Witzel critica divulgação de casos de violência no Rio e diz que não afetam “vinda dos turistas”

'Witzel bate um novo recorde de insensibilidade' ao ignorar dados oficiais que comprovam contraste entre áreas turísticas e bairros pobres

Jornal GGN – “Estava em Lisboa e vi um programa de TV mostrando tiroteio na favela. Não é a realidade do Rio, Infelizmente, é a realidade de algumas comunidades. Mas isso não afeta a vinda dos turistas para cá”, disse o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel, nesta terça-feira (12).

No mesmo dia, em que ocorria também a repercussão da morte da menina Kethellin Gomes, de 5 anos, morta com um tiro disparado por um miliciano, o governador anunciou um investimento de R$ 20 milhões para promover a imagem do Rio. “Nas áreas turísticas, o índice de criminalidade violenta é praticamente zero”, afirmou ainda.

Na coluna deste sexta-feira (15), na Folha de S.Paulo, o articulista Bruno Boghossian avalia que, com essas declarações, Witzel “bateu um novo recorde de insensibilidade”.

“O contraste entre áreas turísticas e bairros pobres não deveria ser motivo de celebração. No Brasil, a taxa de homicídios de pretos e pardos é quase três vezes maior do que o índice para a população branca. Segundo o IBGE, a distância entre os dois grupos cresceu nos últimos anos”, ressalta.

Witzel voltou a levantar o tema na quinta-feira (14), durante uma visita a um dos municípios mais violentos do estado, Duque de Caxias. Na ocasião, ele elogiou a segurança pública na capital carioca: “Estamos no mesmo patamar de Nova York, de Paris, de Madri. Essa é a realidade que precisa ser mostrada”.

“Nem o marqueteiro mais criativo conseguiria emplacar essa distorção. No ano passado, o índice de homicídios em Nova York foi de 3,4 por 100 mil habitantes. No Rio, essa taxa foi de 19,9 –sem contar as mortes em ações policiais”, pontua Boghossian.

*Clique aqui para ler a coluna na íntegra.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carlos Elisio

- 2019-11-16 18:47:57

Falou como turista que é. Vivesse aqui, andasse (ou deixasse de andar devido à violência) no Rj não falaria bobagens.

Rui Ribeiro

- 2019-11-15 17:26:11

O problema não é a violência em si, o problema é a violência afugentar os turistas. O Brasil é para inglês ver. Genocida nojento

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador