Agrotóxico e Centrífugas de Ahmadinejad no entorno do DF, por Carlos Potiara Castro

Foto Agência Brasil

Agrotóxico e Centrífugas de Ahmadinejad no entorno do DF

por Carlos Potiara Castro

Em um mundo em que as relações de poder entre as principais potências se baseiam na capacidade militar nuclear, o programa nacional iraniano de enriquecimento de urânio se tornou na década de 2000 um elemento de forte instabilidade na região mais conflituosa do planeta. Foi o ministro Celso Amorim, junto com o chanceler turco, quem coordenou a assinatura de um acordo em 2010 que previa instrumentos de controle da capacidade de enriquecimento de urânio do Irã.

Nos meses anteriores à assinatura do acordo, o então primeiro ministro iraniano, Mahmoud Ahmadinejad buscou aumentar a capacidade persa de enriquecimento do minério, instalando milhares de centrífugas em locais secretos, um dos quais no interior de uma montanha. O principal da questão era a tecnologia de enriquecimento de urânio, que tem uma aplicação dual. Ela permite a elaboração de produtos com finalidade militar, assim como para civil. O urânio enriquecido é usado em equipamentos médicos e para gerar energia elétrica. O que diferencia o uso civil do militar é o nível de enriquecimento desse minério. A 90%, o urânio se torna instável e pode ser usado para a produção de um artefato nuclear.

Dentre as tecnologias duais, a mais significativa para a sociedade atualmente é aquela usada para produzir agrotóxicos. Ela deriva da experiência alemã no desenvolvimento de armas químicas, que gerou posteriormente produtos para uso agrícola. Do pesticida Zyklon A por exemplo, usado nas décadas de 1920-1930 na agricultura alemã, derivou a arma química, usada nos campos de concentração nazistas, o Zyklon B.

A caráter dual da tecnologia usada para desenvolver agrotóxicos é assunto corrente e há publicações científicas que lembram que produtos à base do herbicida mais difundido do mundo, o glifosato, “são dez vezes mais tóxicos se inalados do que absorvidos oralmente”. A inalação do herbicida Roundup, à base de glifosato, provocou em ratos de laboratório “sintomas de toxicidade… que consistiam em falta de ar, olhos inflamados… ficando os pulmões vermelhos ou congestionados de sangue”[i]. É necessário lembrar igualmente que a quantidade de agrotóxicos aplicados está correlacionada com plantio de grãos trangênicos. A principal empresa do setor por exemplo (a Monsanto/Bayer), desenvolveu sementes trangênicas para que se tornassem resistentes ao herbicida e não às pragas.

A partir da entrada em vigor do novo Código Florestal as plantações de trangênicos se alastraram nas terras do entorno do Distrito Federal, transformando perenemente aquela savana. Estamos vivendo a aventura de subordinarmos o território nacional aos cálculos estratégicos de outros países, remunerando a pesquisa e o desenvolvimento de uma tecnologia dual, que pode derivar na produção de armas de destruição em massa. Fica-se com uma vaga impressão de que isso equivaleria a autorizar o Irã a instalar centrífugas no Cerrado.

Essas são informações básicas para o debate atual sobre a redução de restrições ao uso de agrotóxicos. É uma perspectiva que permite compreender o problema de uma forma desapaixonada e franca. E ajuda igualmente a explicar a complexidade de interesses setoriais e industriais em torno da produção de agrotóxicos. E de repente, toda a virulência das vozes pela redução de critérios de fabricação e pela liberação da identificação desses produtos se torna mais clara e compreensível.

Carlos Potiara Castro, jornalista, Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas, é professor visitante da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília.

 

[i]               COX, Caroline (1998). “Herbicide facsheet: glyphosate”, Journal of Pesticide Reform. Vol. 18:3.

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

ze sergio

- 2018-08-01 15:04:53

88 ANOS DE ESQUERDISMO FASCISTA

Nossa Elite Esquerdopata mancomunada com Quartéis Militares ( Não é verdade Getúlio. Pai dos Pobres? E vá dizer o contrário, não é mesmo Brizola?) com sua Política Fascista de AntiCapitalismo Tupiniquim vai destruindo Indústrias, Conhecimento, Tecnologias e Economia Nacionais e Brasileiras para depois entregar tudo ao Capital e Interesses Estrangeiros. Analfabetismo, SubEmprego, Desemprego, vai perpetuando a Indústria da Pobreza erguida a partir do Golpismo Ditatorial Fascista de 1930 apoiado pela Elite Socialista que ascende com tal Ditadura. Qualquer tentativa nacional, soberana, libertária, como esta produzida por nossa Agropecuária é prontamente combatida. Combatidos não são as Indútrias Estrangeiras que produzem tais venenos, como vemos na matéria. Aliás são sempre pouco citadas. Mas isto não é Fatalismo, nem Vitimização. É produto estruturado desta Política Fascista nestes 88 anos. Foi assim na Ditadura Fascista. Depois nas suas crias no Governo Juscelino Kubscheck . Outro período de Privatarias. Da mesma forma nas outras crias de República da USP de FHC ou de Sindicalismo Lacaio de Contribuições Obrigatórias, legislação fascista mantida por décadas, que produziu o Sindicato dos Metalúrgicos de Lula. E estamos em 2018 falando sobre as mesmas coisas, sob a mesma legislação fascista de Voto Obrigatório, vendo o País sendo entregue às mesmas MultiNacionais Estrangeiras.  E nossa Elite Esquerdopata ainda a culpar a Agropecuária Brasileira. 88 anos de Fanatismo Ideológico mancomunado com Golpismo Militar. Abram as janelas e vejam.        

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador