Boi de piranha, por Rogério Maestri

Para evitar a sobretaxação dos mais ricos, para conservar o sistema de domínio político, inclusive reforçando-o e livrar a cara dos governadores liberais criou-se uma situação extremamente conveniente.

Boi de piranha, por Rogério Maestri

O grande capital achou a sua forma de conservar o poder, os bois de piranha.

Já usei a figura do Boi de Piranha num artigo proposto ao GGN que não foi ainda publicado, mas retomo a linha de raciocínio com mais argumentos. O uso de da família miliciana como os bois de piranha da mortandade que ocorrerá nas próximas semanas causada pela ruptura de todo o sistema de saúde.

A epidemia do coronavírus Covid-19 apesar de não se saber muita coisa sobre ela algumas coisas já estão claras, que numa situação de descontrole e sem uma rígida quarentena, em menos de vinte dias a epidemia se alastra e gerando uma total e completa ruptura do sistema hospitalar, a letalidade da doença atinge valores acima de 5% dos infectados.

Com o sem as medidas frouxas dos governadores a epidemia está chegando a uma parte imensa da população brasileira, como o atual ocupante da cadeira da presidência da república não faz nada e contribui para que a quarentena que já era fraca se tornasse muto pior, ele e sua família mafiosa junto com alguns empresários de segunda linha e um astrólogo louco da Virgínia, formam o que se chama os bois de piranha ideais para jogar nas suas costas um total descontrole causado não só pela ausência de uma quarentena rigorosa que custaria muito caro ao grande capital brasileiro, pois dever-se-ia sobretaxando-se este capital obter recursos para criar condições ideais de isolamento para a população mais pobre que deveria inclusive parte dessa ser retirada das sub habitações que vivem e transferidas para hotéis, prédios vazios e alimentadas durante todo o período de quarentena.

Leia também:  Coronavírus pode reduzir a população da Austrália em 4% em 20 anos

Como uma ação vigorosa para implementar esse tipo de quarentena, custaria bilhões aos cofres públicos e colocaria em cheque toda a iniquidade do sistema tributário brasileiro, inclusive recorrendo aos bancos privados com um imposto especial sobre os lucros indecentes que tiveram nos últimos meses, iria completamente contra a política liberal dos representantes do grande capital, como a imensa maioria dos governadores, representantes do legislativo e as forças armadas.

Para evitar a sobretaxação dos mais ricos, para conservar o sistema de domínio político, inclusive reforçando-o e livrar a cara dos governadores liberais criou-se uma situação extremamente conveniente. Demonizou-se a atual família miliciana, coisa que é muito fácil de fazer, inclusive com o apoio da chamada mídia progressista, e beatificou-se um ministro da saúde que não fez nada além de boas apresentações na TV.

Mas qual o segmento de toda essa farsa para ficar bem de acordo aos olhos da opinião pública de classe média que sofrerão parte desta desgraça. Provoca-se o rompimento do atual ministro da saúde, que por um acaso é um privativista do sistema de saúde e pertence aos quadros do DEM, apoiados pelo presidente da câmara e do senado, que por acaso são outros privativistas de toda a economia e pertencem ao DEM, o ministro da saúde rompe com a presidência da república por demissão ou até por renúncia colocando toda a responsabilidade do que está por vir, nas costas de um bando de criminosos ladrões de galinha que são perfeitamente descartáveis e através dos mesmos militares que deram apoio e sustentação a esses mesmos criminosos se retira do poder colocando sobre os ombros desses batedores de carteira um roubo acima de sua capacidade de execução.

Leia também:  Os mais ricos aumentaram suas fortunas durante a pandemia no mundo

Quem substituirá esse bando que ocupou por bom tempo a cadeira da presidência da república é uma questão de detalhe, pode ser qualquer um da outra máfia que rondava o poder e que dava apoio a toda a política de entrega do patrimônio nacional, pode ser algum político do DEM, num simulacro de substituição constitucional, pode ser o vice-presidente se o mesmo aceitar em ser uma nova rainha da Inglaterra sem poder, ou podem ser os militares mesmo, tudo vai depender do grau de revolta da população e dos apoios que o substituto tenha na verdadeira grande burguesia, que com políticas certas além de venderem o patrimônio nacional para o grande capital internacional ou mesmo alguns nacionais, que terão de quebra a aquisição por preço de banana empresas falidas nacionais que ficaram aplaudindo os desmandos dos últimos anos ou apoiaram claramente os bois de piranha.

Talvez seja necessário acabar com a liberdade de imprensa por algum tempo, deixando somente para as grandes rede de comunicação a ampliação da culpa dos batedores de carteira, a cassação de siglas partidárias de oposição, se elas fizerem oposição, e beatificarem um ministro da saúde que na realidade não fez nada contra a epidemia e fazerem réquiens cínicos às centenas de milhares de mortos pela epidemia até que se ache uma vacina contra essa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Será que finalmente, com gigantesco atraso, começaram a entender a orquestração entre ‘jornalismo’ empresarial, finança transnacional, elite parasita nacional (capitães do mato e feitores), generais entreguistas, partidos (todos) e Bozo (no papel de fantoche, claro)? Tarde demais.

  2. A tese parece boa, mas acho que não tem espaço pelo fato de que o Bozo tem um estoque alto militares rançosos, velhotes da reserva, que o apoiam em qualquer circunstância. Se nesse cenário politico infernal sobrar só um respirador, acredite que vai para o Bozo. Amigos estrangeiros, inclusive de direita, não entendem como o Bozo ainda está no poder. Se nada até então bastou para defenestrar essa camarilha, nada bastará, nem uma montanha de mortos.

  3. Muitas verdades e meias verdades lançadas, a meu ver sem fechar o pacote. Quer dizer que chegaremos a um momento em que os do poder de fato, não fala numa superestrutura no comando, que pode se entender como os que têm as rédeas do poder nas mãos, percebe-se (Forças Armadas, maioria do Congresso, o Judiciário como todo, o grande empresariado e a mídia no apoio e divulgação) que chegaram com o traidor Michel Temer com o plano econômico neoliberal para atender os interesses do mercado e dos EUA, que estão implantando e defendem, que recebe, desde a eleição do Bozo, em 2018, sem disfarces, apoio do governo Trump. As reses da boiada estão nos mercadistas ainda ao lado do Bolsonaro, grande parte do pequeno comércio, mesmo sendo estrangulado, e mais explicitamente os protestantes pentecostais e as viúvas da ditadura de 1964, é o que se pode depreender. Afastada a família mafiosa na presidência, que insinua ser o boi de piranha, dependendo de como tudo se acomode nessa visão, alguém que esteja num dos componentes do poder de fato poderá ser guindado para assumir a liderança permitida na Presidência. É a meu ver uma hipótese frágil e digo porque: não parece existir em todos os quadros que estão no poder, nenhum, nem mesmo e muito menos Mandetta, que veem como uma possibilidade, capacitado que não seja para atender os interesses do mercado, muitos são sócios qualificados como os ricos banqueiros Henrique Meirelles e Paulo Guedes, o próprio Mandetta que se sabe tem interesses familiares na Unimed, também a cambada de especialistas usada pela mídia para distorcer fatos, esconder notícias para favorecer exatamente os mesmos interesses. A maioria treinado em universidades dos EUA para defender o neoliberalismo, vale dizer interesses do mercado, os interesses dos americanos. Além disso, não fala na mínima influência da oposição, do povo, suas associações, sindicatos, certamente os mais impactados pela crise, milhões desempregados sem trabalhar mesmo em bicos, passando necessidades e fome; organizações internacionais e mesmos governos que possam ser aliados a uma solução que afaste os mercadistas do poder. Sinceramente? O país não escapará de problemas sociais e, por mais que manobrem pela mídia, não será fácil acomodar interesses sem que seja através da oposição, pontificada pelo PT, já que maioria no campo do que se possa chamar de esquerda. Nas páginas do GGN tem sido esta a tônica: a acomodação, um pacto, sem a oposição, com o povo como o pato. O de sempre, como a famosa Lei da Anistia em 1979, que perdoou crimes de tortura e assassinatos, os culpados morrendo de morte morrida, sem pagar por seus crimes. Se assim for, não creio, vida que segue, não é mesmo?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome