Atlas Político: Bolsonaro tem 39,3% de desaprovação contra 31% de aprovação

Plataforma de monitoramento também perguntou sobre a autenticidade das conversas reveladas pelo The Intercept: 41,8% acreditam que são autênticas

O presidente Jair Bolsonaro e ministro da Justiça, Sérgio Moro. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – Uma pesquisa realizada pela plataforma de monitoramento Atlas Político, nos dias 28 e 29 de julho, aponta o que registros de outros institutos de pesquisa já vinham identificando, que o núcleo de aprovação ao governo Bolsonaro estabilizou em cerca de 1/3 da população.

Segundo a pesquisa mais recente do Atlas Político, realizada com 2.000 pessoas, via internet, 39,3% da população consideram o governo de presidente Jair Bolsonaro ruim ou péssimo, enquanto 31% aprovam a gestão como ótima ou boa. Outros 25,4% avaliam como regular o governo e 2,3% não responderam. O nível de confiança da pesquisa Atlas Político é de 95%.

O instituto de pesquisa pontua que a taxa de desaprovação é a maior da série de levantamentos com a mesma metodologia, feita desde fevereiro. No levantamento anterior, realizado em junho, a desaprovação a Bolsonaro como presidente correspondia a 37,4% dos entrevistados, enquanto a aprovação era considerada por 30,4% e 29,8% consideravam a gestão regular.

Lava Jato, Moro e Intercept 

A popularidade do ministro da Justiça e ex-juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, oscilou dentro da margem de erro do resultado anterior e foi considerada positiva para 51,4% dos entrevistados na entrevista mais recente, contra 40,8% que consideram sua imagem negativa, Outros 7,8% não responderam.

Em abril, Moro era avaliado positivamente por 61,5% dos entrevistados, sofrendo a maior queda em junho (50,4%), em pesquisa feita dez dias após o início das série de reportagens divulgadas pelo The Intercept Brasil, revelando a atuação promíscua entre o então juiz da 13ª Vara de Curitiba, responsável por julgar os casos da Lava Jato, e os procuradores da força-tarefa, que atuavam como órgão de acusação nos casos.

O Atlas Político destaca ainda que 78,6% dos entrevistados chegaram a conhecer as conversas divulgadas pelo site The Intercept Brasil. Quando perguntados se, na opinião deles, Sérgio Moro cometeu abusos no comando da 13ª Vara de Curitiba, na condução dos processos contra o ex-presidente Lula, 44,4% responderam que sim, Moro cometeu abusos. Outros 43,8% consideram que o ex-juiz não cometeu abusos e 11,8% não responderam.

Leia também:  Presidente da Fundação Palmares exclui Marina Silva da galeria de personalidades negras

Foi perguntado também aos entrevistados se consideram correta ou incorreta a prática de um juiz aconselhar e manter conversas privadas com membros da acusação ou da defesa de um réu, sem o conhecimento da parte adversa. Para 55,3% é incorreto contra 31,2% que consideram correto. Outros 13,5% não responderam.

O princípio da imparcialidade do juiz é uma exigência do Código de Ética Da Magistratura, que no capítulo III, artigos 8º e 9º, destaca:

“O magistrado imparcial é aquele que busca nas provas a verdade dos fatos, com objetividade e fundamento, mantendo ao longo de todo o processo uma distância equivalente das partes, e evita todo o tipo de comportamento que possa refletir favoritismo, predisposição ou preconceito”. E, ainda que “ao magistrado, no desempenho de sua atividade, cumpre dispensar às partes igualdade de tratamento, vedada qualquer espécie de injustificada discriminação.”

O Atlas Político também perguntou sobre a autenticidade das conversas reveladas pelo The Intercept: 41,8% acreditam que são autênticas, enquanto 32,7% acreditam que elas foram alteradas. Outros 25,5% não responderam.

O instituto de pesquisa perguntou ainda se os jornalistas responsáveis pela cobertura das conversas vazadas por hackers deveriam sofrer alguma penalidade judicial: 45,6% responderam que não, contra 34,2% que são a favor de punição judicial – 20,2% não responderam.

Ao serem questionados se favoráveis ou não a deportação do jornalista Glenn Greenwald, diretor de redação do The Intercept Brasil, 47,8% responderam que são contrários à medida. Outros 27,9% responderam que são favoráveis e 24,3% não responderam.

Leia também:  Honoris Causa a Lula: Universidade Estadual de Alagoas vai recorrer da cassação judicial do título

Lula e sua prisão

A avaliação de Lula foi positiva para 33,2% dos entrevistados, 11,8% não responderam e 55% consideram de maneira negativa a imagem do ex-presidente.

Quando perguntados se contra ou a favor da prisão de Lula, 51,7% disseram que são favoráveis, outros 37,4% que são contra e 10,9% não responderam.

Veja a seguir a pesquisa na íntegra:

Atlas BR 073119

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Sei sei, pesquisa via internet ..aonde ? na região SUL, SC ? ..junto a classe média?
    Como pode o GGN se prestar a divulgar isso ?

  2. Nassif: num tô defendendo daBala. Mas também não posso deixa-lo ao relento. Ele, já te disse, não é causa. É consequência. Representa o que de melhor, intelectualmente falando, AgulhasNegras pode oferecer. Neste caso, a discussão do mérito se desloca pra outro foco. Já imaginou o pior deles? Do geito como estão no Planalto, povoando os altos postos administrativos do Executivo com milicos por lá graduados, imagine o que virá. Schopenhauer, com todo seu pessimismo, dizia que soldado de exército só sabe falar sobre mulher e cavalo. Assim mesmo, mal. Tão ai os VerdeSauvas…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome