Revista GGN

Assine

A indústria farmacêutica e o cinismo do dinheiro, por Cláudio Tavares

Enviado por Mailson

Por Claudio Tavares, via Facebook

Eis o que você precisa saber, antes de assistir o vídeo:

O sujeito sendo interrogado pelos congressistas americanos, chama-se Martin Shkreli, 32 anos, empresário da indústria farmacêutica.

Em setembro do ano passado, ele foi responsável por aumentar um medicamento usado no tratamento de AIDS, toxoplasmose, malária e alguns tipos de câncer, em mais de 5.000%, sem nenhuma justificativa. Isso mesmo. O comprimido do Daraprim, que custava U$ 13,5, passou para 750 dólares.

O descaso, o cinismo e o desrespeito demonstrado pelo empresário no Congresso Americano, deve-se ao fato de que, diante das leis do livre mercado, ele não está cometendo crime algum.

De modo que não restou outra alternativa ao congressista Elijah Cummings, a não ser tentar apelar constrangedora e inutilmente, ao senso de humanidade de Shkreli, que se manifestou da seguinte forma em seu Twitter, após a audiência: “Difícil aceitar que estes imbecis representam o povo no nosso governo”.

PS: No Brasil, a caixa com 100 comprimidos do Daraprim, custa R$ 8,00.

 

 
Faces do Capitalismo: Martin Shkreli no Congresso (04.02.2016)

Eis o que você precisa saber, antes de assistir o vídeo:O sujeito sendo interrogado pelos congressistas americanos, chama-se Martin Shkreli, 32 anos, empresário da indústria farmacêutica. Em setembro do ano passado, ele foi responsável por aumentar um medicamento usado no tratamento de AIDS, toxoplasmose, malária e alguns tipos de câncer, em mais de 5.000%, sem nenhuma justificativa. Isso mesmo. O comprimido do Daraprim, que custava U$ 13,5, passou para 750 dólares.O descaso, o cinismo e o desrespeito demonstrado pelo empresário no Congresso Americano, deve-se ao fato de que, diante das leis do livre mercado, ele não está cometendo crime algum. De modo que não restou outra alternativa ao congressista Elijah Cummings, a não ser tentar apelar constrangedora e inutilmente, ao senso de humanidade de Shkreli, que se manifestou da seguinte forma em seu Twitter, após a audiência: "Difícil aceitar que estes imbecis representam o povo no nosso governo".PS: No Brasil, a caixa com 100 comprimidos do Daraprim, custa R$ 8,00.

Publicado por Claudio Tavares em Sexta, 5 de fevereiro de 2016

 

Imagens

Média: 5 (8 votos)

Recomendamos para você

20 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de agincourt
agincourt

quebra de patente

Já que o tal medicamento – pirimetamina - é monopólio da empresa de Shkreli, todos os pacientes do planeta serão afetados.

Eis aí uma boa razão para quebrar a patente ao menos aqui no Brasil.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de agincourt
agincourt

psicopata americano

Martin Shkreli leva todo jeitão ser mais um psicopata americano.

Parece incapaz de se colocar no lugar do outro.

Certamente nasceu com defeito de fábrica. É um caso perdido.

...

Em dezembro do ano passado, foi preso sob acusação de fraude mas saiu sob fiança.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Carlos P.
Carlos P.

A culpa não dele

Definitivamente a culpa não será nunca de mais um egoísta desumano sociopata que esteja na mesma situação ou qualquer outra paralela a dele, seja na industria farmacêutica ou outra qualquer outra. A culpa é do capitalismo selvagem cuja mudança ou não  está nas mãos dos políticos que estão na mão de empresários milionários, que também têm em suas mãos a mídia que deforma toda informação e educa o mundo todo a ser capitalista. Resultado: não há saída. Aceitem ou se revoltem, mas se revoltem agindo e não só "achando" errado. O mesmo mecanismo se aplica ao Brasil em tudo, inclusive,  à cundução da lava jato e as posturas das nossas instituições agindo bandisdescamente de maneira partidário-política e ideologicamente, assim demonstrando  estarem todos bem afinados com o mesmo capitalismo do sociopata inicial desta conversa...  

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de wendel
wendel

Então.......

"Aceitem ou se revoltem, mas se revoltem agindo e não só "achando" errado." 

Concordo plenamente !!!!!!!!!!!!!!!!!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de ML
ML

Chocante... ou não? É um

Chocante... ou não?

É um jovem... se fosse velho teria sido hipócrita, arrumado desculpas... subterfúgios... Mas sendo jovem foi ingenuamente transparente. Poderia ter dito "Esse é o mundo de hoje, e nelo quero de dar bem, ser um vencedor... vocês, congressistas que fazem as leis, é que são patéticos!"

Seu voto: Nenhum

Agradeço ao moderador pela exclusão...

...do segundo comentário meu a esta postagem. Porém repudio a exclusão da primeira, afinal qualquer monturo de excremento vale mais que Mr. Shkreli. Bata palmas ao Nassif pelos estagiários trabalhando na terça-feira gorda.

A quem viu o segundo comentário, desculpe-me. Foi de uma infantilidade brutal, mas ditada pela indignação. Muitos politicamente corretos não concordarão, mas para mim a vida humana é uma dádiva a ser protegida desde à concepção. Em alguns momentos pode ser necessário exterminá-la, mas de casos específicos e pessoas culpadas por crimes hediondos contra toda a humanidade e que sejam riscos reais e imediatos. Jamais por interesses econômicos ou outras ações mesquinhas, mesmo que criminosos comuns.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de wendel
wendel

Então.......

E isto acontece no país que se julga o exportador de democracia e direitos humanos!!!

Imaginem o que acontece nos países pobres do 3º e outros mundos ????

Como a industria farmaceuticas e os laboratórios dominam os politicos, pois financiam suas campanhas, depois ficam sem moral para cobrar-lhes éticas!

É como dizem : podem até ser legal, mas é imoral !!!!!!!!!!!!!!

Em temp: Quantas doenças já são passível de cura, mas por ganância não publicam nem comercializam os antídotos e as vacinas ? Lí que já existe até a cura para o câncer, mas e daí.................

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de ELG
ELG

Boa tarde! Alguém aí me diz

Boa tarde!

Alguém aí me diz por que NEM UM dos trolls do blog aparece num post como esse?

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Somebody
Somebody

Esse é o modelo de

Esse é o modelo de capitalismo que Wall Street quer para todos vocês. E por razões óbvias vocês deviam dizer não para isso

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Isso é só uma amostra do que...

... a grande putaria de dominação que a indústria farmacêutica dos países centrais procura imprimir mundo afora, orientada só pelo lucro fácil e abundante. Nenhum escrúpulo e humanismo são sequer admitidos em suas práticas. Os resultados extravagantes são o que interessa, e isso é o que há.

Um apanhado a grosso de como essa coisa está estruturada para os que se interessam pelo tema pode ser vistos nos links ai embaixo:

 

http://hhenkels.blogspot.com.br/2014/05/industria-farmaceutica-grande-sa...

http://hhenkels.blogspot.com.br/2014/12/industria-farmaceutica-e-seus-ve...

 

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Fabio SP
Fabio SP

O Zé Serra que implantou os

O Zé Serra que implantou os genéricos...

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Assim como FHC é o pai do real.

Já que a realidade é outra, mentimos tanto que acaba virando verdade. Mas tenho outras sugestões de José Serra que estas são verdadeiras. José Serra acabou com os matas mosquitos originando a crise de dengue que perdura até hoje, implantou o escândalo das ambulâncias com o Vedoin, a máfia das sanguessugas

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u29477.shtml

https://pt.wikipedia.org/wiki/Esc%C3%A2ndalo_dos_Sanguessugas

Esta paulista, você pode falar de boca cheia que é dele.

24/02/2002 - 08h32

Especialistas culpam Serra por fracasso com a dengue

MÁRIO MAGALHÃES
da Folha de S.Paulo, no Rio

Ao assumir o Ministério da Saúde, em 31 de março de 1998, José Serra anunciou o seu objetivo imediato: combater o mosquito transmissor da dengue que provocava então uma epidemia no Rio, em Minas e em outros Estados. Comparou o desafio a uma "guerra" na qual o triunfo seria das "forças da saúde".

Quatro anos depois, na sexta retrasada, seis dias antes de deixar o ministério para se dedicar a campanha à Presidência, Serra, 59, desembarcou no Rio. Chegou em meio a uma nova epidemia. O economista que assumiu a Saúde com a promessa de derrotar a dengue deixa o governo marcado pelo recrudescimento da doença.

A Folha mostra a seguir que a dengue se expande apesar de recorrentes alertas. Cientistas afirmam que o Ministério da Saúde cometeu erros na transferência da execução do combate antidengue às prefeituras, que se precipitou ao dispensar milhares de agentes sanitários e que não coordena, uniformiza ou monitora suficientemente as ações municipais.

Para os especialistas, professores de quatro universidades, o governo errou ao abandonar um projeto antidengue de 1996 e ao não assegurar a continuidade de iniciativas. A erradicação da enfermidade é considerada quase inviável, mas o seu alcance poderia ser muito reduzido.

Nova epidemia

Em 1998, o quarto ano do primeiro governo FHC, o Brasil registrou o maior número de casos de dengue desde que a notificação se tornou obrigatória, em meados da década de 1990: 559.237.

Como ocorre historicamente em epidemias da doença, os surtos suscitam o revigoramento de ações preventivas. Em 1999, foram notificados 209.294 casos, uma queda de 63%.

Desde então, os números crescem. Em 2000, houve 238.995 casos (14% a mais). Em 2001, 399.306 (aumento de 67% em relação ao ano anterior). Em 2002, já em fevereiro somam-se quase tantas mortes (25) pelo tipo de dengue que causa febre hemorrágica quanto em todo o ano passado (28). A evolução da dengue no Rio, escolhido por Serra em 1998 para sua primeira viagem como ministro, é mais dramática.

A epidemia de 1998, que estimulou a "guerra" anunciada pelo ministro contra o Aedes aegypti, o mosquito transmissor, teve 32.382 casos no Rio.
Nos anos seguintes, foram colhidos os frutos de um programa preventivo, no qual se destacavam mais de 5.000 agentes sanitários contratados havia anos em regime temporário pela Funasa (Fundação Nacional de Saúde), o órgão executivo do ministério.

Em 1999, houve 9.083 casos. Em 2000, menos ainda: 4.281. O ano de 2001 foi o primeiro em que os mata-mosquitos da Funasa, dispensados, não atuaram em nenhum dos 12 meses do ano anterior. A dengue, então, voltou mais intensa do que quando Serra assumiu -68.438 pessoas infectadas, mais que o dobro das 32.382 de 1998. Já há 39.502 notificações em 2002.

Alertas

A dengue não é invenção de Serra ou de FHC -trata-se de velha conhecida dos brasileiros. É infecciosa e febril. Na forma hemorrágica, pode matar. Na clássica também, mas o risco é menor.

Entre as décadas de 20 e 50, o Brasil erradicou o Aedes aegypti, que voltou nos anos 70. Em 1986, houve epidemia. A dengue é uma doença endêmica (tem presença contínua em certas regiões) que às vezes se torna epidêmica (ao superar significativamente a incidência prevista), como hoje no Rio e em Mato Grosso do Sul.

Não faltaram nos últimos anos alertas sobre a iminência de epidemias. Em 1996, uma reunião ministerial presidida por FHC sacramentou o mais ambicioso projeto contemporâneo contra a dengue no país. O então ministro da Saúde, Adib Jatene, coordenou a elaboração do programa.

Seriam gastos ao todo R$ 4,5 bilhões, em três anos, em educação comunitária, combate químico (inseticidas) e, em destaque, saneamento, que consumiria mais da metade da verba.

Jatene deixou o governo em novembro de 1996. De empreitada a ser tocada por nove ministérios o projeto ficou a cargo da Funasa. Já em 1997, o sucessor de Jatene, Carlos Albuquerque, só gastou R$ 248 milhões dos R$ 444 milhões que o Orçamento permitia para atacar a dengue. Com Serra, o ministério, alegadamente por falta de recursos, continuou sem implementar o projeto de Jatene.

Em 1998, um plano operativo da Funasa previu que seriam necessários 10.461 agentes sanitários no Rio concentrados na aplicação de inseticidas. Havia 1.638 efetivos da fundação e 5.243 contratados por temporada -um déficit de 3.580. Em 1999, os temporários eram 5.792. Foram demitidos no fim de junho daquele ano.

Hoje há cerca de 2.600 funcionários da Funasa e cerca de 3.500 contratados pelos municípios do Estado do Rio. No meio da atual epidemia, o ministério providenciou uma força-tarefa de mil agentes de outros Estados (R$ 4,3 milhões mensais) e 1.300 soldados do Exército e da Marinha.

Em 1º de julho de 1999, o procurador da República Rogério Nascimento pediu à Justiça o adiamento da dispensa dos 5.792 mata-mosquitos até que as prefeituras pudessem treinar pessoal.

Em 5 de agosto de 1999, num despacho do processo dos mata-mosquitos, a juíza federal Lana Maria Fontes Regueira escreveu: "Estamos diante de uma situação de consequências catastróficas, haja vista a iminente ocorrência de dengue hemorrágica".

Num depoimento à Justiça no ano passado, o coordenador de Vigilância Ambiental da Funasa, Guilherme Franco Neto, ex-coordenador regional no Rio, disse que foi contrário à dispensa dos mata-mosquitos. Em abril de 2001, a Coordenação de Dengue do município do Rio previu uma epidemia no verão de 2002 com grande incidência de febre hemorrágica. A sugestão de contratação de 1.500 agentes e compra de equipamentos foi ignorada.

O prefeito Cesar Maia (PFL) exonerou em seguida seu secretário da Saúde, Sérgio Arouca (PPS), que o alertara. A Funasa foi informada, em reunião no Rio, sobre a ameaça de epidemia.

Cada um por si

Em 1997, o Orçamento previa despesas federais de R$ 444 milhões com a dengue (US$ 389 milhões em 31 de dezembro daquele ano). Foram gastos R$ 248 milhões (US$ 218 milhões). Em 2002, a Funasa pretende gastar R$ 475 milhões (hoje US$ 196 milhões) -R$ 360 milhões para Estados e municípios e R$ 115 milhões de recursos adicionais. Em dólar, há menos dinheiro agora -quando o real não goza mais da relativa paridade com a moeda americana- que em 1997.

A Funasa não informou quanto gastou em 2000 e 2001, quando parte das verbas contra a dengue foi enviada aos municípios em pacotes gerais contra doenças transmissíveis, sem estabelecer a enfermidade-alvo.

Nos últimos anos, a Saúde aprofundou no combate ao Aedes aegypti a política de descentralização e municipalização prevista pela Constituição e pela Lei Orgânica de 1990. Os mata-mosquitos contratados pela Funasa foram dispensados em todo o país porque a fundação repassou a verba para os municípios executarem as ações antidengue.

"A descentralização da saúde não foi feita de forma bem planejada no país", diz o epidemiologista Roberto Medronho, diretor do Núcleo de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro. "Muitas vezes não há capacitação e recursos. O afastamento dos mata-mosquitos no Rio foi uma atitude irresponsável. Precisaria de transição."

Embora uma portaria permita a intervenção federal nas ações de combate à dengue dos municípios, o Ministério da Saúde nunca tomou iniciativa dessa natureza.

Entregue às prefeituras, a política antidengue não tem uniformidade. Em Nova Iguaçu (RJ), a prefeitura contratou uma agência de extermínio de baratas para abater larvas e mosquitos. No Rio, a tarefa é da empresa de lixo.

"O ministério tem obrigação de fazer a vigilância do dinheiro que está repassando", diz o diretor do Instituto de Doenças Tropicais da Universidade de São Paulo, Marcos Boulos. "Tem de monitorar e uniformizar o trabalho."

Boulos aponta outro problema: uma cidade pode implantar um projeto vitorioso contra a dengue. Se o município ao lado não tiver o mesmo comportamento, "seus" mosquitos contaminarão o vizinho. "É jogar dinheiro pelo ralo."

Para o infectologista Rivaldo Venâncio da Cunha, professor de doenças infecciosas e parasitárias da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, o "fracasso começa no abandono do projeto de Jatene. Nos últimos anos, deu-se ênfase quase exclusiva ao controle químico. A utilização de inseticidas é feita irracionalmente. Em locais como Campo Grande e Fortaleza, as larvas desenvolveram resistência a inseticidas".

O coordenador de pós-graduação em Medicina Tropical da Universidade Federal de Minas Gerais, Manoel Otávio da Costa Rocha, destaca outros três problemas: a falta de mobilização social "adequada" contra a dengue, a manutenção do bate-boca entre esferas de poder sobre a culpa pelas epidemias e a falta de continuidade nas ações antidengue. "Os mosquitos voltam a nível exponencial em dois, três anos."

No mês passado, foram notificados (dados parciais) 45.873 casos de dengue no país, 41% a mais que os 32.592 de janeiro de 2001. O impacto da epidemia do Rio fez com que um personagem da novela "O Clone" fosse "infectado" pela dengue. Não deixa de ser irônico: o ministério vem investindo pesado em merchandising nas novelas da Rede Globo para promover campanhas de saúde. Ao sair de cena, Serra viu uma derrota sua ilustrar um folhetim de TV.

Seu voto: Nenhum
imagem de Zapper
Zapper

Os genéricos foram

Os genéricos foram implantados no Brasil pelo então Ministro da Saúde no governo Itamar Franco, Dr. Jamil Haddad. O Serra, que o sucedeu, deu continuidade ao programa e levou a fama por ter ficado mais tempo no Ministério e ter a blindagem da imprensa.

Seu voto: Nenhum (8 votos)

é o sonho de consumo dos coxinhas!!

um país que suporta um fdp desses! que busca o lucro fácil, em cima da desgraça alheia e acha graça!

o cara tem um monopólio nas mãos? só ele pode fabricar o medicamento?

Seu voto: Nenhum (7 votos)

Brasil, há muito pra temer!

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

A folha é contra a corrupção no pt, no psdb não!!!

 Frede69

imagem de Mailson
Mailson

Dedico este vídeo aos coxinhas que acham o SUS uma merda

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Mailson
Mailson

E o SUS no Brasil?

Os coxias dizem que é uma desgraça. Se acabarem com o SUS no Brasil, muito coxinhas vão se foder. Simples assim.

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de gabi_lisboa
gabi_lisboa

Para isso serve a quebra de patentes

se os EUA usassem os mesmos princípios que o Brasil para quebrarem patentes de medicamentos essenciais, o sorrisinho cínico desse FDP iria durar 5 segundos.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Mailson
Mailson

Numa frase

O capitalismo está gerando monstros e destruindo a humanidade.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Mais uma da série: Ousadia dos canalhas!

Ou seria A Vida Como Ela É?

Seu voto: Nenhum (6 votos)

FORA TEMER

Arte é Luz - União e Olho Vivo

Absurdamente absurdo

O que passa pela cabeça de um indivíduo como esse?

Talvez essa pergunta eu já tenha me feito ao ver as ações e reações de direitistas brasileiros ao longo dos últimos meses pelas ruas, internet e mídia; sendo que ao final de todos esses processos o impacto de todas irão recair contundentemente em cima da parcela mais necessitadas.

O olhar de deboche, desrespeito somada à cara de seu advogado sentado atrás, traduzem a pequenês dessa figura patética.

Deus realmente nos traz provações ao nos colocar diante de exemplos tão pobres e podres de humanindade, pois quem não se sente tentado a socar tanto aquela cara até retirar o sorriso de escárnio, que apresenta diante de toda uma nação, que certamente acompanhou esse processo.

O dinheiro acima das pessoas, tão acima que nem um lucro justo contenta uma espécie como esse sinhorzinho. Não basta ter muito mais que muitos, isso não atende seu estilo de vida.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.