Sem coronavírus, Malawi antecipa confinamento nacional

País africano decretou estado de desastre nacional e fechou escolas e universidades, suspendeu eventos públicos e cultos religiosos

Do Quartz Africa

Um país sem casos de coronavírus declarou um desastre nacional e fechou escolas, grandes encontros

Como as infecções por coronavírus na maioria dos países do mundo continuam subindo aos milhares diariamente, não houve nenhum caso confirmado de Covid-19 no Malawi até agora. Apesar disso, o presidente do país, Peter Mutharika, declarou o coronavírus um desastre nacional como uma medida para prevenir casos do vírus no país.

No momento, todas as escolas, faculdades, universidades públicas e privadas estão fechadas desde segunda-feira (23 de março).

O governo do país está restringindo as reuniões públicas a menos de 100 pessoas. Esta restrição se aplica a todas as reuniões, incluindo casamentos, funerais, igreja, congregações, comícios e reuniões do governo. A segurança nacional foi ordenada a agir para impor essas restrições.

Ainda não há casos registrados de coronavírus no Malauí, de acordo com o Ministério da Saúde, que supostamente verifica a temperatura de todos que passam por suas fronteiras terrestres e aeroportos.

“Doze pessoas que mostraram sinais e sintomas da doença foram testadas e os resultados mostraram negativos através do laboratório de referência em saúde pública do governo”, disse Joshua Malango, porta-voz do ministério da saúde.

Apesar de não haver casos confirmados de coronavírus, há suspeitas localmente, há uma probabilidade de casos no país, dado que o processo de teste tornou quase impossível testar pessoas com eficiência. Malango insistiu que o governo do Malawi está fazendo todo o possível para efetivamente realizar testes.

Mas com a maioria dos países africanos afetados pelo vírus, incluindo o país vizinho, a África do Sul, que agora tem o maior número de casos de infecção na África e cresce rapidamente, há temores de que o vírus encontre facilmente seu caminho no país. Esta é uma possibilidade muito real devido ao alto número de malauianos que vivem e trabalham em seu vizinho mais rico.

Leia mais: Raio-X do coronavírus na África

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome