Prefeitura aposta na medicina integrada para melhorar o serviço

Jornal GGN – Hoje (30), o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, inaugurou, na sede da Prefeitura, no Viaduto do Chá, o Programa Telessaúde São Paulo Redes e instaurou a Comissão Municipal de Telessaúde. A intenção é seguir os parâmetros do Ministério da Saúde para melhorar a qualidade de atendimento e atenção básica no SUS.

O programa pretende integrar o serviço médico por meio do uso de tecnologias de informação e comunicação. A Comissão Municipal vai ser presidida pela primeira-dama, Ana Estela Haddad, criadora da São Paulo Carinhosa, que promove ações voltadas para a infância. O comitê vai ser formado por membros de entidades e universidades e vai interagir com o Núcleo Técnico-Científico, que será responsável pela formulação e gestão dos trabalhos.

A teleconsultoria é uma espécie de consulta realizada entre trabalhadores da área da saúde, para esclarecer dúvidas sobre procedimentos clínicos e outras questões relativas ao processo de trabalho. Já o telediagnóstico usa tecnologias da informação e comunicação para realizar serviços de apoio ao diagnóstico. A vantagem é que eles podem ser feitos em tempo real, por telefone, chat, ou videoconferência.

Além disso, o programa abrange ações de segunda opinião formativa, que sistematiza respostas de diagnósticos com base em evidências científicas, clínicas e revisão bibliográfica. E prevê ainda iniciativas de tele-educação, que inclui conferências, aulas e cursos à distância. Com tudo isso, a intenção é integrar, qualificar, ampliar e fortalecer o SUS.

O coordenador do Núcleo Técnico-Científico, dr. Amaury Zatorre Amaral, exemplifica o funcionamento dos pontos de Telessaúde. “Suponhamos que o obstetra ou clínico geral tenha dúvida sobre uma paciente gestante que precisa tomar determinado medicamento durante a gravidez. Através do Ponto de Telessaúde ele faz a consulta ao Núcleo Técnico-Científico. Uma equipe técnica de obstetrícia e/ou clínica avalia o questionamento solicitado, elabora  resposta com base nas diretrizes científicas e encaminha ao profissional solicitante”.

O programa vai ser implantado para todas as especialidades. Para algumas, como cardiologia, pneumonologia, neurologia, psiquiatria, pediatria e endocrinologia, espera-se uma demanda maior. O Núcleo vai funcionar 24 horas por dia, todos os dias da semana, os pontos de Telessaúde terão uma rede de urgência e emergência, que também funcionarão em tempo integral, para acompanhar os pronto-socorros, hospitais e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento). Nas demais unidades de saúde, o funcionamento será concomitantemente ao do equipamento.

Leia também:  Governo federal pode descartar 6,8 milhões de testes contra covid-19

O Núcleo Técnico-Científico também deve auxiliar o Complexo Regulador do Município, dando um melhor encaminhamento às demandas. “Por exemplo, o médico de uma UBS ou Ambulatório de Especialidade solicita ao paciente um determinado procedimento diagnóstico de alta complexidade (exemplo: cateterismo cardíaco). A demanda chega ao Complexo Regulador e é agendada. A ideia é que o profissional faça interação com o Núcleo Técnico discutindo o caso clínico do paciente e dando o melhor encaminhamento, inclusive se o exame é realmente a melhor conduta adotada. O importante é tomar o cuidado de jamais interferir na autonomia do profissional solicitante ”, explica o dr. Amaury.

Atualmente, há três projetos-piloto de Telessaúde na rede municipal, em vigor há dois anos: em neurologia, no Hospital Municipal do M’Boi Mirim e no Albert Einstein; em cardiologia, nos Hospitais Municipais João XXIII e São Miguel, junto com o Instituto do Coração (Incor); e nas 53 AMAs (Assistência Médica Ambulatorial) que realizam tele-eletrocardiograma. Nesse caso, os exames são encaminhados e avaliados por uma equipe de cardiologistas do Hospital São Paulo, que dá retorno em no máximo 10 minutos. O plano é integrar esses pilotos ao Programa Telessaúde São Paulo Redes.

A meta da Prefeitura é já começar a definir os pontos de telessaúde e a instalação dos centros, e contratar as pessoas jurídicas com experiência em saúde. Em até dois anos, a Prefeitura quer implantar os pontos de telessaúde em 340 unidades de saúde. A meta para o primeiro ano é de 100 pontos.

Para a implantação, a Prefeitura vai investir R$ 240 mil, como contrapartida aos R$ 2,7 milhões que virão do Ministério da Saúde. Para a aquisição de equipamentos e materiais, o Ministério da Saúde vai entregar R$ 825,2 mil e a Prefeitura outros R$ 71,7 mil.

Leia também:  MPF recebe estudo sobre impactos das queimadas na saúde da população da Amazônia

Com informações da Secretaria Municipal da Saúde

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Que orgulho!

    È com muito orgulho que parabenizo esse maravilhoso prefeito! Aliás tenho que fazê-lo com muita frequência, pois há sempre belas notícias sobre seus feitos! Já não encontro palavras para elogios ao que considero o melhor nome de políticos do Brasil! VIVA HADDAD!!!!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome