Apagão do Facebook, Cyber Polygon e offshore de Paulo Guedes: novo salto mortal do Capitalismo, por Wilson Ferreira

O “Grande Reset Global” das offshores de ministros e da própria grande mídia que se preparam para o próximo salto mortal do Capitalismo: a pandemia digital para mitigar o próximo crash – a da bolha do dinheiro digital.

Apagão do Facebook, Cyber Polygon e offshore de Paulo Guedes: novo salto mortal do Capitalismo

por Wilson Ferreira

A semana começa com a repercussão de um complexo sincrônico de eventos: o “apagão” global do Facebook, Instagram e WhatsApp, a revelação do “Pandora Papers” de que Paulo Guedes (Economia) e Roberto Campos Neto (Banco Central) possuem offshores em paraísos fiscais. E a grande mídia fazendo o que pode para blindá-los ou, no máximo, fazer “jornalismo Snapchat” como o da “Folha”. O que têm em comum? O Projeto Cyber Polygon do Fórum Econômico Mundial e a agenda do “Grande Reset Global” que teve no Facebook o seu grande golpe de propaganda: deixe um número suficiente de pessoas confiar em gigantes tecnológicas sem qualquer regulação pública e você terá uma vulnerabilidade parecida com o que representou Pearl Harbor para os EUA na Segunda Guerra Mundial. O “Grande Reset Global” das offshores de ministros e da própria grande mídia que se preparam para o próximo salto mortal do Capitalismo: a pandemia digital para mitigar o próximo crash – a da bolha do dinheiro digital.

Em postagens anteriores discutíamos a natureza e implicações do projeto do Fórum Econômico Mundial (FEM), comparado ao “Event 201” (também do FEM) que aparentemente anteviu e roteirizou a crise da pandemia COVID-19: é o Projeto Cyber Polygon, cujo evento nesse ano simulou em tempo real as consequências de um ataque cibernético na cadeia de suprimentos global. Literalmente, o evento desse ano alertou que, depois da pandemia biológica, a próxima pandemia poderá ser digital – clique aqui e aqui.

Embora Mark Zuckerberg tenha participado das reuniões do FEM em Davos, Suíça, o Facebook não é uma peça importante na cadeia de suprimentos global. No entanto, sua interrupção de várias horas nesta segunda-feira gerou medo e pânico nos corações de 2,8 bilhões de usuários. Agora, em um único dia, o mundo inteiro entende os perigos de um ataque cibernético massivo.

Esse foi o resultado da impressionante trajetória da Internet e domínio das redes sociais nas vidas e negócios de bilhões de usuários. Parece que o Projeto Cyber Polygon teve o seu grande golpe de propaganda por indução: deixe um número suficiente de pessoas confiar em gigantes tecnológicas sem qualquer regulação pública e você terá uma vulnerabilidade parecida com o que representou Pearl Harbor para os EUA na Segunda Guerra Mundial. 

Nos anos 1980-1990, a Internet prometia ser uma forma radicalmente nova de as pessoas acessarem as informações. Algo como uma grande biblioteca universal, livre dos gatekeepers das mídias de massas impressas e eletrônicas. Mas apenas repetiu o ciclo do desenvolvimento do capitalismo dos séculos XIX-XX: primeiro, o faroeste da corrida do ouro, única e livre; para depois, a era dos barões capitalistas sem escrúpulos que criaram monopólios e trustes que passaram a dominar o setor com a integração vertical e horizontal.

Hoje as grandes empresas de tecnologia são tão grandes que engoliram partes inteiras da Internet e controlam a forma como a maioria das informações e comunicações fluem.

A interrupção como a que ocorreu na segunda-feira não é inédita. Vários grandes sites de Big Tech travaram nos últimos meses, mas geralmente por um curto período de tempo. Também houve um aumento de incidentes cibernéticos nos últimos anos, incluindo ataques cibernéticos que visaram infraestruturas críticas, seja em Israel, nos EUA ou em outros lugares.

Sincronicamente, esses “incidentes” se avolumam no momento quando o FEM, através do seu fundador Klauss Schwab, fala em “Grande Reset Global” – a necessidade de “renovar todos os aspectos da sociedade e economias, desde a educação até as condições de trabalho”. Enquanto os scholars usam termos mais indiretos como “quarta revolução industrial” e intelectuais progressistas denunciam a ascensão do chamado “capitalismo de plataforma”. 

O mais notório não foram as sete horas em que Facebook, Instragram e WhatsApp ficaram fora do ar. Mas a aliança da grande mídia com Zuckenberg para explicar aos distintos usuários o que causou tal cenário apocalíptico. Explicações tautológicas como “interrupção de protocolo”, “mudança na configuração dos roteadores backbone” que fizeram o Facebook dizer ao BGP (Border Gateway Protocol) que os caminhos que o Facebook executa não existiam mais: simplesmente disseram que “saiu do ar porque ficou fora do ar”. Numa argumentação tautológica disseram o “como” e não o porquê de a configuração de repente sumir.

Erro técnico interno? Ataque hacker? Sabotagem corporativa? Pouco importa. O fato é que o Projeto Cyber Polygon teve o seu Pearl Harbor, o seu golpe de propaganda.

Fuga da taxa de lucro decrescente

O Event 201, acontecendo simultâneo ao Projeto Cyber Polygon (pandemias biológica e digital correndo em paralelo), parecem apontar para um modus operandi que combina paradoxalmente uma novidade dentro do movimento eternamente cíclico do Capitalismo: a fuga de uma contradição inerente ao modo de produção capitalista – a tendência da taxa de lucro decrescente.

E essa fuga cíclica não se dá através de alguma fantasia escapista do Big Money dono do Capital. Ele acontece através de espetaculares saltos mortais na História, nos quais ameaça quebrar o próprio pescoço, mas, tal como magnífico ilusionista Harry Houdini, consegue escapar e alcançar um novo patamar de celebridade: o realismo capitalista – tal como nos filmes sci-fi distópicos, nos quais é mais fácil para os roteiristas imaginar o fim do planeta numa catástrofe cósmica do que narrar o fim do Capitalismo. 

O Capitalismo parece ser sólido e eterno. Porém, a sua história é a história de superações de contradições. E a principal delas é a queda tendencial da taxa de lucro.

Logo no início do Capítulo XIII de O Capital, A Lei Enquanto Tal”, Marx descreve o processo econômico capitalista fundamental: o decréscimo relativo do capital variável (aquele despendido na compra da força de trabalho, quer dizer, os gastos efetuados com salários) em relação ao capital constante (aquele despendido em máquinas, matérias primas, manutenção de equipamentos e instalações etc.) e, com isso, seu decréscimo em relação ao capital global posto em movimento.

Marx apontava que o desenvolvimento capitalista acirraria as suas próprias contradições internas. Resumidamente podemos apresentar o seguinte diagnóstico feito por ele: O capital viveria uma contradição entre o crescimento das forças produtivas (o caráter social do trabalho) e a apropriação privada da riqueza através da expropriação do excedente (mais-valia e lucro). Essa contradição básica produziria uma série de outras como a tendência à taxa decrescente de lucro, crises periódicas de superprodução e anarquia do mercado.

O caráter social do trabalho levaria a uma tendência irresistível de liberação das forças produtivas (o aumento da produtividade dos trabalhadores através da inovação tecnológica, automação etc.) que alteraria a composição orgânica do capital (crescimento do capital constante em relação capital ao variável) e como consequência a queda da taxa de lucro: é impossível extrair mais-valia do “trabalho morto” (máquinas) que começa a substituir o “trabalho vivo” (operários). Para Marx, capital é “trabalho morto que, como um vampiro, vive apenas da sucção do trabalho vivo, e vive quanto mais trabalho vivo suga”.

Porém, o capitalismo está muito longe de dar o último suspiro. Marx também descreveu as estratégias do capital frear ou adiar essa queda tendencial do lucro. Seriam seis: elevação do grau de exploração de trabalho,compressão do salário abaixo do seu valor, barateamento dos elementos do capital constante, superpopulação relativa que força a queda dos salários, alargamento das fronteiras comerciais, aumento do capital por ações. 

Continue lendo no Cinegnose.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador