Delator de Cristiano Zanin é assistido pelas advogadas de Bolsonaro

Marcelo Bretas é "vinculado ao presidente Jair Bolsonaro e sua decisão" é "em favor de um delator assistido por advogados ligados a Flavio Bolsonaro. A situação fala por si só"

Jornal GGN – O advogado de Lula, Cristiano Zanin, emitiu nota à imprensa na manhã desta quarta (9) afirmando que a operação “E$quema S”, da Lava Jato do Rio de Janeiro, é uma “retaliação” e “clara tentativa de intimidação do Estado brasileiro pelo meu trabalho como advogado.” Zanin e Roberto Teixeira foram denunciados ao mesmo tempo que a Polícia Federal fazia busca e apreensão em seus endereços.

Zanin afirmou em nota que o juiz que autorizou a busca e apreensão, Marcelo Bretas, “é notoriamente vinculado ao presidente Jair Bolsonaro e sua decisão no caso concreto está vinculada ao trabalho desenvolvido em favor de um delator assistido por advogados ligados ao Senador Flavio Bolsonaro. A situação fala por si só.”

A delação premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da Fecomercio, é assinada pelas advogadas Juliana Bierrenbach Bonetti e Ana Heymann Arruti, do escritório Bierrenbach & Pires Advogados. A banca assumiu a defesa de Flávio Bolsonaro no caso Queiroz.

Diniz, preso em 2018, acusou Zanin e Roberto Teixeira de terem “capitaneado” uma “organização criminosa” que supostamente desviou 155 milhões de reais do Sistema S a título de honorários advocatícios para vários escritórios. Diniz, enquanto presidente da Fecomercio/RJ, contratou a banca em 2012 e, agora, a Lava Jato afirma que serviços não foram prestados.

Zanin rechaçou a acusação na nota oficial. “De acordo com laudo elaborado em 2018 por auditores independentes, todos os serviços prestados à Fecomércio/RJ pelo meu escritório entre 2011 e 2018 estão devidamente documentados em sistema auditável e envolveram 77 (setenta e sete) profissionais e consumiram 12.474 (doze mil, quatrocentas e setenta e quatro) horas de trabalho. Cerca de 1.400 (mil e quatrocentas) petições estão arquivadas em nosso sistema.”

Leia também:  Fachin pede opinião da Lava Jato sobre acesso de Lula a acordo com EUA

Abaixo, a nota completa.

nota oficial zanin

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Já vou comentando sem lê a matéria, depois eu leio.

    Começou a disputa pela vaga de Celso de Melo, Bretas tá na disputa e não é nenhum cavalo paraguaio não.
    Depois do afastamento Witzel e de suas ligações com o mesmo era mais que hora de mostrar serviço ao tirano de plantão, de um lado espremendo Lula/PT via Zanin para agradar Bozo, especialmente depois do pronunciamento com chefe de estado do Lula, mas também fazendo busca e apreensão com Wassef numa espécie de chantagem ao chefe, tipo: se não me der eu espremo ele e vai ser pior prá vocês.
    O marombado do Rio parece ser um elefante; Joga sujo e pesado para conseguir o que quer.
    Pronto, agora vou ler.

  2. O STF concede à defesa do Lula o acesso à leniência da Odebrecht. O STF “dá com uma mão”, mas a busca e apreensão do Bretas “resgata” as eventuais provas contra a LJ do escritório da defesa????

  3. A fraude a jato não quer deixar as biografias em paz. Sabe que está retornando para o esgoto que nunca deveria ter saído, mas nao se cansa de tentar manchar reputações.
    Mas tenho uma duvida: nada provado, esta violação fica por isso mesmo? Juizes e delatores nao serao chamados a se explicar? Cabendo aos delatores a prisão e aos juízes a missão de inocentar publicamente as vitimas da calúnia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome