Queiroz representa o fortalecimento das milícias no governo Bolsonaro, aponta sociólogo

A figura de Queiroz “faz conexões entre a estrutura política do poder central do país com a estrutura política e econômica montada pelas milícias no Rio de Janeiro", aponta José Cláudio Souza Alves

Flávio Bolsonaro ao lado do ex-assessor Fabrício Queiroz. Foto: Reprodução/Redes sociais

Jornal GGN – Junto com o governo de Jair Bolsonaro e o discurso de “bandido bom é bandido morto” veio o fortalecimento das milícias e, nesse contexto, a figura de Fabrício Queiroz, ex-PM e ex-assessor de Flávio Bolsonaro, é peça-chave, de “dobradiça”, das relações das milícias com a estrutura política no Brasil. A avaliação é do sociólogo José Cláudio Souza Alves.

Em entrevista à revista Época, o sociólogo que é autor de “Dos barões ao extermínio – a historia da violência na Baixada Fluminense” e pesquisador da temática, analisou como a figura de Queiroz é significativa neste atual momento no país, porque exemplifica o fortalecimento do aparato militar no governo, em relações que ultrapassam o equilíbrio de forças, e chegam a casos como a morte de Marielle Franco ou de paralisação de investigações, como no caso do primogênito do presidente.

O sentido de “peça de dobradiça”, apontado por Souza Alves, está porque em sua visão Queiroz “faz conexões entre a estrutura política do poder central do país com a estrutura política e econômica montada pelas milícias no Rio de Janeiro”.

O peso do Queiroz vem desse lugar que ele ocupa de dobradiça entre uma estrutura dita legal, democrática, e a estrutura criminosa, de execução de qualquer pessoa que se interponha aos interesses deles, haja vista Marielle Franco. Por isso, o interesse em esconder Queiroz, de protegê-lo de qualquer forma de investigação que permita revelar tudo o que ele oculta”, analisa o sociólogo.

Tudo isso inserido no contexto do fortalecimento do discurso de execução sumaria ou concessão de poderes ampliados de letalidade policial, acrescentou.

Leia também:  Conferência da direita brasileira não tem raízes robustas, diz pesquisador do INEU, por Carlos Gustavo Poggio Teixeira

Todos esses discursos e as práticas feitas pelo governo federal indicam o fortalecimento das milícias, porque a base delas está no aparato policial. É claro que tem o caso do Flávio Bolsonaro, e aí é um vínculo pessoal de um senador com o presidente da República. E há o vínculo do Flávio com a estrutura miliciana, não só pelas homenagens que ele sempre prestou ao longo de sua trajetória no Rio de Janeiro, mas também em função de um dos milicianos foragidos, Adriano da Nóbrega, ter tido esposa e mãe no gabinete do Flávio.”

Segundo o pesquisador, a aproximação ideológica da “figura do matador, do assassino, que atua dentro da estrutura policial” com aqueles “que representam hoje o poder central no Brasil” deve ser analisada como uma espécie de carta branca para violências no país.

“Enquanto perdura esse discurso de aumentar a violência para combater a violência, de uma corrida armamentista como solução, a estrutura da milícia se propaga. Deixa de ser uma originalidade do Rio de Janeiro. Já temos notícias de milícia em vários estados do Brasil. A senha foi dada e foi compreendida: vá em frente, agora é possível”, afirmou.

A entrevista completa pode ser lida na reportagem da Época.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Nassif: essa de dizer que BraçoDireito do Capitão representa o “fortalecimento” da Milícias é eufemismo. Dizem que a consolidação dessa presença, espécie de “BraçoArmado do governo, tanto quanto os VerdeSauvas, a PM, PolíciaCivel e ServiçosDeInteligência, seria fatalmente certo. Seriam uma espécie de TotonMacoutes, que foram transladados para o Brasil, quando o País fiz parte das forças da ONU no Haiti. Uma reinauguração da CasaDoTerror, tão ao gosoto dos Verdinhos. Agora, sem envolvimento direto. Só indicando “fulano” ou “Sicrano”, e pronto. O teste Marielle foi só uma amostrinha. E está a Nação à caminho da plenitude…

    PS.: continuo não sendo robô.

  2. Está sendo preservado como símbolo de poder…
    a função principal dos velhos símbolos de poder de certas organizações era mostrar o erro de um para dar asas às iniciativas de outros

    se um cometeu e está sendo preservado dessa forma, os outros podem ficar tranquilos, podem errar à vontade que ninguém pode fazer nada para impedir

    é o velho ornamento de poder, tipo cadeira alta para diretor, o onde e como são tratados

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome