Capitalismo e Ideologia, o novo livro de Thomas Piketty

“Capitalismo e Ideologia” é dividido em quatro blocos: regimes inigualitários na história, escravidão e sociedades coloniais, a grande transformação do século XX e as dimensões do conflito político

do Democracy Now Brasil, em sua página no Facebook

Capitalismo e Ideologia, o novo livro de Thomas Piketty

Tradução de César Locatelli

“Toda sociedade humana deve justificar suas desigualdades.”

“A partir dessa análise histórica, emerge uma conclusão importante: é a luta pela igualdade e pela educação que permitiu o desenvolvimento econômico e o progresso humano, e não a sacralização da propriedade, estabilidade e desigualdade.”

“Retomando o fio da história, numa perspectiva multidisciplinar, é possível chegar a uma narrativa mais equilibrada e delinear os contornos de um novo socialismo participativo para o século XXI, isto é, imaginar um novo horizonte igualitário com um objetivo universal, uma nova ideologia de igualdade, de propriedade social, de educação e de compartilhamento de conhecimentos e poderes, mais otimista sobre da natureza humana, e também mais preciso e convincente do que as narrativas precedentes, porque melhor ancorado nas lições da história global.”

O novo livro do autor “O Capital no século XXI” está previsto para chegar às livrarias no dia 12 de setembro próximo. “Capitalismo e Ideologia” é dividido em quatro blocos: regimes inigualitários na história, escravidão e sociedades coloniais, a grande transformação do século XX e as dimensões do conflito político. A publicação é de Les Editions du Seuil, com 1232 páginas.

Segue um trecho da Introdução:

Toda sociedade humana deve justificar suas desigualdades: devemos encontrar razões para elas, caso contrário, é todo o edifício político e social que se arrisca a entrar em colapso. Cada época produz, assim, um conjunto de discursos e ideologias contraditórios, que visam legitimar a desigualdade, da forma como ela existe ou deveria existir, e descrever as regras econômicas, sociais e políticas para estruturar o conjunto todo.

Desse confronto, que é ao mesmo tempo intelectual, institucional e político, geralmente surgem uma ou mais narrativas dominantes, nas quais se baseiam os regimes inigualitários.

Nas sociedades contemporâneas, isso inclui a narrativa ‘proprietarista’, empreendedorista e meritocrática: a desigualdade moderna é justa, porque decorre de um processo de livre escolha, no qual todos têm as mesmas oportunidades de ter acesso ao mercado e à propriedade, e onde todos espontaneamente se beneficiam das acumulações dos mais ricos, que também são os mais empreendedores, os mais merecedores e os mais úteis.

Leia também:  As pontas soltas da operação que matou miliciano na Bahia

Isso nos colocaria em situação oposta da desigualdade nas sociedades antigas, que se baseavam em disparidades estatutárias rígidas, arbitrárias e muitas vezes despóticas.

O problema é que essa grande narrativa ‘proprietarista’, e meritocrática, que teve seu primeiro momento de glória no século XIX, após o colapso das sociedades da ordem do Antigo Regime, e após uma reformulação radical e em escala mundial desde o final do século XX, em seguida à queda do comunismo soviético e o triunfo do hipercapitalismo, parece cada vez mais frágil.

Isso leva a contradições, cujas formas são certamente muito diferentes na Europa e nos Estados Unidos, Índia e Brasil, China e África do Sul, Venezuela e Oriente Médio.

No entanto, essas diferentes trajetórias, decorrentes de histórias específicas e parcialmente conectadas, estão no início do século XXI cada vez mais intimamente ligadas entre si.

Somente uma perspectiva transnacional pode ajudar a entender melhor essas fragilidades e a considerar a reconstrução de uma narrativa alternativa.

De fato, o aumento das desigualdades socioeconômicas é percebido em quase todas as regiões do mundo desde as décadas de 1980 e 1990. Em alguns casos, adquiriu proporções tão grandes que está se tornando cada vez mais difícil justificá-las em nome do interesse geral.

Há também por todo lado, além disso, um abismo escancarado entre as proclamações meritocráticas oficiais e as realidades enfrentadas pelos menos favorecidos em termos de acesso à educação e à riqueza.

O discurso meritocrático e empreendedorista, muitas vezes, aparece como uma maneira conveniente para os vencedores do sistema econômico atual justificarem qualquer nível de desigualdade, sem sequer ter que examiná-lo, e estigmatizarem os perdedores por sua falta de mérito, de virtude e de diligência.

Essa culpa dos mais pobres não existia, ou, pelo menos, não de forma tão ampla, nos regimes inigualitários anteriores, que insistiam mais na complementaridade funcional entre os diferentes grupos sociais.

Leia também:  Sócios da Yacows convocados para depor na CPMI das Fake News

A desigualdade moderna também é caracterizada por um conjunto de práticas discriminatórias e desigualdades estatutárias e etno religiosas cuja violência é mal descrita pelo conto de fadas meritocrático, e que nos aproxima das formas mais brutais das velhas desigualdades que reivindicamos para nos distinguir.

Podemos citar as discriminações enfrentadas por quem não tem casa ou vem de certos bairros e origens. Também pensamos nos migrantes que se afogam.

Diante dessas contradições, e por falta de um novo horizonte universalista e igualitário credível para enfrentar os desafios da desigualdade, da migração e do clima à frente, é de se temer que a regressão identitária e nacionalista se torne cada vez mais uma grande narrativa substitutiva, como foi visto na Europa durante a primeira metade do século XX, e como se manifesta novamente no início do século XXI em diferentes partes do mundo.

Foi a Primeira Guerra Mundial que lançou o movimento de destruição e, em seguida, de redefinição da globalização comercial e financeira muito desigual em curso na “Belle Epoque” (1880-1914), época que parecia “belle” somente em comparação com as explosões de violência que se seguiram, e que o era verdadeiramente para os proprietários e, particularmente, para o homem branco proprietário.

Se não transformarmos profundamente o sistema econômico atual para torná-lo menos desigual, mais equitativo e mais sustentável, tanto entre os países quanto dentro dos países, então o “populismo” xenófobo e seus possíveis sucessos eleitorais futuros poderão começar, muito rapidamente, o movimento de destruição da globalização hipercapitalista e digital dos anos 1990 a 2020. Para afastar esse risco, o conhecimento e a história continuam sendo nossos melhores trunfos.

Toda sociedade humana precisa justificar suas desigualdades, e essas justificativas sempre contêm sua parcela de verdade e exagero, imaginação e baixeza, idealismo e egoísmo. Um regime inigualitário, conforme definido nesta pesquisa, caracteriza-se por um conjunto de discursos e arranjos institucionais que visam justificar e estruturar as desigualdades econômicas, sociais e políticas de uma determinada sociedade.

Leia também:  Visão econômica de Guedes explica conformismo, por Marcos Augusto Gonçalves

Cada regime tem suas fraquezas e só pode sobreviver se redefinindo constantemente, geralmente de maneira violenta e conflituosa, mas também apoiando-se em experiências e conhecimentos compartilhados.

Este livro tem por objeto a história e o futuro de regimes desiguais. Ao reunir materiais históricos relativos a sociedades distantes umas das outras e que, na maioria das vezes, se ignoram ou recusam a se comparar umas às outras, espero contribuir para uma melhor compreensão das transformações em andamento, de uma perspectiva global e transnacional.

A partir dessa análise histórica, emerge uma conclusão importante: é a luta pela igualdade e pela educação que permitiu o desenvolvimento econômico e o progresso humano, e não a sacralização da propriedade, estabilidade e desigualdade.

A nova narrativa hiperinigualitária que surgiu desde as décadas de 1980 e 1990 é parcialmente o produto da história e do desastre comunistas. Mas, essa narrativa, também é fruto da ignorância e da divisão do conhecimento, e ela contribuiu amplamente para nutrir o fatalismo e as correntes identitárias atuais.

Retomando o fio da história, numa perspectiva multidisciplinar, é possível chegar a uma narrativa mais equilibrada e delinear os contornos de um novo socialismo participativo para o século XXI, isto é, imaginar um novo horizonte igualitário com um objetivo universal, uma nova ideologia de igualdade, de propriedade social, de educação e de compartilhamento de conhecimentos e poderes, mais otimista sobre da natureza humana, e também mais preciso e convincente do que as narrativas precedentes, porque melhor ancorado nas lições da história global.

Compete, é claro, a cada um julgar e se apoderar dessas poucas lições, frágeis e provisórias, para transformá-las e conduzi-las ainda mais longe.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Eis o tema central de nosso tempo: a desigualdade. De nosso tempo porque as distâncias avançam assustadoramente, a hubris humana arrasta tudo para a barbárie, que deixou de ser retórica, ela já está aqui ao nosso lado. O mundo assusta e uma imensa espada de Damacles acompanha a terra em sua órbita.A civilização afunda em mazelas como a desigualdade. A raiz do problema é o capitalismo em sua forma global e financeira. Em sua lógica de acumulação não existe lugar para solidariedade e empatia. O que fazer? Ninguém tem a resposta, nem Marx nem Deus.
    Vou ler o livro sabendo que não encontrarei saídas mas a consciência desta realidade já é revolucionária. E o Brasil merece um case a parte, aqui naturalizamos a escravidão.

  2. Talvez seja o caso de relembrar ao prof. Piketty que não estamos mais em época de utopia. Aliás, prefiro a de Thomas Morus.
    Uma pergunta, por que ainda, prof., esse Anticomunismo disfarçado de cientificismo. Tanto a desigualdade, quanto a igualdade são produtos históricos. Na verdade, foi exatamente isso que o sr. não entendeu em Marx quando o acusa de apocalíptico.
    Eu lhe recomendaria estudar a Economia Política para entender como é possível existir ciência mesmo quando a sociedade é constituída de classes, já que, no caso da sociedade burguesa, lá pelo final do século XVIII e início do XIX o progresso resultou exatamente do antagonismo de classe. E para o conhecimento atingir um grau de ciência necessário se faz necessário estar comprometido com o progresso, mesmo quando, ou sobretudo, o desenvolvimento social depende de uma revolução. A manutenção da desigualdade pela violência é o único recurso que resta aos que assaltam o poder político em nossos dias. Desigualdade agora significa atraso, destruição. A liberação do trabalho de sua forma capitalista é condição do desenvolvimento. Conditio sine qua non, aliás!
    Manter os meios de produção em mãos incompetentes para tocá-las já atingiu o estágio da barbárie. Não quero ser malcriado, mas o prof. não entende do termo que ele mais usa que é desigualdade. A humanidade já dispõe de forças produtivas mais do que suficientes para estabelecer como palavra de ordem
    o que tem dito o sociólogo Jean Ziegles: “É preciso destruir o capitalismo”. A burguesia foi categórica quando se tratou de destruir o feudalismo, e seu postulado teórico fundamental tinha muita semelhança com o que tem dito Ziegler.

    2
    1
    • Ei, poderia me explicar o que quis dizer com isso “A humanidade já dispõe de forças produtivas mais do que suficientes para estabelecer como palavra de ordem”, essas forças seriam a violência? A repressão? Não entendi muito bem. Obrigada.

    • Eu li o primeiro livro do Piketty e achei, no geral, muito bom. Aguardo ansioso a versão em Português dessa sua nova obra. O socialismo como ponte para o comunismo era o que se propunha, o problema sempre foi que estagnava no socialismo autoritário de estado. Ninguém ainda tem “a solução” para a redução das desumanidades (vou ampliar o alcance de “desigualdade” para não ser tão tecnicista) e evidentemente ela só virá com várias contribuições de diferentes setores da sociedade, paulatinamente. Assim como a democracia sempre será um “está por vir” (Dewey), um sistema sócio-econômico também. Suas propostas não são “a chave para as soluções”, mas tem o louvável mérito (além do conhecimento acadêmico claro) de se arriscar a propor algumas coisas. E um “socialismo participativo” pode evoluir a um comunismo democrático pois não esquece o fundamental EDUCAÇÃO. Sem mudar a cultura não se muda uma sociedade. Como a história demonstra, querer impôr “o meu sistema justo” para todos foi desastroso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome