Ex-Secretário da cultura e Ministro da educação: “homo cinicum ignorantia”, por Djefferson Amadeus

Em toda história, carxs leitoras e leitores, não sei se haverá um fato cujo cinismo e ignorância tenham aparecido tão manifestamente

Ex-Secretário da cultura e Ministro da educação: “homo cinicum ignorantia”

por Djefferson Amadeus

“Finge-se que não se está fingindo que está fingindo.” A frase é de Ronald Laing, psiquiatra inglês. Mas parece resumir muito bem algumas das falas do ex- secretário da cultura, Roberto Alvim, e do atual Ministro da Educação, Abraham Weintraub. Suas falas têm estabelecido um novo marco: o homo cinicum ignorantia – expressão por mim inventada..

Trata-se, em suma, do cinismo e a ignorância elevados ao patamar de princípio.

Daí a principal característica do homo cinicum ignorantia é o poder de paralisia no interlocutor, afinal, como disse muito bem a filósofa Márcia Tiburi: “o cinismo é um jogo de poder na forma de uma camisa de força que o cínico coloca no cidadão comum, para usar outra metáfora; o cinismo é um verdadeiro escudo contra perguntas.”[1]

É o que qualquer um, com o mínimo de conhecimento da história, sentiu ao deparar-se com o vídeo em que o Secretário de Cultura parafraseia o nazista Joseph Goebbels. Paralisados e paralisadas – assim todos e todas ficamos.

Mas, mais paralisados ainda, ficamos com a sua resposta logo após a divulgação do vídeo: nenhuma vergonha, pedido de desculpas, nada! Em suas palavras: “Foi, como eu disse, uma coincidência retórica.”[2]

Depois, mais tarde, tentou amenizar: – Não havia nenhuma menção ao nazismo na frase, e eu não sabia a origem dela.[3] E ainda culpou os assessores: “O discurso foi escrito a partir de várias ideias ligadas à arte nacionalista, que me foram trazidas por assessores”, escreveu, em um post no seu perfil do Facebook.[4]

Em toda história, carxs leitoras e leitores, não sei se haverá um fato cujo cinismo e ignorância tenham aparecido tão manifestamente, mormente se levarmos em consideração o lugar da fala: secretário de cul…tura (difícil pronunciar a palavra cultura diante de tamanha atrocidade).

Leia também:  Bolsonaro tenta criar base no Congresso com nomeação da diretoria do FNDE ao PL

Mas não parou por aí, dado que o pior (ou tão ruim quanto) veio depois, quando, percebendo que não poderia culpar os assessores, resolveu isentá-los da culpa, atribuindo-a, desta vez, a “uma ação satânica”.

Isso mesmo: Satanás (não sei se o cachorro da Dona Clotilde ou o Diabo) foi o culpado do seu erro, conforme se vê de sua fala: “Estou orando sem parar, e começo a desconfiar não de uma ação humana, mas de uma ação satânica em toda essa horrível história”, escreveu.[5]

Daí restam duas opções: concordar com Olavo de Carvalho, de que “Roberto Alvim não está muito bem da cabeça”[6] ou admitir que se trata de uma manifestação do homo cinicum ignorantia.

Na impossibilidade de concordar com Olavo de Carvalho, resta-nos somente reconhecer que é disso mesmo que se trata: cinismo e ignorância – uma marca deste momento, como se percebe, por exemplo, na fala sobre o Enem que, “depois de ter tido contratação da gráfica sem licitação, erros de correções, vazamento de uma das páginas do primeiro dia de prova”,[7] foi avaliado pelo Ministro da Educação como o “melhor Enem de todos os tempos”.[8]

Impossível não lembrar, depois destas falas, do grande (porque muito alto) jornalista Boris Casoy e, também, Rubens Ricupero. Lembra-nos Galeano que Rubens Ricupero, então Ministro da Fazenda, enquanto esperava que se ajustassem as luzes e os microfones, fez uma confissão ao jornalista: “Eu não tenho escrúpulos”. E concluiu: “Depois das eleições, vamos botar a polícia contra os grevistas”. O que ele não espera é que houve uma falha. E a conversa veio à tona. Assim, uma vez só e por causa de um erro, como bem lembra Galeano, os brasileiros ouviram a verdade.[9]

Boris Casoy, por sua vez, enquanto era exibida vinheta de dois garis desejando boas festas de fim de ano, externou, aos risos, o seguinte: “Que merda! Dois lixeiros desejando felicidades do alto de suas vassouras… Dois lixeiros… O mais baixo da escala de trabalho!”. Assim como Rubens Ricupero, o infeliz comentário de Boris Casoy só veio à tona por conta de um problema técnico.

Leia também:  O 13 de maio e as políticas de morte: o direito à cidade e a luta antirracista, por Gabriela Leandro Pereira

A diferença, porém, é que, enquanto os atos de Borys Casoy e Rubens Ricupero vieram a público por erros técnicos, as falas mencionadas do ex-Secretário da Cultura e do atual Ministro da Educação não vieram a público por nenhum erro técnico, mas intencionalmente, sem nenhuma vergonha e justificadas com cinismo e ignorância.

Djefferson Amadeus é mestre em hermenêutica filosófica e processo penal (Unesa-RJ), pós graduado em filosofia pela PUC-RJ, pós graduado em processo pena pela ABDCONST-RJ e membro da FEJUNN-RJ – Frente de Juristas Negras e Negros do Rio de Janeiro

 

[1] https://revistacult.uol.com.br/home/a-republica-do-cinismo/

[2] https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/01/17/coincidencia-retorica-diz-secretario-de-cultura-sobre-discurso-semelhante-ao-de-ministro-de-hitler.ghtml

[3] https://www.huffpostbrasil.com/entry/roberto-alvim-demissao_br_5e21d506c5b632117612b9d4?guccounter=1&guce_referrer=aHR0cHM6Ly93d3cuZ29vZ2xlLmNvbS5ici8&guce_referrer_sig=AQAAAFi3xL4ET96zqPHjym99HtPujwdciKNtjHEYIZU-WIwigouxoFCXhkzAX11kKCeeD6NduKPj0eUe0iNIwB1sfsG0btYXGZsrgnHdgg5uVaQIjR6kFLBfRVHKga22WDOqo2rBERpe2ZDOAvlnDui2TCYtEv4oKKXMszUBFN_5gNFp

[4] https://www.huffpostbrasil.com/entry/roberto-alvim-demissao_br_5e21d506c5b632117612b9d4?guccounter=1&guce_referrer=aHR0cHM6Ly93d3cuZ29vZ2xlLmNvbS5ici8&guce_referrer_sig=AQAAAFi3xL4ET96zqPHjym99HtPujwdciKNtjHEYIZU-WIwigouxoFCXhkzAX11kKCeeD6NduKPj0eUe0iNIwB1sfsG0btYXGZsrgnHdgg5uVaQIjR6kFLBfRVHKga22WDOqo2rBERpe2ZDOAvlnDui2TCYtEv4oKKXMszUBFN_5gNFp

[5] https://exame.abril.com.br/brasil/roberto-alvim-diz-desconfiar-de-acao-satanica-em-sua-demissao/

[6] https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2020/01/roberto-alvim-talvez-nao-esteja-muito-bem-da-cabeca-diz-olavo-de-carvalho.shtml

[7] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2020/01/20/grafica-sem-licitacao-notas-erradas-por-que-enem-nao-foi-o-melhor-da-historia-como-diz-weintraub.htm

[8] https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2020/01/20/grafica-sem-licitacao-notas-erradas-por-que-enem-nao-foi-o-melhor-da-historia-como-diz-weintraub.htm

[9] GALEANO, Eduardo. De Pernas pro ar. A escola do mundo ao avesso. Porto Alegre, L&PM, 1999, p. 157.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Olavo de Carvalho diz que ensina a seus alunos que todos precisam saber de o de vem suas ideias …
    Até trabalho de 2° grau tem de ter bibliografia.
    Mas este assunto já deu , quero ver dona Regina , tenho medo. Rsrs

    • Disseste-o bem: Olavo de Carvalho diz que ensina e o seus alunos acham que aprendem.
      Olavo, seus “ensinamentos” e seus “alumnos” constituem, sem dúvida, um grupo temerário.

  2. O fato de o Weintraub e o Moro assassinarem o português é desculpa pra você assassinar a mãe do português, que é o latim? Homo é substantivo masculino e o adjetivo (acredito que você tenha querido dizer cynicum) está na forma neutra. Também deveria ter uma ligação entre “homo cynicus” e “ignorantia”. Não dá pra saber o que você quis dizer: hominis cynici ignorantia (“a ignorância do homem cínico”); homo cynicae ignorantiae (“homem de cínica ignorância”); hominis cynica ignorantia (“a cínica ignorância do homem”).

    • Márcio, arrogando-me no direito de resposta do articulista devo agradecer pelas lições de latim e, ao tempo, entender a oportuna e “incorreta” locução latina que titula a matéria.
      Expressão inventada, segundo o articulista, ““homo cinicum ignorantia”, ao final das contas vem significar homem cínico e ignorante, para que não se fuja à verdade dos fatos.
      O latim, foi para combinar com o espírito da matéria, a saber: a ignorância dos nossos novos governantes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome