Datafolha: Haddad venceria Bolsonaro se eleição fosse hoje por 42% a 36%

Pesquisa confirma deterioração da imagem do presidente após 8 meses de gestão; Bolsonaro disse querer concorrer a reeleição em 2022

Fernando Haddad. Foto: Arquivo/Agência Brasil

Jornal GGN – Em outubro do ano passado, Jair Bolsonaro (PSL) venceu Fernando Haddad (PT) nas eleições presidenciais com uma diferença de dez pontos (55,13% contra 44,87%) dos votos válidos, excluindo brancos, nulos e indecisos.

Passados oito meses de gestão, o Datafolha divulga que, se o segundo turno fosse hoje, Haddad seria eleito com 42% dos votos contra 36% do capitão da reserva.

O instituto de pesquisa ouviu 2.878 pessoas entre 29 e 30 de agosto, maiores de 16 anos em 175 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%. No levantamento, 18% disseram que votariam branco ou nulo e 4% não souberam responder.

O Datafolha mostra ainda que a rejeição de Bolsonaro como presidente passou de 33% para 38% em relação ao levantamento feito em julho. Já a aprovação de Bolsonaro variou para baixo, ainda dentro do limite da margem de erro de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, passando de 33% em julho para 29% na pesquisa mais recente. A avaliação do governo ficou estável, passando de 31% para 30%.

Entre os que declararam preferência por Bolsonaro no ano passado, 74% afirmam na pesquisa mais recente que se a eleição fosse hoje manteriam seu voto no capitão da reserva, outros 10% migrariam o voto para Haddad e 13% votariam branco ou nulo.

Já entre os que votaram em Haddad em outubro passado, 88% manteriam o voto, 4% mudariam para Bolsonaro e 6% votariam nulo ou branco.

Entre os que votaram branco ou nulo na eleição passada, 68% manteriam sua decisão. Outros 21% votariam hoje em Haddad e 6% em Bolsonaro.

Leia também:  Lula, Ciro & Marta, por Patrícia Valim

A pesquisa Datafolha aponta ainda que Haddad abre vantagem em diferentes segmentos da sociedade, caso o segundo turno fosse hoje.

Entre os desempregados, o petista teria 52% dos votos e Bolsonaro 26% – 19% votariam branco ou nulo. Entre os empresários, Bolsonaro venceria com 61% dos votos e Haddad teria 26%.

Entre os aposentados, Bolsonaro seria eleito com 43% contra 33% de Haddad. Mas entre os estudantes Haddad venceria, por 50 a 32%. No grupo de jovens entre 16 e 24%, Haddad apresenta vantagem chegando a 51% contra 31% das intenções de voto. Bolsonaro, porém, ainda venceria na população acima de 60 anos: por 34% a 41%.

Entre os pardos (43% a 36%), pretos (53% a 26%), amarelos (44% a 30%) e indígenas (40% a 34%), Haddad venceria se as eleições fossem hoje. O petista perderia apenas entre os brancos (36% a 43%).

Já entre os evangélicos, Bolsonaro sairia vitorioso novamente com 47% das intenções de voto contra 32%. Haddad, porém, manteria a preferência entre os católicos, 46% a 33%.

A reportagem da Folha lembra que o presidente Bolsonaro tem intenção de concorrer a reeleição em 2022. “Pegamos um país quebrado moral, ética e economicamente, mas se Deus quiser nós conseguiremos entregá-lo muito melhor para quem nos suceder em 2026”, disse ele em julho passado.

Já o PT deve considerar lançar a candidatura de Fernando Haddad, principalmente se o ex-presidente Lula continuar preso em Curitiba.

*Com informações da Folha de S.Paulo 

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

9 comentários

  1. Em votos válidos teríamos 53,8% para Haddad e 46,1 para o atual ocupante da presidência da República. Praticamente o mesmo resultado do segundo turno com os sinais trocados.
    Mesmo assim,se analisarmos com frieza,diante de tanto descalabro deste pseudo governo, as alterações foram mínimas já que em disputa de dois,cada ponto conta em dobro.
    Agora,está predominância do atual ocupante da presidência entre os aposentados e os mais velhos é o resultado de anos de ditadura na (des)formação da sociedade brasileira.
    Essa gente pode até achar que está tranquila mas esta não é a realidade.
    Sequer a aposentadoria deles está garantida .
    De qualquer forma é bom ver que parte da zumbilândia ,ainda que momentâneamente,parece estar acordando deste transe em que se encontra desde 2014.
    Esperar que este feitiço tem se encerrado de vez.

  2. Chocante é saber que mesmo depois de tantos absurdos, essa coisa ainda é aprovada por mais de 30% da população!!! Se prestassem atenção ao que vem acontecendo no país, o cara teria menos de 5%.

  3. Essas pesquisas servem apenas pra afagar o ego de desavisados. Resultado não leva em conta as FakeNews que vão continuar a existir e os os interesses da velha e carcomida imprensa brasileira.

  4. Água de salsicha…..a desgraça já tá feita e o pior…..neguinho ainda votaria na escumalha, mesmo tendo a aposentadoria destruída, o salário mínimo aviltado, a educação dizimada, a violência disseminada, a floresta fulminada…
    Em vez de fazer essas pesquisas que não levam a lugar nenhum, deveriam pesquisar a cabeça dessas pessoas……

  5. Essas eleições foram fraudadas. Como explicar a derrota ao Senado do Suplicy, Dilma e Requião, eles eram lideres isolados e estavam praticamente eleitos. Quando saiu o resultado eles estavam em 3° ou 4° lugar para as duas vagas do Senado.
    Não acredito nessa história de urnas eletrônicas serem seguras.

    • Boto fé. Quem confia no judiciário brasileiro? Não foi um tribunal eleitoral que condenou Haddad à prisão?

      Quanto à pesquisa, o pessoal faz pesquisa sociológica, pesquisa estatística, pesquisa antropológica, pesquisa histórica e não sabe o que fazer.

      A questão é que sem pesquisa nenhuma, o caminho é óbvio:

      FORA BOLSONARO! ELEIÇÕES GERAIS! LIBERDADE PARA LULA!

  6. Este resultado da pesquisa por levar a interpretações enganosas. Sabe-se que o resultado depende de como é feita a pergunta. Neste caso, o Datafolha deu ao pesquisado três opções: Bolsonaro ou Haddad ou Nenhum. Pelo resultado, alguns propagandistas do PT estão afirmando que o antipetismo esvaiu-se… Falácia pura.
    Em meu entendimento, a pesquisa correta deveria apresentar os 13 candidatos, para que o eleitor se posicionasse novamente, depois de experimentar Bolsonaro. Neste contexto NÃO INDUZIDO, o desempenho de Haddad poderia refletir o antipetismo ainda latente na sociedade.

  7. Fico a perguntar aos meus estupefatos botões:Por que a Data Falha não fez a pesquisa colocando Lula no lugar de Haddad?Ouço ao longe o estampido da voz de Ciro Gomes:Lula está preso babaca.É,faz sentido.

  8. Não sei o porque dessa pesquisa. Não me lembro de pesquisa tipo essa em eleições passadas. Se o país não se unir vamos ficar parados. A eleição já terminou a bastante tempo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome