Religiões, abusos, violências e explorações da fé, por Dora Incontri

O caminho sincero da espiritualidade é autêntico, humano, gradativo, sem ostentação de falsa santidade, sem pretensão de súbita iluminação

Religiões, abusos, violências e explorações da fé

por Dora Incontri

É um pressuposto de qualquer pessoa de fé sincera, que as religiões deveriam melhorar o ser humano, promover o amor, a compaixão, a bondade e a paz. Entretanto, desde sempre, as religiões – e não há nenhuma exceção – têm feito o contrário. Feito o comércio deslavado da fé, da venda das indulgências católicas medievais às vassouras abençoadas dos pentecostais brasileiros. Têm sido o cenário de abusos de toda espécie, sexual, de poder, de opressão. Têm abençoado canhões e provocado guerras, das Cruzadas aos fundamentalistas islâmicos e israelenses. 

Ora, por quê? Jesus não ensinou a amar o próximo? Buda não recomendou compaixão? Os Vedas e o Bhagavad Gita não pregam a ação desinteressada em favor do bem? O Alcorão não se refere a Deus como o Todo-misericordioso? E acima de tudo, as religiões em sua maioria, não nos ensinam a transcendência e, portanto, o desprendimento, ou pelo menos a moderação, diante das ilusões do poder, do luxo e dos prazeres sensuais?

O que se dá então? Muita gente, perplexa com isso, afasta-se de qualquer denominação religiosa ou qualquer forma de espiritualidade, mesmo livre, pelo horror da hipocrisia, dos abusos e da lama histórica que envolve todas as tradições conhecidas.

Entretanto, não se pode jogar tudo na mesma vala. As grandes inspirações religiosas do planeta, como Jesus, Buda, Confúcio, Francisco de Assis, Gandhi, apenas para citar alguns – foram de fato pessoas que vivenciaram uma espiritualidade limpa, elevada, honesta, pacífica, compassiva e continuam contagiando milhões de almas com suas vidas.

Entre as muitas pessoas com quem possamos cruzar em nossas jornadas, em qualquer cultura, país ou religião, encontramos aquelas que irradiam paz, sabedoria, trabalho engajado por um mundo melhor, a partir da inspiração de valores espirituais. Tantas pessoas anônimas, simples, sem projeção social, que são exemplos de fé sincera.

Mas é verdade que na religião, muitas vezes se abrigam celerados da pior espécie, se escondem as taras mais predatórias e as violências mais impiedosas.

Basta ver recentemente as repugnantes denúncias de João de Deus (que de Deus nada tem) e as monstruosas notícias de padres católicos, na Itália e na Argentina que durante mais de 40 anos abusaram de crianças surdas, deixando um rastro de traumas, suicídios e vergonha…

Gosto sempre de lembrar que a única vez em que Jesus foi duro com alguém em sua vida, foi justamente com os fariseus e saduceus – sacerdotes do judaísmo antigo – de duas correntes distintas. A eles, Jesus dirigiu palavras extremas, chamando-os de hipócritas e sepulcros caiados, brancos por fora, mas cheios de podridão por dentro.

O problema é justamente esse. Como a religião propõem um ideal de padrão moral elevado, seja de santidade, dentro do catolicismo; de evolução espiritual, dentro do espiritismo; de iluminação, dentro do budismo – eis que se aproximam pessoas sedentas mais de poder do que santidade, mais de tesão pervertido do que de elevação do espírito, mais de trevas do que de luz e adotam a capa farisaica da bondade artificial.

Criam hierarquias, estabelecem regras, montam estruturas de poder, arvoram-se em gurus, em sacerdotes, em médiuns em estrelato espetacular e sacralizam sua ação, submetem os incautos, abusam dos fieis e são tudo, menos religiosos de fato.

Isso nos leva a uma questão crucial: enquanto as religiões forem encaradas como caminhos de elevação pessoal, autônoma, que podem ser trilhados em comunidades horizontais, não hierarquizadas e não submetidas a nenhuma autoridade – é mais seguro que elas possam de fato contribuir para melhorar o ser humano. Mas quando a instituição se torna mais importante que os seres humanos, as hierarquias mais sólidas que as virtudes, o poder mais atraente do que o serviço ao próximo, então entramos na história repetida de séculos.

Na história do cristianismo, por exemplo, tão largamente estudada, sabemos que enquanto Jesus e um punhado de pescadores andavam pela Palestina e ainda nos primeiros momentos, em que apóstolos devotados percorriam o mundo livremente para divulgar a Boa Nova, havia fraternidade, comunhão, partilha. Mas no decorrer dos séculos, conforme foi se solidificando o sacerdócio, até chegar ao papado lá pelo século V, o cristianismo foi ganhando em ouro e perdendo em amor, foi crescendo em perseguição aos que pensavam diferente e abandonando princípios de compaixão para com todos.

Talvez tudo isso se deva também ao fato das pessoas se aproximarem das religiões, querendo uma santidade forçada, uma iluminação rápida, adotando uma capa para soterrar seu lado sombrio e os impulsos do inconsciente. A moral imposta, que se veste como uma armadura, para conter as pulsões humanas e não para usá-las, e quando necessário transformá-las, de maneira saudável e produtiva, acaba gerando uma legião de pessoas com voz adocicada e veneno no coração.

O caminho sincero da espiritualidade é autêntico, humano, gradativo, sem ostentação de falsa santidade, sem pretensão de súbita iluminação.

Kardec recomendava sermos homens (e mulheres) de bem. Integridade, sinceridade, respeito ao próximo, fraternidade… qualidades que podem ser cultivadas com cuidado, com paciência e sem exibicionismo. O que significa que o ser humano de bem é o que é, e não se esconde atrás de uma falsa imagem de si mesmo. E esse esconderijo pode ser uma inocente simulação de mansuetude, enquanto a pessoa está internamente espumando de raiva ou o extremo de uma vida de crimes hediondos por trás de uma batina ou de uma mediunidade.  

Outro aspecto importante é que em todas as tradições coexistem duas posturas diversas para a melhoria do ser humano. Há o caminho repressor, punitivo – aquele que enfatiza o ser como um pecador, caído, que precisa ser contido. E há o caminho que reconhece a divindade que mora em todos os seres e faz o trabalho de despertar a consciência, fazer jorrar algo de bom que ilumine e não trancafie o que é sombra – que necessariamente vai explodir mais à frente. A luz que habita em nós, se desenterrada, se parida, fulgura e dissolve a nossa própria sombra e se irradia pelo mundo. Lembrando Jesus: “Vós sois a luz do mundo!”

Dentro dessa perspectiva, mesmo os mais celerados e sombrios, o pior abusador ou o pior inquisidor, também podem ser acordados em sua consciência e fazerem nascer sua luz interior. Para visões reencarnacionistas, como a espírita, isso se fará no tempo das múltiplas vidas, mas se fará. Na visão da eternidade, o bem sempre vence e a luz sempre brilha acima.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  "Devemos criar uma lei de união civil para homossexuais", diz Papa Francisco

14 comentários

  1. Excelente artigo. E partindo do pressuposto que os problemas são resolvidos 90% por inteligência e apenas 10% por suporte material, pode-se dizer que “religiões” que (como os políticos em sua quase totalidade) invertem esses percentuais, são meras ladroagens institucionalizadas, aproveitando-se da baixa-estima da maioria das pessoas deste terceiro mundo.

    Apenas observo, com base em Aristóteles, se não me engano, que a ideia é tudo, não guardando rabo preso com o seu autor. Autoridade é para ações, não para ideias. Assim, as ideias de Buda, Sócrates e Jesus (deste, apenas supostas, fragmentárias e distorcidas), valem por si mesmas, e não pelos seus autores.

    Quantos templos tem o budismo no Japão? Apenas alguns, onde as pessoas vão para deixar pedidos, e não comprar graças, não é? Lindo. E pequenos altares nas casas, sem pagar royalties para vigaristas que não querem achar ocupação útil.

    Religiosidade popular brasileira, igualmente sem dinheiro intermediário. Mas um tanto viciosa, pois permite que a pessoa, confiando demais na ajuda divina, se esquece de fazer a sua parte, isto é, utilizar amplamente os dons que a divindade lhe deu de antemão.

    No mais, deus por deus, sou Odin, cultuado pelos antigos vikings. Estou certo de que o verdadeiro deus não se ofenderá porque eu o chamo assim. E nem expedirá raios para me matar. Sacrilégio é coisa de humano, e não de deuses (ou deusas) verdadeiros (as)…

  2. que texto fofinho..que bom, e viva a iluminação e enquanto isso, deixando um pouquinho o mundo espiritual, o Bolsonaro é presidente, tacando fogo e vindo com um monte de maldades.. aposentadoria de R$ 400,00 deveria ser crime contra a humanidade…
    Os assuntos relacionados ao espiritual, metafisicamente falando, são até interessantes, mas como falei para um amigo “kardecista” – tbm não sei até que ponto, graças a deturpação do espiritismo – não vivo no mundo espiritual, vivo no material… e tento sobreviver, mas tá difícil…

  3. Relação das pesquisas resgatando cristianismo primitivo sobretudo do grupo de Maria Madalena e Tomé, com democracia e liberdade e socialismo fraterno e libertário, como se livrar das crenças ou ideologias com os livros do Gaspareto, as meditações, e o Deus real da mecânica quântica como aborda o Hélio Couto.

    Alguns links de textos e vídeos das nossas pesquisas sobre o Deus e Jesus reais da mecânica quântica, lei da atração, amor, relacionamentos, meditações, etc., e o resgate do cristianismo primitivo sobretudo do grupo de Maria Madalena e Tomé, ela a principal apostola, e o grupo que melhor entendeu tudo e nada deturpou, o mais próximo de Jesus, e do que seja democracia e liberdade efetivas que ainda não temos em parte alguma.

    E com os cristãos primitivos tinha o espiritismo ciências ou metafísica agora física quântica ou mecânica quântica como abordam o Hélio Couto, Amit Goswani e outros, como a reencarnação, a vida após a morte, a alma ou consciência ou espirito eterno e imortal, e a comunicação com os espíritos, que sempre fizeram parte das leis de Deus regendo o universo, queiramos ou não, creiamos ou não, e agora com tudo explicado e comprovado pela mecânica quântica como bem explica o Hélio Couto, em seus vídeos pelo youtube, e o seu livro Mentes In-formadas, pela Editora Linear B, e já com uma TEORIA DE TUDO, e no Brasil, algo que o Stevens Hankins procurou durante décadas sem sucesso, até falecer recentemente, tendo até um filme sobre isto. Além dos livros do Gaspareto sobre como se livrar das velhas crenças ou ideologias causando dores e sofrimentos, ou problemas, e para isto também as meditações da Ong de Raja Yoga Bhama Kumaris.

    https://www.linkedin.com/pulse/rela%C3%A7%C3%A3o-de-textos-das-viv%C3%AAncias-pesquisas-ou-e-garrucino?trk=mp-author-card

    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

  4. Hoje, quarta, 19 horas, 13/2 reli e melhorei o texto sobretudo na parte final das vibrações, orações, preces, meditações, etc,. que estava a meu ver incompleto ou confuso, e comentei sobre eventual missa para a mãe na igreja católica, assim como pedir as orações para a passagem na igreja Messiânica, etc.,

    Volta de Bastos após morte da mãe e já foi socorrida mas não sabe que morreu conforme espirito do Dr. Nakamura.

    https://www.linkedin.com/pulse/volta-de-bastos-após-morte-da-mãe-e-já-foi-socorrida-mas-garrucino/?published=t

  5. Reencarnações várias já mostraram que o horizonte terreno permanece fechado para transformações
    razão de existirem ainda os joões de deus e de muitos outros safados e enganadores

    o que se anuncia e se quer é apenas uma restauração do estado anterior de credibilidade e de aceitações sacras, ………………………………………………………………

    única transformação possível era pra vir do interior de cada um e em vida, porque espiritualmente, e quando se transformam realmente e de verdade, não voltam

  6. Eis aí a resposta da questão, respondida por vocês mesmo,
    Enquanto não reconhecerem Jesus Cristo como Salvador, entregando suas vidas a ele, deixado de lado o fato de quer religião salva, , mais tornando-se cristão autêntico, irão sempre viver assim enganados a respeito de Deus.
    Pois chegam ao cúmulo do absurdo de colocar Jesus ao mesmo nível de Buda , Maomé e outras, como vimos acima nesta matéria,
    Não sabem nada a respeito de Jesus, não aprenderam, isso porque não deram ouvidos a bíblia sagrada, preferindo acreditar em ensinamentos de homens sem conhecimento da graça salvadora, olhem para Jesus vê sejam salvos.

  7. Puxa nem sabia que a Dora Icontri é de bragança então vou procurar descobrir o endereço e ir lá uma hora e minha irmã mora lá. Embora nunca ouvi ainda vídeo dela, e apenas gostei de um texto que acho você mesmo postou e achei a linha dela dentro do que gosto também do espiritismo ciências como tenho gostado do psicologo espirita Vitor Antenori Rossi comentando os livros da Joana de Angelis de psicologia profunda, da Dra Anete Guimarães, agora do Paulo Henrique de Figueiredo, e estes vídeos de fascinação e depressão do médico ou psicologo da federação espirita do mato Grosso que indico nos videos das pesquisas e sobre a fascinação ou capetas dominando maioria no Brasil e no mundo entre os quatro textos recentes que publiquei.

  8. Brasil e ataque dos “capetas” depressão transtornos mentais obsessão fascinação subjugação possessão e luta entre ego e self/alma/espírito/iluminação
    Ansiedade, tensão, depressão, transtornos mentais e o bipolar, meta hipnose, etc;. Vídeos de psicologia transpessoal ou profunda da Dra. Anete Guimarães, da Federação Espírita do Mato Grosso, em Cuiabá, do psicólogo espirita Vitor Antenori Rossi, do psicólogo guru Pree Baba, do filosofo pela USP guru e médium Guilherme Romano, meditações, terapias alternativas, etc.
    https://www.linkedin.com/pulse/brasil-e-ataque-dos-capetas-depressão-transtornos-luta-garrucino/?published=t&fbclid=IwAR3-7Zie779tF6yUhPadrtE7R6dAPBMpDEJxWfFrU0uCbF-Yrw8wUffQCOU

  9. Olha ouvi ontem e hoje vídeos do Paulo Henrique Figueiredo a partir de um que vc postou na página fatos espíritas acho e ele fundamenta tudo o que tenho escrito faz anos sobre o vaticano kardecista da FEB
    melhor ainda agora pois com base no Kardec ou teoria oculta pelos igrejistas roustanguistas que dominaram a FEB e também a sociedade espirita do kardec após a sua morte deturpando ou desvirtuando o espiritismo e kardec tomando este rumo igrejista e do carma como se fosse castigo e recompensa das velhas religiões todas do mundo o que diferenciaria o espiritismo de todas as outras que seria a educação autônoma em relação a educação heterônoma das velhas religiões dos homens violando o livre arbítrio de Deus como o kardecismo sempre fez até agora dominado pelas legiões trevosas ou os homens deste mundo repetindo em tudo a igreja católica. Chocante. E ele também fala de Maria Madalena embora não tenha entrado no evangelho gnóstico de Tomé que li do Hercilio C. Miranda com a chave para detonar as ideologias religiosas que não tinha com Jesus com os cidadãos livres pensadores ou podendo tudo com ciências, história e filosofia, o pesquisar, meditar, questionar, filosofar, etc., e sem chefes ou hierarquias como o vaticano da FEB e os papas e pastores, mas somente com grupos fraternos respeitando-se todos e quem sabia mais, ou somente a autoridade moral como havia com Jesus. Finalmente começa a cair o velho muro medieval que dominou e travou a igreja ou vaticano da FEB no Brasil retardando o trabalho dos espiritos e uma revolução dos cidadãos nos moldes do cristianismo primitivo.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome