CORRUPÇÃO. Notas torpes sobre Lula, Moro, Deltan e um general, por Armando Coelho Neto

Como fariseus e saduceus, Moro e Dalagnol desembarcaram na política e têm como protetor um general moribundo que nem nacionalista é. Estão vendendo o Brasil na bacia das almas…

CORRUPÇÃO. Notas torpes sobre Lula, Moro, Deltan e um general

por Armando Rodrigues Coelho Neto

Moro, Deltan e um general* moribundo personagem de histórias em quadrinhos são três corruptos. Aliás, devo também ser corrupto. Quase nenhum de nós sobreviveria a uma sindicância mal feita. Pisamos na grama, furamos fila – um amigo “bondozo” ajudou. Deixamos de pedir nota fiscal, nos distraímos quanto ao troco errado… Infestados de pecadilhos, na escola fingimos não ver que alguém assinou a lista de frequência no lugar do colega. Aliás, vi um ministro do STF assinando no lugar de outro, durante uma banca de conclusão de curso. Ultrapassamos o sinal. Sob olhares de soslaio, de esguelha, fomos cúmplices omissos de violações éticas… E o mais grave: quando crianças, com a boca salivando, fomos omissos frente ao amiguinho dando lambidinha no bolo de aniversário…

Quero falar de rigidez de normas e valores, de sua relativização ao longo dos tempos. De como evoluímos da lambida do bolo à hipocrisia atual. Estão vivas as duas tabelas para médicos e dentistas: “Com recibo custa X, sem recibo é Y”. Paciente e médico entram num acordo para fraudar o fisco e nenhum dos dois tratam isso como crime. Têm como desculpa não pagar imposto, pois não vê contrapartida, seja em serviços seja de saúde, escola, saneamento. Na prática, eles não sabem como o cocô sai de suas casas, nem como a água chegou em suas descargas. Se não necessariamente as deles, das de milhões e milhões de pessoas nas localidades distantes, de onde sequer sai ou entra o serviço público.

Do mesmo modo, um comerciante que após adquirir um produto nele inclui impostos e despesas com funcionários e cobra do consumidor. Repassa o valor para clientes, não recolhe e se queixa aos quatro cantos do custo dos impostos. Tributos que pagam policiais, bombeiros, profissionais que recolhem o lixo, consertam as ruas bem ou mal iluminadas pelas quais chegam produtos e clientes. Quer eficiência nas chamadas para o 190, 191, 192, 193, mas na hora de pagar esse serviço em forma de tributo, apropria-se criminosamente do dinheiro público. Gente que alardeia não roubar um tostão de ninguém, mas não dá um centavo para a viúva (Estado), ainda que por vezes lese os dois.

Leia também:  Terrorismo, Bozo, Lula e um sentimento de haver perdido nada, por Armando Coelho Neto

Esse mesmo contingente social consegue poupar para pagar as melhores escolas privadas, cujos recibos são utilizados para dedução do imposto de renda. Depois, vai para as universidades públicas, por ele sabotadas com a sonegação de impostos. Eis a mesma classe que se encanta com discursos de menos impostos. Por terem perdido a noção civilizatória de Estado, contraditoriamente querem menos Estado na hora do Leão e mais Estado quando a violência bate a própria porta. Donos de imóveis, “na hora de vender valem milhões, mas na hora do imposto vale vintém” (Obrigado Lula!). Classe que não se sente pobre e vive como Kika Jordão, sonhando com “as portas douradas da sociedade”, que só mesmo Laís Souto Maia podem abrir, ambas personagens de uma novela da TV Globo.

Nesse contexto, diz a imprensa, Moro “esqueceu” de informar ao imposto de renda, valores de palestras. Até hoje não explicou muito bem o esquema de venda de delações premiadas por advogado próximo ao seu círculo de amizade. Não explicou o submundo revelado pelo The Intercept, já que não convenceu sequer o deputado pornô Alexandre Frota. De outro giro, o The Intercept diz que Deltan tentou burlar o MPF e o fisco criando uma empresa em nome da esposa. Deltan teria adquirido (para investir) imóvel destinado a pessoas de baixa renda do programa Minha Casa Minha Vida. Ele e não só ele, chafurdam em busca de dinheiro publicando livros, palestras – muitas vezes utilizando telefones e computadores públicos para fins particulares.

Leia também:  O genocídio do social, por Rogério Mattos

Bons tempos em que “roubar pouquinho era coisa de petista pra não dá na vista”.

Nesse contexto social brasileiro, os bastidores da política sempre foram conhecidos. Vovó já dizia que “político é como feijão. Quando mergulhado na água, só podres sobem”. Desse modo, criaram a referência de que todos são iguais, todos são bandidos e por tal motivo, Moro, Deltan e a Farsa Jato quiseram substituir a política, para implantar um “O Estado sou eu”, com base em sua cultura, religião, preconceitos e visão de mundo em sua fase pós-cueiro, pós-videogame. De qualquer modo, viciados pela ideia da lambida do bolo e das consultas com e sem recibo.

Como fariseus e saduceus, Moro e Dalagnol desembarcaram na política e têm como protetor um general moribundo que nem nacionalista é. Estão vendendo o Brasil na bacia das almas… E na Base de Alcântara, brasileiro não entra. Como eles são referências do mundo, não existem pessoas como Nelson Mandela, menos ainda como Lula, mesmo que este em algum momento da vida tenha lambido o bolo numa festa pobre. Moro esteve próximo da política desde os tempos do Banestado, do mesmo modo que o “presidente Bozo” vivia a dizer que ninguém governa “sem dar carne aos leões”. Deltan sabe que para fazer política precisa de dinheiro, tanto que deu nó cego para ter uma fundaçãozinha de bilhões para garantir projetos obscuros.

Abraham Lincoln lambeu o bolo. Comprou votos para acabar com uma guerra e garantir direitos aos negros. Num parlamento, votos se ganha, se conquista, se troca. Até se vende! Faz parte, ironicamente, do instrumentalismo das composições democráticas, tão viciadas quanto a própria democracia. É possível pois, que numa composição política, governos tropecem. Ricardo Semler, empresário tucano, chocou o farisaísmo da elite do atraso, quando disse que nunca se roubou tão pouco no país. Posso deduzir: num governo que mais construiu mais gente ganhou comissão.

Leia também:  Juntando as peças do dia 14/03/2018 na vida de Bolsonaro, por Luis Nassif

Tudo tão familiar quanto a cultura do general moribundo e entreguista quanto a lambida no bolo. Mas, tem coisas que chocam os olhos do povo, como a dinheirama sobre a mesa de Roseana Sarney. Não dava sequer para eleger um vereador no Maranhão, mas aos olhos do povo… Eis que um triplex e um sítio, sem prova, prova discutível ou adulterada podem convencer o povo de que Lula é ladrão.

Retrato máximo do fariseimos, sei que o triplex e o sítio juntos, os quais Moro, Dallagnol e a rede Globo querem dar a Lula na marra, não dariam para comprar o Templo de Salomão,  nem o apartamento de FHC em Paris, nem a mansão ilegal dos Marinho em terras sob proteção ambiental. Mas…

Estou preso à ideia fixa de que Moro, Deltan e o general moribundo são corruptos por “ato de ofício indeterminado”. Não sei dizer o ato de ofício, nem determinar o modo que condenaram Lula. Não tenho PowerPoint para exibir em cadeia nacional de televisão. Tenho convicções calcadas na ideia de que corrupção por dinheiro é conceito capital. Há corruptos por ideias, prestígio, dinheiro, virar ministro do STF, ganhar cargos, estar bem com Trump. Corromper e quebrar um país para combater a corrupção não soa mais leve do que pretensamente se corromper para acabar com fome, garantir trabalho, emprego, futuro, justiça social.

Eis minhas notas torpes, escritas depois de ler os apelativos laudos da PF sobre o Sítio de Atibaia.

*General Zod

Armando Rodrigues Coelho Neto – jornalista, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-representante da Interpol em São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Votei na Dilma, nas duas eleições. Mas não entendo porque no início do segundo mandato, e já dispondo dos sinais de um golpe, não convidou Lula para a Casa Civil e Armando Coelho para o ministério da Justiça.
    Talvez por achar que bastaria sua reconhecida posição de incorruptível Dilma acreditava ser intocável, esquecendo que vivemos num pais de canalhas, de vendilhões e lesas-patrias ou, como muito bem descrito no artigo de Coelho, de “corruptos por ideias, prestígio, dinheiro, virar ministro do STF, ganhar cargos, estar bem com Trump”.
    Houvesse Dilma mais que convidado, CONVOCADO, Lula e Coelho, certamente não estariamos neste esgoto putrido, com nossos direitos roubados, com o nosso ambiente agredido, nossas praias poluídas e próximo de uma convulsão social instigada por seres que tangenciam, se já não cortam, a senilidade.

    24
    1
    • CARO amigo Carlos Elisio, concordo com VC, porém há tempo para tudo, então não perdi a esperança de ver o Armando Rodrigues Coelho Neto compondo o próximo Governo do #LULA e, ou da ESQUERDA !? EU CREIO!

      Esse texto do Armando está irretocável, fez além do mais uma excelente análise da formação do CARÁTER DO SER HUMANO…
      Parabéns ARMANDO pelo seu realismo e competência de conhecimentos. Beijos!

  2. Nós, brasileiros, acreditamos em almoço grátis assim como em salvador da pátria. Não sei de onde tiramos essas ilusões, pois somos um povo tupiniquim, não temos histórias próprias de cavaleiros em armaduras que, com sua espada, decepam as cabeças dos maus, dos impuros. O mundo é uma máquina de corrupção e nós acreditamos que cavaleiros do MPF e da Justiça de primeira instância irão vir para nos salvar das garras desse mal entranhado na civilização. Somos ingênuos como os índios que aqui viveram no século XVI. Muito bom texto Sr. Armando.

    19
    1
  3. Precisa ver se, como lembrou o Nassif em um vídeo, é o general mesmo quem tuita, visto sua doença degenerativa, ou ele tem algum “carluxo” na família que usa a sua conta pessoal do general. E isto é bastante mais grave.

    19
  4. Faça o que o Deltan e o Moro dizem, não o que eles fazem. Não crie empresa de fachada em nome de sua esposa para lucrar. Taokey?

    5
    1
  5. Nassif: sei não, mas pra mim esse Armandinho é Kummunista. Falar do GogoboyAvivado e do meliante TogaSuja, tudo bem. São bandidos de carteirinha. Mas trazer pra quadrilha um “generalíssimo” da QuerênciaDeCruzAlta (que não existe sozinho no contexto) é um abuso sem tamanho ou precedente. Tudo bem os VerdeSauvas votam ódio visceral ao SapoBardudo e sua patota. Tem deles que preferem mais cheiro de estrume que de Povo. Mas isso não é novidade no histórico da tropa. Alguns sentem saudades do tempo daquela Guerra, quando o abate de mulheres e crianças era coisa corriqueira. Recentemente tiveram aulas no exterior. Mas Armandinho não tinha o direito de lembrar (indiretamente) disso. O cara tem mais estrelas no ombro que toda Constelação de Antares. Alem do mais o grupo é de serviçais prestativos, segundo certo governo que não o de Pindorama. Guardam, para estes, com unhas e dentes, solo, subsolo e a BaseDeAlcântara. Quer mais o quê? Esqueça essa de “patriotismo”. Bão mesmo são amigos no poder, patrões bem servidos e parentes “alocados” em lugares prazeirosos. O resto é churumela de arruaceiros de esquerda, que não puderam visistar Cuba…

    E como sou seu amigo, recomendo que tome um banho com sal grosso e arruda de Angola e se afaste de Armandinho. Que logologo ele vai pra IlhaGrande…

  6. “Tanto da esquerda quanto da direita parece haver ataques às instituições. O PT, fora do poder, está fazendo isso mais retoricamente. Bolsonaro está fazendo isso institucionalmente.”
    Matthew Stephenson, 45, professor de direito na Universidade Harvard (EUA), editor-chefe do The Global Anticorruption Blog e doutor em ciência política (Harvard)
    https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/10/a-lava-jato-nao-e-so-a-operacao-mas-um-estado-de-espirito-diz-professor-de-harvard.shtml

  7. Mas eis que começa a pegar fogo na América Latina. Ainda não nos tornamos um bando de baratas tontas, ainda tem dos nossos que têm sangue nas veias e que lembram que as veias da América Latina estão abertas.
    Jean-Jacques Kourliandsky esta indo para o Japão esta semana com Jacques Atali (aquele que foi assessor de Mitterand e do qual saiu o fime Le promeneur du Champs de Mars) onde deve discorrer sobre a América Latina. Disse a ele ontem que agora se tem um panamora imprevisivel, apesar de que acho que do Brasil a gente sabe que não vem nada mesmo (umas batidinhas de panelas nas varandas gourmets), agora do Chile… e se os Argentinos forem para as ruas também, quem sabe colocamos fogo no Continenente!

  8. O exército que ai está ,serve para a direita e para os EUA, para o povo e para as esquerdas, não serve.
    O STF, entre outros, serviu para o golpe, mas para a esquerda e para a direita, não tem utilidade.
    A grande mídia, que serviu para o golpe, não serve para a direita e nem para a esquerda.

    • CARO amigo Carlos Elisio, concordo com VC, porém há tempo para tudo, então não perdi a esperança de ver o Armando Rodrigues Coelho Neto compondo o próximo Governo do #LULA e, ou da ESQUERDA !? EU CREIO!

      Esse texto do Armando está irretocável, fez além do mais uma excelente análise da formação do CARÁTER DO SER HUMANO…
      Parabéns ARMANDO pelo seu realismo e competência de conhecimentos. Beijos!

      .Jcordeiro eu penso que o ARMANDINHO É KUMMUNISTA, mas Ele não vai para a ILHA GRANDE, a verdade está do nosso lado!
      Agora o GENERAL MORIBUNDO tem logo que marcar audiência com o CARA LÁ DE CIMA , para negociar a sua Lei do Retorno… ou vai tb querer estacionar os TANQUES LÁ? Não creio!

      EI JOSÉ ADAILTON vai … kkkk

      Maria Luiza , eu creio que isso é um processo e não vamos mais aguentar 2 anos …

  9. Gostei da sinceridade e clareza da matéria. Isso mesmo!
    Muitos brigam,mas não se assume ou não encara a realidade cultural e parasitária .
    O que é mais assustador é ver o cenário atual de tanta hipocrisia e mais que nunca, prevalecendo a impunidade para aqueles de Costa larga e respaldado pela justiça fantasiosa.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome