Governo Bolsonaro corre risco de não passar de Julho, avalia Samuel Guimarães

Para embaixador, Mourão apresenta-se como substituto natural e não deve acontecer uma eventual volta a um regime militar nos moldes de 64

Bolsonaro e Mourão no dia da posse. Foto: Marcelo Casal Jr / Agência Brasil

Jornal GGN – Em entrevista no The Intercept, o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães Neto, ex-secretário-geral do Itamaraty entre 2003 e 2009, avaliou que o governo Jair Bolsonaro não deve passar de julho.

“No cardápio político, hoje em dia, Bolsonaro está sendo servido. O prato alternativo que se pode escolher é Mourão. Outros pratos, como revolução socialista e proletária, estão em falta. Assembleia nacional constituinte? Também não está sendo servido. O que tem é o Mourão. Você pode não gostar, achar que é a volta dos militares, achar o que quiser”, analisou.

A queda de Bolsonaro deve acontecer pela ampla incapacidade política dele e de ministros e políticos próximos que, não apenas atravanca a governabilidade no país, como também “promove antagonismo social todos os dias”.

“Agora, [Bolsonaro] liberou as pessoas a transitarem com armas carregadas. É uma coisa inacreditável. Temos 63 mil mortes por ano, em toda a Guerra do Vietnã os EUA não perderam o que morre no Brasil por ano. É um governo que promove ódio racial, todo tipo de confronto na sociedade. Isso é uma coisa muito perigosa”, destacou Pinheiro.

“O governador do Rio subiu num helicóptero para acompanhar uma ação em que sujeitos iam matar pessoas. Isso é uma loucura”, completou.

Naturalmente, a cadeira no Palácio do Planalto será ocupada pelo general Hamilton Mourão, atual vice-presidente. Ao ser questionado se uma eventual volta dos militares ao poder não deveria preocupar, o embaixador foi taxativo dizendo que “não”.

“O general Mourão, desde que tomou posse – antes, não – só fala a coisa certa”, pontuou.

Leia também:  Preta Ferreira transforma os dias de cárcere em canção

“Não vale a pena [instituir um governo ditatorial como a de 1964]. [Os militares] Passaram 30 anos tentando limpar os aspectos negativos da ditadura para eles. Veio o Bolsonaro e o tempo todo relembra a ditadura. Eles ficam horrorizados com isso. As pesquisas de opinião mostram que os militares são um dos grupos que têm mais confiança da população brasileira. Conseguiram isso, e o Bolsonaro passa o tempo todo lembrando da ditadura, do [ditador chileno Augusto] Pinochet, do [ditador paraguaio Alfredo] Stroessner, do [coronel Carlos Alberto] Brilhante Ustra (um dos principais comandantes da tortura de adversários do regime militar)”, continuou.

Segundo Samuel Pinheiro, Bolsonaro, e sua equipe econômica igualmente ineficiente, corre para tentar aprovar até julho a reforma da previdência como uma forma de alcançar o prometido “milagre” da volta ao crescimento. Como se a mudança na previdência fosse capaz de resolver a complexa situação econômica.

Sobre a avaliação da política externa brasileira, especificamente a atuação do ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, não faltaram críticas. Samuel Pinheiro apontou o chanceler como “ridículo” e “um louco”.

“O Ernesto é uma coisa deste tamanho (sinaliza algo pequeno com a mão). Uma coisa ridícula. É ridículo. Ri-dí-cu-lo (enfático, separando as sílabas). No discurso de formatura dos alunos do Instituto Rio Branco, o ministro Ernesto Araújo comparou o presidente Bolsonaro a Jesus Cristo. E chorou quando fez isso. Isso não existe na história do Brasil e nem na história do mundo, um ministro ter comparado o chefe de Estado a Jesus Cristo”, relembrou.

Leia também:  Religião e militarismo dão o tom da nova sigla de Bolsonaro

Sobre a teoria defendida pelo ministro das Relações Exteriores, de que o Brasil enfrentava os Estados Unidos durante os governos petistas e se relacionada apenas com governo de esquerda, o embaixador avaliou como mais absurda.

“O Brasil fez um contrato de compra de caças com a Suécia. Ao que me consta, a Suécia não é um país comunista de esquerda. Fez o contrato do submarino nuclear com a França. É tudo ignorância”, analisou.

Pinheiro aumentou o coro entre dos especialistas em relações internacionais que defendem que o Brasil não deve interferir na crise da Venezuela e de qualquer outro país vizinho, para servir aos interesses dos Estados Unidos.

“O Brasil é um país diferente. Quem já foi ao Paraguai e leu o jornal ABC sabe o que eles pensam do Brasil, que eles foram espoliados, destruídos (na Guerra do Paraguai). E há os ressentimentos entre eles, entre Argentina e Uruguai, entre Argentina e Chile, entre Chile, Peru e Bolívia, entre a Colômbia e o Equador, entre a Colômbia e a Venezuela. Esses países às vezes procuravam a ajuda do Brasil, a mediação do Brasil, o que é uma coisa muito delicada. Isso permitiu ao Brasil, por exemplo, ter ótimas relações com a Colômbia durante o mandato do presidente [Alvaro] Uribe, e depois aquele outro, [Juan] Manuel Santos. (Irônico) E não me consta que o presidente Uribe fosse marxista cultural, nem que fosse ao Foro de São Paulo, e nem que o Foro de São Paulo tivesse essa importância toda. O Foro de São Paulo era uma reunião dos partidos democráticos de esquerda”, esclareceu.

Leia também:  Juntando as peças do dia 14/03/2018 na vida de Bolsonaro, por Luis Nassif

Pinheiro acredita ainda que o principal fator responsável pela crise econômica e social na Venezuela são as sanções impostas pelos Estados Unidos.

“Eu estive na Venezuela, toda a imprensa é livre. As televisões, os jornais circulam livremente, esculhambam – esculhambam não, criticam o governo ferozmente. Você deve consultar um estudo do Jeffrey Sachs, economista americano, (irônico) um comunista conhecido, não é? [Dele] e do Mark Weisbrot, que calcularam o número de vítimas decorrentes das sanções americanas. São 40 mil pessoas que morreram por causa das sanções”, concluiu. Para ler a entrevista no The Intercept na íntegra, clique aqui.

Leia também: Para filósofa húngara Ágnes Heller mundo passa por uma nova onda de tirania

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Ciro Gomes afirmou há algumas semanas que o PT estava “conversando” com Mourão. E que o interlocutor seria exatamente Samuel Pinheiro Guimarães.
    Não é uma loucura a Política ?
    Bolsonaro afirmou publicamente que o comandante do Exército era um dos responsáveis por sua vitória. O mesmo Exército que usou seu “poder de persuasão” para manter Lula na cadeia. E agora o PT está defendendo publicamente (e negociando nos bastidores) a Presidência para o general Mourão…
    Realpolitik, realpolitik… pragmatismo ou trapaça ?

  2. Discordo, de qualquer ângulo vê-se que o ora “presidente” tem mente pirambeira ou perau (como dizem no sul). Basta que olhe para qualquer pessoa, coisa, objeto, situação, geopolítica, esportes e tudo vira caterva esburacada. É o famoso biscateiro-miliciano-ambulante-do-que-há-de-pior (para nós, obviamente).
    Obviamente que, entrando o mourão-de-banhado-com-a-coruja-em-riba, melhorará apenas as questões divinamente extravagantes e os planos-de-lugar-algum. A ditadura (re)voltará com porões e o escambau.

  3. Pode falar o que quiser do Governo Bolsonaro. Mas é inacreditável que um Governo do mesmo Partido, que é a continuidade do Governo anterior, dispensar Samuel Pinheiro Guimarães e Celso Amorim , depois daquilo que fizeram para a Diplomacia e Política Externa Brasileira. É inexplicável. Coisa de “tarja preta”. O Brasil da Surrealidade.

  4. Com um bolsomerda no poder só falando e fazendo besteiras o país vai pra frente do buraco mais rapido… Parabéns bolsolixo por estar afundando o Brasil!!!

    1
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome