A nossa vida é só um segundo, mas vale lutar em cada fração dele, por Eugênio de Aragão 

Como temos pressa nesta nossa guerra! Tal e qual quem viveu o nazismo, queremos, os sofredores com discernimento, que o fascismo non-sense de Bolsonaro acabe já. Também queremos ser donos do tempo.

A nossa vida é só um segundo, mas vale lutar em cada fração dele

por Eugênio José Guilherme de Aragão 

Mas se você achar

Que eu tô derrotado

Saiba que ainda estão rolando os dados

Porque o tempo, o tempo não para

Dias sim, dias não

Eu vou sobrevivendo sem um arranhão

Da caridade de quem me detesta

A tua piscina tá cheia de ratos

Tuas ideias não correspondem aos fatos

O tempo não para

(Cazuza, O Tempo não Pára)

Um dia desses recebi um “Tweet” de um raivoso bolsominion (eita, expressão pleonástica!) em que debochava porque eu falava de “varrer do poder” essa turma de insensatos. Dizia, ele, que poderia “botar a barba de molho” porque jamais voltaríamos, nós, a esquerda, governar este país.

Causou-me reflexão. Logo pensei: quanta arrogância! Também Hitler falava no seu império de mil anos e “só” durou doze de intenso sofrimento para a humanidade. Por que quem ganha o poder na base da truculência e da mentira acha que é dono do tempo?

Para começar, o que chamo de “só” doze anos de duração do Terceiro Reich foi, para quem nele viveu ou experimentou seus atrozes impactos, esses doze anos foram uma eternidade. Para alguns, foi uma vida inteira; para muitos outros, foi o fim da vida e o fim dos tempos.

Volto ao Brasil. Como temos pressa nesta nossa guerra! Tal e qual quem viveu o nazismo, queremos, os sofredores com discernimento, que o fascismo non-sense de Bolsonaro acabe já. Também queremos ser donos do tempo.

Leia também:  A política externa bolsonarista, o multilateralismo e a sociedade internacional, por Cesar Calejon

Mas o tempo não pára. E somos todos inexoravelmente escravos dele.

Lula está há mais de um ano encarcerado. Acreditamos ou queremos acreditar que vá sair hoje ou amanhã. Mais de um ano preso é injusto! Um tempo muito injusto. Mas ele segue inabalável. E o quanto mais passa, mais injusto o sentimos, a ponto de exigir o amanhã que encubra o hoje de tantos lamentos!

Se somos escravos do tempo, qual a atitude que devemos ter diante dele? Conformarmo-nos? Cinismo ou resignação? Talvez um pouco de conformação num caldo de cinismo. Explico.

Conformação não é resignação. Enquanto a primeira é atitude ativa, a segunda é passiva. Conformar-se é tornar-se “com a forma” da realidade do momento. Assimilar o contexto em que se vive para sofrer menos e compreender mais. É adequar-se. Para quem luta, é fundamental reconhecer e adaptar-se ao terreno em que a guerra se trava: na guerra é como na guerra e não como na paz! Certos tipos de conduta nossa, de denunciar, de apontar e de publicizar são próprias de uma guerra em que se falam um tom mais alto do que na paz.

Um diplomata alemão uma vez me fez a pergunta, logo após a consumação do golpe parlamentar contra a Presidenta Dilma: “O Sr. não acha que está usando um tom excessivamente eloquente?”. Referia-se metaforicamente ao tom indignado de denuncia que adotara nos meus artigos. Respondi-lhe: “Krieg ist Krieg” – guerra é guerra. Havia me conformado, coisa muito distinta de resignar-se.

Leia também:  Entre Bolsonaro e Paulo Guedes, fico com o gordinho do Posto Ipiranga, por Rui Daher

Resigna-se quem cansa, quem joga a toalha, pendura as chuteiras. É uma atitude de desespero. Muito humana, mas disfuncional num tempo em que resistir é preciso, ainda que sem a ilusão de domar o tempo.

Precisamos, também, com nossa conformação, uma boa dose de cinismo. É o que nos faz grandes diante do inimigo. Não podemos nos perder na vitimização e na autocomiseração. Temos valiosos companheiros que caíram e não têm, ao menos para o momento, a oportunidade de lutar em campo aberto. Encontrarão seu meio de lutar no círculo fechado, porque, parafraseando Bertolt Brecht, só é excelente quem luta a vida inteira. Mas, para nós, caíram. Estão em desvantagem.

Nosso cinismo deve estar na consciência de que em toda guerra muitos caem. Todas as quedas são injustas, mas quem caiu, era soldado e sabia que estava numa guerra e que cair faz parte dela. E levantemos a cabeça e continuemos a lutar.

Lula está preso. Caiu. Foi uma queda injusta. Temos que denunciar essa injustiça ao mundo e desmascarar aqueles que contribuíram para seu encarceramento na base da mentira, da conspiração e da perfídia. Juízes pérfidos merecem ser expostos e não podemos parar um só segundo nesse esforço de expô-los. A guerra é também comunicação. Tal qual o tempo, no tempo de guerra, a comunicação não pára, não pode parar.

Lula estar preso não justifica ficarmos que nem barata-tonta pirandelliana, como personagens à busca de um autor. Somos todos autores de nosso destino, ainda que não domamos o tempo. E não adianta choramingar porque está demorando muito. Para quem sofre, tudo demora. Mas temos que ver que o Terceiro Reich durou “só” doze anos. E doze anos, para quem enxerga longe, é pouco, por mais impactantes que sejam.

Leia também:  Diplomacia científica pode salvar a Amazônia, por Gustavo Macedo e Andrea Garcia

O tempo não para, mas cabe a nós determinar o que vamos fazer dentro dele. E, para os bolsominions ativos, fica o recado: vocês passarão com o tempo, mas não passão no julgamento da história. Seus mil anos serão vergonhosos segundos da pior experiência republicana brasileira. Feito o Terceiro Reich, é o que vai sobrar de vocês. E nós voltaremos, para limpar a honra do Brasil, apeando-os do poder, sim! E continuaremos a lutar. Por um Brasil melhor.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

19 comentários

  1. A nossa luta não começou hoje…

    Sequer começou com a queda de Dilma e a prisão de Lula…

    Muito menos começou com a eleição de Lula em 2002…

    Nossa luta também não começou com a abolição da escravatura…

    Também não começou com a Queda da Bastilha…

    Nossa luta começou muito, muito, antes… na aurora da história…

    Nossa luta não foi extinta com o nazi-fazismo…

    Nossa luta não foi extinta com o golpe de 64…

    Nossa luta não terminará com a chegada dos Bolsonaros…

    Nossa luta é histórica.

    Iludem-se os que acreditam que venceram a guerra por que abateram ou prenderam um dos nossos.

  2. Em frente, Eugênio! Morreu a vida que passou! Interessa a vida que está à frente e que queremos melhor! Moro, Dallagnol e outros iguais já morreram, nos ao contrário estamos vivos!

  3. O tempo é uma mercadoria curiosa. Ele se oferece a todos gratuitamente, mas ninguém sabe exatamente qual o quinhão que recebeu. Nesse caso, o que é válido para os homens também vale para as instituições que eles criam. Quando alguém tenta interromper o tempo alheio ou comprar mais tempo para si depois que seu tempo terminou o resultado é quase sempre uma tragédia.

    O tempo de glória Sérgio Moro está acabando. O desespero dele para comprar mais tempo é evidente. Mas isso vai apenas apressar e aprofundar o tamanho do tombo que o herói lavajateiro está fadado a levar. Quantos brasileiros decidirão cair junto com ele não importa. A queda deles será rapidamente esquecida.

    Lula permanece, pois o tempo dele não terminou. Tentar interrompe-lo foi uma estupidez.

  4. Já dizia o mestre Darcy Ribeiro “Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca.”
    A luta é constante e estamos ainda no início da Batalha!

  5. Depois de tudo que foi dito e visto, uma coisa é certa, a mídia aberta ou fechada não forma, nunca formou e nunca vai formar a minha opinião política social, porque, acima de tudo uma pessoa para formar uma opinião sobre algum assunto ou julgar alguém, deve antes de mais nada fazer uma auto crítica, juntar todas as informações necessárias/disponíveis e depois com calma e bom senso, podemos formar opinião para tomar partido, mesmo assim estamos sujeito a erros.

  6. À esquerda falta imaginação, ‘malandragem”, falta usar as armas do adversário que é a propaganda mostrando seus efeitos deletérios para a sociedade como um todo. A esquerda e em particular o PT ainda não se deram conta(será?) que muita gente que estava do outro lado quer voltar e assumir bandeiras mais progressistas. Eles começam a perceber na fria que entraram ao apoiar Moro e Bolsonaro. Mais ao invés de abrir espaço apara esse pessoal o PT e as esquerdas continuam com seu famigerado discurso que nós é que somos os certos e eles é que são errados. Lamentável.

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome