Apagão transforma São Paulo em zona de guerra, por Rogério Faria

Esse é o universo de Apagão, que começou com um blecaute real ocorrido em São Paulo, em 10 de novembro de 2009!

Apagão transforma São Paulo em zona de guerra

por Rogério Faria

três meses sem eletricidade, São Paulo se transformou em uma zona de guerra dominada por gangues. Os sobreviventes enfrentam a violência das ruas para conseguir comida, armas e as últimas fontes de energia. Restam apenas escombros, ódio e fome na maior cidade da América do Sul.

Esse é o universo de Apagão, que começou com um blecaute real ocorrido em São Paulo, em 10 de novembro de 2009! Naquela noite, o premiado editor e roteirista Raphael Fernandes (Mad, Ditadura no Ar) descobriria o horror de achar que o mundo havia acabado! As ruas absolutamente vazias, desvios esquisitos para um trânsito que não existia e absolutamente a cidade inteira no escuro. Todas as emoções daquela noite estão nos quadrinhos da série Apagão e agora se materializam em um card game chamado Apagão – Ruas de Fúria!

A Editora Draco e a Funbox Editora uniram-se para fazer uma campanha de financiamento coletivo do card game Apagão – Ruas de Fúria, de Gustavo Barreto. Esse primeiro board game do universo criado por Raphael Fernandes e Camaleão apresenta uma mecânica inspirada nas disputas das gangues por alimento em uma São Paulo devastada por um blecaute.

Desenvolvido pelo game designer Gustavo Barreto (Tinco, Don Capollo, Dark City), “Ruas de Fúria” pode ser jogado por até seis jogadores e apresenta uma divertida mecânica de blefes, RPG e jogadas ousadas. Cada jogador assume o papel do líder de uma gangue que terá que enviar seus parceiros para disputas por alimentos, armas, fontes de eletricidade e outros recursos. Porém, além das tretas, o jogo tem um momento em que é possível intimidar o outro jogador para tentar ganhar a briga no grito.

A partir de 22 até 25 de outubro, a Funbox estará na feira de board games SPIEL.digital lançando o card game “Apagão – Ruas de Fúria”. Por conta da pandemia, o jogo será apresentado ao público através de sessões online no Tabletopia. Será uma oportunidade de participar de partidas especiais com a presença do game designer Gustavo Barreto e do criador dos quadrinhos Raphael Fernandes. A entrada é gratuita, basta se inscrever no site oficial da feira.

Além do jogo, a campanha no Catarse também oferece o lançamento exclusivo da nova história em quadrinhos: Apagão – Fruto Proibido. Os roteiros são de Raphael Fernandes, os desenhos de Abel e as cores de Fabi Marques. Nesta nova aventura, acompanhamos como Heloísa e a gangue das Patinadoras tentarão recuperar a jovem Malagueta, que está grávida, e raptada pela gangue das Irmãs Canivete. O problema é que o preço do resgate envolve roubar um dos itens mais valiosos da base dos Macacos Urbanos, uma das gangues mais barra pesada da São Paulo sem eletricidade. O projeto foi contemplado com o ProAC 2019, da Secretaria de Cultura de São Paulo.

A personagem Heloísa foi apresentada no áudio-jogo “Apagão – Entre o lobo e o cão”, que teve narração de Guilherme Briggs e produção da Rede Geek. O projeto narra como foi o primeiro dia de blecaute na vida da jovem líder de comunidade e dá alguns sinais do caos que tomou conta da cidade. Com patrocínio de uma grande marca de tecnologia, o projeto alcançou mais de um milhão de ouvintes.

Apagão é um universo em expansão através da narrativa transmídia e busca ampliar a trama por meio de diversas formas e linguagens.

Para conhecer a campanha e apoiar o jogo e adquirir os quadrinhos, acesse o Catarse: catarse.me/apagao2.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Angola Janga - Uma história de Palmares, por Rogério Faria

1 comentário

  1. Contem comigo para apoiar mais essa fantasia de violência extrema na cidade. Vai ser massa para a massa.
    E depois, contem comigo para ajudar a reclamar do ódio que permeia a nossa convivência social e política. Vamos combater a violência praticando-a. É divertido e dá lucro.
    Espírito de cooperação só na hora de pedir apoio, então, vão “se catarse”.
    Todo o mal que pensamos materializamos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome