Ideologia de extrema-direita detalhada no “manifesto” do atirador de Christchurch

Autor se descreve como um etnonacionalista e um fascista. Documento consiste em discurso sobre o genocídio branco e desejo de criar uma atmosfera de medo para os muçulmanos

Foto: Reprodução

Por Lisa Martin

No The Guardian

Um homem que se identificou como suspeito nos ataques à mesquita de Christchurch publicou um “manifesto” descrevendo suas motivações em que defendia a ideologia de extrema-direita e anti-imigração.

O homem diz que se chama Brenton Tarrant, um jovem de 28 anos nascido na Austrália. O documento de 74 páginas, chamado The Great Replacement, consiste em um discurso sobre o genocídio branco e lista vários objetivos, incluindo a criação de “uma atmosfera de medo” contra os muçulmanos.

O documento, que sugere uma obsessão por levantes violentos contra o Islã, afirma que o suspeito teve “contato breve” com o assassino em massa norueguês Anders Breivik e que Breivik deu sua “bênção” ao ataque.

A polícia não confirmou que Tarrant é um dos homens sob custódia durante o tiroteio. Dizem que um homem foi acusado.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, confirmou que um australiano havia sido preso na Nova Zelândia e disse que ele havia sido informado sobre o documento, descrevendo-o como “uma obra de ódio”.

O “manifesto” não identifica o suspeito como um australiano. “As origens da minha língua são europeias, a minha cultura é europeia, as minhas convicções políticas são europeias, as minhas convicções filosóficas são europeias, a minha identidade é europeia e, mais importante, o meu sangue é europeu”, diz.

O documento apresenta seu autor como tendo crescido em uma família de classe baixa e classe trabalhadora. “Eu sou apenas um homem branco regular, de uma família regular, que decidiu tomar uma posição para garantir um futuro para o meu povo”, diz. “Meus pais são de origem escocesa, irlandesa e inglesa. Eu tive uma infância normal, sem grandes problemas.”

Em uma seção de perguntas e respostas do documento, o autor afirma que ele não estava buscando fama e era uma “pessoa privada e principalmente introvertida”.

Leia também:  Vídeo: Flávio Dino tentando explicar o que é ser comunista em 2019 (entre outras coisas)

Ele se descreve como um etnonacionalista e um fascista.

O autor diz que o ataque foi planejado por dois anos e que embora a Nova Zelândia não tenha sido a escolha original para o ataque, o local de Christchurch foi avaliado com três meses de antecedência.

“Eu só cheguei à Nova Zelândia para viver temporariamente enquanto planejava e treinava, mas logo descobri que a Nova Zelândia era um destino rico em um ambiente como em qualquer outro lugar no oeste”, diz.

O suspeito queria enviar uma mensagem de que “nenhum lugar do mundo é seguro”, de acordo com o documento, e a escolha da arma – armas de fogo – foi projetada para ganhar o máximo de publicidade.

“Eu escolhi armas de fogo para o efeito que teria sobre o discurso social, a cobertura extra da mídia que eles proporcionariam e o efeito que isso poderia ter na política dos Estados Unidos e, assim, na situação política do mundo”, diz.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Esses massacres não são obras de “lobos solitários”. Há uma comunidade de ódio que opera inclusive no Brasil, e está relacionada com Suzano e Realengo.

    Eles fazem essas coisas por um bizarro idealismo “misógino, xenófobo, racista, antiesquerdista”, e têm manifestos e preocupação com a cobertura de mídia.

    Inclusive, a mídia é totalmente despreparada para cobrir esses acontecimentos, levando esses psicopatas a ter êxito em suas intenções. Fiquei chocado com a cobertura da imprensa sobre Suzano. Uma mistura de fascismo empedernido e total falta de noção.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome