Sergio Moro é o J. Edgar Hoover do governo Bolsonaro?

Hoover usou as informações sobre os poderosos americanos para se manter no poder por mais de três década, Moro o que irá fazer?

Por Carlos Wagner

Em Histórias Mal Contadas

Por ter exercido o cargo de juiz federal por mais de 20 anos, por ser apontado pela opinião pública como símbolo do combate à corrupção com a Operação Lava Jato, por ser o autor da sentença que encarcerou o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) por lavagem de dinheiro e corrupção. Ninguém no Brasil tem mais amigos ocupando postos estratégicos na Justiça Federal, na Polícia Federal (PF) e em órgãos de vigilância do governo federal, como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do que Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública do presidente Jair Bolsonaro (sem partido-RJ). Os contatos de Moro significam acesso a um volume e qualidade de informações que nenhum outro ministro já teve na história recente do país, nem mesmo o general Golbery do Couto e Silva, o teórico da doutrina da segurança nacional e um dos idealizadores do golpe militar que governou o país de 1964 a 1985.

Em qualquer governo do mundo, uma rede de informações como a de Moro significa poder. Na história, temos o caso, nos Estados Unidos, de J. Edgar Hoover (1895-1972), advogado e policial que modernizou e dirigiu o Federal Bureau of Investigation (FBI) durante três décadas, servindo a oito presidentes e 18 secretários da Justiça. Há livros, filmes (sérios e de humor) e documentários sobre a carreira de Hoover. Todos destacam um ponto em comum: ele se mantinha no poder porque sabia o segredo de todos os americanos considerados importantes.

Leia também:  Minha imensa solidariedade ao Papa Francisco e meu imenso repúdio aos falsos cristãos, por Lucia Helena Issa

Qual uso Moro dará às informações que tem é um assunto que o futuro irá dizer. Mas o fato é que ele as tem. E nós, repórteres, sabemos do valor de uma informação de primeira linha. Vamos conversar sobre o que conhecemos sobre Moro. Na ocasião em que ele decidiu abandonar a carreira para virar ministro de Bolsonaro publiquei no blog (03.11.18) o post “O choro das viúvas do juiz Sergio Moro nas redações é ensurdecedor”. Lembrava os colegas que Moro se tornaria ministro depois de condenar o principal adversário de Bolsonaro na corrida presidencial, Lula.

Em meados do ano passado, o site The Intercept Brasil começou a publicar conversas ilegais feitas pelo aplicativo Telegram entre o então juiz Moro e os procuradores da República na Lava Jato, principalmente o coordenador da operação, Deltan Dallagnol. Posteriormente, a Folha de São Paulo, que tem uma parceria com o site, revelou conchavos de jornalistas com os procuradores da Lava Jato. Analisando todas as informações publicadas pelo The Intercept, percebe-se que elas foram disparadas pelo então juiz e os procuradores com a precisão de um experiente “sniper”, atingindo alvos políticos específicos e adversários da operação. Era crença entre nós jornalistas que esses disparos eram feitos para beneficiar a então candidatura de Bolsonaro. Lembro que, logo que estourou o rolo das denúncias do The Intercept, demos grande destaque para o apoio do presidente da República ao seu ministro da Justiça.

A coisa não é bem assim, como parece. Primeiro que os vazamentos seletivos da Lava Jato não tinham como objetivo principal fortalecer a candidatura Bolsonaro. Mas fortalecer a imagem de Moro. Mais ainda: hoje não é o presidente que tem o destino do ministro da Justiça nas mãos. É Moro que tem o destino do presidente nas suas. Por quê? Simples. Jamais, mesmo nos mais loucos sonhos, o então deputado federal pelo Rio de Janeiro, o capitão reformado do Exército Jair Messias Bolsonaro imaginou ser eleito presidente da República. Ele era um deputado do chamado “baixo clero” que nos rendia manchetes com suas posições exóticas, tipo enaltecer a imagem de torturadores dos governos militares. Ao virar presidente, tudo que Bolsonaro e os seus três filhos fizeram se tornou importante. Não por outro motivo que seu filho Flávio, senador pelo Rio de Janeiro, está enrolado com a Justiça pela prática de “rachadinha” – exigir de funcionários do gabinete a devolução de parte do salário – na época em que era deputado estadual.

Leia também:  A última chance de salvar Julian Assange, por John Pilger

Moro sabe toda a história da família Bolsonaro. Aliás, não foi por outro motivo que o presidente aprovou a lei do juiz de garantias, contrariando o parecer do seu ministro da Justiça – há matéria na internet. Hoover usou o poder que lhe era dado pelo acesso a informações privilegiadas para garantir o seu posto no FBI. Moro ainda não definiu como irá usá-las. Por hora se contenta em deixar claro, inclusive para o presidente, que “sabe das coisas”. E, principalmente, que tem uma rede de divulgação que garante que elas cheguem aos seus alvos, com a precisão de um experiente sniper, como acontecia nos tempos da Lava Jato. Seja lá qual for o destino de Moro em 2020, o certo é que ele não “prega prego sem estopa” – dito popular usado para definir uma pessoa cuidadosa. Nós repórteres temos que ter isso bem claro para não escrevermos bobagens para os nossos leitores. Aliás, um dos motivos do continuo fluxo de fuga de leitores dos jornais é o elevado número de bobagens que temos publicados nos nossos conteúdos. É simples assim.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Ninguém era tão poderoso na república nos últimos 20 anos, ouso dizer, que o Eduardo, aquele que está preso, o Cunha.
    Todos os segredos ainda estão com ele e, parece, já não têm importância.
    Os dois expoentes do fogo, bozo e moro, revezam-se em forças nesse braço de ferro do poder, um querendo derrubar o outro garantindo-se.
    Se, entretanto, moro não quiser a voltar a ser um simples crente de cadeira, em vez de missionário e pastor de almas, ele deverá entender que quem tem poder absoluto sobre ele ainda é o bozo.
    Por mais esperto que o moro seja, ele deve respeitar o fato de que o bozo é imprevisível – age primeiro e pensa depois – diferentemente do racionalismo planejador dele – moro – que é frio, calculista, dissimulado e manipulador.
    Ademais as pernas do moro repousam na bamba rede globo, e se moro sabe utilizar a mídia em seu favor, bozo o sabe ainda melhor.
    A globo fez o moro, bozo se fez sozinho (isto é, sem a mídia tradicional) e pode destruir a globo.
    A nós, as vítimas, pouco importará os dentes que nos mastigarão.

    • Bom dia.Eduardo Cunha Preso?.Já viu foto recente do Cunha?.Em setembro de 2017 o ex editor chefe da Época, Diego Escosteguy confessou no twitter que entrevistou Cunha fora da prisão:https://revistaforum.com.br/politica/cunha-saiu-da-cadeia-para-dar-entrevista-revista-epoca/.Não existe nem prontuário do “preso” Eduardo Cunha em nenhum presídio do Brasil.Há tempos que o Lauro Jardim do globo vive plantando notinhas para sustentar essa suposta prisão do Cunha. Recentemente o site golpista,Antagonista pediu informações as autoridades do Rio sobre as condições da “prisão” do Cunha e recebeu como resposta que não está autorizado essas informações por questões de segurança.Moro é refém do Eduardo Cunha por causa do caso Banestado e bastidores podres da lava jato.Lembra que Moro foi bastante generoso” com a esposa do Cunha?.Lembra que a vaza jato demonstrou que o Moro e os procuradores recusaram delações de Eduardo Cunha,porque havia nomes que eles não queriam melindrar?.Se Luiz Nassif ou qualquer outro jornalista pedir informações as autoridades a respeito da suposta prisão do Cunha receberão a mesma resposta.Veja essa ultima plantação sobre o Eduardo Cunha:https://www.poder360.com.br/lava-jato/eduardo-cunha-alega-aneurisma-cerebral-e-pede-prisao-domiciliar/

      • Sim, Maria,
        mas como a gente não pode se orientar pela convicção, as “provas” o consideram como “preso”.
        Assim se apresentou para audiência um dia destes, de modo que, para todos os efeitos, o eduardo, cujo sobrenome sempre esqueço, estaria preso.
        E, como sabemos, o moro é prudente, justo e sabe ser generoso quando o seu reto está na reta.
        A propósito e comparativamente, a prisão dos membros do PT era pública, notória e diuturnamente noticiada, sendo inclusive, devastada para justificar a arte cinematográfica.
        Já a prisão do eduardo, é “segredo de justiça”.
        Mas como “A justiça é para todos”, moro, o “estrelo de cinema” nos ilustra que ” A justiça é para todos que interessam”.

  2. Verdade. Moro tá com a faca e o queijo nas mãos para desempenhar o papel de político. Ele tá comendo a sopa pelas beiradas.

  3. Caro Carlos, voçê acordou hoje desanimado! Tem medo que Moro conduza a bandidagem política brasileira por 30 anos? Voçê acredita mesmo que Moro tem tudo contra todos e sem recíproca? Ora!Não tenha receio. Será que as instituições democráticas brasileiras vão eventualmente se submeter a continuas chantagens de um bem( ou mal) informado? Quem é e o que é Moro perante 210 milhões de cidadãos? Pode ser até melhor que Hoover, mas para mim, até provas contrárias, é um cidadão comum, como todos.Apenas saco de batatas!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome