Governo agora é do Centrão, por Helena Chagas

Unidos, esses partidos de centro-direita que, junto com o DEM, o MDB e o PSDB representam quase dois terços da Casa, podem comandar a agenda dos próximos três anos

Foto: Agência Brasil

Por Helena Chagas 

Em Os Divergentes

O fato que mais se destacou na acachapante votação do texto-base da reforma da Previdência, com 379 votos, foi a força do chamado Centrão na Câmara. Não por acaso, o presidente da Casa, Rodrigo Maia, abraçou o Centrão em seu discurso de quase-candidato-a-presidente-da-República na vitória, criticando a imprensa pelo tom pejorativo que dá ao grupo e atribuindo a ele a aprovação da reforma.

Maia, o sujeito que, individualmente, mais se fortalece politicamente com a votação, sabe muito bem que sua força deriva do fato de ter conseguido aglutinar e comandar as lideranças do Centrão. Preencheu o vazio deixado pelo Planalto com seu despreparo e desarticulação.

 

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

 

No caso específico da Previdência, ajudaram também os empenhos e promessas de liberação de emendas, operados pelo ministros Onyx Lorenzoni no apagar das luzes do inexplicável fim de sua gestão na articulação política. Aliás, dizem que o ministro foi defenestrado da função por andar amigo demais de Maia.

O presidente da Câmara e a torcida do Flamengo sabem que ele – hoje incensado como primeiro-ministro informal do país – continuará tendo o poder enquanto controlar as forças que compõem o Centrão. Unidos, esses partidos de centro-direita que, junto com o DEM, o MDB e o PSDB representam quase dois terços da Casa, podem comandar a agenda dos próximos três anos.

De onde se conclui que – pejorativo ou não – agora teremos um governo do Centrão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  “Erro” grosseiro nos cálculos de economistas pró-reforma da Previdência, por César Locatelli

3 comentários

  1. Centrão, agora é esse o nome que os traidores da classe trabalhadora, estão recebendo??!!!
    Eles são lesas pátria. Traidor. Não adianta buscar nomes fictícios.
    379 traidores, só entre os deputados federais.
    Aguardemos os senadores.

  2. O centrão não é nada mais nada menos do que a evolução histórica da ARENA da ditadura (-> PFL -> DEM). O DNA político, isto é, a genealogia, é a mesma. Na verdade, eles sempre estiveram aí. Esse é o preço do erro histórico de ter aceitado a anistia dos golpistas e torturadores.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome