde existem as elites, em países civilizados, impediram o país, gigante pela própria natureza, de cumprir o seu destino de se tornar uma grande nação, poderosa e influente no cenário internacional. Getúlio utilizava uma expressão – “acuação da história” – para identificar essa sina que se impõe ao Brasil ao longo de toda a sua história. E Miguel Arraes, do alto de sua sabedoria, dizia que o Brasil só cresceria um dia, quando fosse jogada ao mar a sua burguesia corrupta, apátrida e nefasta.

    42
  4. Excelente artigo, só no gostei da analogia do Moro com água na conparação entre água e vinho. A água é o melhor dos liquidos. Coca Cola teria sido mais apopriado.

    33
    1
  5. Ninguém fala da roubalheira, das mentiras e da triste herança do governo do PT. Tudo bem, talvez eu seja mesmo muito ignorante para entender certos tipos de raciocínios. Agradeço em nome da minha família todas as vidas que foram poupadas com a política de segurança e inteligência do ministro Moro. Quem sabe se uma dessas vidas salvas foi alguém da família. Eu reconheço o seu trabalho e me orgulho de você.

    5
    82
    • Prezada Dona Gloria,
      Faça um esforço, abra os olhos. Não há política de segurança alguma implementada pelo seu herói. Há um projeto de lei que, curiosamente para a senhora, reduzirá a sua segurança, pois dará mais poder ao Estado, que deveria ter o monopólio da força, para usá-la contra as pessoas de acordo com o arbítrio do agente policial (inculto quanto aos direitos de cada um, mal preparado para a ação, mal pago) e, mais, tercerizará às milícias o uso da força onde o Estado recuará mais pois vai ser mais e mais enfraquecido, do modo como já ocorre nas favelas do Rio. É claro, que tratar o País inteiro como se faz já com as favelas do Rio (nenhum estado, força policial antagônica ao povo, ordem mantida pelas milícias e pelas igrejas evangélicas) é parte do projeto ao qual serve seu herói. O qual afinal montou, com a lava-jato, uma espécie de milícia judicial, com o monopólio do crime de achaque às empresas. Pobre do nosso podre país…

      35
      1
    • a única coisa que presta no seu texto foi a admissão de ignorância.
      é por causa de gente ignorante como você que o Brasil está nesta draga da qual não sairá em décadas.

      13
      1
    • Certamente trata-se de um comentário padrão de um bolsomínion. Não acredito que seja uma pessoa de verdade, pois ninguém é tão imbecil assim.

      12
    • Sugiro que a senhora procure os pais da menina Ágatha, morta covardemente pela polícia, e explique a eles que devem se orgulhar e agradecer ao Moro.

      14
  6. Tudo está muito ruim mais é preciso as vezes cortar o pé pra aprender prestar atenção a onde pisa

    1
    1
  7. Espero que punam Moro pelo bem do país, para que haja liberdade dos grandes empreiteiros, dos grandes conglomerados , das grandes licitações em todo o território nacional. Felizes veremos o caminho seguro da recuperação econômica do país.

    • Não seja hipócrita e não finja que não sabe a diferença entre empreiteiros e empreiteiras. Não foi o seu emprego que Moro destruiu como os milhões de empregos da Petrobras, engenharia pesada e dos estaleiros brasileiros.

  8. Caí a máscara. Politicamente orientado.
    Cargo maior que a competência pra exercer.

    Nosso país não carece de herói, mas de pessoa preparada para exercer a função.

  9. MACONHA NÃO É DROGA! É UMA PLANTA QUE OFERECE VÁRIAS MATÉRIAS PRIMAS DE ALTO VALOR AGREGADO: tecido, papel, combustivo, medicamento e comida! Um pequeno produtor pode escolher entre esses itens… Muito mais ecológico e sustentável! Não é só fumar para ficar doidão não!

  10. EU TRABALHEI NA SEDE ESTADUAL DO IBGE NAS PESQUISAS ECONÔMICAS 2015-2018! ESTE CARA DESTRUIU O RJ!

    Eu vi nas telas dos computadores! Todo dia empresas , dezenas de empresas sendo classificadas como “Paralisadas” ou “Mudança para endereço desconhecido”. E não só foram o tecido industrial do norte fluminense! Empresas de sustentabilidade! NOJENTO! Essa DESGRAÇA desse SUJO MORO faz Judas e Joaquim Silvério dos Reis vomitaram!

  11. Por favor sinalizem algo como exemplo das “falas” de quem falou alguma coisa relacionado a este encontro.
    Obrigado.
    Isto não é uma critica e sim uma solicitação de esclarecimento.

  12. Moro deixou cair á máscara, antes da quarta-feira de cinzas, e perdeu o melhor do carnaval. Foi pego pelo Clóvis, tão mascarado quanto ele. Coitado nem de carnaval ele entende, vai morrer sem que ninguém sinta sua falta.

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome