Revista GGN

Assine

O Escândalo Daniel Dantas: duas investigações

Exclusivo! 

A capa do livro de Raimundo Pereira

O título acima é do livro que será lançado em outubro pela Editora Manifesto. É uma reportagem do jornalista e supervisor editorial da revista mensal Retrato do Brasil, Raimundo Rodrigues Pereira. Raimundo, inclusive, publica neste setembro, na revista Piauí, que já está nas bancas, texto de seis páginas intitulado “Protógenes e eu” no qual discorre sobre o que chama – e em referência ao título do livro – sobre a investigação de Protógenes Queiroz, ex-delegado da Polícia Federal, que conduziu a operação Satiagraha do início de 2007 a meados de 2008, e a investigação dele próprio, Raimundo, sobre o trabalho do hoje candidato a deputado federal pelo PC do B. Como cita em trecho da introdução do livro, dado aqui pelo NR com exclusividade(incluindo a capa, ao lado): “Este livro é uma crítica ao trabalho do delegado Protógenes Queiroz na condução da famosa Operação Satiagraha, que levou à prisão Daniel Dantas, desde então, a mais famosa figura dos meios financeiros do País. O livro é formado por duas partes. A primeira, com considerações sobre o trabalho do policial e do jornalista. E uma segunda, com os artigos publicados na revista mensal Retrato do Brasil, sobre a investigação do delegado.” Segue: “Este livro tem uma conclusão política. Ela surge a partir de uma investigação jornalística feita para entender a razão dos erros gritantes de uma investigação policial (…)”.

"Era mentira" 
Na reportagem da Piauí que acabo de ler, Raimundo aponta erros de interpretação dos grampos e contradições nos rumos da investigação e nos relatórios apresentados por Protógenes. “As gravações [aprendidas na casa do delegado] indicam que Demarco [inimigo conhecido de Dantas] ajudou Protógenes a preparar a prisão do banqueiro”. E vai além, no que se configura uma denúncia das mais graves, pois aponta uma ligação intrínseca entre Queiroz e a Rede Globo, por meio de um conhecido repórter da emissora, Cesar Tralli. Diz a reportagem de Piauí, e também consta no livro, que a gravação que levou a prisão de Humberto Braz por tentativa de suborno não teria sido gravada pela Polícia Federal, e, sim, por funcionários da emissora. 

A gravação exclusiva era da Globo e não da PF? 

O relatório baseado no inquérito [aberto em 24 de julho de 2008] sobre a Operação Satiagraha, foi feito pelo delegado Amaro Vieira Ferreira, e entregue ao juiz da 7º vara Criminal Federal de São Paulo, juiz Ali Mazloum, nove meses depois. “Pelo relatório de Ferreira, fica evidente que o delegado não apenas deu à Globo a exclusividade de cobertura da prisão de Daniel Dantas. Ele usou funcionários da emissora, no papel de policiais, para gravar a famosa conversa no restaurante El Trenvía exibida no Jornal Nacional. [na imagem acima]. Protógenes dissera ao juiz Fausto De Sanctis que a gravação havia sido feita pela Polícia Federal. Era mentira. A prova maior está na fita sem cortes, encontrada na busca policial do dia 5 de novembro de 2008 num dos locais em que o delegado morava, o apartamento 2508 do Shelton Inn, em São Paulo.” Segue: “Na gravação em vídeo encontrada com Protógenes, aparecem os dois cinegrafistas da equipe da Globo que fizeram o trabalho, Robinson Cerantula e William Santos. Eles surgem testando a câmera diante de um espelho – com o que se incluíram na fita.” No relatório, Ferreira diz: “A verdade só veio à luz com a apreensão das gravações originais e a revelação inconteste de que a filmagem foi realizada por repórteres da Rede Globo.” A história toda, afinal esse é apenas um pedaço de todo o enredo que permeia o jogo político e econômico nacional, está em mais de 300 páginas de texto e fotos. Para fechar, em seu blogue, acesse AQUI, o candidato Protógenes cita a presença de Raimundo Pereira durante a inauguração de seu Comitê Eleitoral de campanha, em 22 de julho.

Média: 5 (1 voto)
10 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+10 comentários

Bém, estou sabendo que a interpete Brasileira que é testemunha do caso telecom na Italia, esta escrevendo um livro bomba, onde revela tudo de todos sem poupar niguem. Tem uma grande agitaçao nos bastidores Italiano, ja que se promete publicaçao de documentos e outras coisas mais. Inclusive nomes dos bois do PT, da PF e algumas indiscriçoes sobre Daniel Dantas e seus amigos. Logicamente tudo documentado!!!!!!!!!

 

A auto-promoção do delegado eu sinceramente achava meio vergonhosa, servindo para confundir os fatos em uma apuração delicadíssima e aproveitado ao máximo por veículos suspeitos como o ConJur. Sabotou a credibilidade institucional da PF, já danificado pelas bobagens de Edmilson Bruno "Surfistinha." Está na hora da policia brasileira adotar a discrição imposta por lei em outras paises, onde há regras contra o linchamento público de réus, culpados ou não, na imprensa antes do processo. Seria terrível se um réu culpado se safasse por causa dessa «espetacularizaçõ».

 

Acompanhei nos jornais os lances espetaculares do caso Operação Santiagraha x Daniel Dantas e desde o início achei que havia uma verdadeira tentativa de linchamento contra o banqueiro. Sopesava os fatos descritos pela imprensa e não podia deixar de suspeitar de manipulação dos baixos sentimentos da turba, não pela imprensa, fique bem claro, mas por um delegado da Polícia Federal sequioso por notoriedade, um promotor que acha a folclórica "lei do colarinho branco" uma grande coisa e um Juiz que não entendo. A cobertura de o Estado de São Paulo, por exemplo, limitou-se a cobrir a matéria oferecendo informações no mais alto nível técnico jornalístico e só não suspeitou que algo estava errado quem se apressou a aplaudir a sucessão de trapalhadas efetuadas por todos.   

Ficava assombrado ao constatar que pessoas que se tomam por lúcidas e instruídas assumissem tão prontamente e de maneira tão ressentida a sua aprovação a uma ação policial tão cheia de sombras e fatos tão pouco claros.

Não era necessário provar que o "flagrante", que resultou ao final na condenação de um réu primário à pena máxima prevista para o crime de corrupção passiva com sentença prolatada em tempo récorde, era uma palhaçada com que o Tiririca jamais sonhou.

Bastava ler a manifestação do próprio delegado que entre outras abobrinhas alegava que as fazendas do banqueiro situadas no PA não passavam de fachada para cometer o propalado crime de lavagem de dinheiro. Quando a defesa do banqueiro provou que não somente as fazendas existem mas que também empregam centenas e centenas de pessoas mas que também criam milhares de cabeças de gado, não faltou um deputado oportunista, do PT, se não me engano, para indicar as propriedades do banqueiro para vistoria pelo INCRA com fins de reforma agrária. Bem assim. Linchamento sistemático assim nem na revolução francesa foi visto. Isto sem falar no desfile das demais barbaridades que se sucederam.

O que me preocupa é que o processo de maniqueisação no binômio banqueiro x forças do bem foi prontamente aceito por uma horda de energúmenos, sem se darem conta que o que estava em andamento era um ataque contra um "capitalista" do grand monde das finanças, num conceito cretino sartreano de "A Náusea", erigido em símbolo do mal em um mundo em que o bem é um policial que queria catalizar as atenções e ser alçado à Câmara Federal rebocado pelo Tiririca. O que me preocupa é que às pessoas em geral pouco se lhes dá  o clima absurdamente persecutório e atentatório contra a propriedade privada, privacidade, livre iniciativa, destruição de provas, sequestro de computadores com dados confidenciais de empresas, ameaça de prisão de advogados de defesa etc...E até agora ninguém sabe responder que crime o banqueiro cometeu, mas que ele tem sido investigado...tem. Se isto não fôr um Estado policial! Ou seria apenas um governo policial? Que passe logo!m6hq9

 

O Elio Gaspari aludiu e recomendou o livro na coluna de domingo passado, na Folha.

 

Olá Augusto e amigos

Depois mande-nos a resposta da Carta Capital. Leio bastante a revista mas não sou assíduo. Gostaria de saber outras opiniões a respeito.

Assino a Piauí e li inteira a matéria do Raimundo Pereira sobre o Protógenes. Bom dizer que em nenhum momento ele defende Daniel Dantas ou qualquer um dos acusados. O que ele discorre na matéria é, principalmente, a investigação que Protógenes está sofrendo exatamente por causa dos métodos precários utilizados para prender o 'empresário' Daniel Dantas. O jornalista também cita que o interesse dele não é condenar ou absolver ninguém mas também entender como funciona o sistema financeiro do qual o Brasil faz parte.

Em relação a repercussão, quase nunca a grande mídia tem interesse em dar nome aos bois, ensinar as pessoas a pensar, de fato. O que importa pra ela é o sensacionalismo fácil muita vezes criado por ela mesma (como mostra o Raimundo na matéria). Sendo assim, não me espanta que tantas coisas que acontecem no Brasil passam despercebidas. Gostaria de citar uma matéria excelente também da Piauí sobre o STF. Quem puder, leia.

Gde abraço.

Cristiano Cunha

 

 

Também estranhei a falta de repercussão dessa matéria, não só na imprensa como nos blogs de maior credibilidade. Com exceção do Brasilianas, através deste post, não encontrei nada a respeito. Somente para constar, como leirotr assíduo de CartaCapital, encaminhei recentemente um e-mail solicitando uma posição da revista com relação a essa matéria e estou aguardando resposta.

 

Tambem achei mto esquisita a reportagem...Mas ainda assim, acho muito estranho a total falta de repercussao da materia.O Raimundo, ate que provem o contrario, parece um cara honrado.Acho a materia inconsistente em alguns pontos, sobretudo quando ela insinua que a perseguicao ao Dantas atendia a interesses (escusos) do planalto. O texto dele certamente nao sustenta essa acusacao grave...Agora, alguem pode me explicar porque a Carta Capital ou o Mino nao se pronunciaram? Vc tem uma critica mais ou menos velada a atuacao da Carta. Ora, se o Daniel Dantas era o bode expiatorio do governo, a cruzada do Mino contra o sujeito foi ou ingenuidade da Carta (que nao se percebia manipulada dentro de interesses maiores) ou ... Mas mto estranho ngg falar nada. Cade o PHA? o Nassif? o Biscoito Fino...? Ou qualquer outro Blog mais ou menos alinhado com a esquerda.Tenho feito um procura em varios blogs procurando - e as vezes ate incitando - repercussao.E muito estranhamente nao acho.A reportagem e forte demais pra esse silencio.Prefiro uma resposta do tipo "nao sei" do que isso.Seria menos apavorante...

 

Esse Raimundo Pereira não tem a menor credibilidade.

Ele foi contratado pelo Daniel Dantas para escrever esse livro e com isso tentar anular o livro que um jornalista da Folha está escrevendo sobre o mesmo tempo.

Raimundo Pereira tem ligações umbilicais com Zé Dirceu, que há tempos trabalha para o Daniel Dantas. Ele já fez uma matéria vergonhosa na revista Retratos do Brasil, com todas as teses encomendadas pelo banqueiro-bandido.

É impressionante como a corrupção do Dantas não tem ideologia. Ela vai do DEM na direita, passa pelo PSDB, pelo PT, e chega a velhos ícones da esquerda. Paga bem o Dantas!

 

Aline,

vc está coberta de razão.
esse jornalista de 5a. categoria está fazendo cortina de fumaça.
(não gosto do Protógenes pessoalmente, mas q o cara tem uns culhões deste tamanho, ele tem!)

inclusive o Dantas, q é *****, recebe sempre apoio de outro *****, seja de esquerda ou de direita, ou até sem ideologia, mas um ***** defende outro ***** em qquer situação, ou seja, a colonia, ao invés de expurgar os crápulas, ladrões, preconceituosos religiosos, sionistas e outros maus elementos, saem a defendê-los SOB QQUER CIRCUNSTÂNCIA, se tornando tão ruins qto eles (os maus elementos da colonia).
(antes q a patrulha do "projeto anne frank" venha me taxar disso, daquilo, já vou dizendo q sou antisionista, não antisemita... inclusive tenho bons colegas semitas, árabes e judeus)

se o delegado Protógenes não fizesse algo "escandaloso", este caso morreria antes de nascer... quer apostar? (lembra q tentaram parar a investigação de várias maneiras antes mesmo dela começar, inclusive dentro da própria PF?)

NENHUM PARTIDO QUER QUE ESSA INVESTIGAÇÃO CONTINUE, e como vc disse, Aline, da esquerda para a direita, passando pelo centro, tem gente enrolada com isso.

teriam colocado panos quentes de tudo quanto é lado e a investigação seria esquecida numa gaveta bem escondida, pra ninguém achar.
acho q o delegado apostou todas as fichas.... se eu me ferrar, eventualmente conduzindo a investigação de modo errado, pelo menos levo mais gente, de preferência, peixe graudo (talvez eu, pessoalmente, tbém fizesse algo desse tipo... ruim por ruim, truco!).

veja o artigo (e comentários) no blog do Adir, sobre o fux e silvio santos para entender como uma mão lava a outra.

 

Por favor, Aline Não-Confirmada, quem da Folha está escrevendo um livro sobre o caso? Aposto na Elvira Lobato. Pergunto porque estou compondo minha carta a Papai Noel e não quero perder as útlimas bombas!  Falando no qual, quem pode indicar bons autores de ficção-científica nacional?