A crise no Brasil e na Argentina ou das contradições do liberalismo anti-liberal, por Leonardo Avritzer

Ambos os países passaram por um ciclo econômico expansivo na década passada ligado ao boom das commodities, mas associado também a fortes políticas de proteção social e ampliação do mercado interno introduzidas por governos de esquerda.

A crise no Brasil e na Argentina ou das contradições do liberalismo anti-liberal

por Leonardo Avritzer

O resultado as eleições primárias (paso) na Argentina na semana passada associadas a perspectiva de volta da recessão no Brasil abriram novamente um debate que necessita ser realizado com urgência nos dois principais países da América do Sul acerca da incapacidade dos liberais de administrarem exitosamente a economia da região. Voltemos aos fenômenos mais básicos: Brasil e Argentina passam por crises econômicas acentuadas com forte relação com problemas políticos. Ambos os países passaram por um ciclo econômico expansivo na década passada ligado ao boom das commodities, mas associado também a fortes políticas de proteção social e ampliação do mercado interno introduzidas por governos de esquerda. Estas políticas chegaram ao fim por uma associação entre o fim do ciclo das commodities e mudanças políticas. No caso argentino, estas mudanças vieram pela via eleitoral com a eleição de Maurício Macri e no caso brasileiro vieram por meio de um impeachment com fortes problemas legais e um conjunto de ações do poder judiciário que influenciaram a eleição possibilitando a vitória de Jair Bolsonaro.

A forte derrota eleitoral de Macri nas primárias do domingo passado aponta para o encerramento de mais um ciclo liberal não exitoso na Argentina e indica a incapacidade dos liberais de colocarem a economia do país em um ciclo de crescimento. O piloto automático do grito populismo, autoritarismo já é ouvido em ambos os países, especialmente por jornalistas econômicos e cientistas políticos. No caso brasileiro, a corifeu dos jornalistas econômicos mal informados, Mirian Leitão, disparou o grito anti-populista no Globo de domingo. Segundo ela, “em qualquer democracia há alternância de tendências políticas no poder. O risco vem do autoritarismo e do populismo. Eles produzem crises econômicas, ameaçam instituições, emburrecem o debate…O governo Macri anunciou que corrigiria o que Cristina fez no índice [de inflação]. Cumpriu a promessa. Mas foi incompetente para reduzir a inflação e recorreu a uma arma velha dos populistas, o congelamento de preços.” (O Globo, 18 de agosto). Duas questões chamam a atenção na análise de Leitão: a primeira delas é que ela se exime de analisar o governo Macri pelo que ele foi e culpa pelo seu fracasso econômico uma medida desesperada tomada quando o cambio e a inflação já estavam fora de controle. Típico do liberalismo sul americano. Ele nunca tem responsabilidade pelo fracasso das suas políticas. Se Miriam Leitão tivesse informação, ela analisaria o governo Macri e suas políticas nos seus três primeiros anos e abordaria a sério porque que ele não conseguiu destravar economicamente a Argentina com a suas medidas liberais. Por fim, é importante mencionar que a crise do governo Macri foi precipitada em 2018 pelo mercado financeiro que resolveu se dissociar do gradualismo macrista. Todas as outras medidas que Leitão condena foram consequência. Assim, se formos discutir a sério liberalismo e economia na Argentina e no Brasil temos que discutir a financeirização das duas economias e a hegemonia não produtiva que o mercado financeiro estabelece na região que parece incapaz de gerar crescimento econômico e que é tangenciada pelos jornalistas econômicos.

Leia também:  Pavão misterioso… algo é maquiavélico nesse seu voar?, por Fábio de Oliveira Ribeiro

[O GGN prepara uma série no YouTube que vai mostrar a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto pelo interesse público? Clique aqui]

O cientista político e colunista da Folha Marcus André Melo também discutiu a Argentina nesta segunda feira. De forma ainda mais precária que Miriam Leitão, Melo demonstrou  a falta absoluta de conhecimento do país ou falta de seriedade analítica completa (o que não parece constituir novidade no caso dele) ao achar que uma citação fora de contexto do cientista político Guillermo O´Donnell seria capaz de explicar o problema atual da Argentina. Segundo Melo citando O´Donnell, o problema da Argentina seria um jogo impossível “…entre militares, justicialistas e os partidos de oposição…o cálculo é que se os peronistas ganharem as eleições não respeitarão a institucionalidade democrática. E que se a oposição tiver sucesso os peronistas não a deixarão governar.” (Folha de São Paulo, 19/08/2019). Surpreende a baixa familiaridade de Melo com a Argentina pós transição onde, diferentemente do Brasil, os militares depois de um curto período de resistência deixaram a arena política e não são atores relevantes no jogo democrático. Não por acaso no mesmo dia em que Melo assinou sua coluna temporalmente e analiticamente equivocada na Folha, o candidato favorito a Procurador Geral da República no Brasil anunciou que contava com o apoio dos militares, mostrando que o país no qual existe o problema da intervenção dos militares na política é o Brasil e não a Argentina.

O segundo erro de Melo é ainda mais crasso e sugere forte incapacidade analítica e baixo conhecimento da realidade sobre a qual ele escreve. Ele supõe automaticamente uma política de geração da ingovernabilidade pelo peronismo como se estivéssemos na década de 90, sem perceber que o peronismo se dividiu fortemente em relação ao governo Macri que governou com maioria confortável nos seus três primeiros anos. Até mesmo o acordo com os chamados “fundos abutres” um dos principais pontos de honra do Kirchnerismo foi aprovado por Macri com maioria confortável de quase dois terços na câmara dos deputados. Assim, temos em relação ao macrismo uma diferenciação no interior do peronismo que pode significar o início de um novo jogo político na Argentina. Os peronistas se dividem sim pelo menos desde a década passada e quando eles se dividem eles perdem eleições, tal como ocorreu em 2015 quando Macri foi eleito. Mas os peronistas também se juntam e percebem que tem que fazer política para além da dinâmica amigo versus inimigo. Quando o fazem ganham eleições. Assim, ao invés da continuação de uma lógica destrutiva entre peronismo e anti-peronismo o que temos é uma lógica diferenciada. Quando o peronismo se divide, a oposição tem chances e quando o peronismo se une ela não tem. Só assim é possível entender a candidatura de Alberto Fernandez que não parecia ser a majoritária no interior do peronismo, mas se tornou por meio de uma composição com Cristina Kirchner. Assim, antes de reduzir a chapa Fernandez e Fernandez a mais do mesmo, caberia aos analistas entender a nova dinâmica que perpassa a política Argentina, uma dinâmica que pode dizer muito para o Brasil nos próximos os anos.

Leia também:  Lula é síntese de um ideal: desenvolvimento inclusivo e soberano, por Rafael Vier

Aliás, falando do nosso liberalismo tupiniquim que os dois analistas consideram muito superior ao argentino, vale a pena mencionar um certo desespero que se abateu entre alguns liberais honestos (vale dizer que sobraram poucos no país) na última semana. O Brasil encontra-se prestes a completar cinco anos de uma crise que destruiu uma porção considerável da indústria local e que os liberais brasileiros diagnosticam como uma crise do estado produzida por um governo de esquerda. No entanto, todas as receitas ortodoxas bastante simplistas baseada no teto de gastos ou em reforma trabalhista banal falharam. Não vemos entre os liberais no Brasil nenhum comentário sobre as taxas de juro real durante o ajuste ou sobre a incapacidade de uma retomada de uma economia que parece paralisada. O que temos assistido são afirmações risíveis que supõem efeitos temporais pouco críveis das políticas dos governos de esquerda que podem ter efeito midiático, mas sinalizam, ao mesmo tempo, que o debate econômico continua raso. Que não se enganem os liberais brasileiros. Não vai adiantar gritar populismo para que a o liberalismo econômico se firme. O liberalismo terá que mostrar que tem uma proposta além de queimar matas, cortar árvores e re-implantar relações de trabalho do século XIX. Se ele não o fizer, a crise do macrismo e do liberalismo ortodoxo na Argentina será o canto do galo portenho, anunciando a crise do liberalismo ortodoxo no Brasil.

 

3 comentários

  1. UAI, não vi no texto as palavras GOLPE, EUA ou geopolítica por exemplo ? ..que pra mim estão no cerne das experiências vividas pelos dois países atualmente. (e por diversos outros no continente americano).
    Argentina e BRASIL são a tentativa dos EUA recuperar o espaço perdido mais recentemente.
    Claro que cada caso tem lá de suas peculiaridades ..mas no atacado, tá tudo lá.
    De comum é que nos anos 60-70 as FFAA de ambos estavam alinhadas c/o pensamento hegemônico.
    Depois, nos anos 80, levados a DESEQUILÍBRIOS e dependências crônicas, vimos a duas economias serem empobrecidas por um processo de dependência estrutural de DIVISAS que desembocou em surtos hiperinflacionários seguidos de moratórias unilaterais e interferências do FMI.
    Chegado o Consenso, e com o desmonte consolidado, o mundo ocidental vivenciou o despertar do DRAGÃO que, lentamente, foi firmando posição.
    Despertados do choque, querendo retomar a narrativa da história, vemos agora os EUA formatando GOLPES BRANCOS, bem mais elaborados e complexos, pra retomar um terreno que hoje é dado como celeiro do planeta, vital pra segurança energética e ALIMENTAR (pra hegemonia geopolítica), pra METADE da população do PLANETA (Índia,China e África) que agora terão que negociar em outros termos seu provimento (que antes dos GOLPES e desestabilizações, estariam garantidos pela Argentina e BRASIL, por exemplo).

    • A análise sobre a política argentina é básica.O peronismo está dividido faz tempo.Após o surgimento dos Kirchner a ala mais a esquerda se juntou ao casal, ficando a derecha com os coronéis provinciais e algumas porções da estrutura sindical (muito poderosa ).Caso tivesse o bando de neoliberais ,entreguistas,sabujos do tio sam e do sistema finaceiro internacional,algúm projeto menos saqueador ,tería sido difícil aos Kirchneristas retomar o poder.Grande parte dos peronistas torçem o nariz para os K.
      E conforme o comentário anterior ,a raíz do problema está na guerra híbrida que o império aplicou tanto lá como cá,para procurar retomar o seu poder.Lá até assassinaram um fiscal(procurador) que lhes era fiel ,para forçar a balança em 2015,ano em que derrotaram por escassa margem aos K.

  2. Topo o desafio de “discutir a sério a financeirização”. Para começar, também usei o termo financeirização, mas penso que atualmente é necessário discutir a sério sobretudo porque o que está acontecendo aqui e lá está acontecendo no mundo inteiro. Acontece aqui e lá porque a questão é capitalista, e seus aspectos nacionais são relevantes, mas insuficientes para entender a profundidade da crise, que não é brasileira, nem argentina, mas sim capitalista.
    Estamos vivendo uma situação nova, embora anunciada em seus primeiros sintomas já na década de setenta nos Estados Unidos. Em 1983, um livro cujo título muito sugestivo, Profits without production, já anunciava o advento de uma tendência, que agora já podemos classificar de inexorável, que é o abandono da produção em nome da conversão do capital numa montanha de dinheiro inútil. Este processo realiza tanto uma monumental destruição de riqueza, como transforma o Estado nas mãos da direita em saqueador e pilhador da sociedade como um todo, a começar por infames legislações que atingem primeiramente o povão. Aquelas instituições, que num presente muito presente ainda podíamos identificar como democráticas por sua natureza historicamente burguesa, estão sendo solapadas diariamente. As leis sobre a previdência, que guardavam até recentemente uma marca que advinha daqueles anos em que a União Soviética servia de cabresto às ações dos dominantes, foram reduzidas a uma clara ameaça à vida. Seus promotores, entre os quais avulta a potência bancária, apelidam tamanha pilhagem de reforma. É a sanha pecuniária se realizando plenamente com o consentimento dos Congressos de dezenas de países por esse mundo afora.
    O que está acontecendo nos próprios fundamentos dos países que vão rapidamente renegando sua base capitalista está revelado em obra muito recente, 2013, do economista grego Costas Lapavitsas, Profiting without Producing, how Finance exploits us all.
    Para concluir, diria que o capital se imola no altar do rentismo, e está claro que a destruição realizada pelo rentismo precisa ela própria ser destruida para que finalmente possamos nos livrar da palavra-de-ordem do fascismo franquista: VIVA LA MUERTE. E neste aspecto teremos que seguir outra palavra-de-ordem, esta do sociólogo Jean Ziegler, em obra recente, “Il faut détruire le capitalisme”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome