A elite brasileira suicida-se, por Ruben Bauer Naveira

 

A Elite Brasileira Suicida-se

por Ruben Bauer Naveira

Nós vamos, um dia, amadurecer como povo e realizar nossa potencialidade. E vamos então varrer a canalha” (Darcy Ribeiro)

Essa frase curta, “a elite brasileira suicida-se”, contém dois erros.

Primeiro: jamais houve elite neste país. O que temos aqui não passa de uma classe dominante que, por preguiça intelectual, volta e meia é chamada de elite – conceito que, em qualquer país, diz respeito a um extrato social que avoca para si a responsabilidade de traçar o destino da sua nação e fazê-lo cumprir. Nunca houve nada assim no Brasil, lugar em que os horizontes da classe dominante não passam da acumulação predatória e do consumo ostentatório.

Segundo: no curto prazo, a classe dominante não corre risco de morte. Não há então nenhum suicídio iminente. Será, porém, no médio-longo prazo, que a classe dominante brasileira acabará por perceber, da pior maneira possível, que terá sido a sua própria natureza que lhe terá conduzido a seu fim.

Darcy Ribeiro sonhou com um povo que, por tomada de consciência, completava o seu processo de formação. O que ele não podia imaginar era que tal salto seria induzido de forma tão paradoxal, pela inconsequência da própria classe dominante. Mesmo que ainda demore muitos anos, o ponto-de-não-retorno foi ultrapassado, é então questão de tempo.

Antes de mais nada, nenhum país vive sem instituições, e as nossas se inviabilizam a olhos vistos. Instituições que, historicamente, foram construídas segundo os interesses da classe dominante: Charles Darwin, em sua estada no Brasil em 1832, registrou, repugnado, que “não importa a monta das acusações que possam pesar contra um homem de posses, é certo que em pouco tempo ele estará livre”.

 

Para que servem as instituições?

Ao menos a título formal, instituições existem para servir à sociedade e para edificar o futuro da nação. Como foi dito, no Brasil isso jamais aconteceu (como poderia, se não temos elite?) mas, pelo menos, ainda se guardavam as aparências. Agora, esfrega-se na cara da sociedade que as instituições existem tão somente para servir a si próprias.

Nossas instituições funcionam normalmente. Elas cumprem seus ritos e protocolos, executam seus orçamentos, nelas se tomam decisões e se definem políticas públicas. Mas, perante a sociedade, instituições vivem de veracidade ou, ao menos, de verossimilhança. Instituições até podem servir a si próprias enquanto fingem que servem ao bem comum, mas não podem simplesmente se cansar de fingir e estampar perante a sociedade uma realidade que ela preferiria não conhecer. Desencanto é sem volta.

As instituições brasileiras têm funcionalidade, o que elas não têm é sentido.

Para que se cumpra a antevisão de Darcy, o mais difícil já aconteceu. Graças à insegurança, cegueira, afobamento, inconsequência e ganância sem freios da classe dominante (mais uma vez passando recibo de não ser merecedora de ser vista como elite), o conjunto da sociedade vai se dando conta que essas instituições são imprestáveis, e terão que ser transmutadas.

Falta ainda algo já não tão difícil, na medida em que depende de nós: a unificação da sociedade em torno de um projeto para essa transmutação.

Ora, o atributo número um para tal projeto será sua qualidade de, justamente, unificar a sociedade. Terá que ser este o ponto de partida para a concepção do projeto.

O propósito deste artigo é apresentar três propostas concretas nesse sentido, respectivamente formuladas em torno dos conceitos de Constituinte dos Cidadãos, de Grupos de Diálogo e de Democracia Direta, as quais serão descritas ao final do texto.

 

A paixão não-correspondida da classe média pela classe dominante

Previsivelmente, a classe dominante lança mão do expediente clássico de dividir para governar. Por via da manipulação, ela atiçou preconceitos latentes da dita classe média, com duplo propósito: jogá-la contra as classes desfavorecidas e contra quem governasse em favor destas; e alinhá-la aos seus interesses, ainda que contrários aos dela própria.

(Nota: este processo se encontra descrito em profundidade no recente livro de Jessé de Souza, A Radiografia do Golpe: Entenda como e porque você foi enganado. Para uma introdução ao argumento de Jessé, ver https://www.facebook.com/souza.jesse225/posts/10203070013027649).

Muito simplificadamente, a classe média, desde sempre inconformada com os privilégios dos “de cima” (em especial o privilégio de fazer leis para serem cumpridas por todos, menos eles próprios), privilégios que ela condena da boca para fora mas que intimamente inveja e anseia para si, ficou ainda mais desconfortável a partir do momento em que os “de baixo” passaram também a contar com acesso, por mínimo que fosse, à Terra Prometida (leia-se, aos recursos do Estado). “Todo mundo mama, menos eu!”, foi como ela sentiu.

A classe média é hoje, possivelmente, a mais numerosa no país:

– a classe E são os miseráveis;

– a classe D são os pobres;

– a classe C é a classe média baixa;

– a classe B é a classe “média-média”;

– a classe A é a classe média alta.

Nenhuma dessas é classe dominante.

A classe A não são os ricos. O IBGE denomina “família de classe A” àquela cuja renda familiar seja acima de vinte salários mínimos, quase dezenove mil reais. Consideremos arbitrariamente o dobro disso: uns quarenta mil reais. Por acaso uma família com renda mensal de 40 mil reais possui helicóptero (não precisa ser jatinho)? Possui lancha esportiva (não precisa ser iate) com, claro, atracadouro próprio? Possui carro esportivo importado (um só, não precisa ser uma coleção)? Possui propriedades no exterior? Possui conta bancária no exterior com saldo equivalente a mais de um milhão de reais?

Leia também:  Um projeto chamado Brasil, por Dora Incontri

A classificação do IBGE busca, propositadamente, ocultar os ricos, diluindo-os na classe média alta.

Os ricos formam aquela que poderia ser chamada a classe AA. Arbitrariamente, estipulemos que a classe AA seja aquela cuja renda familiar esteja acima de cem mil reais. Isso são menos que 0,1% – zero vírgula um por cento – da população. E esses menos de 0,1% possuem praticamente metade de toda a riqueza nacional: eis a classe dominante.

Já a classe média, composta pelo conjunto das classes A, B e C, é numericamente tão expressiva quanto as classes desfavorecidas (as classes D e E).

De forma direta: sem a classe média, será impensável qualquer projeto para que a sociedade avoque para si as instituições e sua reconcepção.

Ocorre que a classe média não se vê como classe dominada. Primeiro, porque ela almeja ascender à classe dominante (como se o poder no Brasil não fosse regido pela lei maior da concentração), e ademais porque ela sempre se prestou a instrumento da classe dominante para a dominação mais ostensiva das classes desfavorecidas. Ela, dominadora dos que lhe estão abaixo, pode não se ver como dominada pelos que lhe estão acima, mas é. Guardadas as devidas proporções, a mesma desconsideração pelas pessoas – a mesma ausência de cidadania – está tanto na opressão exercida contra os “de baixo” pela instituição Polícia Militar nas periferias e favelas quanto naquela exercida contra a classe média por instituições como DETRAN, Receita, INSS, na fiscalização aos pequenos comerciantes etc.

Isso pode até não ser percebido assim. Porém, tudo o que agora se encontra em curso será um trauma e tanto para a classe média:

– a estagnação econômica do país derrubará os níveis de consumo das famílias, prejudicando sobremaneira os micro e pequenos empreendedores;

– o congelamento dos gastos públicos (PEC 55/241) terá impacto não somente sobre a saúde e educação públicas (de que a classe média tenta prescindir), mas degradará também a qualidade dos serviços públicos em áreas que lhe são caras, como mobilidade urbana e segurança;

– a reforma previdenciária desqualificará os melhores empregos (que são os da classe média), pela postergação da aposentadoria;

– a reforma trabalhista (com o virtual fim da CLT) será catastrófica para as classes desfavorecidas. Isso virá reduzir custos para os micro e pequenos empreendedores, contudo reduzirá também o poder geral de compra da população – afora que causará um crescimento da criminalidade;

– a entrega do pré-sal aos estrangeiros prejudicará o desenvolvimento do país, comprometendo a qualidade de vida das próximas gerações.

Já a classe dominante só terá a ganhar com tudo isso:

– o domínio cada vez mais direto sobre as instituições lhe permite fazer valer ao máximo os seus interesses;

– ela vive do rentismo (coisas como emprego, salário ou aposentadoria não lhe dizem respeito), de futuro glorioso agora que o gasto público foi resguardado para o pagamento dos juros da dívida pública;

– será a grande beneficiária da redução geral dos custos do trabalho (mesmo que certos segmentos industriais ainda dependam do mercado consumidor interno);

– seus laços com o Brasil limitam-se à extração de riqueza, a qual ela desfruta no exterior; ela pode assim se manter alheia à degradação das condições de vida no país.

Em adição a tudo isso, virá uma reforma tributária ainda obscura, mas de que não cabe duvidar que aliviará a carga tributária da classe dominante e pesará a mão sobre todas as demais.

 

A janela de oportunidade do choque de realidade

Encontra-se assim em curso um processo que empurra a classe média para um choque de realidade, um abalo na sua visão de mundo histórica, pela qual a riqueza é o prêmio dos mais fortes, um lugar ao sol que se conquista na marra, na base do cada um por si (“farinha pouca, meu pirão primeiro”, que no Brasil pode ser lido como “Estado pouco, meu privilégio primeiro”). Visão de mundo que toma por fato natural da vida a dominação dos de baixo pelos de cima, bem como a decorrência disso, a desigualdade.

Aos dominados cabe resignar-se a essa sua condição natural. O pior dos crimes que um dominado pode cometer é afrontar seus dominadores: um escravo que enfrentasse o feitor ou capataz era torturado com os mais atrozes suplícios, e sublevações como as da Cabanagem e de Canudos foram “pacificadas” por genocídio. Hoje, das violências que os dominados cometam entre si a sociedade se exime com menosprezo, mas, para a menor violência cometida por um dos “de baixo” contra um dos “de cima”, cadeia não basta: a sociedade considera natural, e até bom, que a cadeia violente, desumanize e brutalize o infeliz mais e mais a cada dia, afinal bandido bom é bandido morto (o que, obviamente, não se aplica quando acontece de o criminoso ser um dos “de cima”).

Em uma palavra: medo.

Desde 1500, somos uma sociedade em que cada um que se vire para conquistar, e defender, aquilo que for capaz de juntar. Isso não nos constitui como sociedade, no sentido pleno desse termo. Isso instila um sentimento permanente de medo de perder aquilo que se conseguiu juntar. Daí o ódio atávico à esquerda – inclusive por parte dos ex-pobres recém-ascendidos. Não importa que governos da esquerda tenham promovido a prosperidade e que o governo que derrubou a esquerda traga a ruína, atenuar a desigualdade seria desmanchar a ordem natural das coisas, inocular caos no mundo. A classe média tende a ver o miserável que recebe Bolsa-família e o pobre que tem acesso a Prouni, Pronatec, Minha Casa Minha Vida como gente que vai querer sempre mais (afinal, não somos todos assim?) e, como nunca houve riqueza bastante para todos (afinal, não foi sempre assim?), ela correria o risco de acabar ficando sem a dela.

Leia também:  Brasil vive "erosão na democracia" antes mesmo da eleição de Bolsonaro

Foi para afastar esse “perigo” que a classe média ocupou as ruas vestida de amarelo (não por acaso, a cor que na bandeira simboliza riqueza) e bateu suas panelas na varanda, sem se aperceber que era usada pela classe dominante para, no momento seguinte, ser traída e descartada. Essa, a paga pela sua adesão: foi por ter na classe dominante o seu ideal de vida (“a burguesia quer ficar rica”, cantava o poeta Cazuza) que a classe média sempre tomou ameaças existenciais à classe dominante como ameaças a si própria.

Oxalá esses brasileiros enxerguem que não têm a menor chance de faturar o bônus de “chegar lá” passando a fazer parte do menos de 0,1%, afinal, é matematicamente insano que 50% ou mais da população desejem isso. Ficam sem o bônus, mas com o ônus de conviver numa sociedade envenenada, vida afora, em nome dessa sua fantasia. Muito mais gratificante será vivermos todos numa sociedade saudável, alicerçada em instituições verdadeiramente cidadãs (a começar por uma educação e uma justiça que mereçam esses nomes).

O Brasil há de acordar dessa bad trip que já se arrasta por mais de quinhentos anos. Para que possa finalmente sair dela, o que se abre a partir de agora é uma janela de oportunidade inédita na História: esse brutal choque de realidade.

Ter as suas crenças confrontadas pela realidade dos fatos é um processo penoso e doloroso para quem quer que seja. Quanto mais penoso e doloroso venha a ser sentido, mais a ele se reage pela reafirmação da crença disfuncional e pela negação da realidade dos fatos.

A classe média tenderá assim a uma maior segmentação, aqueles mais reflexivos poderão dar conta de reciclar essa mentalidade histórica enquanto que aqueles mais irreflexivos se agarrarão mais e mais às suas “verdades” de sempre (em especial a de que nada deve mudar), facilitando assim sua manipulação pela classe dominante.

Sem o apoio da classe média, a classe dominante será como que uma cabeça sem corpo. Seus braços, suas pernas, são os segmentos da classe média que se dispõem a servi-la. Sem estes, a classe dominante não passa de um gigante de pés de barro.

Por isso se pode dizer que a “elite” (aspas) brasileira comete suicídio: não bastasse estampar a iniquidade dessas instituições que ela, historicamente, impôs ao país, a classe dominante, ao predar a classe média, bota a perder os alicerces que (também historicamente) lhe dão sustentação.

 

Caminha o Brasil para uma ditadura fascista?

De uma democracia precária, mas minimamente funcional, o Brasil passou a uma democracia de fachada, uma farsa que só perdurará enquanto se mostrar minimamente útil à classe dominante – que aliás jamais teve qualquer vocação democrática; na célebre frase de Sérgio Buarque de Holanda, “a democracia no Brasil sempre foi um lamentável mal-entendido. Uma aristocracia rural e semifeudal importou-a e tratou de acomodá-la, onde fosse possível, aos seus direitos ou privilégios”. Uma pseudodemocracia em estado de “guerra institucional”, com cada instituição agindo como se fosse a única, se permitindo ir contra as demais em prol da sua agenda individual em lugar de compor com elas um todo funcional, aporta mais custos que benefícios, pelo que não terá vida longa.

Em futuro próximo é assim provável uma ditadura como um regime abertamente fascista, e não necessariamente pela via de algum golpe militar à la 1964, posto terem os aparatos policial e judicial se acumpliciado numa simbiose essencialmente antidemocrática: as PMs estaduais há muito desempenham o papel repressor que no passado coube às forças armadas.

Entretanto, uma ditadura fascista tampouco teria vida longa, pois ela dependeria do grau de adesão que conseguisse angariar na classe média, o que não teria sustentação no tempo. Paradoxalmente, a opressão de uma ditadura acabaria por ser mais percebida pela classe média do que pelas classes desfavorecidas, que há muito já padecem, cotidianamente, da repressão pelo Estado.

A ditadura fascista, caso de fato advenha, será uma fase a mais a ser superada. A chave para que ela dure menos (ou nem chegue a ocorrer) reside na construção de uma alternativa para a classe média: um projeto para que o conjunto da sociedade assuma a tarefa de transmutação das instituições.

 

Forma, em vez de conteúdo

Foi dito que o atributo primordial de tal projeto é ser unificador da sociedade. Ocorre que nenhum conteúdo político pode ser unificador. Qualquer unificação somente poderá se dar na forma política.

Leia também:  Há inocentes na favela, por Mário Lima Jr.

Forma, em vez de conteúdo. Água e azeite, conteúdos diferentes, não se misturam. Isso não impede que, numa receita culinária (forma), participem ingredientes como a água e o azeite (conteúdos), reunidos no propósito mais abrangente da preparação de uma comida.

Ademais, os valores da classe média brasileira estão em geral longe de ser valores de esquerda. Com o que sonha um típico brasileiro da classe C? Com um emprego assalariado digno, respaldado por um sindicato forte (visão da esquerda)? Ou com um mínimo negócio próprio, ainda que na economia informal, que no futuro possa ser passado a um filho (visão pequeno-burguesa)? Por que deveria uma visão ser mais legítima que a outra?

Imperioso e urgente é conceber uma forma de participação política capaz de acolher distintos (e mesmo antagônicos) conteúdos políticos, em prol de um propósito maior que seja unificador de tais conteúdos: levar a sociedade a assumir nossas instituições, para transmutá-las em instituições verdadeiramente cidadãs.

A travessia se fará, de um modo ou de outro. É o destino, como anteviu Darcy. Quanto mais unificada esteja a sociedade menor o custo, em sangue e em dor.

O termo “coxinha” (que neste texto estará sempre grafado entre aspas) tem origem num apelido da periferia paulistana aos soldados da polícia militar (em geral oriundos dessa mesma periferia), para ironizar o fato de que, não obstante todo o poder e opressão que são capazes de exercer, recebem baixos salários, não passando assim de iguais na servidão e na exploração pela classe dominante – pelo que não contam com alternativa melhor do que alimentar-se de frituras de balcão de botequim.

Assim, “coxinha” é aquele que se deixa usar, em nome de interesses no fundo contrários aos seus próprios. Trata-se obviamente de um termo pejorativo, que subentende uma superioridade moral por parte daquele que o usa. Já dizia Carl Gustav Jung que não se pode ajudar ninguém a mudar fazendo-o sentir-se mal. Os “coxinhas” precisam ser resgatados da órbita dos fascistas (que parecem muitos apenas porque fazem muito barulho), não deixados no mesmo saco que estes.

Ficarão de fora a priori da forma política unificadora a ser instaurada apenas aqueles conteúdos políticos que sejam exclusivistas a ponto de negar o direito à existência dos que deles divirjam: ao recusar qualquer projeto da natureza unificadora, eles próprios se autoexcluirão. Trata-se, claro, do fascismo, algo que no fundo não passa de sociopatia, como bem o descreveu Norberto Bobbio: “o fascista fala o tempo todo em corrupção. Ele acusa, insulta e agride, como se fosse puro e honesto. Mas o fascista é apenas um criminoso comum, um sociopata que faz carreira na política. No poder, essa direita não hesita em torturar, estuprar e roubar sua carteira, sua liberdade e seus direitos. Mais do que a corrupção, o fascista pratica a maldade”.

 

Uma nova utopia para o Brasil (três guias para sairmos do caos)

Milton Santos dizia que “a força da alienação vem dessa fragilidade dos indivíduos, quando conseguem identificar apenas o que os separa e não o que os une”. Há que encorajar os brasileiros, historicamente separados, à identificação daquilo que os una.

Três formas políticas de unificação, para um projeto de refazimento das instituições pela sociedade, encontram-se propostas no livro Uma Nova Utopia para o Brasil: Três guias para sairmos do caos (que pode ser livremente baixado no site www.brasilutopia.com.br):

– Uma Constituinte dos Cidadãos (não dos políticos!), inspirada na constituinte havida na Islândia em 2010-11, para o dia em que sejam retomadas as jornadas de junho de 2013, de modo a que seja a bandeira em comum que nos faltou naquela ocasião;

– Os assim chamados Grupos de Diálogo: uma metodologia a ser praticada localmente por todo o país, para, em um esforço de investigação e elucidação das raízes (que são de fundo cultural) dos conflitos sociais, encarar de frente a miséria da mentalidade brasileira; e

– A implantação da Democracia Direta como um espaço aberto a todos que queiram praticá-la, por meio de um partido político “cavalo de Tróia” que venha a romper com o monopólio do sistema político-partidário.

Muita energia vem sendo dispersada na busca de alguma solução mais imediata, como eleições diretas. Ora, de que servirão eleições diretas, se a classe dominante fará moldar a legislação eleitoral de modo a que vença o seu candidato (sem contar artimanhas como parlamentarismo)? Mesmo em um cenário otimista, em que venha a ganhar algum candidato pró-restauração da democracia, como conseguiria ele ou ela governar, se o chamado presidencialismo de coalização foi liquidado, e se instituições como o judiciário, o ministério público e a polícia estão fora de qualquer controle exterior a elas próprias, e obcecadas em impor ao país as suas agendas?

Não é mais factível uma saída institucional, posto que as instituições já se encontram pervertidas a um ponto irrecuperável. Já passa da hora de substituir essa visão de curto prazo, das soluções superficiais, por uma visão de processo histórico a médio-longo prazo.

A um povo desprovido de elite resta somente o caminho de fazer-se elite de si próprio – como nos indicou Darcy Ribeiro.

 

Ruben Bauer Naveira é brasileiro e não desiste do seu país; CV Lattes http://lattes.cnpq.br/5119162978665550

75 comentários

  1. Diagnóstico

    Sem nenhum reparo, o texto de Bauer foi uma radiografia e diagnóstico cruéis da nossa realidade.

    Gostei mais ainda que, embora claramente de viés esquerdista, não se deixou cair em armadilhas mofadas e ideologias falidas, foi curto e grosso.

    Oxalá as cabeças pensantes leiam e coloquem em prática, essencial, esse caminho das pedras para deixarmos de ser o que somos.

    Obrigado, Ruben.

    Delenda PiG

    Delenda S(uprema) T(rapaça) F(ederal)

  2. De tudo que li acima, a única

    De tudo que li acima, a única coisa que acho que vai acontecer no Brasil é caminharmos para uma ditadura fascista. Não tenho idéia de quanto tempo ficaremos nela, mas acredito que será tempo suficiente para que o Brasil seja transformado de fato e de direito numa república de bananas.

    Este é o legado da lava jato: um páis destruído e sem futuro.

    A não ser que os brasileiros, num acesso de coragem(coisa inexistente na população)se revolte a destrua tudo que está aí e recomece do zero.

    Não descarto o fuzilamento puro e simples do 0.1%.

    • 0.1 % ??? Metade da população

      0.1 % ??? Metade da população desse país é canalha, traidora e lesa-pátria….

      São bandidos que são cumplices dos bandidos que roubam deles mesmo.

      • se fuzilar todos vai faltar

        se fuzilar todos vai faltar bala e os componentes dos pelotões vão ficar com dor nos dedos.

      • O Povo Brasileiro

        Caro Marcelo, entendo perfeitamente a sua raiva, e não devo deslegitimá-la. 

        Apenas a título de uma sugestão, para um aprofundamento reflexivo, gostaria de lhe propor a leitura do livro “O Povo Brasileiro”, do Darcy Ribeiro, uma obra excepcional.

        Abraços

  3. Muito bom !

    Retrato perfeito da sociedade brasileira. Um sonho a ser perseguido: menos desigualdade, mais solidariedade,melhor percepção de si. Fora temer , fora rede globo e seus marinhos.

  4. “Mesmo que ainda demore

    “Mesmo que ainda demore muitos anos, o ponto-de-não-retorno foi ultrapassado, é então questão de tempo.”

    Seremos miseráveis esclarecidos, pois no dia que isso acontecer, á terão sugado todo.

    E cometeremos suicidio coletivo pelo país que podiamos ter sido, mas não fomos.

     

  5. “Falta ainda algo já não tão

    “Falta ainda algo já não tão difícil, na medida em que depende de nós: a unificação da sociedade em torno de um projeto para essa transmutação.

    Ora, o atributo número um para tal projeto será sua qualidade de, justamente, unificar a sociedade. Terá que ser este o ponto de partida para a concepção do projeto.”

    O problema é que o projeto que unifica 98 % da sociedade é essa patifaria que está aí. Só tem uns 2% de esquerdinhas chatos que se incomodam…

  6. Olha, o texto tem dois erros

    Olha, o texto tem dois erros crassos que destróem toda a argumentação do autor: 1) é otimista demais ao confiar no papel da classe média; e 2) não analisa o poder devastador que a mídia hegemônica tem na conquista dos corações e mentes da classe média.

    A Lava Jato deixou claro que não se pode confiar na tal “elite” e muito menos na classe média. Esta é formada em grande parte por imbecis que se acham e foi manipulada com extrema facilidade pela Globo. Digo mais: a grande maioria dos medioclassistas está absolumente convencida que fez o melhor para o país, está convencida que o caminho que seguimos é o certo e está convencida que os dizeres da Globo são a palavra revelada. Nem Deus faria melhor.

    Não nos enganemos. Grande parte da classe média é estúpida, preconceituosa e ignorante demais para se dar conta do que está acontecendo, do que quer e quem são seus inimigos. Ela só obedece aos estímulos da Globo e nada mais.

    Acordemos e deixemos a ingenuidade de lado. Para esse pais mudar muito sangue vai ter ser derramado. 

    • Apenas para esclarecer

      Jamais supus que a classe média possa vir a ser “ganha”, na sua integralidade. O que proponho é que se busque dividir a classe média. Demonizá-la, como um todo, só vai facilitar o trabalho da classe dominante de manter a classe média sob suas rédeas.

      A classe média vai perder, e muito, com a sequência do golpe. Tomar partido dessas circunstâncias para resgatar uma parcela da classe média, e assim minar as bases da classe dominante, é combater o bom combate.

  7. “Os “coxinhas” precisam ser

    “Os “coxinhas” precisam ser resgatados da órbita dos fascistas (que parecem muitos apenas porque fazem muito barulho), não deixados no mesmo saco que estes.”

    E o pré-sal ??? E a condenação eterna que os coxinhas impingiram a nação graças  asua traição e aos seus valores lesa-pátrias ??? Viveremos num país miserável, mas temos que varrer essa escória Traidora e Suja, que destruiu todo e qualquer futuro do Brasil, que será uma nação consciente e unida na miséria no futuro.

    O coxinha não vai mudar. É traidor e lesa-pátria. 

  8. “Não é mais factível uma

    “Não é mais factível uma saída institucional, posto que as instituições já se encontram pervertidas a um ponto irrecuperável. Já passa da hora de substituir essa visão de curto prazo, das soluções superficiais, por uma visão de processo histórico a médio-longo prazo.”

    Hj somos uma colômbia, com o narcotráfico infiltrado no poder. SE não eliminarmos essa corja em 5 anos, viraremos uam Grécia,

    Em 20 anos esse país vai virar um Haiti !!! Nossa classe-média não queria que fóssemos uma Cuba.

    Eu acho que a ruptura da Classe A com o Brasil não tem volta. Não dá para esquecer tudo o que aconteceu. Ela precisa pagar pelo mal que fez ao Brasil e aos Brasileiros. E não é pagar para os ricos como o texto diz. Isso para ela é prêmio. Ela deve aos pobres desse país, e ela tem que pagar.

     

     

  9. Cuma?!
    Ora, a esquerda não

    Cuma?!

    Ora, a esquerda não aprendeu nada com 64! Enquanto estiver presa ao persistente materialismo vulgar, já era. Tomou um golpe na mão grande, no grito; sem canhões, cavalo nem baioneta: no grito e pronto!

    Nem curto, nem médio nem longo prazo! Não conseguem sequer unificar um discurso. Nem um diagnóstico da situaçao são capazes de promover com razoável consenso. Ficam disputando quem fala mais bonito enquanto ignoram com quem e de quem estão falando…

    Nao adiantatratar a cavalheiro quem cavalheiro não é. Os ricos e os muito ricos podem beber o vinho que for, mas jamais deixaram de ser os valentões de butiquim de sempre. Não é sequer necessário conhecer os bastidores da praça dos tres poderes e das redações. A TV Camara mostra isso ao vivo e à cores não é de hoje. A tão falada sessão do impedimento da presidente recém eleita não difere em nada de qualquer outra.

    Já era. Os mandões de sempre já já encerrarão as tratativas de mais um acordo de distribuição de poder e grana.

    Quem sabe daqui a 50 anos a “esquerda” venha a tentar mais uma “comissão da verdade”.

    Outra coisa é muito certa: com os palermas e os cretinos do “campo acadêmico” pouco se pode contar. Afinal, não enxergaram ou negam o golpe ocorrido bem debaixo dos seus narizes empinados e de suas “revisões literárias”. Não será, portanto, daqui a um, dois, dez ou vinte anos que irão fazer alguma “engenharia de obra pronta” que venha a prestar pra alguma coisa que não seja a mais mistificação.

    • Devo concordar com o seu

      Devo concordar com o seu comentário, os seus líderes de esquerda continuam acreditando ingenuamente que vão conseguir resolver tudo no diálogo e que o país está em “estado de exceção” quando na verdade houve um golpe de estado e o país agora está sendo esquartejado e humilhado. E parece que irão ficar até o fim dos dias procurando uma saída pacífica quando a história de todos os países maduros mostra que tal impasse só se resolve com sangue.

    • A impressionante regularidade das etapas do golpe

      Perfeito. Acrescentaria o seguinte, a impressionante regularidade com o que as etapas do golpe foram sendo implantadas. No dia seguinte à reeleição, começaram com a desacreditação do resultado, a eleição tinha sido roubada, daí não parou mais. E todos foram levados a acreditar que “…não, impossível, o Brasil jamais sofrerá outro golpe, afinal não estamos mais em 64, somos uma democracia estável, consolidada e madura”.

      De forma estudada e profissional, seguiram um roteiro, uma espécie de check list. Enquanto a galera brincava de roda e cantava Não vai ter golpe!, em abril/2016, no vão do MASP, a CNI distribuiu as tarefas entre as federações estaduais e deram um monumental arroxo nos deputados, antes da votação na Câmara. 

      Desde que “deram baixa” no Teori, o nome do Moraes começou a ser cogitado. A mídia livre e independente (blogues, revista e sites) cairam de pau, todas as principais vozes da mída e do campo jurídico se levantaram expondo a copiosa capivara e a inadequação do ministro da justiça ao cargo. Mais uma vez, foram levados a acreditar que “…não, impossível, depois disso Temer não terá coragem de emplacar o Moraes”. Sabe de que adiantou? Nada. Temer deu uma banana para tudo isso. 

      Tudo aconteceu e vai continuar acontecendo dentro de uma impressionante regularidade. 

  10. Basta de dar a outra face

    Muito educativo o artigo e também aposta na civilidade e inteligência da classe média, tanto mais que não seja, pelas suas perdas economicas e insegurança.

    E a 500 anos continuamos sonhando em conversar e negociar com os quinta-colunas, lesa-patrias e traidores.

    Eu acreditei, depois de tres décadas de trabalho e decepções, que o dinheiro do pré-sal investido na educação seria o caminho para criarmos um sentimento de cidadania e construirmos uma nação na verdadeira acepção da palavra.

    Desisti.

    Apoio apenas quem diz que estes entreguistas e traidores são nossos (meus) inimigos e devem ser destruidos. Sem negociação, sem passar a mão na cabeça. Literalmente destruidos. Me falta civilidade? Possivelmente, mas 500 anos são tempo e mortes e humilhação e covardia mais do que suficientes. 

     

  11. Nova constituinte ou

    Nova constituinte ou revolução,

     

    não há outro caminho, consenso no Brasil só o que for para espoliar o país, não à toa a maioria do 0,1% ou é de extrativistas ou rentistas, gente que não produz nada, só suga……

     

    • Constituinte

      Uma constituinte, se for para ser composta por parlamentares desses partidos políticos que estão aí, é melhor que não haja.

      Acredito sim na necessidade de uma nova constituinte, mas precisará ser uma constituinte dos cidadãos, não dos políticos. O detalhamento completo dessa proposta está no livro Uma Nova Utopia para o Brasil: Três guias para sairmos do caos, que pode ser livremente baixado no site http://www.brasilutopia.com.br

  12. A classe B e A (não AA) não

    A classe B e A (não AA) não enxerga que sua prosperidade depende mais da melhora das classe C, D e E do que da AA.

    Não precisa ser de esquerda para entender isto.

    Dos altos funcionários do judiciário e legislativo, da classe A, não se espera muito, embora sejam decisivos. 

    Então toda a pressão deve ser em cima deles.

  13. Crime e Castigo

    Em meados de 2006, quando estourava o assunto “Mensalão”, algumas interpretações surgiram. Hoje, mesmo na esquerda, a visão mais bem aceita tem sido:

    -“Lula precisava governar, precisava de apoio para aprovar os projetos que beneficiariam os mais pobres, o congresso, sempre conservador e corrupto, tinha seu preço, a cúpula do PT, entre tentar mudar o país de maneira questionável, e esperar um congresso comprometido e verdadeiramente representante do povo, decidiu pelo caminho mais rápido.”

     Milhões saíram da pobreza, outros tantos adentraram às universidades, o salário mínimo aumentou acima da inflação, por conseguinte, a classe média, historicamente fascista, se rendeu à economia alvissareira. Com o aumento da renda das famílias pobres, o comércio cresceu de maneira absurda e a classe média teve que se calar, ou quase isso, os discursos conservadores saíram da pauta econômica e se concentraram nas questões de gênero, na “não descriminalização” das drogas, da “não legalização” do casamento gay, entre outras. Ocorre que essa “pacificação de classes”, tinha data de validade: até que a bonança econômica acabasse.

    O projeto do PT, numa abordagem de “economista”, é aquele que Ricardo Bielschowsky (UFRJ) chamou de “Estratégia de crescimento econômico pelo aumento do consumo de massa”. A ideia era que o aumento da renda das famílias, sobretudo as pobres, alavancasse a indústria, essencialmente dos produtos de tecnologia. A ideia era criar um “círculo virtuoso”: Mais renda> Mais Consumo> Mais Produção> Mais Empregos> Mais Renda> Mais consumo…” O problema é que em 2008, quando o círculo parecia se consolidar, veio a crise mundial. A partir daí a cúpula petista errou, em diversos momentos. A tentativa de fazer política anticíclica, no conceito keynesiano da coisa, foi feito de maneira errada, focalizado no crédito e nas desonerações, quando deveria ser feito em forma de gasto público. Há duas maneiras, macro, do estado fazer política econômica anticíclica: “Diminuir receita, ou aumentar as despesas”, optou-se pela primeira opção em vários momentos, criando a gigantesca crise que convivemos hoje. Em 2008, o então presidente americano G.W. Bush decidiu devolver o imposto de renda de milhões de cidadãos americanos para estimular o consumo, por lá, deu certo, por aqui, era óbvio que não era o caso. Uma crise dessa proporção, num mundo globalizado, ataca de maneiras diferentes, países de centro e países de periferia, nos EUA, existe uma burguesia consolidada e atuante, que sempre impõe seu protagonismo na produção e na criação de empregos. No Brasil, quando a taxa de retorno cai, a “burguesia” tupiniquim corre para o rentismo. Dessa forma, o dinheiro que o estado deixou de arrecadar com as desonerações, foi simplesmente embolsado pelo empresariado, e não aplicado na expansão do investimento, que manteria empregos e salários. Naquele momento, o estado poderia assumir o protagonismo, e gastar para investir, e por consequência, criar emprego e renda.

    A história econômica brasileira possui exemplos de que delegar à burguesia brasileira, a autonomia de investir em momentos de crise:

    – Meados de 1960, governo Jango, antes do golpe: Celso Furtado, então ministro da Fazenda de Jango, tenta uma conciliação com o empresariado, a fim de trazê-los para o lado do governo. O plano trienal acaba virando um ajuste fiscal, que gera recessão e mais tensões políticas.

    – Meados de 1976, governo Geisel, após o fim do “ciclo do milagre econômico”, o estado estava endividado ao extremo (fruto do crescimento com alto endividamento) e sem capacidade de investimentos, o governo decide ESTATIZAR a dívida externa das empresas privadas. A ideia era que, sem dívidas, o empresariado investisse no aumento de sua produção, gerando o crescimento: Não deu certo, não produziram e embolsaram o dinheiro que serviria para pagar as dívidas.

    A história se repetiu, só que agora, a bonança política também significa o fim das “vistas grossas” ao discutível modo de governar da coalizão PT-PMDB. O judiciário e a mídia, decidem então, promover uma caça às bruxas, inauguram a punição à corrupção, antes feita livremente. Um estado de exceção se instaura e é feito o golpe.

    Algumas reflexões: Era possível para o PT, chegar ao poder, e aplicar as agendas populares, sem se submeter aos meios escusos de fazer política? A esquerda brasileira, ficará atrelada à corrupção (injustamente, óbvio)?

     

  14. Parabéns, Ruben. Tomara que

    Parabéns, Ruben. Tomara que suas previsões de choque sobre a classe média, levando-a a um novo rumo se realizem. Acho que o prazo será longuíssimo. Não há povo pensante no Brasil. Muitos da esquerda, românticos, acham que o pensamento pode brotar sem ser cultivado. Loucura. Em janeiro de 2014 publiquei aqui no GGN o seguinte texto: http://jornalggn.com.br/blog/zegomes/filosofia-no-enem-e-no-vestibular  sugerindo que o governo de esquerda agisse rápido para ensinar os jovens a pensar. 

    • Que não perdesse tempo. Mas

      Que não perdesse tempo. Mas quem não perdeu tempo foi o governo golpista. Vimos que tão logo deu o golpe foi direto na jugular do pensamento com a reforma do ensino médio suprimindo filosofia e sociologia.

      • Eles sabem que podem travar

        Eles sabem que podem travar qualquer reforma ou revolução travando o pensamento (veja aí a escola sem partido, etc.). Por isso devemos acreditar sim novamente em eleições, buscar pequenos espaços no Estado, para investir em educação e pensamento. Sem isso, sem chances. Podem demorar 50 anos. Não se colhe sem plantar. Uma grande oportunidade foi perdida. Busquemos outras. Se sua previsão na conversão forçada da classe média se realizar, maravilha. Mas é melhor arregaçar as mangas e voltar a plantar para o longo prazo. 

        • Tarde demais. OS

          Tarde demais. OS investimentos em educação estão congelados.

          Esqueça isso. Esse país só se resolve com sangue.

    • Desculpe

      Desculpe, mas se a classe média (um dos grupos menos confiaveis) “””adiquirirem consiência”””, não estou afim de participar do movimento O Cão Arrependido. Essa obsessão da esquerda em limpar a barrada da classe média está ficando obssessiva e irritante.

  15. A nova Razão do Mundo.

    Bom dia, Ruben,

    que interessante ler uma análise sociológica de quem não vê o processo político e econômico sob o viés marxista.

    Isso traz elementos interessantíssimos que as vezes passam batido por quem foi formado sob os auspícios do materialismo histórico.

    Você ensaia uma interpretação que está em fase com o que há de mais recente na análise sociológica do nosso atual momento de desenvolvimento civilizatório.

    Sugiro a leitura para todos nós da esquerda, nacionalistas, progressistas, por assim dizer, o livro de Laval e Dardot, a nova Razão do Mundo. Ali eles demonstram como na passagem da economia concorrencial para a atual economia de oligopólios as elites perdem poder político que paulatinamente se transfere para a classe gestora (que chamamos ordinariamente de classe média).

    Sigamos altivos, não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe!

     

     

     

    • E aí Salazar! Bom te ver nos
      E aí Salazar! Bom te ver nos comentários do GGN, vou ler essa tua dica aí! Hahaha!

  16. No meio do caminho…

    Grande Drummont

    No meio do caminho do Brasil tem uma Globo

    No meio do caminho da Globo teve um Lula

    Mas….

    Pedra não foi.

  17. O Brasil e a depressão auto-destruidora.

    O Brasil sempre viveu em conflito, desde os seus primeiros passos. Nunca houve uma classe dominante unânime e nenhum povo submisso e silencioso.

    Minas Gerais foi palco de muita luta,entre o negro conhecedor das artes de mineração e o chicote do poder. A Bahia presenciou  revolta dos Malés , quando negros islamizados, pretendiam fazer Jihad e islamizar a Bahia.

    Palmares foi um verdadeiro país dentro do país e começa em 1580, durando ate 1690. Um idiota metido a intelectual e falando algo sobre Palmares, afirma que palmares era estratificado e tinha escravos.  È claro que tinha estúpido, a escravidão é uma sistema social que apenas usa a questão racial. A escravidão vem do poder e não da raça.   E o escravismo está até hoje em nosso tecido social. E como sempre é baseado num poder, que se sentiu ameaçado, no aeroporto. E este pseudo intelectual, do politicamente incorreto é apenas o reflexo disto. Vende como água para os menos de 20%, pois sabe que é isto que querem ouvir, mesmo alguns com o velho espírito de capitão do mato.

    Os portugueses de Pernambuco , contra os impostos de Portugal e Espanha, apoiaram, por um certo período, os Holandeses, isto no meio dos conflitos entre portugueses e espanhóis. Até que não foi mais conveniente, quando se insurgiram contra os holandeses. Nesta hora aceitaram as mílicias negras. 

    Tivemos um sem número de rebeliões,  como a Farroupilha de tantas mortes, Laguna,  a Sabinada, Canudos no final do seculo XIX, Contestado (1912-1916) as incursões do exército em Desterro, atual Florianópolis.Os rescaldos e resquícios da guerra do Paraguai. A greve geral de 1917 no Brasil, a guerra civil em São Paulo da década de 1930.  O combate a ditadura Vargas, e os movimentos que levaram ao trabalhismo.  O tenentismo e a Coluna Prestes. O combate a ditadura militar,  as greves do ABC, as Ligas Camponesas o MST e a criação de um partido dos Trabalhadores. E agora pipocam em todo o país manifestações. Nada é tão silencioso,quanto a isto, quanto a nossa imprensa. Acaba de oorrer a Bienal da UNE, Nada soubemos pela imprensa.

    E como não sou historiador, apenas estou listando e não as estou analisando ,  a lista pode ser maior, e nem sempre as revoltas foram pelas melhores causas, mas não vejo nelas o brasileiro submisso e dócil, desculpem alguma falha.  Apenas é um contraponto, aos que à esquerda e à direita teimam em reforçar o estereótipo, da elite, que sempre afirma , os culpados de todos são voces brasileiros. Vivem dizendo: vocês merecem pois se submetem a tudo.

    O golpe, urdido nos gabinetes, sustentado por uma camara cuja maioria não foi eleita, comandados por quem perdeu a eleiçãoe  como sempre teve  apoio do exterior. E é esta elite  que  como sempre é submissa, entrega com prazer as riquezas do país e daqui a pouco estará fugndo para Miami. Mas cuidado, Trump pode comprar o país e ainda assim  não lhes dar o visto, cucarachas!!!

    Ninguém mais recorda que este golpe, surge  porque esta elite sabe que a última oportunidade de vencer nas eleições populares seria com Dilma. E mesmo depois de tanta movimentação contrária,de tanta publicidade tanto campanha contrária, ainda assim perderam. Parece que o povo não comprou  as notícias da Globo. Perderam no voto , e deram então vazão ao tapetão. E sabem que perderão todas, pois a população não vai eleger este governo que está aí. Se privilegiaram de uma conjuntura especial propícia e também criada. Mas tentam fazer todos os males de uma vez só.  Pela primeira vez temos um orçamento feito por uma emenda constitucional. Isto é feito, pois quando sairem do poder, vão se tornar os maiores defensores da constituição. Querem destruir uma constituição para fazer de novo, uma que garanta os podres poderes.

    Fazem o que querem não porque tem apoio popular, mas  porque tem apoio de um judiciário, de um legislativo e de uma mídia que são  representativos de interesses que não tem nada a ver com a população. Uma mídia que todo dia fala no DEUS MERCADO e de um presidente  que tem  coragem para tomar medidas impopulares ( isto é contra a população)  e a favor do mercado.  Enquanto isto destruiram lideranças, criaram bandos de ódio, e agora  nos vemos diante de uma bárbárie. O que ocorre em VItória é um sinal. A revolta sem rumo e sem projeto é a pior delas . E ela virá.

    Os mesmos reporteres tão chocados com a população, passaram  a noite anterior e hoje tentando nos fazer engolir o novo juiz do supremo. Eles não se chocaram nem com, Temer, nem com Angorá,  nem com Eunício,nem  com Maia nem com Moraes o novo revisor da Lava-Jato.  Ainda não ouvi Moro, que tinha tanto a dizer sobre juizes do Supremo.

    • ” e nenhum povo submisso e

      ” e nenhum povo submisso e silencioso.”

      Você está falando do mesmo povo que levou um baita golpe em 64, passou 13 anos batendo palma para os golpistas, começo a se revoltar timidamente na segunda metade da década de 70, pediu diretas já, e quando elas não passaram por causa das ausências, não quebraram tudo ???

      Mesmo povo que deixou os golpistas se auto-anistiarem e não tacou nenhum na cadeia ??

      Lembrando que a ditadura aqui durou 3x o que durou a Argentina, que a população da Grande Buenos Aires é do tamanho do estado de SP, e a ditadura lá muito mais do que aqui, simplesmente, por que a Ditadura Brasileira não precisou…

      Não é que ela foi branda, foi o povo que aceitou.

       

      Quanto ao que está acontecendo no ES, aquilo ali é baderna oportunista. Não é nenhuma revolta contra Temer ou o poder Central, até pq o povo capixaba apoiou o golpe de corpo e alma. Acho que se eles pse preocupassem com criminalidade de verdade, não teriam dado 54 % dos votos para o rapaz do Helicoptero de cocaína.

    •  “Pela primeira vez temos um
       “Pela primeira vez temos um orçamento feito por uma emenda constitucional. Isto é feito, pois quando sairem do poder, vão se tornar os maiores defensores da constituição.” A esquerda vencer eleições é pegar a bomba social desse governo e abraça-la. Vai ser o fim da esquerda. Eleições não valem mais nada. Esse povo mequetrefe de MERDA jamais dará 2/3 do congresso e do senado para a esquerda para reverter isso. Detalhe que praticamente todos os senadores de 2014 são da direita. Se a esquerda deixar de eleger 2 dos 54 senadores em 2018, Game over, PEC até 2022 no minimo Lula vai ser um fantoche dos golpistas e vai ter de governar com a constituição deles.  “Fazem o que querem não porque tem apoio popular, mas  porque tem apoio de um judiciário, de um legislativo e de uma mídia que são  representativos de interesses que não tem nada a ver com a população.” Claro que tem ??? Pq o povo não protestou contra Moreira Como fez contra Lula ??? O simples fato do PT ser contra as edidas deixa o povo a favor. Estou querendo saber onde estava o povo quando protestamos contra A PEC ??? Não tinha nem 1/10 dos cretinos dos 20 centavos, que queriam saúde e educação, mas quando cortaram s verbas dessas áreas, sumiram. “E agora pipocam em todo o país manifestações.” Não estou vendo isso. E o grosso da população está a favor dessa quadrilha. quem não está é por que quer um governo mais diretamente do PSDB. “Enquanto isto destruiram lideranças, criaram bandos de ódio, e agora  nos vemos diante de uma bárbárie. O que ocorre em VItória é um sinal. A revolta sem rumo e sem projeto é a pior delas . E ela virá.” Concordo totalmente aqui. Cansamos de advertir isso em Junho de 2013, mas a troskada nos arremssou nesse pesadelo !! Parabéns aos envolvidos !!! Quanto a culpa do povo, olhe o congressinho que esse povo elegeu ??? 50 milhões votaram em um narcotraficante para presidente. O povo tem muita culpa sim. Tou cansado de passar a mão na cabeça de adulto.

      • troskada?

        Me corrija se eu estiver equivocado.

        Você se refere a Leon Trotsky?

        Se for, o que ele tem a ver com tudo que vem acontecendo no Brasil?

        Você estava indo tão bem que de repente pegou e furou a bola. Não tem mais pelada.

        • Franciscopereiraneto, o que

          Franciscopereiraneto, o que eu chamo de Troskada acha que tem a ver com Leon Trotski, mas tem bem menos a ver do que imagina. É essa turminha de morenistas e esquerdistas de classe média alta que tacou fogo no Brasil em 2013 e nos jogou no colo da direita. Convenhamos, há uma diferença enorme entre trotkystas do Brasil, basta ver o pessoal do PCO, anos luz a frente do PSTU e das correntes morenistas do PIÇOL

  18. Melhor análise que vi até

    Melhor análise que vi até agora. 

     

    Importante o foco no papel da classe média-alta : o ato de manipular os pobres a distrai do fato de que elas são manipuladas; elas viram os pobres ascendendo e competindo de igual pra igual com ela pelos postos de status na sociedade e, então, para manter a sensação de superioridade com relação ao resto do povo, a classe média-alta se enveredou por um caminho que vai transformar o Brasil em uma mistura de Nigéria com México – um caminho vai leva-la a desgraças. 

    Importante notar: a ponta usada para manipular a classe média-alta foi sua necessidade emocional – culturalmente cultivada – de se sentir superior aos outros, monopolizando as posições de status na sociedade. Ou seja, o narcisismo cultural gera estoques de pessoas pré-preparadas para serem co-optadas pela velha tática greco-romana de dividir e conquistar.

  19. O problema destas analíses

    O problema destas analíses reformistas, formais e pró-democracia é que elas consideram que as condições econômica (e de poder) no capitalismo são mais ou menos constantes.

    O autor ignora:

    1 Qque o capitalismo está passando por uma crise de grandes proporções, que pode ser a sua última.

    2. Que a tendência é o trabalho humanos ficar excasso por conta da economia 4.0, o que já está gerando bilhões de pessoas “supérfluas” (já que a utilidade das pessoas no capitalismo se define por sua capacidade de gerar valor)

    3. Que o capitalismo mundial está implodindo, desta vez, do centro para a periferia

    4. que não há reforma política ou econômica que dê conta desta crise estrutural e incontornável.

    Acho que devemos é nos preparar para o fim do capitalismo. E o que é pior: a maioria das pessoas está tão imersa no sistema, que nem consegue vislumbrar o que seria a vida fora dele.

    • Concordo contigo.
      No

      Concordo contigo.

      No capitalismo onde há rizqueza haverá pobreza na proporção inversa. Veja as grandes cidades, todas, tem ilhas de riquezas e um caminhão de gente pobre para manter as coisas como estão.

      Não haverá saída se toda vez que se tocar no problema dos 0.1% sermos acusados de teoristas da conspiração.

      Eles são poucos, e são eles que ditam a política nacional. Na minha terra tem um fulano que todo político tem de bejar a mão, senão nem assume o cargo.

      Sinceramente, o pior é ver a classe média se fingindo de rica, de elite, deixando o Brasil se esfacelar.

      Mundo afora a coisa não tá boa não. A mesma força que tirou Dilma, quer tirar Trump, por mais paradoxal que isso pareça.

    • Um pais com necessidades

      Um pais com necessidades continentais e uma população enorme no limite da pobreza tem muito a evoluir e isto gera uma economia altamente dinâmica.

      Daí a cooperação dos paises dos BRICS ser o caminho.

      A economia 4.0 vai afetar principalmente os  paises desenvolvidos.

      Portanto a análise do Bauer é altamente pertinente.

  20. Tem que começar nas universidades

    “Falta ainda algo já não tão difícil, na medida em que depende de nós: a unificação da sociedade em torno de um projeto para essa transmutação…” sim! sim! sim! Esse projeto é o novo sistema político, e os “Grupos de Diálogo” devem ser formados na internet usando fóruns de discussão.. apesar do enfoque diverso, e da profundidade do seu texto, ele é muito parecido com o que venho pregando a meses, em parte está neste artigo: http://www.forumimobiliario.com.br/2017-nibiru-facebook-vai-acabar/

    • Sobre os grupos de diálogo

      Prezado J. Ruiz,

      Vi sua proposta das entidades universitárias, ela é pertinente.

      Apenas esclareço que os grupos de diálogo que proponho são necessariamente presenciais. O detalhamento compelo da proposta desses grupos está livro Uma Nova Utopia para o Brasil: Três guias para sairmos do caos, que pode ser livremente baixado no site http://www.brasilutopia.com.br

      Abraços 

  21. “Trata-se obviamente de um

    “Trata-se obviamente de um termo pejorativo, que subentende uma superioridade moral por parte daquele que o usa. Já dizia Carl Gustav Jung que não se pode ajudar ninguém a mudar fazendo-o sentir-se mal.”

    É mais fácil enganar as pessoas do que convencê-los de que elas foram enganadas – Mark Twain.

     

  22. Complicado

    Embora a boa intenção, o texto é complicado por ideias que não se traduzem com lucidez nas palavras.

    Percebi a dificuldade do autor em tentar dar a mensagem, mas ficou truncada, mesmo citando autores consagrados.

    Cofesso que tenho também, as vezes, essa dificuldade.

    Expressar um pensamento com clareza só é possível reproduzir com palavras, frases e conceitos bem elaborados.

    Infelizmente o autor não conseguiu.

    Acho também que seria muita pretensão alguém fazer um diagnóstico para onde vai caminhar a sociedade brasileira, nas circunstâncias atuais do país, se nem os intelectuais das áreas das Ciências Humanas ao longo do tempo conseguiram fazê-lo.

    São livros e mais livros, artigos, palestras, todos versando sobre o assunto, cada um dando a sua contribuição, suas ideias, mas o país continua no século XXI tão incapaz e atrasado. O Brasil não conseguiu sair do século XVI.

    Deve ter algo de errado ai.

    Ou o diagnóstico, ou os agentes para operar essas transformações.

    Há duas citações que eu não concordo.

    Uma que não é do autor do texto, mas que foi citada. No Brasil “não existe elite”.

    Como não? O mínimo que pode ter ocorrido é a ausência de uma palavra adequada para definir esse grupo de gente.

    Poderia se dizer elite cafona, rastaquera, vira lata, que aliás nos já o fazemos por serem tão grotescos.

    Um exemplo disso é ver uma foto do Serra junto com o ex-secretário do Obama, John Kerry.

    Parece um débil mental alucinado pelo seu tutor.

    O Serra não é elite?

    Tudo bem.

    Então o que ele é?

    A outra citação é aquela que o autor diz que governos de coalizão não deram certo.

    Não é bem assim.

    Não deu certo com o PT.

    O Brasil sempre foisgovernado por coalizões. Sempre de direita.

    Com a esquerda não deu certo mesmo.

    E era para dar? Com essa “elite”?

    Só o PT não percebeu isso.

    • Francisco, me desculpe, mas

      Francisco, me desculpe, mas dizer que o autor não foi muito claro em suas ideias é um equívoco.

      O autor traçou toda uma linha de raciocínio para poder ser o mais claro possível em seus argumentos e se chegar a uma conclusão a respeito do assunto.

      Foi um dos textos mais pertinentes que eu já li a respeito da atual situação no Brasil.

      Você não concordar com o ponte de vista apresentado eu até compreendo, mas dizer que o autor não foi claro, não.

      Sério, você não deve ter lido certo. Leia novamente! 😉

    • Francisco, me desculpe, mas

      Francisco, me desculpe, mas dizer que o autor não foi muito claro em suas ideias é um equívoco.

      O autor traçou toda uma linha de raciocínio para poder ser o mais claro possível em seus argumentos e se chegar a uma conclusão a respeito do assunto.

      Foi um dos textos mais pertinentes que eu já li a respeito da atual situação no Brasil.

      Você não concordar com o ponte de vista apresentado eu até compreendo, mas dizer que o autor não foi claro, não.

      Sério, você não deve ter lido certo. Leia novamente! 😉

      • Humor

        Eu acho que foi o meu mau humor, depois do Traíra ter indicado Alexandre Moraes para o STF.

        A cada parágrafo que eu lia, não saia da minha cabeça, Alexandre Moraes, Luthor, Kojak, Alexandre Moraes, Luthor, Kojak… e repetia no meu cérebro e repetia, repetia e ao cabo não consegui entender aonde o autor quis chegar.

        Vou repetir a pergunta de um comentário aqui.

        O que ele quis dizer com partido cavalo de tróia?

        Como ele disse:

        Que cazzo é isso?

        Brincadeira Lidiane.

        Eu reli atendendo sua sugestão e devo dizer que cabe ao autor todo o meu apreço, pois são tão poucos que pensam assim e que está do mesmo lado nosso para construir um país melhor.

        A mediocridade é tanta nesse país que mesmo uma pequena destoada num artigo, que não é o caso, depois de reler, não seria bom fazer crítica para ideias que nos aproxima.

        Quanto ao partido cavalo de tróia, eu concordo com ele, pois já citei isso num comentário, não me lembro em qual.

        Só que eu disse um pouco de modo diverso.

        O empoleiramento (sic) da casta concurseira, juizes, MPF, PF e das instituições das quais eles pertencem, deveria ser substituida de maneira sutil por brasileiros de verdade que enxergasse as consequência dos seus atos, e não como esses indivíduos que acreditam  que vieram à Terra (mas tinha que ser no Brasil) com a missão divina de acabar com a corrupção do PT. Só do PT.

        Mas acho que isso demoraria muito. E não haverá tempo para isso.

        Por isso prego a ruptura total das instituições, já.

        E os sinais em tão pouco tempo do corrente anos, são apenas trinta e oito dias só de desgraças, dão conta que a coisa não vai muito longe.

        • Ainda o “partido cavalo-de-Tróia”

          Prezado Francisco,

          O detalhamento completo dessa proposta está no livro Uma Nova Utopia para o Brasil: Três guias para sairmos do caos, que pode ser livremente baixado no site http://www.brasilutopia.com.br

          E nesse site há um resumo da proposta do partido cavalo-de-Tróia (bem como da constituinte dos cidadãos, e dos grupos de diálogo).

          Abraços

  23. Embora eu tenha torcido o

    Embora eu tenha torcido o nariz para a solução proposta pela inviabilidade da democracia direta e especialmente quanto ao tal ~partido cavalo de Tróia~, vou ler as tais utopias para o Brasil porque o diagnóstico traçado pelo autor está irreparável!

  24. Melhor artigo

    Cansei das burradas desse Golpe. Temer, Moraes, Serra, Janot, Moro, Marinhos. Não sei se é a pilantragem que engendra a burrice, ou muito pelo contrário.

    Concordo com o autor: tirando os 0,1%, todo mundo vai se ferrar. Não vejo mais saída dentro das intituições. O limite da sobrevivência do Golpe será anular as eleições de 2018. O que está muito próximo de acontecer.

    Acontece que não precisamos de eleições. Embora não tenhamos de abandonar a luta, a desobediência civil e a resistência pacífica devem seguir nos rumos que o autor propõe. E o melhor lugar para se fazer isso é nas escolas públicas. A escolas são o ambiente da política por excelência. Estão geograficamente distribuídas no território, os professores, em geral, são sensíveis às lutas populares e há jovens e há famílias.

    É preciso discutir um novo Brasil que queremos. Para isso não precisamos pedir licença ou favor a nenhum pateta fascista golpista medíocre vendido e imbecil de plantão. É só fazer.

    Precisamos segurar as rédeas de nosso destino nas mãos.
     

  25. “E vamos então varrer a canalha”

    O artido lembra o que dizia Hannah Arendt no seu livro As Origens do Totalitarismo. O pré-sal era o remédio do governo petista para fazer essa “revolução” da qual falava Darci Ribeiro: investimento maciço em Educação. Mas isto é demais para a classe dominante, então, mesmo correndo o risco de darem o tiro no pé, derrubaram o PT e instalaram o que deram, na espera que os seus mais proximos voltem ao comando politico. Sem um grande projeto de Pais das frentes progressistas, vai demorar um bocado para varrer essa canalha.

  26. A situação atual é um teste

    A situação atual é um teste de caráter para o nosso povo !! 

    E por enquanto, a nota é 0.

  27. análise muito lúcida

    Parabéns pela análise! Estando em Vitória, onde estou vendo a Polícia Militar insubordinar-se sem sofrer qualquer punição, tive essa mesma percepção: se a classe dominante violou a Constituição com o golpe do impeachment, se o STF tolerou a violação do sigilo telefônico da Presidência da República, se a  PGR engaveta processos que possam levar amigos à cadeia, se Mr. Fora Temer indica para o STF alguém piior que o Gilmar, por que somente os policiais militares se  submeteriam à lei? É isso aí: “farinha pouca, meu pirão primeiro” ou “America first”.

  28. História ensina

    Está na hora de pensar e estudar a História da Segunda Guerra, de como populações se organizaram e derrotaram nazistas e fascistas sobretudo na França e Itália. Não foi com contemporização. Não foi só com forças armadas aliadas. Foi sobretudo no dia a dia com ação subterrânea e bem montada: Maquis, Resistenza!

  29. Gostaria que explicasse mais sobre

    “– A implantação da Democracia Direta como um espaço aberto a todos que queiram praticá-la, por meio de um partido político “cavalo de Tróia” que venha a romper com o monopólio do sistema político-partidário.”

     

    Que cazzo é isso?

  30. A Elite Brasileira Suicida-se

    Você deixa claríssimo que HÁ SOLUÇÃO.  Vamos vibrar para que haja também bom senso e cooperação: só assim o saudoso Darcy Ribeiro terá cumprida sua visão.

     

  31. Adorei o texto,

    Adorei o texto, excelente!

    Bem didático e claro, explica de forma simples todo este caos que nos assola e suas causas.

    Apesar de não ser tão otimista quanto o autor em sua utopia final, respeito seu sonho, e até desejo que isto algum dia se torne realidade. Porque não?

  32. excelente texto

    Confirma categoricamente que o Brasil nunca saiu do colonialismo. O Brasil precisa de um projeto de nação. Mas primeiramente tem que mudar as cabeças pensantes. O governo está envelhecido. Foi o maior erro do Pt nos últimos 12 anos de governo. não formar novos políticos… Está pior, quem pode contribuir não quer ser político.

    Haddad está no vácuo, parece que veio do futuro!!!

  33. Parabéns Ruben!
    Excelente

    Parabéns Ruben!

    Excelente post. Uma visão claríssima do que tem ocorrido em nossa sociedade. Precisamos de democracia direta mesmo. Claro, democracia direta como poder central no Brasil (ou em qualquer país do mundo) é e será, por muito tempo, uma utopia. Mas há diversas instituições, os sindicatos e associações profissionais, por exemplo, que teriam muito a ganhar com a ampla, contínua e instantânea participação de seus associados na decisão dos rumos dos movimentos. Seriam mais poderosos, mais fiéis à vontade das bases, e menos sensíveis aos desvios de atuação por oligarquias institucionais. Se tivéssemos mais democracia direta nestas instituições, no passado recente, talvez pudéssemos ter resistido de forma mais eficaz ao golpe.

    Estou querendo discutir este, e muitos outros tópicos, em um grupo de diálogo!

    • Obrigado, Dante

      Obrigado por seus comentários, e fico feliz com sua disposição em participar de um grupo de diálogo. Toda orientação para a montagem e condução de grupos de diálogo você encontra no livro Uma Nova Utopia para o Brasil: Três guias para sairmos do caos, que pode ser livremente baixado no site http://www.brasilutopia.com.br

      Um grande abraço

  34. Há pontos muito interessantes

    Há pontos muito interessantes no artigo. A PM como fonte de opressão alternativa ao exército. Veja o o caso de Vitória hoje, a PM em greve e o exército tendo que ocupar seu lugar.  A desnecessidade de um golpe militar, pelo fato de o exércio e o judiciário estarem sob o comando direto da classe dominante. A definição exata do termo “coxinha”. O raixo x da classe média, esta como marionete da classe dominante, Mas as alternativas sugeridas não resolvem o essencial: o capitalismo chegou a um estágio de concentração brutal da riqueza. Se a democracia nos EUA e na Europa não conseguem impedir o processo de acumulação sem freios, como uma democracia tupiniqum o faria ?. A democracia direta na Islândia parece funcional, mas em termos de nível educacional e cultural, estão um século à nossa frente. Penso que a melhor alternativa é a esquerda chegar novamente ao poder, não sei como, e dar UM CHOQUE DE EDUCAÇÃO, Sei lá, investir metade do orçamento em educação: seria um choque e pavor na classe dominante.  

  35. TENS DÚVIDA? TERIA SIDO UM GOLPE? HE HE HE – 2
    5% DE CANALHAS. CANALHAS! Assim é. País sem pudor! TERIA SIDO UM GOLPE? TERIA SIDO UM GOLPE COMANDADO PELOS PODERES DA REPÚBLICA, SOB DOGMAS DOS PODEROSOS MULTI-NACIONAIS E GOVERNOS EXTERNOS?> https://gustavohorta.wordpress.com/2017/01/05/assim-e-pais-sem-pudor-teria-sido-um-golpe-teria-sido-um-golpe-comandado-pelos-poderes-da-republica-sob-comando-dos-poderosos-internacionais/ ”TERIA SIDO UM GOLPE? TERIA SIDO UM GOLPE COMANDADO PELOS PODERES DA REPÚBLICA, SOB DOGMAS E PATROCÍNIO DOS PODEROSOS MULTI-NACIONAIS E GOVERNOS EXTERNOS? O que você acha? Você ainda tem dúvidas?Não as tem? Está convencido de que foi um golpe? Está convencido de que não foi um golpe?Em qualquer dos dois casos pouco ou, no segundo caso, nada esta crônica poderá acrescentar. …”

  36. Excelente!

    Parabéns pela lucidez, sr. Naveira. Ótima consideração sobre o mecanismo de implantação da semente do subdesenvolvimento no cerne da própria sociedade brasileira, noção essencial para que exista a tolerância (ou admiração) às diferentes formas de arbítrio tão em voga atualmente. Algumas das premissas já vinham sendo comentadas há algum tempo, em diversas plataformas e de forma dispersa, mas é a primeira vez que as vejo perfeitamente concatenadas. Oxalá sobrem vozes da lucidez em número suficiente para desatar o nó górdio do modelo de capitalismo oligárquico do qual o Brasil é o laboratório mais bem sucedido (não vejo nenhuma outra sociedade que se aferre, de forma tão acrítica e devotada, a um modelo que lhe rouba os próprios direitos sociais). Não sou tão otimista quanto era Darcy Ribeiro, e que parece também ser o seu caso, mas não custa pensar que algo ainda seja possível. A única ressalva que, humildemente, gostaria de fazer, é não ter visto nenhum comentário sobre um protagonista fundamental do processo tão bem descrito, a saber, o modelo de comunicação de massas que domina a informação no País. Sempre penso que, enquanto o brasileiro de classe média-baixa pouco instruído for doutrinado pelos meios de comunicação de massa oligopolizados que temos, notadamente a TV de canal aberto, não haverá a menor chance de criar uma opção ao modelo social vigente, pois somos grandes demais, em população e território, para criar movimentos de massa sem antes romper este domínio hegemônico da informação. Seremos sempre o rebanho chomskyano, pastoreado por alguns cães adestrados e propriedade de alguém. Mas, como disse, otimismo não é meu forte. Torço para estar errado e o senhor ter razão. Felicitações!

    • Prezado,

      Obrigado por seus comentários.

      A grande mídia, propriedade de umas poucas famílias obscenamente ricas, é parte indissociável da classe dominante. Como o texto já estava bastante longo, preferi não destacá-la, e sim focar na classe dominante como um todo.

      Quanto ao otimismo/pessimismo, a Rede Globo manipula as consciências de milhões de brasileiros? Sim. Mas todo esse poder da Globo baseia-se em manipulação, ou seja, em engodo, mentira. Em contraposição, há a verdade (duríssima, mas não menos verdade) de que a classe dominante trai e descarta a classe média, depois de usá-la. 

      Lutaremos porque acreditamos que a verdade tenha mais valor, e mais força, que a mentira – do contrário nada valeria mais a pena.

      Abraços

  37. Militares

    Excelente texto e prodigiosa visão dos fatos. A meu ver no entanto faltou uma abordagem a respeito do militarismo brasileiro(MB) .Eivado de privilégios, sem nenhuma condição de comabte a inimigos extrnos (Guerra? só a do Paraguai, onde só morreram praças e negros), o MB só defende seus salários, seus poucos afazeres e sempre que podem buscam inimigos entre seus irmãos. Pior só temos o judiciário com supersalários e  penduricalhos de montão a engordar seus proventos. A desigualdade tem um nome: Brasil.

  38. Primoroso e paradigmático…

    Prezado Ruben, parabéns! Um estimado amigo me enviou o seu texto, o qual achei primoroso, substancial e paradigmático, por isso já o estou compartilhando entre amigos. É também um alento para os que como eu tem padecido de tristeza com o fulminante e surreal ataque das corporações contra a nossa democracia e tudo o que representa salto civilizatório, em especial o pequeno ensaio progressista que experimentamos na última década. É alento para todos que, contudo, não desistimos do BraSil, de transformá-lo numa nação plurinacional e vigorosa. Acredito que é a partir do alargamento do horizonte utópico que poderemos cunhar um resiliente projeto nacional. O exemplo da Islândia, embora sejamos um muito complexo país-continente, é inspirador, precisamos de uma revolução copérnica, de uma leitura crítica visceral a respeito de nós mesmos e do nosso lugar no mundo, e acho crucial que esta aventura (melhor q meramente empreendimento, pois com rigor e paixão), leve em conta a irmandade sul e latino-americana, não é saudável e sustentável que continuemos a negligenciar e sonegar o que nos é essencial, o nosso devir. Além da democracia direta e a construção de uma práxis que acesse permanentemente os seus mecanismos, a fortuna se avoluma amalgamando-a com a democracia participativa: o fortalecimento das várias Instituições Participativas (IP) que já temos, sobretudo do ponto de vista da efetividade democrática, a exemplo dos conselhos, conferências, orçamentos participativos, audiências públicas, mesas de negociação etc, e a criação de novas instâncias, forjando uma nova cultura democrática que pressupõe, inclusive, a adoção de uma estratégia de educação pós-totalitária ou educação para a democracia, a cidadania e a paz (algo que ainda não foi realizado desde o fim da ditadura) e de democratização radical dos meios de comunicação social (ao menos como estabelece a Constituição Federal de 1988 e nunca foi posto em prática). Sigamos em sintonia, fortalecendo-nos uns nos outros, e avantes! Abraços, Franklin

     

  39. Nova Utopia

    Criticar, quase todos nós criticamos; falar mal, quase todos nós falamos; mas analisar profundamente situações injustas e suas causas, e apresentar propostas corretivas, muito poucos conseguem. E o Ruben Bauer, ao que parece, conseguiu.

    Com a sua NOVA UTOPIA (consubstanciada nos Grupos de Diálogo, na Democracia Direta e na Constituinte dos Cidadãos), o autor resgata o sentimento e o sonho de Rui Barbosa, sintetizados nas frases: “a Pátria não é ninguém, são todos”; “a Pátria é a família amplificada”. Uma Pátria construída por todos, para todos, é o que pretende o Ruben, e nós também!

    Na minha santa ignorância, confesso, não conheço nenhuma proposta melhor do que a apresentada pelo Ruben, embora admita que a sua aceitação, pela maioria, vai depender de aperfeiçoamentos que só um afinado Grupo de Diálogos pode oferecer.

    Em face disso proponho que, com as pessoas que botam fé na NOVA UTOPIA, se forme um grupo (de até quarenta cidadãos) para aparar todas as arestas que possam comprometer a proposta, desde que o Ruben, naturalmente, concorde e participe.

    Ayr Tavares

  40. Nova Utopia – comentário

    Criticar, quase todos nós criticamos; falar mal, quase todos nós falamos; mas analisar profundamente situações injustas e suas causas, e apresentar propostas corretivas, muito poucos conseguem. E o Ruben Bauer, ao que parece, conseguiu.

    Com a sua NOVA UTOPIA (consubstanciada nos Grupos de Diálogo, na Democracia Direta e na Constituinte dos Cidadãos), o autor resgata o sentimento e o sonho de Rui Barbosa, sintetizados nas frases: “a Pátria não é ninguém, são todos”; “a Pátria é a família amplificada”. Uma Pátria construída por todos, para todos, é o que pretende o Ruben, e nós também!

    Na minha santa ignorância, confesso, não conheço nenhuma proposta melhor do que a apresentada pelo Ruben, embora admita que a sua aceitação, pela maioria, vai depender de aperfeiçoamentos que só um afinado Grupo de Diálogos pode oferecer.

    Em face disso proponho que, com as pessoas que botam fé na NOVA UTOPIA, se forme um grupo (de até quarenta cidadãos) para aparar todas as arestas que possam comprometer a proposta, desde que o Ruben, naturalmente, concorde e participe.

    Ayr Tavares

    • Prezado Ayr,

      Obrigado por suas gentis palavras.

      Grupos de diálogo podem ser montados por qualquer pessoa, as orientações gerais para isso encontram-se no Livro Uma Nova Utopia para o Brasil: Três guias para sairmos do caos.

      O ideal é que surjam centenas, milhares de grupos de diálogo Brasil afora.

      Se me for possível (grupos de diálogo são necessariamente presenciais), participarei com satisfação do grupo que você vier a montar.

      Abraços

       

  41. Parabéns pelo trabalho.

    Há muito buscava uma concatenação e encadeamento das características históricas brasileiras a apontá-las como as causas de nossa inviabilidade.

    identificadas, catalogadas, decifradas e expostas, podemos então passar à tentativa de utopizá-las, se me permitem o neologismo.

    já publiquei o texto em minha Bodega, no facebook.

    Cordiais Saudações,

    Luiz Carlos Moraes 

  42. Suicidio da elite brasileira
    Creio que o que acontecerá ao.Brasil estará mais próximo ao que ocorreu em Honduras com tendências ao que ocorreu em terras palestinas

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome