Não é o metrô … é a dignidade de uma sociedade, por M. Angélica Rodríguez e Eduardo Rivas

'Como desta vez não se trata de mudar um presidente, serão as pessoas que construirão um Chile muito diferente'.

Foto Patricia Faermann - GGN

Não é o metrô … é a dignidade de uma sociedade

por M. Angélica Rodríguez e Eduardo Rivas

Sigan ustedes sabiendo que, mucho más temprano que tarde, de nuevo se abrirán las grandes alamedas por donde pase el hombre libre, para construir una sociedad mejor.

Salvador Allende

Durante a Presidência de Salvador Allende, a cultura chilena teve um grande boom, conquistado internacionalmente com a obtenção do Prêmio Nobel de Literatura, concedido a Pablo Neruda em 1971, e a música não foi exceção. Grupos musicais e cantores e compositores acompanharam de seu lugar o caminho chileno para o socialismo que o Presidente Allende procurou implementar em La Moneda. Inti Illimani, Los Jaivas, Quilapayún, Víctor Jara, todos eles, cada um à sua maneira, musicalizaram o processo histórico. E sobre todos eles a ditadura foi lançada, quase todos foram exilados, Jara foi assassinado, como comunista, por lutar por um mundo diferente, por cantar as coisas que muitos pensavam, mas poucos diziam.

Uma das coisas que Jara cantou, também em 1971, foi uma adaptação em castelhano da música “Little boxes”, original de Pete Seeger que ele intitulou ‘Las Casitas del Barrio Barrio’ em que descreveu a sociedade chilena de uma maneira poética, mas bruta, refletindo de maneira contundente a realidade chilena do início dos anos 70 , uma realidade que o processo alendista queria mudar suas raízes e contra o qual se ergueram as Forças Armadas do Chile e Carabineros, sob as diretrizes da CIA e a pedido da ITT, como Allende havia denunciado em dezembro de 1972 antes da Assembléia das Nações Unidas.

Como todos sabemos, o presságio de Allende foi cumprido em 1973 e, sob o comando de Augusto Pinochet, uma das ditaduras mais longas e sangrentas da região foi instalada no país sul-americano, que não apenas matou e desapareceu chilenos, mas também tentou banir (quase) todos os indícios de política alendista no país, e quase não é por acaso, pois, apesar de implementar reformas neoliberais de sangue e fogo que fizeram do Chile o primeiro experimento regional nesse sentido, eles nunca questionaram a nacionalização do cobre feito através da Lei 17450, sobre reforma constitucional, publicada em 16 de julho de 1971.

Esta longa introdução serve para entender o que está acontecendo hoje no Chile, que é muito mais complexo do que o mero protesto contra o aumento do bilhete de metrô. Como o descontentamento dos chilenos não é algo que foi gerado nos últimos dias, nem mesmo nos últimos meses, é mais complexo, pois é algo que está forjando há muito tempo.

O ‘milagre chileno’ gerado pelos meninos de Chicago, que assumiram a economia chilena após o golpe de estado, consistiu na implementação de uma economia não regulamentada, aberta ao mundo, com um Estado pequeno e subsidiário, com um equilíbrio fiscal rigoroso (limitar gastos públicos e burocracia) e o livre funcionamento do mercado, um sistema que entrou em crise em 1982, por ocasião da crise da dívida latino-americana, e teve uma segunda opção a partir de meados da década de 1980 quando políticas foram implementadas para gerar uma forte redução nos gastos do setor público, com medidas como a redução dos gastos sociais e da aposentadoria, uma política de desvalorização do peso baseada no dólar muito forte, que excedeu a inflação para favorecer as exportações, empresas privatizadas que permaneceram de propriedade do Estado e bancos intervieram pelo governo durante a crise, entre outros. Essas políticas causaram, em termos macroeconômicos, um crescimento econômico que levaria o Chile a dobrar seu PIB em dez anos.

Para o mundo, o Chile foi um milagre, mas foi para os chilenos? Sem dúvida, era para aqueles que, sob a ditadura, eram favorecidos, mesmo ilegalmente, pelas políticas da ditadura, mas não era para o cidadão comum que, desprotegido, tinha que enfrentar as políticas implementadas em benefício de uma ditadura. Porção muito pequena da sociedade chilena.

Leia também:  Angélica Kberw e o Feliz 20 de Setembro a todos nós, por Régis Mubarak

Entre os beneficiários, sem dúvida, o presidente Sebastián Piñera, que logo descreveu a realidade chilena como ‘um oásis’ no meio da América Latina, e sua esposa, Cecilia Morel, que no curso da atual crise, queixou-se de que “Teremos que diminuir nossos privilégios e compartilhar com os outros.”

Mas o que acontece no Chile hoje em dia? É uma guerra, como diz Piñera, deixando para trás a descrição idílica do oásis?

O protesto foi como aquele verso de Violeta Parra, que disse que ‘está se enredando, enredando, como hera na parede. E está brotando, brotando, como o musgo na pedra’, e surgiu após o anúncio do governo de aumentar pela quarta vez desde fevereiro de 2018, o preço do bilhete de metrô, que acumulou 12% em menos de 2 anos, estabelecendo preços diferenciados para períodos de alta demanda e baixa demanda, o que foi explicado cinicamente pelo ministro da Economia, que afirmou que ‘um espaço foi aberto para que, quem acorda cedo, possa ser ajudado por uma taxa mais baixa. ‘ Como esperado, a medida gerou reclamações e reclamações, e a defesa oficial indignada, de modo que, com os estudantes à frente, os chilenos saíram às ruas para protestar.

A resposta do governo foi a repressão, excessiva e ilegal, o que gerou um nível mais alto de protesto, embora fosse claro que o protesto estudantil era apenas a ponta do iceberg de uma realidade que queria vir à tona, e Era a hora de fazê-lo, então eles não se acalmaram quando o presidente Piñera anunciou a reversão do aumento da taxa. O protesto já havia se espalhado por todo o país, pacífico e violento, e mostrou que, por mais que o governo quisesse apresentá-lo como algo focal, o descontentamento dos cidadãos era muito mais amplo e complexo.

O engraçado é que as causas que motivam esses protestos não são exibidas publicamente, apenas a lupa é colocada em protestos violentos, sem mencionar as massivas mobilizações pacíficas que, apesar de pacíficas, foram brutalmente reprimidas e muito menos, sem tentar entender o motivo do protesto do cidadão. Como sempre, o foco está nas consequências sem abordar as causas que as causam.

Leia também:  Reflexões sobre o Catolicismo em questões de sexualidade, por Marcos Vinicius de Freitas Reis

E as causas estão enraizadas nas reformas econômicas implementadas por Augusto Pinochet na década de 1970, sob as idéias de Milton Friedman, e para as quais os chilenos ainda sofrem as consequências.

Porque, como eu disse, um panfleto que circulava nos protestos: ‘Não é o metrô. É saúde, é educação, é pensão, é moradia, é o salário do parlamentar, é o aumento da luz, é o aumento da benzina, é o roubo das Forças Armadas, é o perdão dos empresários. É a dignidade de uma sociedade! ‘.

Não é o metrô. É que 30% da renda vai para o 1% mais rico da população.

Não é o metrô. É que o Chile é um dos 15 países mais desiguais do planeta.

Não é o metrô. É que 48% dos cidadãos tomam empréstimos para chegar ao final do mês.

Não é o metrô. São os créditos bancários aos quais os alunos precisam recorrer para poderem estudar nas universidades.

Não é o metrô. É que os administradores de fundos de pensão mantêm 25% das contribuições dos cidadãos.

Não é o metrô. É que os militares, como herança da ditadura, não fazem parte desse sistema de pensões, mas têm seu próprio sistema, um sistema de seguridade social com enormes vantagens sobre o povo chileno.

Não é o metrô. É que parte do dinheiro gerado pela medida socialista de nacionalização do cobre vai para os cofres das Forças Armadas e não para o povo.

Não é o metrô. São corrupção e roubo das Forças Armadas e dos negócios, conluio de preços e sonegação de impostos por grandes empresas, impunidade contra crimes de pescoço e gravata, entre outros aspectos.

Não é o metrô. É o acúmulo de abuso e desigualdade estrutural da sociedade chilena.

É claro, então, que o protesto passa por outras faixas mais complexas que o mero aumento de 30 pesos na passagem do metrô.

Talvez a melhor síntese seja a de Silvia para Raúl, que marchando em La Serena carregava um sinal com sua mensagem para sua neta Valentina (talvez seja uma piscadela de história, como a música de ‘La Parra’, ‘Ajuda-me Valentina’ em que disseram ‘Isso é o que fazemos para que você tenha um país com oportunidades para todos. Para que você possa estudar sem empréstimos, para ter uma saúde de qualidade e uma pensão decente na velhice, para que aqueles que estão acima não possam roubá-lo ou esmagá-lo. Nós … isso não importa. Já perdemos nossa oportunidade, os de sempre nos tiraram tudo e os outros nos traíram e nunca nos alegraram, destruíram nossa esperança… mas não tiraram nossa dignidade e o desejo de lutar por um país melhor para você. Damos-lhe o exemplo de sempre lutando por seus direitos, sempre de pé, nunca de joelhos! Seus avós, Silvia e Raúl. La Serena 21/10/19… em estado de emergência’.

Em suma, é o protesto daqueles que habitam as casas das favelas e do meio, que querem um país para todos.

Leia também:  STF segura decisão sobre incentivos fiscais a agrotóxicos há quatro anos, por Lauro Veiga Filho

E qual é a resposta do governo?

Declare que ‘estamos em guerra’, de acordo com o presidente Piñera. Declare esse estado de exceção e toque de recolher. Reprimir Pare ilegalmente. Seqüestro Violar os direitos humanos. Assassinato.

Há quatro décadas, eles mantêm sua política econômica com violência, agindo fora da lei e apoiados por quem desfruta de benefícios especiais, as Forças Armadas e a Polícia.

É claro que o Chile não é o oásis anunciado por Piñera, e também é claro que o problema não é apenas o aumento da passagem do metrô. O problema é que, como Isabel Parra cantou, o Chile limita o centro da injustiça.

As causas são muito mais profundas e sustentadas por um sistema constitucional que, paradoxalmente, é o produto de uma ditadura militar que, quase 30 anos após sua conclusão, ainda esconde sua sombra sobre o Chile.

Hoje, no Chile, o que está em discussão é o Chile que vem, o Chile do futuro. E que o Chile deve ser um que inclua todos os seus cidadãos e não apenas um modelo para poucos.

Muitos manifestantes exigiram a renúncia de Piñera nas manifestações, mas não é só isso, não é apenas o que é deixado para trás, é fundamentalmente o que se avança, porque, como Inti Illimani cantou na campanha eleitoral que levaria à Presidência Salvador Allende, ‘Como desta vez não se trata de mudar um presidente, serão as pessoas que construirão um Chile muito diferente’.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome