Pastores próximos a Bolsonaro abandonaram Milton Ribeiro

Marco Feliciano pediu demissão de presidente do Capes, enquanto Silas Malafaia sequer queria o atual ministro no cargo

Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

As denúncias de lobby de pastores da Assembleia de Deus junto ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, levaram tanto a bancada parlamentar evangélica como a líderes próximos do presidente Jair Bolsonaro a deixarem Ribeiro isolado.

Reportagem do jornal O Globo destaca que as diferenças entre Ribeiro e os pastores mais próximos de Bolsonaro – o deputado Marco Feliciano (PL) e o pastor Silas Malafaia – não são recentes.

No caso de Feliciano, pode-se dizer que foi uma retaliação a Ribeiro por ter ignorado sua demanda pela demissão da presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

O deputado – que colocou o posto de vice-líder no Congresso e bateu boca com o ministro telefone – chegou a publicar em suas redes sociais que Claudia Mansani Queda de Toledo defendia “valores ligados à esquerda”.

A questão com Malafaia vem de antes da escolha de Ribeiro para o MEC: ao invés do então reitor da Universidade Mackenzie, o líder da Assembleia de Deus Vitoria em Cristo queria que o ministro fosse o reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Anderson Corrêa.

Leia Também

Verbas do MEC para obras sem critérios saltaram no governo Bolsonaro

Pastores que intermediaram verbas do MEC encontraram-se com Bolsonaro quatro vezes

Para liberar verbas do MEC, pastor pediu 1 kg de ouro, diz prefeito maranhense

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador