newsletter

Luis Nassif Online

Eis o penúltimo ato preparatório para a futura tentativa de Gilmar para conseguir impeachment de Dilma; por Luis Nassif
85 comentários
Quem é de fora de São Paulo arrume a trouxa, quem for de Sampa reserve a agenda. O sarau deste ano é no Magnólia
57 comentários
O Brasil traz na bagagem inúmeras conquistas, mas não consegue organizar um modelo eficiente e profissional do esporte

Em Minas, 33 presos por fraude em vestibular de Medicina

Sugestão de BRAGA-BH

do jornal O Tempo

HEMOSTASE II

Polícia prende 33 por fraude em vestibular de medicina em BH

Há, também, a suspeita de que o Enem tenha sido fraudado em cinco Estados pela quadrilha; preço de vagas variava de R$ 70 mil a R$ 200 mil; Faculdade Ciências Médicas ainda não se pronunciou

FERNANDA VIEGAS/BERNARDO MIRANDA

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu 33 pessoas, nesse domingo (23), suspeitas de fraudar o vestibular de medicina na faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais. A operação Hemostase II, realizada em parceria com o Ministério Público de Minas Gerais já realiza investigações há sete meses e tem, como objetivo, desarticular uma quadrilha especializada em burlar vestibular e o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), principalmente com a venda de vagas em cursos, que variava de R$ 70 mil a R$ 200 mil.

Entres os presos, estão nove membros da quadrilha responsáveis pela organização do esquema, 22 candidatos que seriam beneficiados pela fraude e dois médicos residentes, que eram responsáveis por fazer as provas rapidamente, solucionar as questões e deixar o local de aplicação para entregar o gabarito para a pessoa que iria fazer a transmissão das respostas aos candidato. Os dois suspeitos de liderar a quadrilha são mineiros: Áureo Moura Ferreira, que mora em Teófilo Otoni, na região do Vale do Jequitinhonha, e Carlos Roberto Leite Lobo, empresário que reside em Guarujá (SP). Ambos foram detidos na capital mineira, enquanto monitoravam os trabalhos na tarde desse domingo. Entre detidos, ainda, há um policial civil, lotado em Governador Valadares, que estava em um dos carros da quadrilha.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Mercado fecha em queda, no aguardo por nomes de ministros

Jornal GGN - A expectativa em torno da formação da nova equipe ministerial segue afetando as operações de mercado, mas a correção de preços de algumas ações levou a bolsa a fechar o dia em desvalorização.

O Ibovespa (índice da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo) terminou as operações do dia em queda de 1,21%, aos 55.406 pontos e com um volume negociado de R$ 8,601 bilhões. Com isso, o índice acumula ganhos de 1,43% no mês, 7,57% no ano e de 4,94% em 12 meses. No índice, os setores com mais fracos desempenhos foram bancos, petróleo/petroquímico; consumo; e infraestrutura.

“O Ibovespa abriu em rápida ascensão, dando continuidade ao firme movimento ascendente do pregão anterior (21). Ademais, tanto os futuros dos índices de Nova York, como as principais

bolsas europeias operavam em campo positivo. Todavia, o movimento logo perdeu força e o índice passou a oscilar ao redor da estabilidade, perdendo forças e entrando definitivamente em campo negativo depois das 14h30min”, explicam os analistas do BB Investimentos, em relatório. “O impacto adverso veio de realizações nas ações da Petrobras e do setor de bancos, que chegaram a operar em alta, mas, entraram em baixa do meio da tarde até o fechamento. Vale ressaltar que esta é uma semana carregada de indicadores significativos, tanto domésticos, como externos, que deverão mexer com o humor dos investidores à medida que forem sendo divulgados”.

Leia mais »

Média: 1 (3 votos)

Bolsa-Família, eleições e um país rachado, por Ricardo Amorim

2014-11-Artigo-Bolsa-Familia-Eleicoes-e-um-pais-rachado

Bolsa-Família, eleições e um país rachado, por Ricardo Amorim

Revista Istoé

O Brasil nunca esteve tão polarizado. As divisões nasceram com a estratégia de defesa do governo às acusações do Mensalão, caracterizando-as como uma tentativa golpista de uma suposta “elite branca” interessada em reverter conquistas do povo. As eleições as expuseram e aumentaram. 54,5 milhões de eleitores reelegeram Dilma Rousseff, mas 87,2 milhões – a soma dos votos em Aécio Neves, brancos, nulos e abstenções – não votaram nela.

As pesquisas eleitorais já apontavam rachas socioeconômicos e educacionais. Segundo elas, Dilma venceu entre eleitores que ganham até 2 salários mínimos e perdeu entre os demais; venceu entre os que têm até o ensino fundamental e perdeu entre os que cursaram ao menos o ensino médio.

O racha mais visível foi o geográfico. Dilma ganhou por 13,5 milhões de votos no Norte e Nordeste. No Sul, Sudeste e Centro-Oeste, Aécio ganhou por 10 milhões de votos.

Leia mais »

Média: 1.8 (20 votos)

O banco BRICS é o primeiro passo na desdolarização da economia mundial

Do RT Actualidad – tradução Equipe GGN

Jornal GGN – Os BRICS podem eventualmente substituir o atual sistema econômico dominando de forma hegemônica pelos Estados Unidos, acredita o economista Peter Koenig. O Bando de Desenvolvimento dos BRICS é o primeiro passo.

O Banco de Desenvolvimento dos BRICS constitui o primeiro passo no processo de desdolarização do sistema econômico mundial, assegura o economista e ex-funcionário do Banco Mundial Peter Koenig em um artigo publicado no “Global Research”. “Este banco poderia atuar, de forma temporal, como entidade financeira central dos BRICS, chegado o momento, eles poderiam criar moeda própria”, avalia Koenig.

O Banco de Desenvolvimento concentraria seus esforços na modernização da infraestrutura social e de transporte, sistema de distribuição de energia e telecomunicações. Também na prospecção, extração e elaboração de recursos energéticos, incluindo alternativos procedentes de fontes renováveis, explica o especialista.

Leia mais »

Média: 5 (5 votos)

Os cenários econômicos para 2016

O Brasil está pronto para, em pouco tempo, retomar o crescimento.

Foi a opinião quase unânime de um grupo de economistas reunidos pelo Jornal GGN no Seminários sobre o Papel dos Bancos Públicos.

Secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland apresentou um quadro  das medidas adotadas nos últimos anos para o destravamento do crédito.

Debêntures incentivadas, com segurança jurídica, para que pessoas físicas daqui e de fora possam aplicar em projetos de infraestrutura.

Regulamentação dos ETFs de renda fixa  (fundos de índices de renda fixa com cotas negociadas em Bolsa). Com isso se conseguirá o alongamento do passivo, importante para garantir a oferta de recursos de longo prazo.

Constituição de um mercado de "covered bonds" - modalidade de mercado hipotecário com Letras Imobiliárias com dupla garantia.

Leia mais »

Média: 4.2 (10 votos)

Multimídia do dia

As imagens e os vídeos selecionados.

Média: 2.3 (3 votos)

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Média: 1 (1 voto)

Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados.

Média: 3.7 (3 votos)

O resgate da herança negra que São Paulo tem

da Carta Maior

SP: Na Luz, o negro é representado em peça sobre a Frente Negra Brasileira

Segundo o diretor Paulo Faria, e ao contrário da cobertura da grande mídia sobre a obra, a ideia é resgatar a herança negra que São Paulo tem.

Isabela Palhares

Isabela Palhares/Carta Maior

 

Rua do Triunfo, 301, São Paulo, Centro (ou a antiga região da Boca do Lixo, chamada assim nas décadas de 20 e 30 e que se estendia pela Luz e seus arredores) - É nessa rua que, à época, estavam as produtoras de cinema Fox, Paramount, entre outras. Um verdadeiro reduto do cinema independente brasileiro e que, nos dias de hoje, se localiza a Sede Luz do Faroeste, da Cia. Pessoal do Faroeste.
 
"Dialogando com a história da rua, trazemos o público para um local que, por ser conhecido como Cracolândia, o faz sentir intimidado. Temos uma relação de pertencimento com esse local, condiz muito com a peça", disse o diretor Paulo Faria.
        
Graças a Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo - programa que tem por objetivo revitalizar áreas degradadas, inaugurando novos espaços teatrais e levar o teatro às ruas, seja no centro ou na periferia - a Sede Luz do Faroeste funciona a todo vapor. Em sua trilogia mais recente, o diretor Paulo Faria nos apresenta a peça Luz Negra. Sendo continuação das peças “Homem não Entra” e “Cine Camaleão”, “Luz Negra” caminha pelos passos dos negros e negras que representavam a Frente Negra Brasileira na era Vargas desde 1931, em sua criação, à 1937, quando foi instalado o Estado Novo, e partidos políticos foram cassados (a Frente Negra se tornou partido em 1936).

Leia mais »
Média: 3.4 (5 votos)

Alexandre Garcia e os abusos da lógica, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Em recente comentário no rádio, o jornalista Alexandre Garcia (Rede Globo), afirmou que 53 milhões de brasileiros que votaram em Dilma são cúmplices de corrupção. A lógica do jornalista me pareceu interessante. Por isto resolvei utilizá-la.

A Globo já sonegou impostos. Isto fez dos anunciantes, empregados e telespectadores da Rede Globo coautores do crime de sonegação fiscal? Pela lógica de Alexandre Garcia, SIM. 

Várias celebridades da Globo são viciadas em cocaína. Isto faz dos telespectadores da Globo usuários de cocaína ou incentivadores do tráfico da droga que movimenta a cena global?

As organizações Globo apoiaram ativamente o golpe de 1964 e se beneficiaram da generosidade dos militares enquanto os mesmos estiveram no poder. Os militares mataram e torturaram dissidentes do regime, crimes que devem ser punidos segundo decisão da OEA. Os donos da Rede Globo serão responsabilizados pelos crimes que ajudaram os militares a cometer?

Há algumas décadas a Globo vendeu Fernando Collor aos brasileiros. O caçador de marajás foi transformado em herói nacional e, depois, em presidente. Collor naufragou na corrupção e foi Impedido de seguir na presidência, mas a Globo continuou a transmitir seus programinhas e noticiários normalmente como se não fosse cúmplice da corrupção.

Leia mais »

Média: 4.7 (38 votos)

Humberto Costa rebate acusações de que teria recebido R$ 1 mi em propina da Petrobras

 
Jornal GGN - O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE), rebateu as acusações publicadas pelo jornal O Estado de S. Paulo, de que teria recebido R$ 1 milhão do esquema de propinas e corrupção na Petrobras para sua campanha de 2010. A denúncia teria sido feita pelo ex-diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, em depoimento à Polícia Federal. "Todas as doações de campanha que recebi na minha candidatura ao senado em 2010 foram feitas de forma legal, transparente, devidamente declaradas e registradas em minha prestação de contas à justiça eleitoral e inteiramente aprovadas, estando disponíveis a quem queira acessá-las", disse Costa, em nota oficial.
 
No depoimento, o ex-diretor da Petrobras disse, ainda, que o dinheiro fora solicitado pelo empresário Mário Barbosa Beltrão, amigo do senador e presidente da Associação das Empresas do Estado de Pernambuco (Assimpra), e que o valor teria saido da cota de 1% do PP (Partido Progressista), sigla que teria o controle político da diretoria de Abastecimento da Petrobras. 
 
"Nego veementemente ter pedido a quem quer que seja que solicitasse qualquer doação de campanha ao sr. Paulo Roberto. Tal denúncia padece de consistência quando afirma que a suposta doação à campanha teria sido determinada pelo Partido Progressista (PP) por não haver qualquer razão que justificasse o apoio financeiro de outro partido à minha campanha", rebateu Costa.
Média: 5 (3 votos)

FHC não considera ser vagabundo receber por 30 anos sem trabalhar

Jornal GGN - Comigo é outro departamento. Esta deveria ser a tônica da fala de Fernando Henrique Cardoso quando inquirido sobre sua aposentadoria na USP. FHC, como se sabe, criticou duramente os aposentados do INSS, com vencimentos restritos ao teto do Instituto. Para ele, o que ganha é justo, está dentro do razoável e quem ganha pouco são "os outros". Sem alongar no tema, leia a notícia publicada pelo Estadão.

Leia mais »

Média: 5 (5 votos)

Hoje, Brasilianas.org discute prevenção e combate à corrução

Como aprimorar os controles públicos a partir da experiência da Operação Lava Jato? Debate na TV Brasil, hoje, pretende responder essa e outras questões. Não perca!
 
 
A Operação Lava Jato, esquema de propinas descoberto pela Polícia Federal, envolvendo políticos e grandes empreiteiras, poderá resultar no aprimoramento do controle de recursos públicos. A ação criminosa ocorreu ininterruptamente durante vários governos, exigindo, portanto, um novo debate sobre os critérios aplicados hoje para combater a corrupção em vários níveis de governo e empresas públicas. 
 
Para avaliar a fundo esta questão, o programa Brasilianas.org desta segunda-feira (24), na TV Brasil receberá o Ministro Chefe da Controladoria Geral da União, Jorge Hage, o coordenador da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF - que se dedica ao combate à corrupção -, Nicolao Dino e o Controlador Geral do Município de São Paulo e ex-secretário de Prevenção da Corrupção da Controladoria-Geral da União, Mário Spinelli.
 
Participe encaminhando perguntas que poderão ser respondidas ao vivo. Clique aqui.
 
Outro objetivo desta edição é compreender o papel vigilante da sociedade civil. União, Estados e Municípios tem legitimidade para arrecadar impostos, mas também o dever de exercer um controle efetivo sobre a aplicação de recursos públicos. Por outro lado, o controle não deve ser visto como uma tarefa exercida unicamente pela burocracia das repartições públicas, exigindo cada vez mais a participação cidadã.
 
Não perca o debate, hoje (24), à partir das 20h00, na TV Brasil.
 
Saiba onde sintonizar a TV Brasil, em canal aberto, parabólica ou TVs por assinatura: clique aqui.

Leia mais »

Média: 4.3 (7 votos)

Entrevista: A Droga Social é a Desigualdade

do blog de Antonio Ateu

do Fluxo.net

CARL HART: 'É POSSÍVEL ENTENDER O CRACK'

"A SOCIEDADE USA O CRACK COMO UMA DESCULPA PARA VILANIZAR UMA CAMADA DA SOCIEDADE. E PARA NÃO LIDAR COM O PROBLEMA REAL: A DESIGUALDADE"

carl_frame4

Fluxo acompanhou a visita do neurocientista Carl Hart ao Brasil. De laboratórios às favelas, de universidades às bocas de crack, a demonstração de que o "problema do crack", no fundo, não é o crack...

Carl Hart não veio ao Brasil a passeio. Não mesmo.

Hospedado de frente para o mar em Ipanema, o neurocientista mal olhava pela janela. Deu de ombros para o Pão de Açucar nem colocou o pé na areia do Rio. Seu interesse estava a 180o e muitos quilômetros da orla. "Paisagem bonita tem no mundo todo. Eu vim para conhecer a questão do crack", disse no topo do castelinho da Fundação Instituto Oswaldo Cruz, entediado com o tour pelo mais antigo e importante centro de pesquisas de saúde pública no país. Mas daquele mirante ele podia enxergar mais do que os morros a matas ao horizonte. Era possível ver a comunidade de Manguinhos, onde havia, segundo escutou, uma das "cracolândias" brasileiras.
Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

A resposta do TCU ao assassinato de reputação envolvendo o pai de Padilha

Tribunal de Contas da União conclui que contratos firmados entre a ONG do pai de Alexandre Padilha e o governo federal foram cumpridos adequadamente


Jornal GGN - No início deste ano, quando o ex-ministro Alexandre Padilha (PT) já era cotado para disputar a eleição em São Paulo contra o governador Geraldo Alckmin (PSDB), a imprensa tradicional se debruçou sobre a vida do titular, em busca de capas de jornais negativas para o petista. Em uma delas, a Folha cravou: Padilha, antes de deixar a Pasta de Saúde, assinou contrato com a ONG do próprio pai, a Koinonia. Luis Nassif escreveu sobre o assassinato da reputação de Anivaldo Padilha - sócio e fundador da entidade respeitada internacionalmente - em meio a uma disputa política (clique aqui para ter acesso).

Como se repete há décadas nesse país, a grande mídia levantou a bola para a oposição - no caso, o PSDB, com um pedido de investigação no Senado - cortar. Na época, o que mais se viu foi tucano explorando a "promiscuidade" na relação do governo federal com a ONG. A repercussão acabou forçando Padilha a suspender um contrato com a Koinonia, que já tinha dinheiro empenhado para atuar no combate à aids junto ao Ministério.

Nesta segunda-feira (24), Anivaldo Padilha escreveu ao Jornal GGN:

Caro Nassif,

Espero que este seja o endereço correto para comunicação com você.

Não sei se você sabe mas Aloisio Nunes Ferreira, logo após aquela matéria da Folha, no início do ano, conseguiu a aprovação no  Senado de um requerimento para que o TCU investigasse todos os contratratos da KOINONIA, a ONG fundada por mim, com o governo Federal. Parece que esse processo correu em segredo porque KOINONIA só tomou conhecimento dele na semana passada com a publicaçào do acórdão no DOU [Diário Oficial da União]. Como era de se esperar, KOINONIA tem ficha mais limpa do que de tucano golpista. Envio em anexo cópia do acórdão e também da certidão emitida pelo TCU. Como você foi o jornalista que reagiu imediatamente contra a matéria da Folha, acho que vale a pena um novo artigo.

 

Leia mais »

Média: 5 (12 votos)