“Brasil quebrado” de Dilma e o PIB do Bozo (Folha arrependida), por Armando Coelho Neto

A crise fabricada foi alimentada pela grande mídia e a Folha de S. Paulo teve papel de destaque na demonização da Presidenta Dilma Rousseff.

“Brasil quebrado” de Dilma e o PIB do Bozo (Folha arrependida)

por Armando Rodrigues Coelho Neto

“Fora Dilma e leve Lula e o PT juntos” é uma das lacrações do golpe de 2016. Aquilo deu nisso, e como disse a Presidenta Dilma pouco depois de eleita, “Ousem! Não sobrará pedra sobre pedra”, profetizou. Quem ouviu ou leu essa fala poderia até pensar que Dilma tinha alguma carta escondida na manga. Qual o quê!

Não tinha carta alguma para manter-se no cargo, para preservar a democracia ou contornar a crise artificial adrede criada para dar suporte ao golpe. A crise era a garantia de que Dilma cairia, e que o povo, vítima da ira fabricada por Globo, Folha, Estadão, Veja, Jovem Pan et caterva, ficaria quieto. E ficou.

Dilma caiu e o povo nunca soube o que é pedalada fiscal, que deixou de ser crime pouco depois do golpe. Em um ano, diz o Socialista Morena (1), Dilma foi inocentada pelo menos cinco vezes das acusações do impeachment. O objetivo do golpe era “estancar a sangria” e impor o grande acordo nacional, “com o Supremo, com tudo”.

– Mas e a Folha de S. Paulo? Calma!

O “Brasil quebrado” foi o crime viúva Porcina, aquela foi sem nunca ter sido. Tanto é que o chavão “Brasil quebrado” foi desmentido pelo impostor Michel Temer, em uma nota lançada para o mundo diante da ameaça de crise decorrente do Brexit (saída da Inglaterra da União Europeia).

A nota de Temer foi citada pela Presidenta Dilma Rousseff em entrevista para o Diário do Centro do Mundo (2). O Brasil não estava quebrado por ser macroeconomicamente robusto, além de contar com 380 bilhões de dólares de reserva. Não sofreu sequer, pressões como as feitas contra a Argentina.

Dilma ressalta que de tão robusto, o Brasil emprestou dinheiro para o Fundo Monetário Internacional (FMI). Aliás, no governo Lula (2009) o Brasil se tornou credor do FMI, e em 2012 (governo Dilma) houve um empréstimo de US$ 10 bilhões. Sem contar que “Nossa dívida era denominada em real”, afirma a Presidenta.

Desmascarando o mito, Dilma ressalta que além de sólido, o país tem um banco como BNDES, que chegou a ter mais fundos que o Banco Mundial. E por falar em BNDES nunca é demais lembrar que a propalada caixa preta desse banco nunca existiu e que, auditorias dos desgovernos Temer/Bozo nada encontraram de errado.

Com base naqueles dados citados por Dilma, a tensão mundial provocada pelo Brexit levou o então governo impostor Michel Temer a declarar à comunidade internacional que não tinha “Brasil quebrado”, mas sim robusto e que ainda iria melhorar pois medidas para a contenção de gastos já estavam previstas. Mas a Folha…

Sob o título de “A crise fabricada”, Maria Lucia Fattorelli – Auditora fiscal aposentada da Receita Federal, coordenadora da organização não governamental Auditoria Cidadã da Dívida, diz que até 2015, o Brasil acumulou um superávit primário de cerca de R$ 1 trilhão de reais. Leia-se, arrecadou mais do que gastou.

Sem guerra, sem peste, quebra de safra, nem quebra de bancos o país mergulhou numa crise sem precedentes. A crise iniciada em 2015 foi fabricada pela política monetária do Banco Central, que gerou a quebra de 5000 empresas, e causou uma perda de 1,6 milhão de empregos. Já os bancos tiveram lucro de quase 100 bilhões.

Antes que o leitor tire conclusões apressadas, lembro: o Banco Central do Brasil, desde 1997, é acionista do BIS, sigla do Banco de Compensações Internacionais, uma espécie de banco central dos bancos centrais do mundo, que fica na Suíça e dita regras para banco ficar mais rico. Dita regras e subordina os bancos centrais.

A crise fabricada foi a abertura de caminho ou a deixa para propostas hoje em voga, tais como privatizações, reformas trabalhistas, previdenciária, administrativa, plano mais Brasil para banqueiros, “legalização” da remuneração da sobra de caixa dos bancos. Fatorelli denuncia um esquemão para aumentar o lucro dos bancos.

O rombo das contas não é com os gastos com a população, mas sim decorrência de uma crise fabricada, que influenciou o golpe de 2016. Como cria a crise não tem solução para ela, surgem às turras medidas que estouram no bolso do trabalhador. Muito mais agora com a pandemia da Covid 19 – o novo pretexto.

Ah! Deu na Folha de S. Paulo o pibinho do Bozo.

Não só Folha. A grande mídia anunciou com estardalhaço que o PIB se recuperou e subiu 7,7% no terceiro trimestre de 2020. Para Alexandre Garcia, o sabujo da ditadura, esse número foi “sen-sa-ci-o-nall! ”. Mas, para o empresário Eduardo Moreira, além de abaixo do esperado (9%) é um resultado pífio.

Moreira dá dicas simples para ilustrar o “pibinho” do Bozo. Se você tinha algo que valia dez e caiu para dois, e depois esses dois sobem para quatro representa 100%. Se no segundo trimestre teve queda de 9,7%, quem cai -9,7 e sobe +7,7 fica com menos dois. Eis a festa do PIB que Alexandre Garcia achou “sen-sa-ci-o-nall! ”.

Entretanto, o Brasil ficou em 25º lugar no ranking global de desempenho do PIB com 51 países.

A crise fabricada foi alimentada pela grande mídia e a Folha de S. Paulo teve papel de destaque na demonização da Presidenta Dilma Rousseff. O jornalão dos Frias sabe muito da corrupção estrutural do país. Na fraude eleitoral de 2018 a Folha, que tem instituto de pesquisa, sabia quem subia quando ela batia no ex-presidente Lula.

A Folha sabia desde sempre quem era Bozo – o terrorista reformado pelo Exército. Na assembleia de bandidos presidida por um bandido, para afastar Dilma, Bozo fez apologia a um torturador que seviciava mãe na frente da filha, e cuja capivara mostra 500 casos de tortura e o desaparecimento de 60 pessoas.

Mas, o “Brasil quebrado” pela Dilma era mais importante para a Folha. Assim, tardiamente ela descobriu a falta de “limites a estupidez assassina do presidente… a irresponsabilidade delinquente… molecagem… ambição política” do Bozo, a quem ajudou eleger. Mas, a Folha arrependida não faz autocritica…

Armando Rodrigues Coelho Neto – jornalista, delegado aposentado da Policia Federal e ex-representante da Interpol em São Paulo.

  1. https://www.socialistamorena.com.br/em-um-ano-dilma-foi-inocentada-pelo-menos-cinco-vezes-das-acusacoes-do-impeachment/
  2. https://www.youtube.com/watch?v=aZPIVhfv0XQ
  3. https://www.youtube.com/watch?v=XEe_HqbklwM

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 comentários

  1. Post bom, traz muito do que eu já sabia e acrescenta alguma coisa que eu não sabia. Isso pra mim, uma pessoa que gosta de se informar em várias fontes e que tenho uma tendência de esquerda, no sentido de enxergar a necessidade da distribuição de renda. Mas não alcança quem realmente precisaria, quem pensa diferente de mim (ou de nós).
    Agora, só refletindo um pouco sobre o seguinte trecho:

    “A crise era a garantia de que Dilma cairia, e que o povo, vítima da ira fabricada por Globo, Folha, Estadão, Veja, Jovem Pan et caterva, ficaria quieto. E ficou.”

    Alguém acha que se por alguma intricada série de eventos inimagináveis fosse aberta a possibilidade da esquerda (entendendo este termo como progressismo, distribuição de renda, empoderamento dos humildes, desenvolvimento tecnológico sustentável) voltar ao poder em 2022, não fariam a mesma coisa novamente (modus operandis) e alcançariam o mesmo resultado? Alguma dúvida sobre isso?
    O que a esquerda fez ou faz para que a pauta de costumes (exacerbação do preconceito mesmo!) deixe de definir uma eleição? O medo da mamadeira de pi…oca, do comunismo, do gay pedófilo? Bater de frente contra isso, taxar de misógeno, “ele não”, demonizar termos do tipo “coisa preta”, bichona, etc. não adiantou absolutamente NADA! Conseguiram ao menos perceber isso? Que a sombra cresce quando se bate nela? Vão insistir num modus operandi que deu errado? Que não surtiu o efeito desejado de forçar o “opressor” a compreender que nada ganha com a “opressão”?

    Falta estratégia na esquerda e sobra na direita. Sempre apontam os inimigos mas não fazem nada para desmontar aquilo que torna o inimigo forte. E não é o poder econômico, este é consequência.
    Se tornaram um bando de saudosistas do lulismo, sem visão para se reinventarem para o futuro.
    O saudosismo, a revolta, a reclamação não constroem nada. É a estagnação que impede a construção de um novo rumo.

    • Chris, o #LULA não é passado é uma IDEIA que tende a reproduzir-se em qualquer lugar , circunstância , por isso não exite “saudosismo”, além do mais , quase toda a ESQUERDA existe e tornou-se atraente por conta do #LULA…

      “…Se tornaram um bando de saudosistas do lulismo, sem visão para se reinventarem para o futuro.”…
      PQ BANDO?! desconfio que sejas CIRISTA… , que expressão grosseira…

  2. Armando

    Como sempre, é um prazer a leitura de seus artigos nas manhãs de segunda-feira.

    Aproveito para incluir um complemento à sua frase final: a Folha arrependida, da boca para fora, não faz autocrítica.

  3. Texto excelente , sem retoques…

    Nunca estive tão convencida como agora de que o NOSSO ETERNO PRESIDENTE LULA E A NOSSA PRIMEIRA MULHER PRESIDENTA DESSE PAÍS, foram os únicos GOVERNANTES HONESTOS que esse PAÍS já teve …
    É BONITO , É EMOCIONANTE saber, ler, ouvir, etc que todas as MALDADES que fizeram com os dois , estão sendo d e s m a s c a r a d a s e, isso tb a nivel MUNDIAL… NO CASO DA PRESIDENTA DILMA está faltando ombridade do STF para reconhecer formalmente, juridicamente o GOLPE… PQ NÃO JULGAM o processo de defesa da mesma?!
    EITA vai faltar espaço nos PRESÍDIOS para muita gente…

    COMO É GRATIFICANTE DEFENDER ESSA CAUSA, IDÉIA…

    INTÉ O PRÓXIMO!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome