Falta de isolamento provoca desastre na Suécia

O governo não projetou conscientemente um modelo sueco para enfrentar a pandemia com base na confiança no senso arraigado de responsabilidade cívica da população.

People walk at Strandvagen in Stockholm on March 28, 2020, during the the new coronavirus COVID-19 pandemic. - Sweden, which has stayed open for business with a softer approach to curbing the COVID-19 spread than most of Europe, on March 27, 2020 limited gatherings to 50 people, down from 500. (Photo by Jonathan NACKSTRAND / AFP) (Photo by JONATHAN NACKSTRAND/AFP via Getty Images)

Do Project Syndicate

A triste verdade sobre o “modelo sueco”

ESTOCOLMO – A decisão da Suécia de rejeitar um bloqueio nacional oferece uma maneira distinta de combater o COVID-19, mantendo uma sociedade aberta? A resposta pouco ortodoxa do país ao coronavírus é popular em casa e ganhou elogios em alguns setores no exterior. Mas também contribuiu para uma das mais altas taxas de mortalidade de COVID-19 do mundo , excedendo a dos Estados Unidos.

Em Estocolmo, bares e restaurantes estão cheios de pessoas que aproveitam o sol da primavera após um longo e escuro inverno. Escolas e academias estão abertas. As autoridades suecas ofereceram conselhos de saúde pública, mas impuseram poucas sanções. Nenhuma diretriz oficial recomenda que as pessoas usem máscaras.

Durante os estágios iniciais da pandemia, o governo e a maioria dos comentaristas adotaram orgulhosamente esse “modelo sueco”, alegando que ele foi construído com base nos níveis excepcionalmente altos de “confiança” dos suecos nas instituições e entre si. O primeiro-ministro Stefan Löfven fez questão de apelar para a autodisciplina dos suecos, esperando que eles ajam com responsabilidade, sem exigir ordens das autoridades.

De acordo com a World Values Survey, os suecos tendem a exibir uma combinação única de confiança nas instituições públicas e no individualismo extremo. Como o sociólogo Lars Trägårdh colocou, todo sueco carrega seu próprio policial no ombro.

Mas não vamos virar a causalidade de cabeça para baixo. O governo não projetou conscientemente um modelo sueco para enfrentar a pandemia com base na confiança no senso arraigado de responsabilidade cívica da população. Em vez disso, as ações foram moldadas pelos burocratas e depois defendidas após o fato como um testemunho da virtude sueca.

Leia também:  Nota de repúdio à prisão de Guilherme Franco Neto

Na prática, a principal tarefa de gerenciar o surto coube a um único homem: o epidemiologista estadual Anders Tegnell, do Instituto Nacional de Saúde Pública. Tegnell abordou a crise com seu próprio conjunto de fortes convicções sobre o vírus, acreditando que ele não se espalharia da China e, mais tarde, que seria o suficiente para rastrear casos individuais vindos do exterior. Portanto, as milhares de famílias suecas que retornam do esqui no final de fevereiro nos Alpes italianos foram fortemente aconselhadas a voltar ao trabalho e à escola se não estivessem visivelmente doentes, mesmo que os membros da família estivessem infectados. Tegnell argumentou que não havia sinais de transmissão comunitária na Suécia e, portanto, não havia necessidade de medidas de mitigação mais gerais. Apesar da experiência da Itália, as estâncias de esqui suecas continuaram abertas para férias e festas em Stockholmers.

Nas entrelinhas, Tegnell indicou que evitar políticas draconianas para impedir a propagação do vírus permitiria à Suécia obter gradualmente a imunidade do rebanho. Essa estratégia, ressaltou, seria mais sustentável para a sociedade.

Durante todo o processo, o governo da Suécia permaneceu passivo. Isso reflete em parte uma característica única do sistema político do país: uma forte separação de poderes entre os ministérios do governo central e as agências independentes. E, no “nevoeiro da guerra”, também era conveniente para Löfven deixar a agência de Tegnell assumir o comando. Sua aparente confiança no que estava fazendo permitiu ao governo descarregar a responsabilidade durante semanas de incerteza. Além disso, Löfven provavelmente queria demonstrar sua confiança na “ciência e fatos”, ao não – como o presidente dos EUA, Donald Trump – desafiar seus especialistas.

Leia também:  Vacina de Oxford também será produzida na China, anuncia AstraZeneca

Deve-se notar, no entanto, que a escolha política do epidemiologista estadual foi fortemente criticada por especialistas independentes na Suécia. Cerca de 22 dos professores mais proeminentes do país em doenças infecciosas e epidemiologia publicaram um comentário em Dagens Nyheter pedindo que Tegnell se demitisse e apelando ao governo para tomar um curso de ação diferente.

Em meados de março, e com ampla disseminação comunitária, Löfven foi forçado a assumir um papel mais ativo. Desde então, o governo vem tentando recuperar o atraso. A partir de 29 de março, proibiu reuniões públicas de mais de 50 pessoas, abaixo de 500, e acrescentou sanções por descumprimento. Então, a partir de 1º de abril, proibiu visitas a casas de repouso, depois que ficou claro que o vírus atingiu cerca de metade das instalações de Estocolmo para idosos.

A abordagem da Suécia acabou sendo equivocada por pelo menos três razões. Por mais virtuosos que sejam os suecos, sempre haverá cavaleiros livres em qualquer sociedade e, quando se trata de uma doença altamente contagiosa, não são necessários muitos para causar grandes danos. Além disso, as autoridades suecas apenas gradualmente tomaram conhecimento da possibilidade de transmissão assintomática e de que os indivíduos infectados são mais contagiosos antes de começarem a apresentar sintomas. E, terceiro, a composição da população sueca mudou.

Após anos de imigração extremamente alta da África e do Oriente Médio, 25% da população da Suécia – 2,6 milhões de uma população total de 10,2 milhões – é descendente recente não-sueca. A participação é ainda maior na região de Estocolmo. Imigrantes da Somália, Iraque, Síria e Afeganistão estão altamente super-representados entre as mortes pelo COVID-19. Isso foi atribuído em parte à falta de informações nos idiomas dos imigrantes. Mas um fator mais importante parece ser a densidade habitacional em alguns subúrbios pesados de imigrantes, reforçada pela proximidade física mais próxima entre gerações.

É muito cedo para uma avaliação completa dos efeitos do “modelo sueco”. A taxa de mortalidade por COVID-19 é nove vezes maior que na Finlândia, quase cinco vezes maior que na Noruega e mais de duas vezes maior que na Dinamarca. Até certo ponto, os números podem refletir a população imigrante muito maior da Suécia, mas as fortes disparidades com seus vizinhos nórdicos são impressionantes. Dinamarca, Noruega e Finlândia impuseram políticas rígidas de bloqueio desde o início, com forte e ativa liderança política.

Leia também:  Nova Zelândia restabelece as restrições ao coronavírus após o primeiro caso transmitido localmente em 102 dias

Agora que o COVID-19 está correndo desenfreado por lares de idosos e outras comunidades, o governo sueco teve que recuar. Outros que podem ser tentados pelo “modelo sueco” devem entender que uma característica definidora é um número maior de mortes.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. A Suécia foi um dos primeiros e últimos países de implantar a esterilização eugênica compulsória, agora chegou a vez dos velhos.
    A Suécia, que muitos citam erroneamente como um exemplo de socialdemocracia, foi um dos primeiros países no mundo a implantar a esterilização compulsória de pessoas que eles achavam inadequadas e um dos últimos a deixar esta prática (1935-1975).
    Durante esse período estima-se que a Suécia esterilizou aproximadamente 62.000 pessoas, só sendo ultrapassada pela Alemanha Nazista e mais ou menos o mesmo número nos Estados Unidos, por habitante talvez tenha sido o país que mais esterilizou.
    Doentes mentais, minorias étnicas e mais outros elementos indesejados foram esterilizados, porém desde o início do movimento eugênico da Suécia esse era baseado na forma de garantir o Estado de Bem Estar Social, talvez por isso mesmo com os governos sociais-democráticos a eugenia deixou de ser compulsória mas se torno “voluntária”, chegando ao ponto do Estado Sueco ter que pagar uma boa indenização de uma senhora que por ter deficiência visual (miopia) e como não conseguiu se alfabetizar na infância foi considerada “retardada mental” e esterilizada. Já na idade adulta ela comprou óculos e consegui se alfabetizar.
    Com a epidemia do Coronavirus, um burocrata do serviço de saúde sueco, Anders Tegnell ,está impondo uma total liberdade sem quarentena aos suecos, pois na realidade a Suécia não tem nos dias atuais equipamentos para manter a vida de idosos, sendo que os idosos e vivem na sua imensa maioria completamente afastados da família, estão morrendo como moscas, mas tudo isto com a aprovação dos jovens, loiros e elegantes suecos que seus velhos são na verdade um peso ao sistema social.
    Que bela socialdemocracia! Deviam mandar o Bolsonaro para lá.

    15
    1
  2. Caramba, a reportagem fala de turistas que foram visitar a Itália, frequentadores de estação de esqui, contaminação em massa em casa de repouso, para depois culpar imigrantes ??? Pqp !

    9
    3
  3. Falou, falou e não disse nada. A Suécia mostra que é só seguir a vida sem histeria. Números e realidade espetacularmente abaixo de Italia ou Espanha e seus históricos abandonos aos Idosos, que comumente morrem sozinhos em casa. Jogar a culpa em Covid foi a saída junto com OMS, para não revelarem a tragédia diária grotesca de países que se dizem desenvolvidos. Alemanha é outra que passou ao largo da histeria. Juntamente com os baixíssimos números de Nicarágua ou Sudoeste Asiático como Vietnã. Ou todos Países Tropicais ou toda a África. Mas estes milhões de Seres Humanos em centenas de países não contam. O Mundo só acaba no frio do Hemisfério Norte, onde as pessoas morreram por Doenças de Inverno. Com a Primavera chegando e altas temperaturas, por uma fantástica coincidência, estão acabando as Doenças de Inverno. Que Milagre?!!!

    10
  4. Em suma o que estragou a sociedade perfeita doa suecos foram os imigrantes, aqueles qfricanos sujos e mal educados.
    Os neo fascistas e neo nazis europeus estavam certos desde o inicio.

    1
    2
    • André, o que fiz o texto é que os descendentes de estrangeiros são as maiores vítimas, não que são culpados e que são vítimas porque vive em locais mais densamente povoados e, portanto, com maior proximidade física entre as pessoas e pela falta de informações. Confira:

      “Após anos de imigração extremamente alta da África e do Oriente Médio, 25% da população da Suécia – 2,6 milhões de uma população total de 10,2 milhões – é descendente recente não-sueca. A participação é ainda maior na região de Estocolmo. Imigrantes da Somália, Iraque, Síria e Afeganistão estão altamente super-representados entre as mortes pelo COVID-19. Isso foi atribuído em parte à falta de informações nos idiomas dos imigrantes. Mas um fator mais importante parece ser a densidade habitacional em alguns subúrbios pesados de imigrantes, reforçada pela proximidade física mais próxima entre gerações”.

      • O texto é confuso, é um prato feito para ser usado como fonte de argumentos para os Trumps e Bolsonaros do mundo culpar os imigrantes pels disseminação do virus. É facil ver como ele pode ser manipulado.

  5. O Brasil está indo para o mesmo caminho da Suécia, com este governo fascista de milicianos que só sabem praticar crimes.

  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome