França ou Haddad? Alckmin fica em cima do muro, destoando de caciques do PSB

Enquanto a cúpula do PSB faz coro por candidatura própria em São Paulo, Alckmin não revela se prefere Márcio França ou Haddad na disputa de 2022

Márcio França, Carlos Siqueira e Geraldo Alckmin durante ato na Fundação João Mangabeira, do PSB.
Márcio França, Carlos Siqueira e Geraldo Alckmin durante ato na Fundação João Mangabeira, do PSB. Foto: Divulgação/PSB

Durante ato de filiação de Geraldo Alckmin nesta quarta (23), o PSB reafirmou, através de caciques como o presidente nacional Carlos Siqueira, a intenção de lançar Márcio França ao governo de São Paulo, mesmo com pesquisas eleitorais indicando que Fernando Haddad (PT) é hoje o pré-candidato do campo das esquerdas com mais condições de vencer a eleição no Estado.

Alckmin é o provável vice de Lula na disputa federal, mas PT e PSB não conseguiram chegar a um acordo para formar uma federação em 2022, justamente por causa das disputas locais.

Alckmin, que já prometeu fazer campanha com Haddad no interior de São Paulo, minimizou a falta de consenso entre as siglas, as disputas entre aliados e palanques divididos em vários estados.

Incitado a revelar sua “opinião pessoal” sobre qual deveria ser o desfecho em São Paulo, Alckmin, diferentemente da cúpula do PSB, ficou em cima do muro.

Ele disse que França tem experiência como prefeito, vice e governador, e “pontua muito bem nas pesquisas”. Mas ressalvou que “a decisão não é agora, é mais à frente.”

Alckmin disse que a decisão entre França ou Haddad será das instâncias partidárias, e defendeu que assim seja, pois ele acredita “nos partidos políticos e em diminuir o personalismo.”

FRANÇA USA ANTIPETISMO CONTRA HADDAD

Horas antes do evento com Alckmin, durante entrevista à GloboNews, França argumentou que o antipetismo em São Paulo pode prejudicar a candidatura de Haddad, que apareceu com 38% das intenções de voto em pesquisa Genial/Quaest de fevereiro.

França alegou que Haddad tem chances de bater de frente com Tarcísio de Freitas, ministro e candidato de Jair Bolsonaro (PL) ao governo de São Paulo.

Na visão de França, Lula é popular “da Bahia para cima”; nas regiões Sul, Centro e Sudeste, a chapa Lula-Alckmin precisaria ter flexibilidade e subir em palanques para além do PT.

Leia também:

1 – Alckmin diz que missão de Lula é “retomar atividade econômica” e ameniza divergências sobre reformas

2 – “Lula é quem melhor reflete a esperança do povo. Ele é a própria democracia”, diz Alckmin em ato do PSB

3 – “Alckmin é conservador em muitos aspectos, mas é um democrata. Espero que seja o vice de Lula”, diz Aloysio Nunes

4 – Fim do Tucanistão? Pesquisa em SP mostra a decadência de Doria, mas dados abrem margem para surpresas

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador