As Marteladas dos decretos e a Dança da Transmissibilidade da COVID-19, por José Dias do Nascimento e colaboradores

Uma questão relevante e científica, neste momento, é estudar os efeitos coletivos emanados dos decretos nas redes de contágio do COVID-19 e, apesar das limitações já conhecidas, da taxa de transmissibilidade R(T).

Enviado por Ion de Andrade

As Marteladas dos decretos e a Dança da Transmissibilidade da COVID-19

por José Dias do Nascimento e colaboradores

Queda do embargo do Release 5 Junho 2020

Pesquisadores Envolvidos Dr. José Dias do Nascimento (Física — UFRN); Dr. César Rennó-Costa (IMD-UFRN); MsC Leandro Almeida (Física — UFRN); Dr. Renan Cipriano Moioli (IMD — UFRN), Dr. José Soares (Física — UFC), Dr. Humberto Carmona (Física — UFC), Dr. Wladimir Lyra (NM, USA). Dr. Ion de Andrade (SESAP/RN)

Nas últimas semanas passamos por processo de flexibilização das condições de isolamento e reabertura do comércio em um momento onde, índices objetivos de ocupação de UTI e de transmissibilidade R(T), não comportavam uma decisão nesse sentido. Uma questão relevante e científica, neste momento, é estudar os efeitos coletivos emanados dos decretos nas redes de contágio do COVID-19 e, apesar das limitações já conhecidas, da taxa de transmissibilidade R(T). A mesma, se mostra fiel aos movimentos representativos de efeito coletivo que impactam no andamento da epidemia.

As atividades de mitigação da comunidade (também chamadas de intervenções não farmacêuticas) são ações que pessoas e comunidades podem adotar para retardar a propagação de doenças infecciosas e os decretos visam a imposição das medidas pelos gestores.

Esquema conceitual do efeito global do martelo e da dança agindo e o ricochete na R(T) como consequência dos decretos do Governo

Neste momento, a abordagem da maioria dos estados produz uma da gangorra, que tem sido chamada de “o martelo e a dança” (Tomas Pueyo — Medium), onde “o martelo” interrompe tudo por meio de bloqueios apresentados por decretos e “a dança” aceita um número relativamente grande de mortes, enquanto mantém a economia funcionando e a R(T) variando de forma sinuosa. A ideia de alguns é de continuar alternando o martelo e a dança, até que uma vacina seja desenvolvida, é humanamente inaceitável.

Evolução do Transmissibilidade efetiva R(t) através do tempo e os registros temporais dos Decretos Estaduais publicados pelo Governo do estado Rio Grande do Norte entre Abril e Junho de 2020

As marteladas dos decretos, quando absorvidos pela população, devem funcionar como impacto preciso, batendo na curva da transmissibilidade para dobrá-la no sentido do controle do contágio e R(T) < 1. Chegando-se a esta fase, deve-se monitorar índices que representam uma estabilização do espalhamento. Na fase da dança, a transmissibilidade R(T) reflete as contaminações geradas por movimentos periódicos como finais de semana ou feriados prolongados, porém uma dança com R(T) acima de 1 é letal.

E este R(T)? A origem do R, R0 e R(T) é uma só. Utilizado há quase um século na demografia, R originalmente mediu a reprodução de pessoas para informar se se uma população estava crescendo ou não. Na epidemiologia, o mesmo princípio se aplica, mas mede a propagação da infecção em uma população. Se R for dois, duas pessoas contaminadas infectarão, em média, outras quatro, que infectarão outras oito, e assim por diante. A medida permite que os modeladores calculem a extensão da propagação, mas não a velocidade com que a infecção cresce. Somente em situações de testagem regular da população de um país inteiro é que poder-se-ia dizer algo seguro sobre o R0. Logo, na maioria dos casos os epidemiologistas não podem medir R diretamente. Por isso, é geralmente estimado retrospectivamente.

Figura esquemática de Tomas Pueyo — Medium mostrando as fases do Martelo e da Dança, assim como pontos importantes de cada etapa.

Uma variante de R, R0 assume que todos na população são suscetíveis à infecção. Isso geralmente não é verdade, mas pode ocorrer quando um novo vírus, como o SARS-CoV-2, surge. No entanto, nos dias de hoje quando se análise uma epidemia que ainda não terminou, os cientistas usam outra variante chamada de Rt (às vezes chamada Re, ou ‘R efetivo’), que é calculada ao longo do tempo à medida que um surto se propaga. É preciso lembrar que Rt e R0 são indicadores calculados a partir do número de casos ou óbitos, e dependendo do modelo obviamente não leva em conta algumas variáveis complexas da dinâmica social de uma população (geografia, aspectos culturais, entre outros). Porém, em populações tipicamente homogêneas pode ser sim um indicador bastante útil. No nosso caso, usamos R(T) como o índice de transmissibilidade efetiva, com média de 20 dias e de 7 dias.

Pedra ricocheteando em água calma na Patagonia.

Na nossa análise do R(T), o que vemos é um efeito rápido, pontual em torno das datas de vencimento dos decretos, que funciona como um martelo naquele ponto. Apesar de contraintuitiva, o que denominamos aqui de efeito ricochete é decorrente do efeito coletivo pré renovação e pós renovação do decretos que aumenta a circulação e, consequentemente, o contágio.

Desta forma, quanto mais curto o tempo entre os decretos, menor sua eficacia. Em resumo, várias marteladas leves, não substitui uma martelada forte e são as atuações via decreto que causa a sinuosidade da curva de contágio numa espécie de dança em torno do R(T) médio, como mostrados nas Figuras abaixo para todo o estado do Rio Grande do Norte e do Ceará, assim como, para as cidades de Natal, Mossoró e Fortaleza.

Evolução do Transmissibilidade efetiva R(t) para a cidade Natal através do tempo e os registros temporais dos Decretos Estaduais publicados pelo Governo do estado Rio Grande do Norte entre Abril e Junho de 2020.

Evolução do Transmissibilidade efetiva R(t) para a cidade de Fortaleza/CE em função do tempo e os registros dos Decretos Estaduais publicados pelo Governo do Ceará entre Abril e Junho de 2020. Percebam R(T) < 1 em média nas últimas 3 semanas.

“Essa abordagem da gangorra tem sido associada ao processo do martelo e dança, como descrito no artigo de Tomas Pueyo. Quando o processo se torna estacionário “o martelo” interrompe uma súbida do contágio por meio de bloqueios e “a dança” aceita um número relativamente grande de mortes cíclicas no sistema enquanto se mantém a economia funcionando. Alguns estados e diferentes lugares do mundo estão aceitando isso e podem continuar alternando o martelo e a dança por muito tempo, seja intencional ou por inocência”, descreve José Dias do Nascimento Jr., um dos autores do estudo.

Conclusões

  • Diferente do Efeito Boomerang que acontece como uma segunda onda em escalas de tempo maiores, registramos aqui o efeito por nós denominamos de “efeito ricochete” que é de curta frequência decorrente do ação coletiva pre, e pós decreto na população do RN e do CE. Isto é valido para praticamente todos os estados do Nordeste do Brasil. O vai e vêm de contágios em curto espaço de tempo é como uma pedra que recocheteia na superfície da água quando lançada em alta velocidade. O Primeiro salta é maior e depois os saltos menores, e ai outra pedra é lançada e sempre aparece um novo ricochete.
  • As pressões pela retomada das atividades no RN e em outros estados, seja pelos setores econômicos ou pela sociedade em geral, representa um evento de ruptura quebrando o ciclo do efeito ricochete estabelecido. É o que devemos observar nos próximos dias do mês de Julho de 2020 no RN.
  • O teste aqui feito foi crucial para entender que a R(T) da forma que nós estamos calculando no MOSAIC (UFRN) recupera eventos de curta e longa duração. Isto fortalece nosso procedimento de cálculo.
  • Decretos curtos não surtem efeitos positivos e podem piorar a situação.
  • A preparação educacional de saída do decreto é um ponto crítico.
  • Os decretos modificaram muito mais a transmissibilidade nas capitais. A curva R(T) para Natal apresenta sinuosidade maior que Mossoró. Efeitos da mesma natureza foram encontrados no CE com relação a Fortaleza

Referências

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Os pensadores chineses por trás da linha dura de Xi Jinping

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome