Ex-ministro Sérgio Amaral morre aos 79 anos

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Ex-embaixador em Londres, Paris e Washington, diplomata também foi porta-voz do governo FHC, ministro e presidente do conselho do BNDES

Foto: MRE/Secom – via Agência Brasil

O ex-ministro e ex-embaixador brasileiro Sérgio Amaral faleceu na noite dessa quinta-feira (13/07) aos 79 anos, na cidade de São Paulo.

Amaral foi porta-voz do governo Fernando Henrique Cardoso, além de ter atuado como ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e presidente dos conselhos do BNDES e da Camex.

Além disso, Amaral foi embaixador em Londres (1999-2001), Paris (2003-2005) e Washington (2016-2019).

Formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduado em Ciência Política pela Universidade Paris-Sorbonne, o diplomata foi também professor de Relações Internacionais na Universidade de Brasília.

“Recebi com profundo pesar a notícia do falecimento do embaixador Sergio Amaral. Com extensa lista de serviços prestados ao país, Sergio Amaral já foi ministro do MDIC, presidente dos conselhos do BNDES e da Camex, além de porta-voz do governo FHC e embaixador do Brasil em Londres, Paris e Washington, deixando uma imensa contribuição para a diplomacia e o serviço público brasileiros. Meus sentimentos à família e amigos”, disse o vice-presidente e ministro Geraldo Alckmin nas redes sociais.

Em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores lamentou o falecimento de Sérgio Amaral, destacando seu trabalho como diplomata e ministro.

“Aos familiares e aos muitos amigos e amigas que o Embaixador cultivou ao longo da vida, o Ministro Mauro Vieira, em nome de toda a Casa, estende suas condolências e expressa seu reconhecimento por uma trajetória de relevantes serviços prestados ao Ministério das Relações Exteriores e ao Brasil, diz a instituição.

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador