Manifesto marca posição de espíritas progressistas, por Dora Incontri

Na última quinta-feira, dia 7 de fevereiro, a Associação Brasileira de Pedagogia Espírita (SP) lançou um manifesto “por um espiritismo kardecista livre”

Manifesto marca posição de espíritas progressistas

por Dora Incontri

Na última quinta-feira, dia 7 de fevereiro, a Associação Brasileira de Pedagogia Espírita (SP) lançou um manifesto “por um espiritismo kardecista livre”, marcando uma posição progressista, aberta e avessa às tutelas institucionais. A carta, assinada por mais de 150 espíritas de todo o Brasil, rapidamente recebeu o apoio de centenas de outras pessoas, que estão fazendo adesão à proposta.

Isso mostra que há um contingente de espíritas insatisfeitos com as posições reacionárias de grande parte do movimento institucional e que estão ávidos por uma visão espírita mais em consonância com as demandas do século XXI. Espíritas que não aceitam, por exemplo, que num caso como a tragédia de Brumadinho se faça uma leitura simplista de “resgates reencarnatórios”, abdicando-se da crítica e da indignação contra a irresponsabilidade criminosa da empresa Vale. Trata-se de um tipo de justificativas cármicas, à moda do sistema de castas da Índia, que usam a reencarnação, como meio de cristalizar as injustiças sociais e fugir à necessidade de militância para mudar a sociedade, em suas desigualdades e em sua violência estrutural. Exceção digna de ser mencionada nesse caso é o jornalista André Trigueiro, espírita, que tem uma bela militância ecológica e que se manifestou claramente contra o crime cometido em Brumadinho.

Espíritas que não concordam, por exemplo, em não se oferecer uma denúncia enérgica de abusos sexuais de líderes religiosos, de qualquer denominação que seja, e em não se apoiar amplamente as mulheres, meninas ou meninos, que tenham passado por um trauma desses. Quando do caso de João de Deus, para mencionar o mais famoso e recente, instituições que pretendem representar oficialmente o espiritismo se limitaram a dizer enfaticamente que o citado médium não era espírita. Nenhuma análise mais profunda do tema, nenhuma palavra de solidariedade às vítimas.

A Associação Brasileira de Pedagogia Espírita, que existe desde 2004, tem representado no movimento espírita, um grupo de debate livre, que milita por uma educação de vanguarda, plural e inter-religiosa – desde 2015 mantém o projeto da Universidade Livre Pampédia – e, ao mesmo tempo, tem se empenhado em resgatar um espiritismo racional e crítico, mais ligado à tradição de Kardec.

A partir de uma discussão coletiva do texto e de passar por uma consulta ampla de lideranças, escritores e intelectuais espíritas, o manifesto vem marcar uma posição histórica, delimitando um território progressista dos espíritas brasileiros e latino-americanos. Ele também está sendo lançado em espanhol.

Veja abaixo o texto completo do manifesto. Quem quiser aderir, pode enviar e-mail com nome, cidade e estado para abpe@pedagogiaespirita.org.br.

Manifesto por um espiritismo kardecista livre

Leia também:  Primeira santa brasileira, Irmã Dulce se dedicou à classe trabalhadora

Preâmbulo

O espiritismo no século XXI é um fenômeno multifacetado e complexo. Diferentes correntes que praticam a mediunidade se autodeclaram espíritas; outras, apenas espiritualistas. Todas elas merecem nosso respeito e solidariedade.

Entretanto, esse manifesto se refere à tradição específica de Kardec e quando nos declaramos espíritas aqui, estamos tratando desse legado.

No Brasil, porém, o país com maior número de espíritas no mundo, criou-se uma forma de espiritismo institucional, hegemônico, que, para nós, não representa a maneira como entendemos o espiritismo fundado por Kardec.

Lançamos assim um manifesto de um movimento espírita kardecista livre, para demarcar o que nos une (e convidamos aqui o próprio movimento institucional) e o que desejamos como vivência e prática de uma filosofia livre, emancipadora e progressista como é a filosofia proposta por Kardec.

Esse manifesto tem a intenção de unir, sem homogeneizar; declarar princípios, sem dogmatismo; propor diálogo sem dissensão.

É uma iniciativa da Associação Brasileira de Pedagogia Espírita, mas apoiado por todos os signatários (pessoas físicas ou instituições) que manifestam a mesma visão que nós.

Manifesto

1)    Aceitamos como princípios espíritas a existência de Deus, a existência dos Espíritos e comunicação com estes e a reencarnação, numa perspectiva de evolução individual e coletiva.

2)    Consideramos Allan Kardec a referência fundamental do espiritismo, entendendo que há diversas leituras sobre suas obras e que essas diferenças devem ser respeitadas e debatidas fraternalmente.

3) Vemos o espiritismo como uma filosofia progressista, que não perde a sua identidade e especificidade de espiritualidade racional, quando em diálogo com outras filosofias e com a cultura de cada época histórica.

4)    Compreendemos que o espiritismo está em permanente construção, em diálogo com a pesquisa científica, a reflexão filosófica e a comunicação dos Espíritos, desde que se mantenham de Kardec o espírito crítico, a observação empírica e o princípio ético do desinteresse.

5) Entendemos que a ética espírita – que é a do amor universal, inspirada na ética de Jesus – deve orientar nossas ações individuais e coletivas, em prol da transformação social; portanto, devemos marcar posição contra a violência de qualquer espécie, trabalhando pela dignidade humana, pela justiça e combatendo o abuso e a sujeição de pessoas, de qualquer idade ou condição.

6) Consideramos que as manifestações de médiuns, lideranças e dirigentes espíritas são livres e podem e devem ser analisadas e discutidas de forma respeitosa e racional. O exercício da mediunidade e os postos de liderança não conferem autoridade incontestável em nenhum assunto.

7) Rejeitamos a ideia de que o espiritismo seja uma religião institucional. Entendemos que ele propõe uma espiritualidade livre e aberta, com a possibilidade de diálogo com outras tradições espirituais.

8) Rejeitamos qualquer tutela institucional sobre o pensamento espírita: a prática, o estudo, as produções e a representação do espiritismo são livres e não são monopólio de nenhuma instituição nacional ou internacional.

9) Consideramos que o diálogo entre todos os espíritas deve ser aberto, empático e construtivo, sem a perda da criticidade e da liberdade de consciência e expressão.

10) Entendemos o espiritismo como uma proposta pedagógica, que trabalha por uma educação emancipatória de todas e todos para a convivência pacífica, para a justiça e equidade e para a prática de uma espiritualidade amorosa e crítica.

O manifesto, as assinaturas e os desdobramentos podem ser lidos no site www.pedagogiaespirita.org.br e no blogabpe.org

 

Leia também:  Primeira santa brasileira, Irmã Dulce se dedicou à classe trabalhadora

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

38 comentários

    • “Bem longe do MEB”, Avelino.
      Gracas a Deus. Eu nao fui espiritolico e DEFINITIVAMENTE nao serei espiritelico.
      Sou kardekiano puro. Estou pra desenvolver a teoria do enderecamento de pensamento a qualquer minuto agora, alias: o mundo ainda ha de se lembrar no futuro que quem lhe negou o direito de ter uma alma -e nem mencione “espirito”- foi um filho de Pai Seta Branca e Mae Yara.
      Nao vejo contradicao.

    • Progressista pois encara a ciência como uma aliada. Não tem nada a ver co posição política partidária. Tem de Tudo no movimento espírita, somos livres para votar e pensar. Espiritismo não é religião. NÃO aceitamos receber normas de conduta na nossa vida particular

  1. Eu acho que uma coia não exclui a outra. Pode-se entender que foi um resgate carmico coletivo e ao mesmo tempo pedir que os culpados pelo descaso sejam punidos pela lei dos homens, pois embora a espiritualidade planeje os desencarnes coletivos, em última instância, foi o livre arbítrio dos poderosos que fizeram vista grossa que possibilitou a tragédia.

    Mas, fiquei curioso. Qual é a explicação, dentro dos conceitos kardecistas, que esse movimento apresenta para o que ocorreu em Brumadinho? Se não foi resgate carmico coletivo, foi o que? Deus teria permitido que pessoas fossem injustiçadas? Se for, isso não tem respaldo em Kardec.

    • “Qual é a explicação, dentro dos conceitos kardecistas, que esse movimento apresenta para o que ocorreu em Brumadinho? Se não foi resgate carmico coletivo, foi o que?”
      Karma pago por 350 pessoas NAO eh a mesma coisa que karma assumido por um punhadinho de gente!
      Eh exatamente contra esse tipo de pensamento que os progressistas estao se organizando! O CRIME COMETIDO necessariamente TEM que vir primeiro. Falar que foi karma coletivo passa um trator e um caminhao em cima do CRIME.
      Alias, porque eh que a pressa da FEB so os permitiu dizer que Joao de Deus nao era espirita mas nao foi capaz de os levarem a oferecer uminha palavra aas vitimas de crimes sexuais?
      Os Espiritas nao podem ser movidos a medo, nao da, eh impossivel. A teoria de mente coletiva tem que ser desenvolvida muitissimo mais que isso!

      • Desconheço alguém do movimento espírita que defenda impunidade para os envolvidos por se tratar de resgate carmico coletivo. Como eu disse, uma coisa não exclui a outra.

        Sobre o caso João de Deus, todos se solidarizaram com as vítimas independente de religião. Já a FEB, como instituição, fez seu papel em defender o Espiritismo ao pontuar, muito bem, que a casa de João de Deus não era ligada à Federação — e o mesmo dizia-se católico.

        Agora, você não respondeu qual é a explicação Kardecista que esse movimento “progressista” dá para o caso Brumadinho. Criticar é fácil, demonstrar conhecimento das obras de Kardec que é difícil, né querido?

        A verdade é que esse movimento foi criado para utilizar a doutrina espírita para fazer politicagem. No Facebook já tem até “espíritas progressistas contra o fascismo”. A mim vocês não enganam. Francamente, deplorável.

        • “você não respondeu qual é a explicação Kardecista que esse movimento “progressista” dá para o caso Brumadinho”:
          EXPLICACAO????
          Respondi sim.
          “Eh exatamente contra esse tipo de pensamento que os progressistas estao se organizando! O CRIME COMETIDO necessariamente TEM que vir primeiro. Falar que foi karma coletivo passa um trator e um caminhao em cima do CRIME.”

  2. É sempre assim; toda vez que alguém tenta inovar acaba caindo na mesmice. Onde é que está a novidade nesse manifesto? Se alguém age diferentemente dos fotos desse manifesto é porque não entendeu nada. (É gente que não entende nada está sobrando. Não estudam)
    Estou contigo Hermano.

    • “É sempre assim; toda vez que alguém tenta inovar acaba caindo na mesmice. Onde é que está a novidade nesse manifesto?”
      Nas lantejoulas. Eh obrigatorio pra nos usar lantejoulas.
      E voce NAO leu a sentenca completa que ele escreveu tampouco, por falta de teoria de ments. Vou c/p a segunda clausula abaixo:

      “pois embora a espiritualidade planeje os desencarnes coletivos, em última instância, foi o livre arbítrio dos poderosos que fizeram vista grossa que possibilitou a tragédia”.

    • Benedito, acho que te misrepresentei aa primeira leitura, e eu tava ocupadissimo entao.
      So pra esclarecer, eu tambem concordo com ele plenamente.
      Foi mal… Sorry!

    • “É gente que não entende nada está sobrando. Não estudam”:
      Espiritolicos e espiritelicos estao INFESTANDO o Espiritismo. PESTEANDO tudo em que encostam.
      Quando nao sao os Testemunhas de Jeovah travestidos de Espiritas, como Divaldo Franco.
      Essa cachorrada TEM que sumir do Espiritismo, ok?
      Eu tou la aqui pra educar essa cachorrada agora?

  3. Não existe kardecismo, existe espiritismo. Nenhum espírita é contra a ação da lei humana para punir com o rigor da lei os culpados. Nenhum espírita é a favor de impunidade de quem quer que seja, justamente o contrário. Pedofilia é cadeia. O João de Deus se declarava em todos os seus trabalhos, como católico. Ele fazia questão disto. Não foi um espírita que disse isto. Até porque se ele se declarasse espírita teria que ter um código moral e ético cristão e também se submeter à uma federativa de Goiás. E ele não queria isto pois assim não poderia fazer o que fez. O espiritismo é progressista, não é religião, aceita olhar a ciência cara a cara. Não tem medo da verdade. Os espíritas tem direito a ter opinião própria a respeito de qualquer assunto. Apoiar politicamente quem a consciência deles achar que deve. Tem petralha, tem ultra direita, tem conservadores tem uma grande parcela de homossexuais e está tufo ótimo. Não vamos procurar chifre na cabeça de cavalo pois não tem. Salve o Cristo Jesus. Viva Deus. A caridade é nossa advogada sempre.

  4. Muito triste em ver espíritas acreditando que se colocando uns contra os outros estão agindo conforme a Doutrina do Cristo. Não querem as opiniões pessoais de espíritas que são respeitados por seus trabalhos, que conquistaram esse respeito, mas querem empurrar goela abaixo as suas opiniões, que mais separam, do que unem, fazendo assim que nos transformemos nós mesmos nos inimigos da Doutrina Espirita. Não é sobre nós, nunca foi, é sobre Jesus, é sobre A Espiritualidade Superior a nos orientar, é sobre nossa destinação. Voces fazem um desserviço à Doutrina dos Espíritos, estão sendo usados como instrumentos para dividir os espíritas. Estão misturando ideologia e achismo, cuidemos de estudar a Doutrina, nos estudar e perceberemos o mal que ainda somos capazes de fazer em nome do personalismo em detrimento a Doutrina. P.s.: Estudar, estudar e estudar.

    Espírita não vai inflamar ânimos, gritar por uma justiça que no fundo, é mais exteriorização de ódios. Claro que Brumadinho foi resgate coletivo, claro que queremos que os responsáveis sejam devidamente responsabilizados, da mente de quem saiu a ideia de que isso não seja verdade?

    • “Não é sobre nós, nunca foi, é sobre Jesus, é sobre A Espiritualidade Superior a nos orientar, é sobre nossa destinação”:
      Nao eh esse o tripeh de Kardec que eu lembro nao.

  5. Deus “não permite nada”. Apenas nao interfere nas nossa evolução porque se o fizesse, donde estaria o nosso livre arbítrio?
    Compete a nós lutar para a construção de um mundo melhor, até porque é nesse mundo que ajudo a construir que irei renascer.
    Lutar contra o CRIME E A INJUSTIÇA é questão de necessidade pessoal, para quem não enxerga nisso, a proteção dos irmãos vítimas de CRIMES, como foi o de Brumadinho.

  6. Divergir ao invés de convergir? Isso mostra um pouco do retrato da dificuldade da Unificação no Movimento Espírita organizado. Que possamos todos orar e trabalhar pela Unificação!! 🙂

  7. Se quiserem saber sobre justiça humana, perguntem a Haroldo Dutra, Juiz de Direito, estudioso e conhecedor dos fundamentos jurisdicionais humanos… Se quiserem saber sobre Justiça Divina, perguntem a Haroldo Dutra, estudioso e conhecedor dos fundamentos jurisdicionais espíritas. Se alguém não entendeu a dica, estudar, estudar e estudar… Disciplina, disciplina e disciplina… Amém.

  8. Só lembrando a codificação é de 1857 e precisa ser contextualizada.
    Resgate coletivo , karma do livre arbítrio como fica. Reencarnação como forma de pagamento é coisa de espiritismo de balcão dos ano 40, 50 etc
    Bem no mais a codificação precisa ser lida, contextualizada com muito divertimento e só lembrando estamos no séc XXI

  9. Quando todas as dicas do Evangelho estiverem sido aplicadas no dia a dia de cada ser humano daí sim pode se dizer que o Evangelho está ultrapassado. Até lá ainda estamos aquém das dicas de Jesus.

  10. Lá vem gente querendo enfiar a infernal ideologia no Movimento Espírita…. Bom… Confio no Mestre, “O que meu Pai não plantou, será ceifado”… Simples assim…

  11. Gente, está faltando estudo da Doutrina Espírita!! Esse manifesto deixa claro o desconhecimento da Doutrina Espírita, a ignorância e quem sabe até má fé em mudar a doutrina para se adequar à realidade. Quem tem olhos de ver que veja!! Vamos estudar, gente!!!

  12. as leis naturais e soberanas são eternas… contextualizar cada um pode… independente da doutrina… que deve e está sob a luz do evangelho de Jesus.

    todos devem manter a fé raciocinar. Isso significa respeitar todos os e entendimentos. se assim o fosse não haveria ideia para Manifesto ja que a doutrina recomenda respeito ao livre arbítrio. lei de causa e efeito. por isso não me preocupa a interpretação alheia, mas sim as minhas ações.

    Chico já disse: Ao outro o direito de ser como queira, a mim o dever de ser cada dia melhor.

    a paz esteja convosco.

  13. Como dói para esses irmãos a prática da humildade!!!! Como é difícil reconhecerem a autoridade moral de um Divaldo Franco entre outros, ainda mais quando falam a verdade. Está claro que são a esquerda frustrada que não se conforma com a transição que banirá para sempre o marxismo do planeta. Recomendo que aceitem a realidade enquanto é tempo.
    Aprendamm a submeter-se aos ideais superiores do evangelho.

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome