Entenda como a privatização da Casa da Moeda coloca em risco a economia do país

Privatização da Casa da Moeda, responsável pela fabricação de cédulas e moedas, põe em risco a soberania nacional, aumenta a possibilidade de falsificação de passaportes e a sonegação de impostos

 EDSON RIMONATTO

O governo de Jair Bolsonaro anunciou que quer vender a Casa da Moeda, estatal responsável pela produção de 2,6 bilhões de células e 4 bilhões de moedas ao ano, inclusive as comemorativas, pela confecção do passaporte e selos de rastreabilidade de cigarros e bebidas. A Casa da Moeda também é a responsável pelo combate a fraudes e a corrupção de documentos, pela proteção de marcas e certificações acadêmicas de provas e títulos.

A possibilidade do nosso próprio dinheiro ser produzido por estrangeiros é enorme, já que apenas três grandes empresas internacionais dominam o mercado mundial . Juntas, elas são responsáveis por 60% dos contratos das empresas privadas para produção de cédulas e moedas no mundo.

Hoje as 15 maiores economias do mundo, Estados Unidos, Japão, Inglaterra, França e incluindo Brasil, entre outros, produzem suas próprias cédulas e moedas para terem garantida a soberania nacional de cada país. Apenas alguns poucos países de menor território e com uma população menor, como por exemplo, Quênia, têm a sua produção feita fora dos seus territórios.

“A preocupação dessas nações é a falsificação da própria moeda, com uma “enxurrada” de dinheiro em circulação, o que afetaria a economia  e ainda a possibilidade de não entrega do dinheiro fabricado”, avalia o diretor de comunicação do Sindicato Nacional dos Moedeiros (SNM), Edson Francisco da Silva.

“Se colocarem mais dinheiro em circulação do que é necessário, se destrói a economia de um país. A Alemanha privatizou a fabricação de seu próprio dinheiro em 2000 e já em 2009 voltou atrás por insegurança monetária. O Brasil é um grande país com reservas naturais, água, biodiversidade e petróleo. Somos importantes no mundo, e não podemos ficar reféns de interesses econômicos e estratégicos de estrangeiros”, avalia o dirigente.

Leia também:  Municípios enfrentam falta de recursos para volta às aulas

 

Vazamento de Dados

Além da produção de cédulas e moedas, a venda da Casa da Moeda implicaria em passar para as mãos de estrangeiros, dados dos brasileiros, já que a estatal também é responsável pela confecção dos passaportes nacionais.

“A segurança na produção dos passaportes brasileiros são de alta tecnologia para evitar a falsificação. Por sermos uma nação que tem negros, brancos, pardos e, é composta por imigrantes de várias nacionalidades, os passaportes de brasileiros têm um grande interesse de falsificadores porque qualquer um pode-se passar por brasileiro”, explica o presidente do SNM, Aluízio Júnior.

Impostos sobre cigarros e bebidas

Toda vez que sai de uma fábrica um maço de cigarros ou uma garrafa de bebidas quentes como cachaça e uísque há um selo de rastreabilidade produzido pela Casa da Moeda. A sua circulação é monitorada possibilitando que a Receita Federal cobre impostos de acordo com a produção e a venda.

“O Brasil já é um país em que 54% dos cigarros em circulação são falsificados. Perder a segurança será praticamente liberar a falsificação. Por isso, é importante termos a segurança sobre a circulação dessas mercadorias”, avalia o diretor de comunicação do SNM.

O combate a fraudes e corrupção de documentos

A Casa da Moeda confecciona diplomas e certificados físicos e digitais com qualidade e segurança, para evitar fraudes e corrupção. Além de soluções que contemplam produtos e serviços de segurança relacionados à identificação de natureza física e digital. Também desenvolve sistemas para armazenagem e tratamento de dados, que dificultam ou até mesmo impedem a reprodução para utilização criminosa de documentos ou serviços.

“A Casa da Moeda tem uma sala-cofre que funciona como uma espécie de cartório, que possibilita chancelar operações de e-commerce, por exemplo”, conta Edson Francisco da Silva.

Leia também:  Petrobrás admite veiculação de 2 milhões de anúncios em sites com conteúdo impróprio

Governos Lula e Dilma investiram R$ 1 bilhão na Casa da Moeda

Em seus 325 anos de existência, a Casa da Moeda teve o seu maior investimento em tecnologia de segurança, nos governos Lula e Dilma. Entre 2009 e 2012 foram cerca de R$ 230 milhões ao ano, somando mais de R$ 1 bilhão no período.

“Esse investimento foi feito a partir de um estudo do Banco Central, em 2008, que projetava um crescimento de 15% da demanda do meio circulante [dinheiro] nos anos seguintes. Isto levou a Casa da Moeda a modernizar o parque fabril e investir na capacitação técnica dos seus trabalhadores”, conta Edson Francisco.

As empresas públicas pertencem a União e ao povo brasileiro. São empresas em que o governo aplicou o nosso dinheiro e devem ser utilizadas para o bem-estar geral da população e resguardar a nossa soberania nacional

– Edson Francisco da Silva

O desmonte da Casa da Moeda, após o golpe de 2016   

A Casa da Moeda chegou a possuir 3 mil trabalhadores em 2014, mas após as demissões e o desmonte que vem enfrentando, está com 2 mil.

O processo teve início, já em 2016, após o golpe que derrubou a ex-presidenta Dilma Rousseff. Foram quatro momentos que culminaram  com os prejuízos dos anos seguintes da Cada da Moeda.

Primeiro o governo golpista Michel Temer (MDB-SP) fez mudanças  na (Desvinculação da Receita da União( DRU) . O governo passou  a reter 30% do valor dos serviços prestados pela Casa da Moeda, alegando que eram impostos. Com isso, a estatal teve sua receita reduzida em mais R$ 534 milhões. Ainda assim, naquele ano, a Casa da Moeda conseguiu ter lucro de R$ 60 milhões.

Leia também:  Responsabilização dos procuradores da Lava Jato não se esgota no CNMP, diz Fernando Hideo ao GGN

Também no ano de 2016, Temer quebrou a exclusividade da Casa da Moeda na produção de cédulas e moedas.

Em 2017, o governo retirou a obrigatoriedade dos selos holográficos, emitidos pela Casa da Moeda, das bebidas frias, como a Coca-Cola, Ambev, Itaipava e Petrópolis. O serviço que controlava a produção dos envasadores dessas bebidas representava, naquele ano, 60% do faturamento bruto da Casa da Moeda.

Segundo o  presidente do SNM, Aluízio Júnio, o governo retirou R$ 1,4 bilhão do faturamento da Casa da Moeda, fazendo com que após 320 anos de existência, a estatal desse um prejuízo fabricado pelo próprio governo.

“Não foi só prejuízo para a Casa da Moeda, o Brasil perdeu em arrecadação de impostos. Foram em média R$ 17 bilhões ao ano [2017 e 2018] depois que o governo Temer permitiu que as indústrias de bebidas frias [cervejas e refrigerantes] fizessem uma auto declaração de quanto produziam e quanto vendiam”, denuncia Aluízio Júnior.

Já em 2017, Temer vetou um artigo da lei que instituía a Casa da Moeda como responsável pela produção do documento único na forma física, impedindo assim uma maior arrecadação da estatal.

O prejuízo é fabricado pelo próprio dono da empresa, que é o governo, que retira seus serviços com vistas a sua substituição por uma empresa estrangeira e justificar a sua privatização

– Aluízio Júnior

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Bom que no nosso ordenamento não haja prisão perpétua, pena de morte, degredo, e os crimes de lesa-pátria sejam apenas retórica.
    Mas, brasileira e informalmente perguntando, quem foi o corno que teve a maravilhosa idéia de privatizar a casa da moeda?

    12
    2
  2. Diante da situação que vivemos, nem dizer “eu avisei/eu disse” vale de alguma coisa. Queria sentir pena do povo brasileiro, mas estamos além até mesmo disso. Agora só basta lidar com o desastre da melhor maneira possível, com resignação.

    É triste ver o que o Brasil se tornou. Ou melhor, sempre foi, mas decidiu se revelar na eleição de 2018. Foi praticamente um suicídio coletivo executado por meio do voto.

    Sobre a casa da moeda: será privatizada, cedo ou tarde. E o povo pagará, como sempre pagou.

    8
    1
  3. O selo se bebida não acabou ?!
    A de pesar o fato da moeda física está morrendo , mas concordo que existe um risco em entregar a atividade para estrangeiros pois não creio que algum nacional privado tenha tanta tecnologia.Mesmo que a tecnologia venha como “ativo”.

    4
    1
  4. O conceito de soberania não foi e nem será apresentado a este governo. Bolsonaro e sua equipe vão sim dilapidar o patrimônio público deste país sem consultar seu dono, nós, o zé povo. A eles o poder a as negociatas dos BI aliado com a mais clara de falta de respeito ao povo, que aliás não se dá o respeito anuindo essas barbaridades vão colocar o país de joelhos já já. Mas o seu esquadrão de eleitores e simpatizantes continua a ditar palavras pelas ruas e em conversas tais como: “agora vai”; :”O governo vai colocar o país nos trilhos”;”acabou a roubalheira do PT”. A história nos contará logo ali a opção feita nas urnas.

    7
    2
  5. Sr Presidente, o que levou a mudar de opinião ao ser eleito pelo povo. Na sua campanha o Sr falou que era totalmente contra a privatização da Casa da Moeda. Gostaria de ouvir sua justificativa pois acredito que só pode ter sido influenciada pelo seu ministro Paulo Guedes. Tem algo estranho nessa mudança. Pode ser para beneficiar banqueiros ou empresários.

    3
    1
  6. Canada,Inglaterra e Suiça tem suas producoes de dinheiro publico-privado,e alem do mais,se a empresa so vem gerando despesas e prejuizos tem q ser fechada msm,sem falar q é mais barato comprar dinheiro de empresas estrangeiras do q nos fabricarmos nosso proprio dinheiro.

    1
    12
  7. Eu pretendo apresentar a minha oferta para assumir essa estatal:

    Pago qualquer valor que desejarem à vista e em dinheiro, cobrindo qualquer oferta de quem quer que seja!

    Apenas peço um prazo de uma semana para o pagamento, depois de assumir a direção desta estatal.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome