Evangélicos X Esquerda (Os demônios descem do Norte), por Armando Coelho Neto

Em ‘Os demônios descem do norte’, Delcio Monteiro de Lima enfatiza o papel do fundamentalismo religioso, não apenas em áreas indígenas, mas também e sobretudo em áreas carentes.

Evangélicos X Esquerda (Os demônios descem do Norte)

por Armando Rodrigues Coelho Neto

Os templos evangélicos nas periferias, favelas e rincões do país afora, por serem tantos, já concorrem com botequins. Exageros à parte, devido à acidez desse texto contra o lado podre religioso, é imprescindível preservar a imagem de missionários bem intencionados. Destacar o papel na reinserção social de presos e dependentes químicos ou mesmo lembrá-los controvertidos “prontos socorros de Jesus” – abertos durante a madrugada para acolher desesperados. Quem acolheria psicológica e espiritualmente essa gente naquelas circunstâncias? Ressalva feita…

Jogo sujo. Em 17 de dezembro de 2016 conversei com uma pessoa muito próxima ao tucanato. Lembro da data por ser festa de aniversário de minha formatura em Direito. Lá pras tantas, a conversa resvalou para a política e meu interlocutor disse: “Não temos a menor preocupação com Lula. Esse, a gente tira de cena na hora que a gente quiser. Nossa preocupação é a união em curso entre Bozo e os evangélicos”. O tucano não usou a palavra Bozo. Mas minha mãe me ensinou a não tratar satanás pelo nome para não atrair maus fluidos.

A temida união aconteceu. Bozo era, e é, o candidato do golpe, mas a mídia entreguista pensou que ridicularizando o Coiso e demonizando Lula elegeria um tucano. Mas, na eleição fraudulenta (não necessariamente por contagem de votos, mas no processo em si), Bozo sagrou-se vitorioso. Sobre isso, publiquei neste GGN o papel dos evangélicos, lembrando que o IBGE projetou para 2018 um total de 38,6 milhões de eleitores evangélicos. Já a pesquisa do Datafolha atestou ou sugeriu que certamente metade dos evangélicos votaria no Bozo. Ou seja, mais de 19 milhões de votos.

Leia também:  A responsabilidade penal de governadores por crimes praticados pela polícia, por Antônio Martins

Abertas as urnas, com apoio dos evangélicos, o Coiso “venceu” formalmente Haddad por 11 milhões de votos.

Volto ao assunto por ter em mãos a obra ‘Os Demônios Descem do Norte’, escrito por Decio Monteiro de Lima (Livraria Francisco Alves Editora S\A, 1991), que já à época trazia preocupante informação. “Só em São Paulo existe um prédio, o mesmo que abriga o Missionary Information Bureau… quase inteiramente ocupado por sede de organizações americanas que se dedicam a …ampla ofensiva político-partidária”. O Brasil já contava naqueles tempos com 59 grupos transconfessionais dos Estados Unidos. Ele cita grupos nacionais com o equivalente americano.

A obra detalhista revela que “Todas as transconfessionais americanas estabelecidas no Brasil adotam a mesma estratégia marcada por assistencialismo, proselitismo de viés conservador, sentimento anticomunista, tendo os Estados Unidos como maior referência. As populações mais carentes são os alvos, e sequer as comunidades indígenas escapam. Com dados da época, revela que, pelo menos, 25 agências religiosas protestantes se dedicavam à conversão de índios. O movimento religioso teria ou tem por trás não apenas grandes empresas internacionais, mas também agências de espionagem.

No caso da população indígena a meta essencial seria introjetar valores inerentes ao ‘american way of life’, com reflexos “conturbadores da ordem tribal”. Pelo menos na área indígena, uma organização religiosa fundamentalista de nome “Instituto Linguístico Verão” teve papel importante. Segundo o autor, tal entidade com sede na Califória (EUA) teve problemas com os governos do Peru, México, Colômbia e Venezuela entre outros, acusada de adulterar textos bíblicos para facilitar a dominação ideológica e econômica, bem como de cooperar com militares na repressão às guerrilhas naqueles países.

Leia também:  “Alinhamento com EUA afeta a credibilidade do Brasil”, diz ex-vice do Banco dos Brics

O Instituto Verão teria experiência na tradução da Bíblia para centenas de línguas e dialetos, em mais de 40 países, desde 1934. Com base em Brasília, contando com uma frota de aviões e missionários profissionais no Brasil, é fácil o deslocamento até para áreas remotas. Para o autor, a presença de biólogos, geólogos, engenheiros, topógrafos e outros técnicos em áreas indígenas sugerem interesses estranhos, numa área rica fonteiriça com Colômbia, Venezuela… Parte das terras, diz o autor, já compradas por multinacionais.

Em ‘Os demônios descem do norte’, Delcio Monteiro de Lima enfatiza o papel do fundamentalismo religioso, não apenas em áreas indígenas, mas também e sobretudo em áreas carentes. Com foco na política e na economia, grupos evangélicos teriam financiamento externo, capazes de manter unidades educacionais primárias, secundárias, superiores, além de editoras de livros, jornais. Com capital de grande porte, controla hospitais, clínicas, mantém lanchas, aviões… Como contribuição pessoal, ouso registrar a presença dos evangélicos em rádios e televisões, inclusive comunitárias, além daquelas que a PF chama de “piratas”.

O autor ressalva o papel dos missionários íntegros, mas repudia grupos fundamentalistas vindos dos Estados Unidos que confundem cristianismo com americanismo, muitos dos quais sem que se saiba quem os financia. E aqui, tomo a liberdade de falar dos templos faraônicos, em cujos topos posam helicópteros, e engravatados já foram vistos saindo com malas que se presumem conter dinheiro.

O teor da obra provoca revolta, espanta pessimistas, mas abre caminho para realistas. De há muito interesses estranhos infiltrados em missões religiosas se consolidam no país. Há um casamento entre o governo do golpe e os geólogos e biólogos em solos que escondem de ouro a nióbio. É como se tivesse chegado a hora de recuperar o investimento feito. A obsessão do Bozo em entregar o Brasil soa como amarração de pontas. E o beijo na bandeira americana pode ter sido o sinal de que efetivamente os demônios descem do Norte.

Leia também:  Brasil tenta incluir censura a Cuba em documento oficial do Grupo de Lima

O pleito eleitoral do ano passado deixa claro o desafio da esquerda satanizada na batalha eleitoral. A direita sempre deteve o capital, as armas, controle ideológico das instituições. Se tem a grande mídia e um contingente religioso absolutamente manipulável, por que estaria a perder eleições?

O sentimento antipetista está consolidado, e nem as revelações do The Intercept são capazes de abalar o curso das coisas, a escalada fascista. O destino político do Brasil pode depender de um percentual de evangélicos que é voto de cabresto. Nessa condição de fiel da balança, está claro o desafio dos partidos de esquerda. Para a esquerda está um pouco tarde, mas talvez ainda valha a pena começar criando prontos socorros de Jesus, ou quem sabe…

Armando Rodrigues Coelho Neto – advogado e jornalista, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-integrante da Interpol em São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Aqui vai uma pequena, mas importante observação. As Igrejas “TRADICIONAIS” são as MAIORES formadoras de opinião no meio evangélico. Elas também têm maior aproximação e poder de persuasão junto aos não “crentes” do que as neopentecostais. Tenho visto com muita preocupação o fato de estarem desconsiderando as mesmas. Os Demônios do Norte as usam com grande eficácia.

    11
  2. O Lula não deixaria os evangélicos bandearem para seu adversário. Mas a Dilma, Mercadante e Zé Cardoso…

  3. – NÃO é exagero, aqui na periferia tem mais igreja pentecostal (que NÃO tem nada a ver com CRISTO) do que pares e padarias.
    -IGREJA no BRASIL, desde Edir, ´é sinônimo de CRIME ORGANIZADO, roubo, trafico, ESQUENTAMENTO DE GRANA advinda do crime e da sonegação
    – o sentimento antipetista vem muito antes de BOZO, e é representado por 1/3 de brasileiros que sempre foram conservadores ..os mesmo que sempre estiveram com ARENA, PDS, PFL, DEMO e afins.
    – em verdade os DEMOCRATAS precisam focar em esclarecer os 30% que estão neutros (mornos) ..principalmente os JOVENS que não viveram o tempo de LULA e que hoje representam um eleitorado abaixo dos 30 anos de idade ..jovens que vivem nos tempos do leitinho com pera, uma geração que incoscientemente acredita que qq problema se resolve com um reset ou restart

  4. Outra ótima indicação de leitura aqui no GGN. Pois é. E enquanto isso os partidos e representantes que deveriam ser a voz dos progressistas e do progresso propriamente, dedicam mais espaço à munição que é usada pelos pseudo evangélicos e ignorantes de forma geral do que aos pobres e mazelas do Brasil. Veja o espaço dedicado ao homossexualismo (só para citar um exemplo) na mídia do que soluções (que existem e tem autores) ao país.

  5. Enquanto não houver uma regulamentação séria, uma verdadeira separação entre Estado e religião, vão nos prometer o paraíso, mas trarão o inferno……..

  6. Aff esse texto está realista demais para quem vive buscando um fio de esperança em tudo que vem acontecendo… tá difícil…

  7. Excelente. Todavia, o título seria, para maior exatidão: “Evangélicos” x Esquerda evangélica (porque existe a esquerda não cristã). Existem “evangélicos” e evangélicos. Essas seitas pentecostais do “evangelho” do dízimo, da “teologia” da prosperidade nada têm de evangélicas. Simplesmente porque não seguem os Evangelhos. Como podem ser evangélicas, sem serem cristãs? Como podem se dizer cristãs, pregando o egoísmo, o preconceito contra quem pensa diferente, a violência (armamento), o capitalismo desvairado e, portanto, sem amor ao próximo etc? Elas aproveitaram, na América Latina, especialmente no Brasil, o vácuo consequente da “falência” da quase totalidade da Comunidades Eclesiais de Base católicas, vítimas da perseguição anti-evangélica da extrema direita da Igreja Católica, promovida no pontificado de João Paulo II. Influência nefasta que o Papa Francisco tem tido enorme trabalho em amenizar.

  8. Finalmente alguém têm a coragem de fazer a vinculação entre as seitas evangélicas e os interesses e as agências americanas.

  9. As Sociedades Amigos de Bairros SABs Minguaram.
    As Comunidades Eclesiásticas desapareceram.
    Ambas ajudavam na organização do povo.
    Foram substituídas pelas Igrejas Evangélicas, Protestantes etc etc
    O prejuízo é visível.
    Entre outras coisas, é claro.

  10. Embora seja compreensível a indignação do articulista, é, no mínimo, curiosa a sua crença de que a religião, qualquer que seja, em qualquer lugar ou a qualquer tempo, não seja a principal responsável e interessada no poder absoluto e no controle das mentes e dos bens das pessoas.
    Ainda que sob alguns regimes e em determinado tempo a religião conhecida desapareça formalmente, o poder sobre os homens sempre estará associado a alguma divindade.
    Só seremos livres quando pudermos pensar além da religião.

    • Não se deve confundir “religião” com Deus. Em razão do enorme número de religiões muitas pessoas adentram pelo caminho de negar a existência de Deus. De Deus todos são dependentes. Cem por cento dependentes.

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome