newsletter

Assinar

Ao Valor, Giannetti fala sobre programa econômico de Marina

Jornal GGN – Em entrevista concedida ao Valor, Eduardo Giannetti fala sobre a pauta econômica do programa de Marina, candidata do PSB à Presidência. Assinam o texto as jornalistas Denise Neumann e Catherine Vieira.

Giannetti vê desafios a serem enfrentados com eventual vitória de Marina, e afirma que a opção pelo ajuste econômico se dará pela via mais dura pois que assim permite uma volta mais rápida ao crescimento. Quanto aos compromissos sociais, irão depender do equilíbrio fiscal e, além disso, a “indústria pode se preparar para uma operação desmame”.

Sem detalhar os passos, e mesmo se aí estaria incluída a pauta sobre aumento de juros ou corte de despesas para elevação do superávit primário, Giannetti afirma que nada será simples e que também não é o porta-voz econômico da campanha, somente um conselheiro e um dos formuladores do programa. Admite, ainda, que há um custo para se fazer o ajuste, “mas ele certamente é menor que o custo de não fazê-lo”. E, por fim, que os compromissos de campanha serão cumpridos, sem conflitos com a perna fiscal do tripé macroeconômico, “à medida que as condições fiscais viabilizarem” e “sem prejuízo do equilíbrio fiscal”.

Por fim, ao ser indagado sobre a diferença do projeto de Marina dos demais, Giannetti afirmou que uma das diferenças é que "não vemos a economia como um fim em si mesmo, ela é pré-condição para uma vida melhor para todos, de uma realização mais plena". E foi mais longe, dizendo que "o sonho que nos move é que a economia deixe de ocupar o lugar de proeminência que ela ocupa hoje no debate brasileiro para que a gente possa focar em questões ligadas à cidadania, à realização humana, à felicidade". 

Leia a matéria a seguir.

do Valor

Programa de Marina será cumprido quando conta fiscal permitir

Por Denise Neumann e Catherine Vieira | De São Paulo

Direto e sincero, o economista Eduardo Giannetti, um dos principais conselheiros de Marina Silva, candidata do PSB à Presidência da República, não doura a pílula ao falar como vão ser enfrentados os desafios que ele vê hoje no país, em eventual vitória da sua candidata. A opção para fazer o ajuste econômico será pela via mais dura (porque permite uma volta mais rápida ao crescimento), os compromisso sociais assumidos no programa vão depender do equilíbrio fiscal e a indústria pode se preparar para uma operação "desmame". Embora evite detalhar como seria feito o ajuste econômico, e se ele incluiria aumento de juros, ou corte de despesas, para elevar o superávit primário, Giannetti admite que ele não será simples.

Antes de iniciar a entrevista, Giannetti avisa que não é "o" porta-voz econômico da campanha, mas um conselheiro e um dos formuladores do programa. Dito isso, admite que não será simples "arrumar" o Brasil. "Não tenho a menor dúvida de que há um custo de fazer o ajuste, mas ele certamente é menor do que o custo de não fazê-lo", disse. Questionado se os compromissos assumidos no programa não são conflitantes com a perna fiscal do tripé macroeconômico, foi muito claro. "Os compromissos serão cumpridos à medida que as condições viabilizarem, sem prejuízo do equilíbrio fiscal."

Ao falar sobre a formação de um eventual governo Marina, ele deixou claro que a campanha espera adesões já no segundo turno, e repetiu que não se vê como ministro da Fazenda. Perguntado se técnicos do PSDB podem ter cargos no governo, disse que sim, e fez referência espontânea, sem citar nomes, aos quadros técnicos do PT do primeiro mandato de Lula, "que são de extraordinária qualidade". Faziam parte daquele grupo Joaquim Levy, Marcos Lisboa e Bernard Appy, entre outros. Leia, a seguir, trechos da entrevista.

Valor: Quais os principais problemas da economia brasileira?

Eduardo Giannetti: O problema básico do Brasil hoje é uma combinação pouco usual de três fatos que não costumam caminhar juntos. Temos baixo crescimento crônico, inflação teimosamente na vizinhança do teto definido pelo sistema de metas com o agravante de que ela está artificialmente controlada tanto por preços administrados represados quanto por câmbio artificialmente mantido num patamar sobrevalorizado, e déficit em conta corrente de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) que nos coloca em uma situação de eventual vulnerabilidade externa. É muito estranho que essas três coisas se combinem simultaneamente. Com crescimento tão baixo, a inflação deveria estar bem comportada, e se você tem um déficit em conta corrente de 3,5% do PIB, você estaria investindo a uma taxa expressiva. Cada um desses fatos isolados já seria um ponto de apreensão, os três juntos é sinal de coisas realmente fora do lugar.

Valor: E quando se pensa na correção, que ajuste é esse?

Giannetti: Vejo dois movimentos importantes. Um de ações corretivas, de desfazer equívocos, distorções e desequilíbrios que vieram se acumulando nos últimos anos e, ao mesmo tempo, uma nova agenda de reformas microeconômicas, institucionais e de melhoria do ambiente de negócios que libere o potencial de crescimento do Brasil e dê mais confiança e previsibilidade para que se volte a investir.

Valor: Que ações corretivas?

Giannetti: Vamos ter que voltar e reconstruir o tripé macroeconômico. É um retrocesso ter que voltar a falar isso, pois era algo amadurecido no Brasil, como uma base a partir da qual se pensava para frente, mas o governo Dilma foi tão desastrado e irresponsável que fragilizou as três pernas do tripé. A fiscal, a monetária e a cambial.

Valor: Para fazer essa correção será preciso aumentar juros?

Giannetti: Não vejo isso como necessariamente o caso. Vai depender de o governo voltar a agir de maneira integrada, coisa que não vem acontecendo. Temos política fiscal expansionista acompanhada de politica monetária contracionista, parte do governo expande o crédito e dá estímulos e outra parte aperta a política monetária e tenta conter a oferta de credito e segurar a demanda. O simples fato de integrar as peças da politica macroeconômica já diminui a necessidade eventual de mais juros. Mas reduzir o juro tem que ser o objetivo de longo prazo.

Valor: Precisa aumentar o superávit fiscal?

Giannetti: A primeiríssima coisa é aumentar a transparência, tomar pé da verdadeira situação fiscal, que hoje está difícil de saber qual é. O governo inventou tantas artimanhas, truques e malabarismos para manipular números que está difícil tomar pé da situação. Precisa colocar a situação fiscal em ordem e produzir superávits fiscais necessários para se restabelecer a confiança e a sustentabilidade das contas públicas.

"Não tenho dúvida de que há um custo de fazer o ajuste hoje, mas ele certamente é menor do que o de não fazê-lo"

Valor: O sr. desenha um cenário atual de deterioração muito forte da economia. Não precisa de um remédio igualmente forte?

Giannetti: Na vida, você se depara com duas opções, muitas vezes. Diante de uma situação de anomalia, você pode aceitar uma dor mais aguda e curta ou uma situação em que a dor é prolongada, você não enfrenta situação de intensidade imediata, mas o problema se prolonga por muito mais tempo.

Valor: Qual a opção de vocês?

Giannetti: A julgar por experiências recentes de ajustamento macroeconômico no Brasil, eu tendo a crer que vale a pena fazer o que precisa ser feito rapidamente. Em relação a preços administrados, por exemplo, se não convencer de que o que tinha que ser feito foi feito, a expectativa do que falta fazer vai alimentar a expectativa de inflação futura, o que dificulta fazer as expectativas convergirem de novo para o centro da meta. As experiências recentes de ajustamento macroeconômico foram bem-sucedidas. Isso aconteceu em 1999, na virada do primeiro para o segundo mandato de Fernando Henrique, e depois em 2003, no primeiro mandato de Lula.

Valor: Mas naquele momento o grande peso na inflação era o câmbio, e não havia esse quadro de emprego e renda que temos hoje..

Giannetti: A situação em certos aspectos era diferente da atual, de fato. Não tenho a menor dúvida de que há um custo de fazer o ajuste hoje, mas ele certamente é menor do que o custo de não fazê-lo. A diferença fundamental é você estar enfrentando uma dificuldade que é legitima porque restabelece um horizonte de volta ao crescimento versus estar enfrentando uma situação de dificuldade sem nenhuma perspectiva de reconquistar a confiança e um horizonte de normalização. São as duas coisas que estão em jogo hoje no Brasil. Não pode contar só com o choque de confiança, ele é parte importante e ele vai ser ainda mais importante se vier acompanhado de um movimento crível de que as coisas voltaram a se direcionar no caminho certo. A confiança é fundamental, mas precisa ter lastro.

Valor: Esse ajuste passa por desemprego e queda de renda?

Giannetti: O desemprego já é uma realidade e a ideia é que termine o quanto antes. Não está nos planos de ninguém fazer ajuste recessivo. Não é disso que se trata. Se trata de restabelecer a confiança e mostrar que a economia voltou a um bom caminho. A experiência mostra que a capacidade de resposta da sociedade brasileira é muito forte. Tendo a crer que ainda em 2015 será possível ver a volta da economia ao crescimento, se for muito bem feito.

Valor: No programa vocês defendem a volta do tripé macroeconômico. Mas a perna de austeridade fiscal não conflita com a democracia de alta intensidade e com a pauta das ruas no ano passado?

Giannetti: Os compromissos assumidos no programa serão cumpridos à medida que as condições viabilizarem, sem prejuízo do equilíbrio fiscal. Quais são as condições que viabilizarão isso? A revisão das prioridades nos orçamentos fiscal e parafiscal, a evolução da arrecadação, a retomada do crescimento e a melhoria da gestão do Estado. Os compromissos assumidos serão cumpridos, mas condicionados à evolução fiscal.

Valor: Talvez eles não sejam cumpridos nos primeiros anos?

Giannetti: Sem a menor dúvida. Esses compromissos se distribuem no tempo. É um erro grave imaginar que o que está colocado no programa vai se materializar no primeiro orçamento. Não será o caso. É preciso construir condições adequadas para que isso possa acontecer ao longo do mandato.

Valor: É possível aumentar gastos sem elevar a carga tributária?

Giannetti: É um compromisso não aumentar a carga tributária.

Valor: E como isso será possível?

Giannetti: Pela revisão das prioridades no orçamento, o que inclui desonerações, subsídios explícitos e ocultos que hoje estão prejudicando muito esses compromissos de caráter mais social. Vai depender da evolução da arrecadação, à medida que a economia for retomando, vai depender do PIB, vai depender da gestão, de reduzir o desperdício.

Valor: Vocês identificam despesas que poderiam ser cortadas?

Giannetti: É muito difícil para quem está fora do governo e não tem acesso, rubrica por rubrica, dar essa resposta. Mas vejo uma extravagância muito grande na expansão do crédito subsidiado no Brasil, vejo uma isenção da Cide sobre combustível que prejudica a arrecadação e prejudicou um setor importante da economia, que é o etanol, e que em algum momento vai ter que ser revista, porque não adianta subsidiar e estimular o combustível particular.

Valor: Isso significa que a Cide pode voltar?

Giannetti: Isso vai ser debatido.

Valor: Mas não seria um aumento de carga tributária?

Giannetti: A Cide vai voltar, mas outras coisas podem sair. Quando se fala em carga tributária é a bruta, de 36% do PIB. Ela cresceu em todos os governos desde a Constituição de 88.

Valor: Falando em prioridades, é possível desmontar de imediato essa operação de repasses para BNDES e demais bancos públicos?

Giannetti: Não, não vai ser um choque, porque teria um efeito traumático e ninguém quer isso, mas vai ter que rever essa política extravagante que levou a uma expansão de 9% do PIB na oferta de crédito subsidiado financiado com dívida pública. O BNDES é um típico caso de remédio-veneno. Não tem nenhum problema em, durante uma crise como 2009, financiar um aumento da oferta de crédito via BNDES por meio do endividamento bruto do Tesouro. É perfeitamente legítimo. O problema é que o governo Dilma levou ao limite o uso desse tipo de "funding" para que o BNDES escolha campeões nacionais e transfira recursos do contribuinte em subsídios para seus parceiros, que são grandes empresas que poderiam se financiar no mercado de crédito ou com lucros retidos ou no mercado internacional. Segundo cálculo do Mansueto Almeida, o subsídio implícito no descasamento de juros entre o que o Tesouro paga, que é no mínimo a Selic, e o que o BNDES recebe é superior ao volume total do Bolsa Família.

Valor: O remédio-veneno é pelo fiscal e pelo mercado de crédito?

Giannetti: Sim, ele tolheu o mercado de capitais, distorceu o mercado de crédito, prejudicou a política do Banco Central de aperto monetário, fora a falta de transparência, que é gravíssima no estado de direito. Não é nenhum problema manter subsídio no estado de direito, mas é uma regra de ouro que ele seja explícito e passe pelo orçamento. Do modo como ele está sendo feito no BNDES ele é oculto, ele não foi negociado e ele está transferindo para grupos privilegiados recursos da sociedade brasileira. Isso é política parafiscal.

Valor: A indústria precisa se preparar para receber menos de um eventual governo Marina?

Giannetti: Acho que a indústria deve se preparar para uma operação desmame. Ela está acostumada a chorar e ser atendida. Ela vai ter que se acostumar a uma situação em que ela será vitoriosa se for bem na competição. E ela irá bem na competição de mercado se for eficiente e inovadora. Temos que sair da situação em que vale mais a pena para uma empresa ter uma boa rodada de negociação em Brasília para uma situação em que vale a pena para ela concentrar sua atenção e seus esforços em fazer melhor o que ela faz ou em fazer algo que ninguém está fazendo.

Valor: A indústria diz que para dentro da fábrica ela é competitiva. Que o problema é para fora, o juro alto, o câmbio, carga tributária...

Giannetti: O que vai precisar é integrar mais a economia brasileira, fazer uma nova rodada de abertura comercial, de mais integração competitiva, e dar para o empresário a confiança de que as regras são permanentes e não vão ser negociadas de maneira arbitrária na base da pressão setorial. Elas valem para todos, serão horizontais e visam ao aprimoramento do ambiente de negócios. No governo Dilma houve um retrocesso para um modelo de microgerenciamento, que gerou uma espiral intervencionista no Brasil.

Valor: O sr. disse que seria possível num eventual governo Marina ter Fernando Henrique e Lula, como isso se daria?

Giannetti: Não se trata de participar no sentido de ter um cargo ou integrar o governo. Significa que são líderes de forças políticas relevantes com as quais nós certamente desejamos trabalhar.

"A indústria deve se preparar para uma operação desmame. Ela está acostumada a chorar e ser atendida"

Valor: Quanto a perda do Eduardo Campos pode prejudicar o projeto da 'nova política' de reunir líderes importantes de diversos partidos, excluindo a parte pior?

Giannetti: A perda do Eduardo Campos é irreparável e vai se fazer sentir por muitas gerações no Brasil. Uma liderança como a dele não se improvisa, é obra de uma dedicação e de um empenho infatigáveis, uma espécie de dom da natureza. Há pessoas que são nascidas e talhadas para a liderança. Vai fazer muita falta especialmente em duas dimensões: competência de gestão e de articulação política. Deixa um déficit, uma lacuna e na dimensão em que ele era capaz, acho que é impossível preencher.

Valor: E como vocês pretendem suprir isso, dado que há projetos de reformas política e tributária logo para o começo do governo?

Giannetti: Isso é o que se está muito empenhado em definir e trabalhar e não há uma resposta que eu possa dar satisfatória a essa altura, mas acho possível encontrar essa resposta. Tenho impressão que, quando estiver definido o segundo turno, vai haver um reordenamento das forças políticas no Brasil.

Valor: E não é a velha política que virá para vocês..?

Giannetti: Depende de como é feito, vão vir bons e ruins. Virá também um contingente de oportunistas querendo tirar beneficio de uma nova situação de poder. Nós vamos ser muito criteriosos em saber se aliar àqueles que têm a agregar e que têm realmente afinidade de projeto com as nossas propostas.

Valor: O sr. vê nomes que estão com o PSDB na equipe de Marina?

Giannetti: Evidente que sim. E quadros que não tiveram experiência de governo também. O Brasil felizmente tem técnicos e pessoas dispostas a se engajar em politicas publicas nos mais diferentes setores, não só em economia. E por que não quadros técnicos do PT no primeiro mandato do Lula, que são de extraordinária qualidade? Não restringiria isso ao PSBD de forma nenhuma.

Valor: Que nomes vocês gostariam de ter na equipe de governo?

Giannetti: Não vou entrar em nomes, mas a equipe do ministro [Antonio] Palocci no primeiro mandato do Lula é uma equipe de primeiríssima qualidade.

Valor: O sr. se vê ministro da Fazenda?

Giannetti: Não, eu não me preparei para isso na vida, não tenho tino para isso e não tenho ambição. Eu gosto de estudar, de escrever, de pensar. Posso ajudar na formulação, em estratégia, e, se for chamado a fazê-lo, posso ajudar na escolha de nomes.

Valor: E o ministro da Fazenda pode, então, ser o Arminio Fraga?

Giannetti: Acho prematuro discutir nomes, agora. Tenho extraordinária admiração por ele.

Valor: O setor financeiro parece entusiasmado com a Marina, mas há resistência entre empresários..

Giannetti: Entre os setores, a maior resistência parecia vir do agronegócio. É onde havia um ruído desnecessário, e nas últimas semanas claramente houve um avanço de abrir um canal de comunicação e entendimento de que, ao contrário do que erroneamente possa ter parecido, temos enorme apreço e pretendemos dar ao setor do agronegócio brasileiro plenas condições de um crescimento saudável e sustentável.

Valor: O que diferencia o projeto da Marina dos demais?

Giannetti: Uma das diferenças do projeto liderado pela Marina é que não vemos a economia como um fim em si mesmo, ela é pré-condição para uma vida melhor para todos, de uma realização mais plena. O sonho que nos move é que a economia deixe de ocupar o lugar de proeminência que ela ocupa hoje no debate brasileiro para que a gente possa focar em questões ligadas à cidadania, à realização humana, à felicidade.

Média: 1.7 (11 votos)
55 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Bruno Lima
Bruno Lima

Velha política

"Nós vamos ser muito criteriosos em saber se aliar àqueles que têm a agregar e que têm realmente afinidade de projeto com as nossas propostas."

Ele deseja certamente trabalhar com Lula e FHC.

Parece-me que na cabeça do entrevistado os dois ex-presidentes possuem muita afinidade entre si e com as propostas de Marina.

Seu voto: Nenhum
imagem de Vagalume do Brejo
Vagalume do Brejo

Receita infalível.  Coloque o

Receita infalível. 

Coloque o trabalhador no tripe bem preso, para ele não correr do buraco

depois é só colocar uma pitada de juros a contento do capital especulativo, colocar em rendimento auto, implementar a melhor infraestrutura no país (isso tras muitos gastos, se não houver capital pegue emprestado com algum vizinho rico), cortar gastos e impostos, não deixar inflação muito alta pois no final não sobrara nada do salario minimo, deixe ferventar até a divida chegar em 60% do PIB em menos de quatro anos e pronto! 

Vóila!!! Já podemos apreciar um trabalhador brasileiro bem passado no rolete

PS: é importante usar um banco privado que esteja querendo ganhar mais, mais, mais e sempre mais para não deixar o trabalhador respirar muito, pois o oxigênio pode entrar em combustão e em vez de um trabalhador no rolete você vai ter um Blackbloc na carcunda.

 

Seu voto: Nenhum
imagem de LUIS CARLOS GONÇALVES
LUIS CARLOS GONÇALVES

TODO O TRABALHO FOI PERDIDO

A se concretizar uma eventual vitória de Marina Silva, com a implantação dessa "visão" econômica, desprovida de fundamentação técnica convincente, teremos perdido tudo o que se iniciou, em termos da construção de uma economia sólida, a partir do governo Itamar Franco, e que continuou até hoje.

O que a sociedade não está percebendo é que a economia é cíclica, com períodos de otimismo e pessimismo que se alternam, porém, estamos caminhando bem, a considerar os revezes sofridos pela economia mundial nos últimos anos. É verdade que o governo de Dilma Roussef foi um tanto quanto imaturo e desastrado ao lidar com as questões econômicas e políticas, o que levou a um quadro de descontentamento geral. Entretanto, há uma linha a seguir, que pode levar à retomada do crescimento e continuar com a busca de redução da miséria e melhora da qualidade de vida da população. Mas, há muito a fazer.

Marina Silva, por sua vez, adota um discurso destituido de bom-senso, carregado de ideologias juvenis e mal-pensadas, julgando-se a salvadora de "não sei quem", pois suas medidas levarão ao desemprego, haverá desaquecimento da economia, serão retirados subsídios, programas sociais serão descontinuados. Então eu me pergunto, quem são esses eleitores que não conseguem enxergar, nesta senhora, uma pessoa com boas intenções, sim, porém sem o necessário preparo técnico e amadurecimento psicológico, e sem uma equipe de bons profissionais, a julgar pelo que se noticia. Collor, também tinha boas intenções mas não tinha preparo técnico nem maturidade e sua equipe era medíocre. Vimos o resultado desta combinação.

Aécio, que seria uma opção, não apresenta um programa convincente e perde-se na tentativa de tirar votos de Dilma e de Marina. Na verdade, está sendo o melhor cabo eleitoral de ambas. Se ele apresentasse idéias paupáveis, discutisse o seu programa de governo sem ficar batendo nas duas adversárias, se apresentasse uma equipe de governo bem constituida, sem dúvida poderia ganhar uma boa parcela de descontentes com Dilma e de desconfiados de Marina. Pena que ele também não venha demonstrando maturidade no processo.

 

 

Seu voto: Nenhum
imagem de João Renato
João Renato

eleição

............cada vez mais se configura o quadro:   VOTE  NA MARINA E SUA  TURMA (um barco furado) HOJE!

 

E ELEJA O LULA EM 2018!!!        vamos perder tempo!!!!  e  dinheiro.....    

Seu voto: Nenhum
imagem de Samir
Samir

Marina: a Velha Política Fantasiada de Novidade.

A candidata Marina Silva se apresenta como uma alternativa à política polarizada do país mas no fundo representa mais da mesma contradição de sempre. Apesar de passar a imagem de guardiã da moral, a candidata se vê envolvida com a corrupção de seu partido que foi denunciado pela prática criminosa de caixa dois para comprar o maldito jatinho no qual o então candidato Eduardo Campos veio a falecer.

 

Se é que as pesquisas eleitorais no Brasil valem alguma coisa, Marina conseguiu conquistar uma quantidade expressiva de votos. Contudo, a impressão que fica é que essa aceitação de seu pela exploração de uma oportuna fatalidade e não por apresentar uma esperança de melhoria para situação brasileira atual. É natural que ser humano se compadeça com a trágica morte de uma figura pública e o partido de Marina soube explorar muito bem esse sentimento. No entanto, estamos escolhendo a pessoa que ditará o futuro do nosso país e tal escolha tem que ser feita com base na proposta que tal pessoa representa e não por compadecimento.

 

A realidade é que de fato a proposta de Marina não nos oferece nada mais do que incoerência e incerteza. A nova-velha proposta publicada não apresenta nada de diferente e, pior do que isso, simplesmente mostra o que se pretende fazer mas não explica como. Sabemos que em época de campanha política promessas são feitas aos montes mas, ao fazer tais promessas, a própria Marina parece já saber que viabilizar a realização de tais ambições será muito difícil ou, na maioria dos casos, impossível.

 

O Brasil apresenta problemas crônicos: A violência se espalha de forma generalizada; Crianças ainda passam fome e sofrem com uma educação sucateada; Pessoas morrem esperando atendimento nos corredores dos hospitais que não tem condições de atender a demanda por uma saúde pública digna. Tais mazelas podem ser percebidas na pele do cidadão brasileiro, porém o programa de governo apresentada por Marina tem como eixo a questão ambiental. A conclusão é que o programa parece ter sido feito por pessoas distantes da realidade brasileira. O brasileiro que sofre com o medo das balas perdidas e que vê seus filhos analfabetos e sem perspectiva de futuro ou que está doente dependendo do SUS diria que o desenvolvimento sustentável não é um problema central para o cidadão trabalhador brasileiro.

 

Ainda no aspecto ambiental, a proposta de Marina deixa clara outra contradição ao chamar para ser seu vice o deputado Beto Albuquerque que é fortemente ligado ao agronegócio e extremamente avesso à preservação do verde. Outra feia contradição foi o caso dos tweeters do pastor Malafaia que demonstrou uma falta de força moral por parte da candidata e nos leva a questionar se é esse tipo de pessoa que desejamos colocar na presidência. O que é certo é que não podemos eleger uma marionete que será controlada por quem gritar mais alto.

 

 

A sensação de incerteza vem do fato de que Marina passa uma imagem de fraqueza política quando fala algo mas age de forma oposta ao que disse. A candidata Marina parece ainda não ter se decidido em suas convicções mas toda essa contradição já me fez decidir - Não voto em Marina.

Seu voto: Nenhum
imagem de Ideraldo
Ideraldo

Não gosto desse Giannetti

Não gosto desse Giannetti desde os anos 90 quando ele escrevia para a Folha e enganava a sociedade com seu "circulo virtuoso" (???) do neolibaralismo.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

A grande fome Chinesa

A impressão que tive é que durante toda a entrevista o quadro mental do Gianetti era o da Grande Fome Chinesa, com os 40 milhões de mortos.

Deus nos livre!

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Follow the money, follow the power.

imagem de Luis.Sifer
Luis.Sifer

É isso. O cara é bem centrado

É isso. O cara é bem centrado e, principalmente, sincero.

Não será fácil saírmos da enrascada em que Dilma e seus malabaristas nos enfiaram, mas é mais fácil segurar a vaca a caminho do brejo do que tirá-la de lá.

Reverter uma situação de recessão, botar a máquina para girar de novo, vai exigir esforço de todos. 

Qualquer um que for eleito terá que fazer a mesma coisa,  o único problema é, quem terá credibilidade junto aos agentes econômicos ? A Dilma é que não.

 

Seu voto: Nenhum (8 votos)

Esse papo tem 40 anos! Esse bolo NUNCA vai chegar ao povão!!!

"Os compromissos assumidos no programa serão cumpridos à medida que as condições viabilizarem, sem prejuízo do equilíbrio fiscal. Quais são as condições que viabilizarão isso? A revisão das prioridades nos orçamentos fiscal e parafiscal, a evolução da arrecadação, a retomada do crescimento e a melhoria da gestão do Estado. Os compromissos assumidos serão cumpridos, mas condicionados à evolução fiscal."

 

"Esses compromissos se distribuem no tempo. É um erro grave imaginar que o que está colocado no programa vai se materializar no primeiro orçamento. Não será o caso. É preciso construir condições adequadas para que isso possa acontecer ao longo do mandato."

 

É a velha história do "Crescer o bolo para depois dividir". Ingênuo é quem cai nesse conto.  O bolo NUNCA vai ser suficiente! Sempre o Bacen independente vai aumentar o juro e tirar parte do dinhero do governo para investimentos.

 

Vocês que são pais precisam alertar seus filhos eleitores da armadilha que significa essa candidatura!

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar os oprimidos e amar os opressores." - Malcom X

"Com o tempo, uma imprensa cínica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma." - Pulitzer

O modelo econômico de Marina remete à ditadura militar

 a opção pelo ajuste econômico se dará pela via mais dura pois que assim permite uma volta mais rápida ao crescimento

A volta do velho blábláblá segundo o qual o bolo tem que crescer para somente então ser dividido e, de antemão, Giannetti já avisou que programas sociais só serão mantidos se houver "ajuste fiscal". Entendi.

A por falar em bolo crescer:

 O governo Lula e o PIB  



"É preciso crescer o bolo da economia primeiro, para dividi-lo depois com a população."           A máxima de Delfim Netto lançada no inicio da década de 70, durante o Milagre Brasileiro, mostra bem a postura dos governos que se sucederam no comando do Brasil até a chegada do Lula ao poder.Por este raciocínio, como só o empresariado teria condições de gerar empregos em grande escala, nada mais justo que dar a banqueiros, industriais e grandes empreiteiros todo o capital disponível.
E o povão que espere na miséria o crescimento do bolo.
Como nunca teve qualquer preocupação com o povaréu faminto, o que nosso empresariado fez foi desviar para o mercado especulativo boa parte do capital recebido a juros subsidiados.
E deu no que deu:
Rapidamente, o Brasil mergulhou numa crise econômica crônica que atravessou décadas. Por fim, o povaréu acabou pagando a conta da ganância das elite sem ter visto uma única migalha do tão prometido quitute econômico.
            Aí vem o Lula e diz:
            - O que precisamos é dar de comer aos miseráveis.
            E saí distribuindo renda, com aumento real do salário mínimo, as bolsas-famílias e congêneres.
            Quando a tiazinha aposentada lá dos cafundós do Piauí recebe esse dinheirinho a mais, ela não vai pensar em aplicá-la no mercado especulativos em busca do lucro fácil. Ela corre é comprar leite pro netinho que cria, e que antes só comia farinha.
            Aí, o dono da venda, que há décadas sobrevive dos caraminguás duma economia estagnada, vai sentir suas vendas aumentarem veritignosamente. Afinal, são centenas e centenas de velhinhas comprando leite todo dia.
            Em pouco tempo nosso vendeiro, o dono das cabras, o transportador de leite, o dono da revenda de ração, todos terão que aumentar a produção e contratar novos funcionários. E o lucro que sobra será investido na compra dum carrinho mais novo, da reforma da casa, na compra dum aparelho de TV.
            Imaginem esse processo acontecendo em milhares e milhares de municípios. Tá aí o segredo do crescimento vertiginoso do nosso Produto Interno Bruto nos últimos anos, mesmo estando o mundo mergulhado numa profunda crise financeira.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

 

...spin

 

 

A vigorar as propostas desse

A vigorar as propostas desse rapaz resumiria o futuro numa frase: ESTAREMOS É LASCADOS!

Poderia ao menos disfarçar.

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de Free Walker
Free Walker

Jaybee

A verdade é dura mas é a verdade, temos que conviver com ela, senão estaríamos no Pinel....

Gianetti falou o correto (sou um liberal econômico), o ponto fora da Tamburello na estranha campanha do PSB é Marina Silva que, até agora incompreensível, atira pra todos lados, avanca, recua, dá bença pra Malafaia e etceterra e tal .

Dazed e Confused por Led Zeppelin... 

https://www.youtube.com/watch?v=ehwSEVbBZl4

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Luiz Gonzaga da Silva
Luiz Gonzaga da Silva

"A indústria deve se preparar

"A indústria deve se preparar para uma operação desmame..."

Gianetti precisa consultar um médico urgentemente. Tá na cara que o camarada sofre de intolerãncia a lactose. Primeiro foi a conversa de que o leite deveria ficar bastante caro para diminuir o consumo. Com isso o país não precisaria manter pastos para as vacas. Em seu lugar cresceriam árvores e todos seriam muito felizes. É claro que André Lara Rezende, Maria Alice Setúbal, Guilherme Leal, Marina e o próprio Giannetti continuariam a consumir a deliciosa iguaria, certamente, importada da Holanda ou Suiça. Já o trabalhador...

Aos pobres só restaria o leite materno na infância e olhe lá. Mas, pensando bem, se olharmos o programa econômico da candidata até isso pode faltar. Os governos do PT tiraram milhares pessoas da miséria extrema, mas as medidas duras previstas pelo economista podem reverter esse quadro. Nesse caso, vítimas de desnutrição, o leite das mães em condição de miséria secaria.

Seu voto: Nenhum
imagem de Edu
Edu

Você se esqueceu do leite de soja,

Da soja produzida com as sementes da Monsanto, dos amiguinhos do Beto.

Seu voto: Nenhum
imagem de Antonio A. B. Neto
Antonio A. B. Neto

Esse cara é o piloto do

Esse cara é o piloto do desatre, cheio de teorias, mas nunca fez parte de nenhum governo, nunca geriu nada e, aparentemente, nem tem coragem de fazê-lo, não quer ser governo, mas palpitar ele faz muito.

O que ele propõe é um tremendo arrocho fiscal, eles são contra a indústria, contra o desenvolvimento agroindustrial, falam de descontrole das contas públicas como se o Brasil ainda fosse uma república africana em matéria de contas públicas, esse cara já ouviu falar do SIAFI, conhece a sofisticação da Secretaria do Tesouro Nacional, do BC, ele conhece a contabilidade pública brasileira, capaz de gerar informações on line, com balanços  atualizados a cada 24 horas, é um analfabeto em finanças públicas.

 

Certamente quer entregar tudo na mão de Neca Itaú e seus financistas, essas pessoas são perigosas, são despreparadas e não têm nada de inocentes, se acham muito sábias, mas não sabem sequer como é calculado o superávit primário, vão arrebentar com o país, colocando seus analfabetos para conduzir um gigante, querem mudar tudo no outro dia, serão piores do que o Collor, a visão de desenvolvimento desse pessoal para o país nos retornará ao estágio do extrativismo, voltaremos a vender borracha, café e álcool. 

Seu voto: Nenhum

Esse pessoal é um desastre

Esse pessoal é um desastre anunciado. Acham que é assim, pegam uma ideologia de almanaque e querem transformar a realidade. Vivem no mundo da imaginação. E querem "passar Brasil à limpo". basta a realidade teimar um pouquinho em não querer apresentado que o cândido sonhava pra começar o chororô, o mimimi e culpar, sei lá, o pt ou o comunismo internacional...

O problema não nem marina, aliás: se são esses aí os bons de quem ela se cerca, meu deus....

E vai fazer reforma tributária no canetaço, então; sem partido. vai acabar com o BNDES, então e ninguém vai reclamar, vai ficar todo mundo vendo novela? Desempregados e patrões lado a lado vendo a novela e o jornal nacional?

Deus nos livre desses "liberais"...

Seu voto: Nenhum (2 votos)

PJ não VOTA!

O Jornalismo acabou e a eleição não tem fim!

imagem de Daniel Krein
Daniel Krein

BNDES? fale com Nassif

A enormidade dos empréstimos subsidiados do BNDES tem sido frequentemente criticada em posts do Nassif. Você o questionou? Qual foi o resultado concreto desses subsídios que custam mais do que o BF?

Seu voto: Nenhum
imagem de Sta. Catarina
Sta. Catarina

Resumindo

Então resumindo: povão e empresários se preparem para a paulada. Esses pseudo-intelectuais formados nas Harwards da vida acham que sabem tudo. Pura ficção econômica. Um país se dirige escutando a voz das ruas e não num gabinete fechado com meia dúzia de mal-intencionados que só olham o país como um negócio deles. Acorda Brasil!

Seu voto: Nenhum
imagem de Free Walker
Free Walker

Gostei, tão realista quanto o

Gostei, tão realista quanto o rei. Que o país está indo pro burraco e que medidas amargas terão que ser tomadas isso não é novidade para ninguém. Talvez não para os crentes do Brasil Maravilha que passa na propaganda de TV do PT e  nas novelas da Globo. 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de MThereza
MThereza

Caramba! Depois dessa

Caramba! Depois dessa "arrumação" seriam necessários mais 500 anos, pra gente ficar de joelhos de novo. De pé, nem pensar,

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Mariana B
Mariana B

Colóquio flácido para embalar bovinos

"restabelecer a confiança e mostrar que a economia voltou a um bom caminho."

 

Bom caminho para quem cara pálida? Para o especulador, o empresariado ou o trabalhador???

A "confiabilidade" de que ele fala é perfumaria para o mercado... Muito palavrório para pouco conteúdo.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

This comment has been deleted.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

O caminho do mistério aponta para dentro!

  Mensagem subliminar "A

 

Mensagem subliminar

"A confiança é fundamental, mas precisa ter lastro"

O Lastro = Juros altos!

Percebe-se o malabarismo do dito economista - nessa entrevista! Palavras ao vento para não ser trucado!

É estelionato político/econômico!

Ou o povo Brasileiro acorda ou será enforcado novamente...

Seu voto: Nenhum (5 votos)

O caminho do mistério aponta para dentro!

O que querem é, por

O que querem é, por antecipação, se blindar de qualquer crítica. Se alguém criticar é porque não "bom"; é fisiológico; é órfão da "velha política". Com isso querem carta branca pra todo tipo de experimentalismo de ideologia de almanaque. Já vi esse filme. Com certeza a candidatura não é igual a de jânio e nem a de collor. Por um simples motivo: é a soma dos dois. A direita encontrou o avatar que desejava por décadas: o símbolo da campanha bem poderia ser uma espécie de vassourinha liberal.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

PJ não VOTA!

O Jornalismo acabou e a eleição não tem fim!

imagem de nilo walter
nilo walter

  Já vimos esse filme com FHC

 

Já vimos esse filme com FHC .

Nassif, vou tirar cópias e  entregar para certos eleitores da fadinha da floresta .

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Tiago (via outro email)
Tiago (via outro email)

Em 2003 eu e Delfim Netto

Em 2003 eu e Delfim Netto ouvimos Gianetti dizer que o governo federal havia criado "uma verdadeira derrama" com o que chamava de um aumento "escandaloso" ou algo assim nos tributos federais.

Desde então escuto o que ele tem a dizer sabendo que ele é dado a declarações de efeito, em uma mistura de hipérboles e de um certo "wishful thinking" de suas crenças políticas pessoais. E vejo que esta entrevista é repleta de exemplos disso, típico Gianetti:

 

"o governo Dilma foi tão desastrado e irresponsável que fragilizou as três pernas do tripé. A fiscal, a monetária e a cambial."

"Acho que a indústria deve se preparar para uma operação desmame. Ela está acostumada a chorar e ser atendida."

"O desemprego já é uma realidade e a ideia é que termine o quanto antes."

 

Eu ponho todas essas e outras afirmações bombásticas na conta da interpretação de mundo do entrevistado, e na sua consistência desde aquele distante 2003, enquanto vejo os desastres por ele anunciados não se concretizarem e outros, pouco aludidos, esquecidos, desprezados, por este e outros analistas de crenças semelhantes, terem se tornado os principais problemas da nossa economia.

Seu voto: Nenhum
imagem de C. Acácio
C. Acácio

Há muito tempo atrás , um

Há muito tempo atrás , um intelectual disse que o povo brasileiro precisava de monstros no governo , como um processo de aprendizado e amadurecimento da sociedade brasileira. Será que não aprendemos nada com as experiências dos anos de chumbo , de Collor e FHC ?  ... Precisamos de mais "monstros" ?

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Salto alto

Ou enlouqueceram de vez ou o salto está alto demais. Ou ambos.
Uma coisa é fato: acabaram de colocar o apoio da indústria no colo da Dilma.
Com todo respeito, mas votar na Marina virou caso de suicídio coletivo.

Seu voto: Nenhum (14 votos)

Verdade.

 

E foi bem aqui!

Além do vai depender, vai depender, vai depender...Isso é assustador, pela empáfia.

Bonito como teorização. Bem ele diz que prefere dar pitacos, não quer ser ministro. Claro! 

Cria uma situação naqual não vai ter responsabilidade direta. Está brincando de te´rico de Brasil. Irresponsável completo e encontrou uma "Marina-vai-com-a-outra" para lhe comprar.

Giannetti: Acho que a indústria deve se preparar para uma operação desmame. Ela está acostumada a chorar e ser atendida. Ela vai ter que se acostumar a uma situação em que ela será vitoriosa se for bem na competição. E ela irá bem na competição de mercado se for eficiente e inovadora. Temos que sair da situação em que vale mais a pena para uma empresa ter uma boa rodada de negociação em Brasília para uma situação em que vale a pena para ela concentrar sua atenção e seus esforços em fazer melhor o que ela faz ou em fazer algo que ninguém está fazendo.

Valor: A indústria diz que para dentro da fábrica ela é competitiva. Que o problema é para fora, o juro alto, o câmbio, carga tributária...

Giannetti: O que vai precisar é integrar mais a economia brasileira, fazer uma nova rodada de abertura comercial, de mais integração competitiva, e dar para o empresário a confiança de que as regras são permanentes e não vão ser negociadas de maneira arbitrária na base da pressão setorial. Elas valem para todos, serão horizontais e visam ao aprimoramento do ambiente de negócios. No governo Dilma houve um retrocesso para um modelo de microgerenciamento, que gerou uma espiral intervencionista no Brasil.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"Penso, logo existo"

Isso é ser sonhático??? Ou

Isso é ser sonhático??? Ou será pesadelático?

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Vera Lucia Venturini

AS PÉROLAS

Programa de Marina será cumprido quando conta fiscal permitir

A indústria pode se preparar para uma operação "desmame".

O entrevistado cita três problemas para enunciar acima deles toda a nova estratégia econômica, dos quais dois deles são inexistentes: a) Baixo crescimento crônico (acho que ele é apenas temporário); e b) Inflação teimosamente abaixo do teto (ou seja, não existe inflação elevada)

Confiança e previsibilidade para que se volte a investir (vão trazer de volta os mais de 500 bilhões que estão em paraísos fiscais?)

Mas, reduzir o juro tem que ser o objetivo de longo prazo (agora é apenas arrocho, por enquanto vamos deixar os bancos sugar mais um pouco);

Perspectiva de reconquistar a confiança (de quem? Do Itaú?);

O desemprego já é uma realidade e a ideia é que termine o quanto antes (desemprego era com os tucanos e não agora);

Sonho que nos move é que a economia deixe de ocupar o lugar de proeminência que ela ocupa hoje no debate brasileiro para que a gente possa focar em questões ligadas à cidadania, à realização humana, à felicidade (quanta falsidade!)

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Definitivamente essa é a

Definitivamente essa é a chapa dos sonháticos: é preciso fazer jumaniar a sociedade, paz e amor, ieiiiiiiiiiii!

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Ques as forças maiores me livrem de linchar o devido processo legal

imagem de Orlando Soares Varêda
Orlando Soares Varêda

  Se uma tragédia desse porte

 

Se uma tragédia desse porte se abater sobre o país estaremos mais uma vez entupido as burras desses parasitas e desgraçando a vida de milhões de brasileiros.  O que não sabe esses filhinhos de papai metidos a gato mestre, é que o povo, não vai tolerar mais tanto desaforo. Estes caras podem botar fogo no País.

Felizmente, esta desgraça de Maria Osmarina, Itaú, CIA, Gianetti e FHC et caterva, não vingará.

Orlando

 

Seu voto: Nenhum (9 votos)
imagem de Rabuja
Rabuja

Com um aliado deste, a Marina nem precisa de adversário

Pena que esta fala do conselheiro da Marina não chegará às pessoas que serão as primeiras vítimas de um governo da Marina e que cismaram que ela representa o novo.

Talvez precisemos passar novamente por isto para as pessoas acordarem.

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Geração perdida

Infelizmente, seria mais uma geração perdida.  Em 25 anos repetiríamos o mesmo erro.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

"Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar os oprimidos e amar os opressores." - Malcom X

"Com o tempo, uma imprensa cínica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma." - Pulitzer

Essa fórmula está dando tão

Essa fórmula está dando tão certo na Europa...

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de DUDE
DUDE

Em resumo: chumbo do grosso no trabalhador

O País vai para de crescer. O desemprego voltará célere. O arrocho salarial é básico.

Os subsídios ao trabalhador - na compra da casa própria e agricultura familiar - irão secar.

Não precisa falar muito: " ajuste econômico se dará pela via mais dura pois que assim permite uma volta mais rápida ao crescimento. Quanto aos compromissos sociais, irão depender do equilíbrio fiscal"

Ajuste econômico pela via mais dura.

Isto será certeza: arrocho salarial e dos benefícios previdenciários, juros altíssimos. Seja lá que Deus quiser.

Compromissos sociais irão depender do equilíbrio fiscal.

Sabe quando haverá equilíbrio fiscal?

Nunca, pois é uma política que destruirá a produção e sem ela neca de arrecadação. Só juros.

E irão, com certeza, não está dando certo por culpa da Dilma.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Jaide
Jaide

 Mas vc esqueceu que depois

 Mas vc esqueceu que depois da tempestade,  vem o foco na cidadania, na realização humana e na felicidade. É só aguardar o equilíbrio fiscal e o crescimento econômico. Não será, como disse o homem, nos primeiros anos de governo, Nem nos seguintes. É coisa de longo prazo....

  Vixe... agora me lembrei daquela frase: 'no llongo prazo estaremos mortos".

Seu voto: Nenhum
imagem de José X.
José X.

pimenta nos olhos dos outros

pimenta nos olhos dos outros não doi né...esse aí combina bem com a marina, mais um maluco perigoso

Seu voto: Nenhum (3 votos)

A vigarista e o cínico.Não

A vigarista e o cínico.Não passarão.Saravá!

Seu voto: Nenhum (6 votos)

chico da dilma

imagem de Calvin
Calvin

Que passem!

Ninguém aguenta mais essa bateção de cabeções. Aleluia!!!

Seu voto: Nenhum (4 votos)

4789 é você?Se for,sai

4789 é você?Se for,sai satanás!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

chico da dilma

imagem de Barbalho
Barbalho

O cara sabe tudo

"O desemprego já é uma realidade"

De onde diabos ele tirou isso?

 

"É muito difícil para quem está fora do governo e não tem acesso, rubrica por rubrica, dar essa resposta."

Será que ele nunca ouviu falar do Portal da Transparência? Será que ele nunca ouviu falar do acesso nível 9 do SIAFI?

 

 

 

 

 

Seu voto: Nenhum (11 votos)

O pobre é que se dane.

Essa é a tradução. Pelo menos está falando o que realmente pensa. Agora temos o economista Zem, Zem-nada pro povo! Enquanto o rico fica com tudo, o pobre è que fique pensando na realização humana, na felicidade, bens materias pra quê? 

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Franklin.

imagem de NALDO
NALDO

Falou, falou e não disse

Falou, falou e não disse nada, deve vir um saco de maldades bem recheado por aí, e a felicidade de quem ele está falando? deve ser a dos baqueiros em festa com a possibilidade da eleição da candidata deles, se fosse a do povo, dos trabalhadores, não seria complicado explicar: saúde, educação, moradia, segurança, salário/ emprego, essas coizinhas que alguns governantes se esquecem, não é dificil senhores.  

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Roque
Roque

Confesso que me emocionei. No

Confesso que me emocionei. No último dedinho do pé. Meu estômago não gostou e meu cérebro ficou de orelha em pé. Fica prá próxima, Sr. doutor.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de MarcosAS
MarcosAS

Da economia para a

Da economia para a felicidade, sem passar pela política? Quer dizer, finge não passar...

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

"ao ser indagado sobre a

"ao ser indagado sobre a diferença do projeto de Marina dos demais, Giannetti afirmou que uma das diferenças é que "não vemos a economia como um fim em si mesmo, ela é pré-condição para uma vida melhor para todos, de uma realização mais plena". E foi mais longe, dizendo que "o sonho que nos move é que a economia deixe de ocupar o lugar de proeminência que ela ocupa hoje no debate brasileiro para que a gente possa focar em questões ligadas à cidadania, à realização humana, à felicidade"":

Quase chorei de emocao.

Fui interrompido por vomito, infelizmente.

Seu voto: Nenhum (9 votos)

O sonho que nos move é que a

O sonho que nos move é que a economia deixe de ocupar o lugar de proeminência que ela ocupa hoje no debate brasileiro para que a gente possa focar em questões ligadas à cidadania, à realização humana, à felicidade.

É dose né gente?

Seu voto: Nenhum (10 votos)

Ques as forças maiores me livrem de linchar o devido processo legal

Isto é a teoria básica da Felicidade Interna Bruta

Nínguém se deu conta, o papo da Marina é tão fechado que parece que ela não tem um rumo, entretanto há claramente para ela e para Gianetti um índice não econômico básico, a FIB, leia em http://blogln.ning.com/forum/topics/rei-do-but-o-marina-silva-eduardo-gianetti-e-felicidade-interna uma síntese dos desejos econômicos de Marina e do Gianetti, verá que tudo tem um sentido (que não concordo, é claro).

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.