Governo quer afastar trabalhadoras rurais da aposentadoria

“Mudança de idade da aposentadoria das mulheres mostra que o governo não tem a mínima noção do que é o cotidiano de uma agricultora”, afirma Cleonice Back

Foto: Alessandro Dantas
do PT no Senado
Governo quer afastar trabalhadoras rurais da aposentadoria
por Rafael Noronha 

Especialistas criticaram nesta segunda-feira (11), em audiência pública da Comissão de Direitos Humanos (CDH), as regras para aposentadoria de trabalhadoras e trabalhadores rurais contida na proposta de reforma da Previdência (PEC 6/2019) enviada pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional.

O governo propôs idade mínima de 60 anos para homens e mulheres terem acesso a aposentadoria rural. Pela regra atual, a idade mínima para homens é de 60 anos e para mulheres de 55 anos.

Pela proposta de Bolsonaro, os trabalhadores rurais vão precisar de pelo menos 20 anos de contribuição. Já a regra atual não prevê tempo de contribuição, mas apenas um tempo mínimo de atividade rural de 15 anos.

Além disso, a contribuição do trabalhador rural pode incidir sobre o salário ou sobre a produção. Esses contribuintes especiais contribuem com uma alíquota de 1,7% sobre o valor de venda da produção agrícola.

Evandro José Morello, assessor jurídico para assuntos previdenciários da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), explicou que a jornada de trabalho no campo varia entre 12 e 14 horas por dia e, no caso da mulher, inclui a dupla e, às vezes, até a tripla jornada de trabalho (estudos, trabalho e afazeres domésticos).

De acordo com dados de 2014, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE, 70,2% das mulheres que estão, atualmente, trabalhando no campo, começaram a trabalhar com até 14 anos de idade. Na regra atual para aposentadoria, essas mulheres teriam de trabalhar em torno de 41 anos, segundo Evandro.

“Ao propor o aumento de idade para aposentadoria dessas mulheres para os 60 anos de idade, essas mulheres teriam de trabalhar em torno de 46 anos no campo para terem condições de aposentadoria. Dificilmente vamos ver muitas mulheres alcançando essa idade para se aposentar. Isso, sem falar, da expectativa de vida que varia muito pelo País. Em alguns municípios, a expectativa de vida da população não passa dos 63 anos. É preciso levar isso em consideração”, disse o representante da Contag.

A agricultora familiar, Cleonice Back, coordenadora estadual da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), afirmou que a proposta de reforma apresentada pelo governo tem a intenção de acabar com a aposentadoria rural.

“No momento em que o governo exige um valor mínimo de contribuição, não tenho dúvida, de que mais de 60% dos agricultores do País não vão ter condições de cumprir essa exigência e serão excluídos do sistema previdenciário e deixarão de ser segurados especiais. A mudança de idade da aposentadoria das mulheres mostra que o governo não tem a mínima noção do que é o cotidiano de uma mulher agricultora. Aos 55 anos, as mulheres agricultoras já não têm mais condições de trabalho”, criticou.

Para o presidente da CDH, senador Paulo Paim (PT-RS), a cada análise feita e dados apresentados por especialistas, fica mais evidente que as mulheres da área rural deverão ser um dos grupos mais prejudicados caso o Congresso Nacional aprove a PEC 6/2019 da forma como foi apresentada pelo governo Bolsonaro.

“Todas as informações que temos deixam muito claro que as mulheres são as grandes prejudicadas [com essa reforma], principalmente as [mulheres] da área rural”, destacou.

Os convidados também teceram críticas a Medida Provisória (MP 871). Editada pelo governo sob pretexto de coibir fraudes no sistema previdenciário, a medida, na avaliação dos especialistas apenas dificulta o acesso de trabalhadores rurais e assalariados da iniciativa privada a benefícios como auxílio-doença, salário-maternidade e pensões.

Uma das mudanças mais criticadas pelos trabalhadores rurais é a exclusão dos sindicatos como fornecedores de Declaração de Atividade Rural, o que irá dificultar o acesso de milhares de trabalhadores ao benefício. Pela MP, o trabalhador rural só poderá solicitar a comprovação nas Empresas de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), que não estão presentes em todos os municípios brasileiros.

Essas alterações devem promover o aumento da pobreza no campo, a intensificação do êxodo rural e ampliar o risco na segurança alimentar da sociedade brasileira já que o benefício previdenciário é um estimulo e uma espécie de seguro para os agricultores familiares manterem-se no campo produzindo alimentos.

Foto: Alessandro Dantas
Posição do governo

O senador ainda explicou que entrou em contato com o secretário de Previdência do governo Bolsonaro, o ex-deputado Rogério Marinho. Segundo Paim, o secretário ficou de agendar uma data para expor a posição oficial do governo acerca da proposta de reforma do sistema previdenciário.

“Está muito claro que essa reforma do jeito que está não passa. Nem o governo tem dúvida sobre isso. Eles [governistas] vão ter que se debruçar em outro projeto. Nós, inclusive, temos sugestões, baseados na CPI da Previdência, para apontar um caminho. Não há motivo nenhum para não aprofundarmos esse debate”, disse o senador Paim.

4 comentários

  1. É um governo comprometido com os EUA, mercado europeu e banqueiros, o povo escolheu e vai colher os frutos de um governo sem plano de governo, vamos assistir um governo catastrófico e todos que o apoiaram, vão todos para o mesmo fundo do poço deste governo ultraliberal.

  2. Tenho algum conhecimento da lida do campo. Nunca vi essa jornada de 12 a 14 horas de trabalho, a não ser em situações excepcionais, de um ou dois dias, em casos de alegre mutirão.

    A maioria dos trabalhos do campo são fáceis, trabalhos de moça. Ainda mais agora, com os tratores, disponibilizados pelos patrões ou pela prefeitura do município.

    Conheço família-de-dois (mãe e filho) que têm 100 hectares de terra e recebem 4 salários mínimos por mês do governo federal, fora os penduricalhos do aluguel de pastos. Já não produzem nada por si, já que a mãe, verdadeira guerreira, é muito velha, e o filho nunca foi chegado a trabalho. São essas distorções, vindas do Fernando Henrique Cardoso, e não de Lula, que quebram a Previdência, e não o mísero salário-família, de menos de 200 reais por grupo familiar.

    Detalhe: sou rigorosamente de Esquerda, isto é, não acredito em seres, raças ou doutrinas “superiores”. E não acredito na utopia comunista, do “todos iguais”.

    As reformas trabalhistas propostas, antes a Dilma e Temer, e agora a Bolsonaro, são justas, mesmo que eu, como aposentado, seja “prejudicado” por elas. Mas desde quando, no mundo, velhos devem sustentar jovens e adultos? Jovens e adultos da família é que devem sustentar os velhos (e não o Governo).

    No mais, sou democrata, isto é, aceito críticas e sugestões, e relevo xingamentos com humor.

  3. Jarbas, concordo com vc, falta e muito, fiscalização. Mas, já passou pela sua cabeça, o quanto de imposto sobre imposto vc paga?
    O quanto de aposentadoria vitalícia esposa, depois filhos, depois netos de militares o país paga?
    O quanto de rombo os magistrados retiram das previdências?
    O quanto e quantas aposentadorias os políticos retiram?
    Que 6(seis) pessoas milionárias no país recebem o equivalente à metade de nossa população? E não se consegue fazer reforma agrária?
    Entre outras atrocidades contra os mais necessitados, está a proposta de pagar 400,00 aos trabalhadores rurais, e retirar um salário da família onde residem um aposentado e uma pessoa com deficiência?
    Estes pequenos corruptores, como este rapaz citado (que concordo c vc) é fichinha, frente ao que os verdadeiros e mascarados corruptos escondem da população. Por favor, se pesquisar, concordará.

    • Vanderly: também concordo com você. A carga tributária (mesmo sem incluir tributação disfarçada como financiamento do passe livre para estudantes; financiamento, pelos consumidores, do Luz no Campo, CREA, ECAD, Sistema S, etc.) é altíssima para os parcos retornos obtidos pela população.

      Aposentadoria rural é um meio que encontraram para livrar o fazendeiro dos encargos do peão que para ele trabalhou a vida inteira. Como na lei do dia 13 de maio: os donos de escravos os puderam mandar embora, livres para morrerem de fome. Agora, depois do FHC, o fazendeiro manda embora o peão, livre para morrer de fome, mas o Governo socorre o peão, livrando o fazendeiro da volta vingadora (eventualmente homicida) do peão. E o político usa o benefício para comprar votos, pagando com a leniência corrupta da fiscalização do benefício, leniência que permite dobrar e até quadruplicar os benefícios.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome