Bolsonaro ameaça demitir quem falar de taxar energia solar

Embora critique a atuação de lobistas sobre o tema, presidente cedeu à bancada do agronegócio - e à leitura de um artigo elaborado por representante da ABGD

Jornal GGN – O presidente Jair Bolsonaro voltou a descartar a taxação de energia solar no Brasil, chegando ao ponto de ameaçar de demissão quem falar sobre o tema no governo.

“[Sobre a energia solar] Eu que estava pagando o pato e eu decidi: Ninguém mais conversa, eu que sou o presidente. Se alguém conversar eu demito, cartão vermelho. E decidi, acertando com (o presidente do Senado, Davi) Alcolumbre e (o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo) Maia, tanto que Aneel, pelo que ouvi ontem, não vai mais taxar”, afirmou, segundo informações do jornal Folha de São Paulo.

O presidente também criticou a atuação de lobistas a respeito do tema, afirmando que o povo “tá com cara de tacho de tanto ser taxado no Brasil”. Segundo ele, não existe negociação “para atender qualquer grupo de lobistas”. A não taxação também é defendida por Maia e por Alcolumbre.

Por trás da posição de Bolsonaro sobre a não taxação da energia solar (e a consequente briga com a equipe econômica), está o lobby do setor e a pressão da bancada do agronegócio, que vinham tentando convencer o presidente da decisão sem muito resultado – a FPA (Frente Parlamentar do Agronegócio) já encaminhou à Presidência da República sua rejeição à tributação da energia solar.

Porém, dados da mesma Folha de São Paulo mostram que a mudança de percepção só veio depois de ler um artigo e conversar com seu autor: Heber Galarce, relações governamentais da ABGD (Associação Brasileira de Geração Distribuída) e integrante do grupo de trabalho SOS Geração Distribuída.

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome