Por que a desinformação COVID-19 de Bolsonaro funcionou

A forma como os humanos processam o conhecimento tem um papel importante a desempenhar na compreensão de por que tantos aderiram a essas "curas".

9 de novembro de 2021

NOAM TITELMAN, do Project Syndicate

LONDRES – Na reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas em setembro, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro usou o tempo que lhe foi concedido no pódio para relatar suas opiniões sobre a COVID-19. Ele exaltou as virtudes dos tratamentos que foram rejeitados pelos cientistas e proclamou que havia se beneficiado da droga anti-malária hidroxicloroquina.

O apoio de Bolsonaro a tais “curas milagrosas” é bem conhecido. Tem aparecido regularmente na imprensa brasileira e em redes sociais promovendo o uso de tratamentos off label que não têm base em fatos científicos. E ele não está sozinho. Durante sua administração, o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump defendeu uma variedade de remédios não comprovados , e o presidente de Madagascar, Andry Rajoelina, patrocinou uma bebida derivada da erva artemísia para tratar COVID-19. Para desespero da comunidade científica, esses políticos e outros conseguiram convencer uma grande parte do público da eficácia e segurança de tais tratamentos.

A desinformação aumentou muito durante a pandemia, mas não é um fenômeno novo. Em seu trabalho seminal sobre a percepção do bem-estar nos Estados Unidos, o cientista político James Kuklinski e seus colegas mostraram que parcelas significativas da população americana mantinham crenças incorretas sobre os destinatários do apoio estatal e os benefícios que recebiam. Eles também descobriram que a prevalência de desinformação impedia que informações precisas ganhassem força. Pessoas mal informadas não têm simplesmente informações imprecisas; eles investem pesadamente em seus equívocos. E é isso que torna a desinformação tão poderosa: ela combina percepções errôneas sobre o mundo com um alto grau de confiança em sua exatidão.

As pessoas não acreditam em informações falsas porque são ignorantes. Existem muitos fatores em ação, mas a maioria dos pesquisadores concordaria que a crença na desinformação tem pouco a ver com a quantidade de conhecimento que uma pessoa possui. A desinformação é um excelente exemplo de raciocínio motivado . As pessoas tendem a chegar às conclusões que desejam chegar, contanto que possam construir justificativas aparentemente razoáveis ​​para esses resultados. Um estudo publicado em 2017 mostrou que as pessoas que têm maior conhecimento científico e educação são mais propensas a defender suas crenças polarizadas em tópicos controversos da ciência por causa de “preocupações não científicas”.

Uma das mais poderosas dessas preocupações é a preservação da identidade. Os líderes políticos são mais eficazes em promover a desinformação quando exploram o medo dos cidadãos de perder o que eles percebem ser os aspectos definidores de sua cultura, particularmente seu idioma, religião e hierarquias e papéis raciais e de gênero. Em ambientes políticos polarizados, a compra que a desinformação ganha tem pouco a ver com baixos níveis de conhecimento ou engajamento, mas sim com a forma como a informação é interpretada de uma forma que se encaixa na identidade partidária. A lente “nós contra eles” significa que os diferentes bits de informação que as pessoas recebem são processados ​​de uma forma que seja receptiva à sua visão de mundo. É por isso que os indivíduos podem tirar conclusões surpreendentemente divergentes dos mesmos fatos.

Quando os líderes políticos vendem tratamentos não comprovados para COVID-19, eles estão capitalizando essa tendência polarizadora. Mas um foco excessivo nesses líderes pode obscurecer o principal motivo pelo qual as pessoas acreditam nessas mensagens. A vontade de acreditar na desinformação está enraizada em aspectos subjacentes da identidade cultural, que os políticos manipulam.

Pesquisa recente de Mariana Borges Martins da Silva, pós-doutoranda da Universidade de Oxford, mostrou que uma das razões pelas quais os brasileiros confiam em tratamentos como os promovidos pelo Bolsonaro é uma profunda crença cultural de que “médico sério” é aquele que prescreve remédios. Bolsonaro não precisou convencer os brasileiros dos benefícios da ivermectina e da cloroquina. Ele precisava apenas confirmar a norma de que doenças potencialmente graves sempre devem ser tratadas com medicamentos. Ele forneceu uma narrativa que permitiu que segmentos da população chegassem à conclusão desejada. E isso foi o suficiente.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Jicxjo

- 2021-11-11 17:50:54

O último parágrafo é o mais interessante, pois realmente conheço pessoas que acham que se saem de uma consulta sem uma receita, o médico não presta. No entanto, há outros fermentos não mencionados no texto. Primeiro, a forte cultura de crendice e achismo, a abordagem cognitiva do mundo pela via subjetiva, da qual as religiões são o paradigma e o maior propagandista. Outro é a cultura de automedicação, também vastamente disseminada, que não deixa de ser uma variante da anterior, com pitadas de pseudociência. E se as TVs e as próprias farmácias já vendem mesmo há muito tempo um monte de poções mágicas sem eficácia comprovada, o que já foi naturalizado, por que os bolhudos deveriam duvidar do Mito? Afinal, para tudo existe um remedinho à mão que te deixa bom - e duvidar de seu pastor não faz parte de seu vocabulário, de seu adestramento social.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador