Flávio Dino diz ser “uma honraria” ser o pior governador dos “paraíbas” na avaliação de Bolsonaro

Presidente pode ter cometido crime de responsabilidade por ter ofendido os nordestinos; “A cabeça dele é movida pelo confronto, e o coração, infelizmente, está possuído de ódios", reflete Dino

Governador do Maranhão Flávio Dino. Imagem: Reprodução

Da RBA

Ouvido pela “Folha de S.Paulo“, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), respondeu que é “uma honraria” ser chamado por Jair Bolsonaro de “pior governador” do Nordeste. “A cabeça dele é movida pelo confronto, e o coração, infelizmente, está possuído de ódios. Só sei que sou o pior dos gestores na visão dele, o que para mim é uma honraria”, afirmou Flávio Dino ao jornal.

Vídeo divulgado ontem (19) mostra o presidente escancarando preconceito ao chamar todos os estados nordestinos, de forma pejorativa, de “paraíbas” e fazendo referência direta a Dino: “daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão. Não tem que ter nada com esse cara”, disse o presidente. Sem perceber que estava sendo gravado Bolsonaro falava com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, minutos antes de uma coletiva de imprensa.

À “Folha” Dino disse ainda que ele e os demais governadores da região vão aguardar manifestação do Planalto sobre as declarações de Bolsonaro para avaliarem que medidas podem vir a tomar. “Como não conhecemos o contexto, fica até difícil entender.”

O governador, que foi juiz federal e presidente da associação que representa esta classe de magistrados, afirmou que, confirmada a referência pejorativa à região, Bolsonaro pode ter incorrido em crime de preconceito regional, equiparado ao de racismo e que há ainda, na ordem dada a Lorenzoni para “não ter nada para esse cara”, espaço para apontar desvio de finalidade na gestão por quebra de impessoalidade.

Leia também:  Imazon registra aumento de 66% no desmatamento da Amazônia Legal em julho

Em sua conta pessoal no Twitter, Flavio Dino afirma que espera explicações sobre as afirmações do presidente e que sua conduta é inconstitucional. “Neste vídeo, ouvi mais claramente o que disse o presidente da República. Parece chamar todos os nordestinos de ‘paraíba’ e me ameaça, com estranha raiva. Lamento e espero explicações, pois isso é algo realmente inédito e incompatível com a Constituição”, escreveu.

Impeachment?

O deputado Márcio Jerry (PCdoB-MA) também acha que Bolsonaro pode ter cometido crime de racismo e de responsabilidade, ao se referir a todos os nordestinos como “paraíbas” e que pretende entrar com representação junto à Procuradoria-Geral da República contra o presidente. “Representarei à PGR para apurar cometimento de crime comum, neste caso crimes de ameaça, contra a honra e racismo (“paraíbas”). Irei analisar também a existência de crime de responsabilidade”, disse o deputado Márcio Jerry (PCdoB).

A quebra de decoro pode ter como consequência um processo de impeachment, caso se confirme o crime de responsabilidade.

No mesmo evento em que ofendeu os nordestinos, Bolsonaro afirmou que “falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira” e usou informações falsas ao falar da jornalista Míriam Leitão, que nesta semana teve sua participação em uma feira do livro em Santa Catarina cancelada pela organização, após intensa pressão de bolsonaristas.

4 comentários

  1. Estou torcendo para o acordo com Cuba e o Nordeste brasileiro dar certo.
    Aqui no Sudeste a Saúde está um caos e eu mal posso esperar para ver o Nordeste despontar como a região mais bem atendida e assistida por bons médicos.
    Médicos que atendem as pessoas com boa vontade, olhando nos olhos e tratando como irmãos.
    Não esses filhinhos de papai, esnobes e nojentos que detestam pessoas humildes. Mal olham na cara dos pacientes, recusam-se a tocar nas pessoas e a pedir exames, para não onerar o SUS.
    Mais Médicos para o Nordeste, já!!! Para calar a boca imunda do Bozo!!!

  2. Indústria do Analfabetismo, Indústria da Pobreza, do Coitadismo , da Vitimização, da Seca. Será que é coincidência estar chovendo no Nordeste ‘aos baldes’? Deve ser ‘Padim Padi Ciço’ ou o Aquecimento Global?!! Ou será que foi espetacular AgroNegócio Brasileiro chegando ao Nordeste. Chegou o AgroNegócio ao Maranhão foram defenestrados todos Sarney’s e outras sarnas e outras pragas. Mas deve ser apenas coincidência. Como coincidência a eleição de um Governador de Esquerda. A ‘Eterna Pobreza’ criou consciência, através da ampliação e melhorias sociais e salarias produzidas pela AgroPecuária que se instalava. Ou Flavio Dino crê em coincidências e fatalismos? As Famílias do Coronelato Medieval que retornam ao Poder juntamente ao Golpe Civil Militar Absolutista Esquerdopata Ditatorial Assassino Fascista de 1930 estão tremendo. Seus dias de poder instalados e mantidos à ignorância, violência e pobreza chegaram ao fim. Não é coincidência que outras Ideologias cheguem ao Poder e Sobrenomes como os Suassuna, ligados ao Progressismo da Faculdade de Direito do Recife que eram interligados ao Progressismo da 1.a República, República Paulista da Faculdade de Direito do largo São Francisco voltem à vanguarda. Juntamente com um Presidente Paulista depois de 9 décadas. Mas deve ser tudo coincidência. O recado foi ouvido por aqueles que entenderam o recado do Presidente.

  3. Falando em nordestino, no dia 8/10, será o Dia do Nordestino. Gostaria que alguém fizesse uma matéria sobre estes maravilhosos brasileiros.

    É inacreditável que milhares de brasileiros, principalmente aqui no sudeste, desconheçam que são nordestinos Jorge Amado, Chico Anísio, Marco Nanini, José Wilker, Renato Aragão, Luiz Gonzaga, o Gonzagão, Caetano Veloso. E o Alceu Valença, Gal Costa, Ivete Sangalo, e ainda o músico e maravilhoso regente Severino Araujo, da Tabajara, uma das melhores orquestras de danças do mundo.
    E Ruy Barbosa, o águia de Haia, Assis Chateaubriand – lá do agreste -, Castro Alves, Joaquim Nabuco, D. Helder Câmara. Ah, e o José Ermírio de Moraes.

    Querem mais? Patativa de Assaré, Gonçalves Dias, Dorival Caymmi.

    Alguém com alcunha de Franklims falou muito sobre o Nordestino, máxime criticando a xenofobia, como se pode ver ao ler seu texto maravilhoso, que me atrevo a transcrever, pois é muito oportuno para a matéria de que trata o texto, ora comentado:
    https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20130308194037AAjGaaZ

    Bem, lá Franklim diz:

    “Em História, o tempo passa mais lento e eu acredito que, para desfrutar de uma verdadeira democracia, o Brasil ainda levará pelo menos mais 100 anos. Daí ser possível (o que não significa aceitável) que o eleitor de um lado ou de outro sofra de males como indigência de senso crítico, hipocrisia, abestalhamento, cara-de-pau etc. etc.

    O que não se pode tolerar (de jeito nenhum) é a xenofobia, que também se aplica no âmbito regional, não apenas internacional. Por isso, eu queria lembrar aqui algumas informações sobre o Nordeste brasileiro que, com certeza, são desconhecidas por uma estudante de Direito que recentemente agrediu os nordestinos e o Nordeste brasileiro.

    Minha cara estudante: O Nordeste tem seus problemas (como qualquer outra área brasileira), mas é uma região rica em História. Veja a seguir alguns exemplos da rica História do Nordeste e de sua gente (e faça revisão, pois algumas dessas informações podem cair na prova da OAB):

    A primeira Capital do Brasil foi Salvador que fica onde?…onde?…No Nordeste! Mas, isso é só pra começar. Vamos às ciências: O introdutor do uso do éter no Brasil foi o médico pernambucano Daniel Oliveira Barros d Almeida que, aliás, organizou o primeiro fichário de anestesia no Continente Americano. Era pernambucano o físico Mário Schemberg.

    A pioneira da enfermagem no Brasil foi a nordestina Ana Néri. Já o paraibano José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, idealizador da Academia Militar das Agulhas Negras, foi quem organizou a primeira unidade de carros de combate do Brasil. Um dos engenheiros calculistas da estrada Rio-Niterói foi o pernambucano Joaquim Cardozo que, aliás, também calculou Brasília. Manoel Cícero Peregrino da Silva, pernambucano, foi o pioneiro do planejamento de documentação bibliográfica e da formação de bibliotecários no Brasil.

    O nordestino Paulo Rodrigues Fragoso foi quem calculou as estruturas do estádio do Maracanã e da Companhia Siderúrgica Nacional. Aloísio Magalhães, pernambucano, foi pioneiro da comunicação visual no Brasil. Antônio Carneiro Leão, pernambucano, foi quem introduziu no nosso País (em 1900) os métodos pedagógicos da chamada Escola Nova.

    E o sertanista Francisco Meireles, de Pernambuco, estabeleceu os primeiros contatos com os índios Xavantes (será que a estudante sabe o que são índios?). Antônio Coelho de Sá e Albuquerque, pernambucano, foi responsável pela abertura à navegação internacional nos rios Amazonas, Negro, Madeira e São Francisco. Gilberto Freyre também era nordestino e foi autor de um dos livros fundamentais para a compreensão da sociedade brasileira – até mesmo um ilustre tucano, sociólogo, concorda com isso.

    Agora, vamos relacionar os nordestinos “incompetentes” na área cultural: o mais importante autor do moderno teatro brasileiro, considerado pela crítica, é o pernambucano Nelson Rodrigues (falecido). O primeiro poeta brasileiro foi Gregório de Mattos, nordestino. O criador do primeiro mural abstrato da América Latina foi o pernambucano Cícero Dias, que viveu muito tempo na França e era respeitado internacionalmente.

    Um nordestino, Graciliano Ramos, é considerado o maior romancista do modernismo brasileiro. Na música, o precursor da Bossa Nova é o baiano João Gilberto. Um dos mais importantes poetas do Brasil no século 20 foi João Cabral de Melo Neto, pernambucano. O Maior poeta indianista brasileiro foi o maranhense Gonçalves Dias. Sílvio Romero foi o primeiro historiador sistemático da Literatura Brasileira. O paraibano José de Lima Siqueira foi o criador da Orquestra Sinfônica Brasileira e da Ordem dos Músicos do Brasil.

    O pioneiro da televisão no Brasil foi o paraibano Assis Chateaubriand Bandeira de Melo. O idealizador da CNBB foi o cearense Hélder Câmara. O primeiro cardeal do Brasil foi o nordestino Cardeal Arcoverde. Um dos mais importantes cronistas brasileiros do século passado foi o pernambucano Antônio Maria. O primeiro romance do naturalismo brasileiro (“O Mulato”) foi escrito pelo maranhense Aluízio de Azevedo.

    Essa a estudante deve saber: O autor do primeiro compêndio brasileiro de teoria e prática do processo civil comparado com o comercial foi um nordestino, Francisco de Paula Baptista. Luiz Alves *****, pernambucano, foi autor da primeira comédia escrita por um brasileiro representada em teatro (em 1870). Augusto Rodrigues, pernambucano, foi fundador da Escolinha de Arte do Brasil, no Rio de Janeiro em 1948.

    O criador do Teatro Popular Brasileiro foi o pernambucano Solano Trindade. Ariano Suassuna, paraibano, é um dos mias importantes nomes da Literatura Brasileira. O autor da lei brasileira antitruste foi Agamenon Magalhães. O fundador de um dos maiores grupos empresarias do País foi José Ermírio de Moraes. O primeiro presidente da República oriundo da classe operária foi um pernambucano…Bem, alongar mais seria cansativo.” ( copiado ad litera do texto de Franklins)

    Sou paulista, mas sou um brasileiro.
    Sou paulista mas amo o Brasil.
    Sou paulista mas adoro os nordestinos.
    E não precisa muito não: vamos dançar e cantar um forró, o frevo, o Manguebeat.
    Que tal o axé music para comemorar a existência do nordestino, um lutador, um bravo, mas sobretudo, muito sábio, conhece muito, sabe muito bem quem os trata como verdadeiros brasileiros.
    Viva os nossos irmãos nordestinos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome