Extrema-direita: cobras criadas, por Daniel Afonso da Silva

Os ovos de serpente de outrora, alimentados pela crise de 2008, dão mostra de não existirem mais. Agora já são bichanos bem crescidos.

Freepik

Cobras criadas

por Daniel Afonso da Silva

Às vésperas das presidenciais francesas de 2012, o experiente jornalista Denis Jeambar escreveu uma carta aberta ao presidente e candidato Nicolas Sarkozy solicitando que ele abdicasse da candidatura à reeleição. Os dezessete anos ininterruptos de conservadores no poder – Jacques Chirac de 1995 a 2007 e Nicolas Sarkozy de 2007 a 2012 – pareciam demasiado para uma sociedade entendida ideologicamente como majoritariamente revolucionária, progressista e esquerdista.

O choque da chegada do inequivocamente extremo-direitista Jean-Marie Le Pen ao segundo turno das eleições de 2002, dez anos depois, já figurava como coisa do passado. Os 82% de votos válidos reunidos em união nacional para a reeleição de Jacques Chirac naquele início de século indicavam graus de consciência e responsabilidade dos franceses de modo que os fantasmas do extremismo pareciam neutralizados. Entretanto, a sucessão do presidente Jacques Chirac por um elemento de seu mesmo espectro ideológico – no caso, Nicolas Sarkozy – começou a denotar a usura dos conservadores no poder. Aos franceses faltava, então, voltar a eleger alguém diferente, divergente e, especialmente, vindo de uma ala não conservadora.

À rigor, a experiência da presidência de François Mitterrand de 1981 a 1995 foi o único momento ideologicamente diferente na França sob a Quinta República. Entre 1958 e 2012, o general Charles De Gaulle fora sucedido pelos seus herdeiros Georges Pompidou (1969-1974), Valéry Giscard d’Estaing (1974-1981), Jacques Chirac (1995-2007) e Nicolas Sarkozy (2007-2012).

À exceção de 2002, de 1965 a 2012, as disputas majoritárias envolveram gaullistas e socialistas. Essas duas alas partidárias, portanto, dominaram a cena eleitoral e a paisagem política durante todo o período. François Miterrand foi vencido ante o general e o Giscard d’Estaing em 1965 e 1974. Depois venceu eleições de Giscard d’Estaing e Jacques Chirac em 1981 e 1988. Em 1995, não conseguiu emplacar um sucessor socialista, quando Lionel Jospin chegou ao segundo turno, mas foi batido por Jacques Chirac. E, em 2007, a candidata socialista Segolène Royal perdeu de Nicolas Sarkozy.

François Hollande desbancou Nicolas Sarkozy em 2012. O partido socialista, enfim, retornou ao poder. Denis Jeambar ficou feliz. Os anti-gaullistas também.

Mas no fervor do entusiasmo existia algo estranho no ar. Poucos viam. E os que viam faziam de conta não ver. Haviam ovos de serpentes sendo gestados e cobras peçonhentas sendo alimentadas.

Para quem olhava de longe, aquela vitória socialista parecia algo formidável. A sociedade francesa demonstrava salubridade. As instituições se mantinham funcionando. O sistema político se confirmava majoritariamente binário. Tudo parecia ir bem. Muito bem. Normal à perfeição. Mas, não.

Olhando-se mais de perto, tudo era muito mais delicado, sensível e sutil. O candidato socialista, em verdade, vencera por default. François Hollande não simplesmente não era François Mitterrand como a sociedade francesa já tinha deixado de ser essencialmente revolucionária, progressista e esquerdista e o partido socialista, ideologicamente, não existia mais.

Especialmente porque tudo que se viu e agiu depois de 1991 estraçalhou os partidos franceses, europeus e mundiais. Se, por um lado, o fim da União Soviética desconjuntou o socialismo real, de outro lado, ele forjou a aceleração da decomposição da coerência das ideologias em todas as partes. Os socialistas perderam a sua referência e os não socialistas, não raramente, viraram financistas, administradores, gestores. Não era nem é, assim, exagero enquadrar François Mitterrand e Jacques Chirac como personagens jurássicas no cenário político francês, europeu e mundial no período em que governaram o país. Cada um, ao seu modo, representou um tempo, um decoro e uma forma de fazer girar a política que, desde a crise financeira de 2008, não existe mais.

A degradação socioeconômica da crise financeira de 2008 deixou apenas os escombros no cenário político europeu onde apenas a chanceler Ângela Merkel conseguiu se manter no poder. Nenhum chefe de estado dos demais países teve a mesma fortuna. Muitos foram destituídos antes do prazo. Outros foram eliminados da reeleição. Nicolas Sarkozy foi um desses eliminado pelos novos tempos.

Analisando em retrospectiva, portanto, o problema não foi a derrota de Nicolas Sarkozy, mas a ilusão de François Hollande em acreditar que tinha vencido Nicolas Sarkozy. Todos perderam. Quem venceu foi o desespero.

É curioso que o lema do candidato Hollande tenha sido o combate às finanças. Ele fugia do embate direto com Nicolas Sarkozy elegendo o mundo das finanças como o seu mais sério oponente. Não restam dúvidas que naquele contexto, essa foi uma estratégia de marketing eleitoral muito eficaz. Tanto que rendeu resultados. Entretanto, o candidato socialista tornado presidente não foi capaz de perceber que para muito além das finanças existia o desespero. Um desespero que exigia mudanças rápidas e imediatas. Mudanças subversivas. Contra todo o establishment. O presidente Sarkozy caiu assim. Mas qualquer outro cairia também. O desespero era implacável, virou constante e se instalou no tempo. 2008-2012 modificou, portanto, tectonicamente a verdade política. Mas a mutação não parou por aí. O desespero também foi o grande protagonista dos pleitos de 2017 e 2022. Mas, nessas ocasiões, foi freado pelo receio.

Emmanuel Macron e Marine Le Pen disputaram a fase final dessas duas eleições. François Hollande nem chegou a disputar. Nicolas Sarkozy foi triturado pela realidade partidária.

Emmanuel Macron surgiu eleitoralmente nas vésperas do pleito de 2017 e criou um partido apolítico. Marine Le Pen, herdeira de Jean-Marie Le Pen que aterrorizou a paisagem política francesa em 2002, tornou seu partido extremo-direitista em um ambiente frequentável. Dois, portanto, não-partidos – ou partidos irreconhecíveis ideologicamente – passaram a monopolizar o sistema político e partidário francês.

Um nem outro chegaram onde chegaram em condições normais. O novo normal imposto pelo após-2008 permitiu-lhes o sucesso que tiveram. Os embates de 2017 e 2022 foram germinados pelo desespero. Mas o desespero foi freado pelo receio. Os desesperados levaram Macron e Le Pen para o segundo turno das eleições. Mas não foi destemperado o suficiente para permitir a vitória de Le Pen. Mesmo que o verdadeiro vencedor do tempo dos desesperados tenha sido a indiferença.

A vitória de Geert Wilders na Holanda na semana passada alterou de súbito essa percepção e conformação. E não apenas na França. Mas em toda a Europa. A fase do receio – e do pudor – parece ter sido superada. Passou-se a viver o momento da audácia. Desespero, receio e audácia. Virou evidente que a audácia pode vencer o receio e qualquer impedimento aos extremos em todas as partes.

Mirando-se na Holanda – e, claro, na Argentina e na possibilidade de retorno do presidente Donald J. Trump nos Estados Unidos – voltou-se, na Europa, a analisar com mais calma a situação geral.

Responder às razões da eleição de mais um extremista na região demanda, claramente, uma análise interna do país, mas também externa de todo o continente europeu. E, quando se aventura por essas escalas, nacional e internacional, o peso da realidade constrange e choca. Basta ver o mapa.

Não precisa de maiores explicações. A projeção diz quase tudo.

Seguindo a sequência de cores indicadas na legenda, os partidos de extrema-direita já tomaram conta da Europa

  1. Partido extremista no governo.
  2. Partidos extremistas que apoiam o governo.
  3. Partido extremista à frente nas intenções de voto.
  4. O resto da União Europeia sem maiores definições.

O desespero outrora ignorado hoje impera sobre o continente. O receio que, até agora, tem impedido a vitória do extremismo na França acelerou em refluir. As desventuras europeias na Ucrânia e no Oriente Médio alimentam os ímpetos da audácia – evidentemente que a situação russo-ucraniana e médio-oriental pesou no voto dos holandeses. Os ovos de serpente de outrora, alimentados pela crise de 2008, dão mostra de não existirem mais. Agora já são bichanos bem crescidos e bem formados. Já são cobras criadas.

Daniel Afonso da Silva é doutor em História Social pela Universidade de São Paulo e autor de “Muito além dos olhos azuis e outros escritos sobre relações internacionais contemporâneas”.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

Daniel Afonso da Silva

Daniel Afonso da Silva é doutor em História Social pela Universidade de São Paulo e autor de "Muito além dos olhos azuis e outros escritos sobre relações internacionais contemporâneas". [email protected]

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador