Lula e Zelensky na Time, a voz do líder, por Luis Nassif

A Rússia invade a Ucrânia. A invasão é utilizada para reforçar o sentimento anti-Rússia no mundo.

No Twitter, a direita critica Lula por ter declarado, em entrevista ao Time, que o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelensky, é tão responsável pela guerra quanto o da Rússia, Vladimir Putin.

Imediatamente, tornou-se a manchete dos principais jornais e o alvo dos principais ataques. É uma declaração surpreendente, não pela lógica, mas pela oportunidade. Mostra que Lula não parece disposto a seguir a onda da mídia na campanha.

Qualquer pessoa medianamente informada saberá avaliar a responsabilidade de Zelensky – sem reduzir a responsabilidade de Putin. Em 2014, houve um golpe de Estado na Ucrânia, similar ao do impeachment de Dilma. Saiu um presidente que não se alinhava com os Estados Unidos/OTAN, entrou outro alinhado. Depois, houve um período de preparação de um candidato que representasse a antipolítica e mantivesse o alinhamento.

Desde os anos 90, havia alerta quanto aos propósitos expansionistas da OTAN. O próprio Henry Kissinger alertara sobre os riscos de isolar a Rússia. A adesão da Ucrânia à OTAN significaria colocar bombas nucleares da OTAN a 15 minutos de Moscou.

Era evidente que a manobra não seria aceita passivamente pela Rússia. Independentemente dos propósitos imperiais de Putin, é uma ameaça concreta à segurança do país, como foram para os Estados Unidos os foguetes russos instalados em Cuba.

A Rússia invade a Ucrânia. A invasão é utilizada para reforçar o sentimento anti-Rússia no mundo. EUA, OTAN, europeus, em vez de pressionar a Rússia para um acordo de paz, enviam armamentos para a Ucrânia – sabendo que se tratava de uma guerra perdida. A intenção dupla é infringir o máximo de prejuízos à Rússia e usar a tragédia da guerra como arma de propaganda. À custa da morte de ucranianos.

É esse o roteiro seguido por Zelensky, apresentado como “o heróico comediante” por analistas sem noção. Seu grande heroísmo é se apresentar em lives para palcos mundiais, enquanto soldados e população civil ucraniana morrem, assim como soldados russos. Mesmo que no final da história haja um acordo de paz que garanta a autonomia da Ucrânia e a independência de dois territórios.

Ao constatar o óbvio, e investir contra essa orquestração mundial da mídia, ainda mais em uma revista norte-americana, Lula mostra que não abdicou de sua condição de uma das vozes fundamentais na busca do bom senso mundial – ao lado do Papa.

Leia também:

Na revista Time, Lula mostra a face de estadista e exala confiança de que o Brasil tem jeito

19 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LidiaZ

- 2022-05-06 21:04:08

Zelensky descrito por uma jornalista ucraniana https://consortiumnews.com/2022/04/29/ukraine-the-real-zelensky/

João Batista Marinho de Castro Lima

- 2022-05-05 17:24:48

Lula tem que mandar a mídia golpista e direitista para aquele lugar. Falar o que pensa com sensatez, como foi nessa entrevista e não perguntar ao estadão ou estadinho, extrema direita assumida, e os outros (Globo, FSP, etc.), extrema-direita enrustida, o que deve falar ou não. É como perguntar ao inimigo o que fazer.

LidiaZ

- 2022-05-05 16:23:08

O terceiro ganho dos integrantes da Otan é desovar material bélico obsoleto e aumentar as vendas da indústria bélica estounidense. Por exemplo, os blindados anti-aereos Gepard que Alemanha vai repassar a Ucrânia estão parados desde 2011; para serem usados, leva um ano para as tropas aprenderem a usa-los e a Suíça, que fabrica os foguetespara os Gepard, não autoriza sua reexportação. https://www.moonofalabama.org/2022/04/politico-germany-approves-tank-sales-to-ukraine-bowing-to-pressure.html

Marcio

- 2022-05-05 11:46:40

O PIG está Apavorado ......O Lula não se deixa Pautar ....

Francisco Lacerda

- 2022-05-05 10:14:25

Lógica de quem está em alerta com visão. e perfeito entendimento da realidade global

José Carvalho

- 2022-05-05 09:19:50

Nenhum esforço foi feito pelas nações mais desenvolvidas para evitar esse acontecimento. Todos têm igual responsabilidade (talvez não motivos) nessa questão. Como tem sido noticiado, as tensões vem aumentando há bastante tempo e todo mundo sabia qual era o risco. As questões geopolíticas estão no centro de tudo isso, principalmente quando disputas econômicas ocorrem em paralelo, nesse novo dimensionamento de todas essas questões no planeta. Depois que o conflito deu início e os estragos estão em andamento, nenhum empenho diplomático com maior participação tem recebido interesse. Existe o perigo de um desdobramento envolvendo mais países no combate. Não existe boa ponderação para trabalhar uma saída que proteja todos. Oferecendo garantias de recuperação para a Ucrânia e a paralisação desse avanço da OTAN cercando a Rússia. Ninguém aceita se sentir ameaçado, está faltando sobriedade a todos. Se desde o início da controvérsia houvesse razoabilidade entre todos os envolvidos o mundo não estaria com esse problema.

Sergio Navas

- 2022-05-05 08:22:09

A suposta elite tupiniquim, preconceituosa até a medula, se indigna quando se critica o tiririca ariano.

Rui Ribeiro

- 2022-05-04 23:12:12

Sr. Arlérico, time is money. 10 minutos de diferença dá pra rastrear e abater um míssil antes que ele atinja o alvo.

AMBAR

- 2022-05-04 19:39:23

Lula, finalmente falou como Lula: um estadista experiente que tem visão geopolítica abrangente. Foi cirúrgico e imparcial nas suas ponderações. Oxalá não demore tanto essa guerra a ponto de ter que esperar a intervenção de Lula para um acordo de paz. Ele por certo está capacitado para tanto.

Sérgio

- 2022-05-04 17:42:52

Apenas disse o óbvio o que é cristalino como as águas do Caribe. Somente os bobos ou mal o intencionados não enxergam. A guerra é entre otan-eua-europa contra a Rússia. A Ucrânia e apenas o fantoche nas mãos dos espertos. Enquanto o presidente ucraniano cumpre seu papel de bobo da corte o povo ucraniano sofre e de leva gera uma crise mundial com grande probabilidade de levar o mundo a beira do precipício.

José de Almeida Bispo

- 2022-05-04 15:30:10

O armamentismo ucraniano é, acima de tudo uma armadilha pra Moscou. Para que Moscou mostre às claras todo o seu potencial destrutivo e aí promover a virada. HITLER USOU ESSA ESTRATÉGIA NA POLÔNIA quando acordou com os soviéticos: melhor estudar o inimigo. Quando Stalin abriu o olho,a BARBAROSSA tinha engolido a Bielorússia, a própria Ucrânia e estava há poucos quilômetros de Leningrado e de Moscou. É também provocação para algo muito maior. Coisa que "os povos do mar" sabem muito bem fazer, desde que destruíram a civilização da Era do Bronze.

jucemir rodrigues da silva

- 2022-05-04 15:10:37

Qualquer pessoa medianamente informada saberá avaliar a responsabilidade dos governos dos Estados Unidos na guerra entre Rússia e Ucrânia... De fato o conflito é Rússia versus EUA/OTAN/República Ucraniana do Pau Mandado. No ponto decisivo, Lula segue na onda da grande mídia. O resto é conversa pra boi dormir.

Arlérico

- 2022-05-04 15:02:43

E outra, que diferençca faz um missil da Otan estar na Polônia ou na Ucrania? 10 minutos a mais pra atingir um alvo em Moscou? A esquerda perdeu de vez a mão, e o Nassif embarcou nessa.

Caio Sampaio

- 2022-05-04 14:56:54

O que o Lula disse é o mesmo que muita gente diz quando uma mulher sai andando na rua com vestido decotado, sainha curta, chamando a atenção de todos os homens. Se ela for estuprada não vai poder reclamar, ela pediu por isso.... O Nassif, no caso da Ucrânia, vem praticando o mesmo jornalismo unilateral que critica na grande imprensa. É evidente que Zelenski e os EUA tem muita responsabilidade ao não negociar com a Rússia. Agora, atribuir a eles a mesma responsabilidade que o país agressor tem é um total absurdo...... É o mesmo que afirmar que a mulher sedutora e o estuprador tem a mesma responsabilidade. Além disso, afirmar que o golpe de 2014 na Ucrânia foi feito pelos USA é um tremendo exagero. Eles realmente apoiaram a derrubada do governo, mas existia enorme insatisfação interna da sociedade ucraniana. Para mim também é incompreensível que a Ucrania não tenha feito um acordo com a Russia antes do começo do ataque e muito mais agora que o país está todo destruído. Agora, como o governo ainda está de pé após 70 dias de guerra, e aos trancos e barrancos a Ucrania vai se defendendo como pode, a impressão que fica é que existe apoio interno à continuação da guerra.

Arlérico

- 2022-05-04 14:24:33

Pressionar a Russia para um acordo de paz?!?! Dou um pirulito pra quem acertar a chance do Putin aceitar um acordo de paz sob pressão da Otan (resposta: nenhuma).

SERGIO A B

- 2022-05-04 13:41:32

Ele é imprescindível. O outro, imprestável.

Rui

- 2022-05-04 13:06:44

O Lula queria que os Russos ficassem de braço cruzado enquanto a Ucrânia, que faz vista grossa ao massacre de Russos pelos neonazistas, tinha/tem a intenção de escancarar o seu território para a Otan encurralar a Rússia com seus mísseis?

Dimitri Tiomkin

- 2022-05-04 12:09:49

https://oglobo.globo.com/mundo/corpos-carbonizados-de-possiveis-soldados-russos-indicam-barbarie-em-vilarejo-da-ucrania-25499136 Nassif, no link acima texto do Gonzo Yan Boechat. No front Sul, a batalha na fábrica Azovstal parece atrair russos para armadilha narrativa do tipo Termópilas ou do Álamo de John Wayne (1960) onde a derrota é o sacrifício dos nazistas do batalhão Azov. Dirão os neocons "...lembrem-se de Azovstal em Mariupol" por supuesto. Curiosamente a canção Green leaves of Summer imortalizada por Brothers Four em Alamo, retornou nas telas no filme de Tarantino Bastardos Inglórios que é uma apologia à violência contra nazistas. Os olhos, dizia Jesus, são as janelas da alma, se o que vê são trevas, que trevas hão em ti? Melhor ouvir então https://www.youtube.com/watch?v=GRPPKZzClWE

ed.

- 2022-05-04 11:47:04

Sim, Zelensky e todo o chamado "ocidente" não moveram e não movem 1 milímetro de esforço pela paz. O máximo que fizeram foi propor um acordo à Rússia do tipo "aceita que dói menos", com relação à Ucrânia na Otan. Enquanto ele posa de herói estadista, aplaudido em parlamentos adolescentes, seu país é destruído, seus conterrâneos são mortos, miserabilizados ou partem em fuga. Tudo isso evidentemente pela indiscutida parte russa da culpa, que no entanto não é nem de longe exclusiva. Nenhuma ação de paz, apenas as de armar cada vez mais a "vítima" para que continue apanhando enquanto enfraquecem o agressor, o real busilis de tudo isso, até que encontrem outra oportunidade para fazê-lo com a China. Afinal, como Cartago e Roma, que ninguém se atreva a desafiar o império, ainda que seja um "gigante" tão minúsculo como Cuba. Aí, seu direito à "autodeterminação" e soberania nem existe...só se for à autodeterminação "certa"! Eles decidem... Um pré-acordo de paz evitaria tudo isso, mas Zelensky é apenas um agente à (infame) serviço que assegura que o ocidente jogue mais gasolina no fogo, uma chance dourada de isolar um dos mais relevantes países do mundo, seja lá qual for a avaliação que dele se faça, inclusive a de que são um povo de ~150 milhões de maus, insensíveis e mafiosos. Quanto à Lula, creio que se certas falas, ainda que corretas, podem ser inconvenientes à agregação de simpatia em certos momentos, como o de uma campanha eleitoral, refletem o desprendimento que o tornou um reconhecido estadista de nível internacional e talvez ajude muitos a repensar o mundo de uma forma um pouco menos rasa. O destaque dado pela míRdia empresarial a qualquer vírgula negativa em qualquer evento que o envolva e possa consagrá-lo já faz parte de sua história e sua luta, já que não representa os interesses escusos que a mesma defende. Neste ponto, o ideal seria para eles ter um bozo quietinho e calado, deixando o ridículo posto Ipiranga trabalhar na liquidação do país e seu povo de seres como domésticas querendo ir para a Disney com seus filhos querendo ir para a universidade. Que a luz da re-reconstrução seja vislumbrada neste 2 de outubro. Mais uma de algumas poucas neste nosso longo túnel de que um dia sairemos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador