FHC é a prova maior do subdesenvolvimento político nacional, por Luis Nassif

Fernando Henrique Cardoso talvez seja a expressão máxima da mediocridade do pensamento político nacional.

Assumiu a presidência devido à simpatia pessoal que lhe era devotada pelo então presidente Itamar Franco. O Plano Real caiu no seu colo. Produziu desastres de monta no seu período na presidência. Mas, quando saiu, houve um trabalho diuturno da mídia para uma releitura do seu governo que permitisse ser o contraponto do governo Lula.

No seu governo, limitou-se a entregar a gestão da política monetária e cambial ao mercado, sem jamais ter conseguido desenvolver uma proposta para o país, uma visão original ou não. Produziu a maior dívida pública da história, sem contrapartida de ativos, liquidou com algumas vantagens comparativas nacionais, como o custo da energia elétrica, abandonou qualquer veleidade de política social em larga escala, abriu mão da coordenação dos cursos superiores.

Logo após sua saída, fiz uma longa entrevista com ele para meu livro “Os Cabeças de Planilha”, para saber o que pensava sobre diversos aspectos da vida nacional: política de inovação, Pequenas e Médias Empresas, diplomacia comercial, políticas industriais, políticas regionais. Não sabia literalmente nada. Quando indaguei qual o seu projeto para o país, sua resposta foi de um primarismo assustador:

  • Fortalecer os grupos mais internacionalizados (leia-se, bancos e fundos de investimento) e eles, crescendo, conduzirão o país para a modernização.

Agora, publicou um livro com o que áulicos denominam de seu pensamento vivo. O tal pensamento vivo nada mais é do que uma compilação dos princípios originais, que supunha-se guiariam o PSDB, acrescido do componente moral. Pior: foi saudado por alguns analistas como uma revolução no pensamento político nacional.

O que ele propõe é o meio-termo entre o mercadismo desregrado e a estatização desvairada, com as bandeiras recentes do moralismo. Nada além do que o PSDB pregava no seu início.

Eram princípios que tinham como formuladores, na prática e na teoria, Franco Montoro, Mário Covas, Luiz Carlos Bresser Pereira, um conjunto de intelectuais da USP que  ou morreram ou debandaram quando, por falta de uso, as ideias emboloraram e foram substituídas pelo discurso de ódio anti-PT e pela superficialidade de FHC.

Jamais saíram do discurso. A ideia de que a privatização tinha que obedecer à análise de cada setor, dentro da lógica de interesse nacional, foi substituída pelo negocismo mais explícito.

Quanto ao moralismo, ora o moralismo.

Tenho dúvidas sobre o apartamento de Paris, se é dele ou dos herdeiros de Abreu Sodré. Mas o apartamento que comprou na rua Rio de Janeiro, em Higienópolis, vizinho de onde eu morava, valia três vezes mais do que o preço que diz ter pago. Sei disso por moradores do próprio edifício. E foi adquirido de um banqueiro ligado aos fundos partidários do PSDB. E FHC se vê em condições morais de atacar o tal triplex de Lula, cuja propriedade jamais foi comprovada.

FHC sempre foi o pândego, o malaca, sem nenhum compromisso de país ou de partido, ou com as ideias. Assim como seu filhote, José Serra, sempre foi um utilitarista de slogans e de uma pretensa formação acadêmica. A propósito, até hoje não foi divulgada a suposta tese de doutorado de Serra nos EUA.

FHC foi guindado pela mídia à condição de estátua equestre, dessas que se coloca em praça pública para celebrar uma lenda que só cresce quando não abre a boca.

Sua figura pública não se distingue apenas pela falta de propostas, mas pela falta de atributos mínimos de caráter, lealdade, generosidade, coragem. Quando explodiu a crise de governabilidade, com o mensalão, todos os ex-presidentes vieram a público exprimir sua responsabilidade de ex-presidente: Sarney, Collor, Itamar. Menos FHC.

Sua vaidade vazia, sua falta de compromisso com as palavras, a superficialidade de suas ideias, é a maior mostra do subdesenvolvimento brasileiro. A tentativa de colocá-lo como contraponto a Lula, a prova maior da inviabilidade de um certo tipo de pensamento de direita.

 

59 comentários

  1. O meu resumo sobre FHC: One

    O meu resumo sobre FHC: One little piece of shit.

    É tudo o que eu preciso dizer sobre essa pessoa.

  2. “O Brasil do Possivel”

    Para não ficar muito pavãzão, FHC às vezes se sai com comentarios sobre si mesmo e o pais que, a priori, parecem simpaticos, mas analisando com cuidado esses comentarios assaz jocosos, ele sempre demonstrou sua enorme falta de amor proprio, quem sabe la no fundo baixa-estima e o mesmo para com o Brasil. Por isso essa sua frase que resultou no livro O Brasil do Possivel, como se o que ele fez durante seu governo fosse o “possivel” de ser feito. Tese que caiu por terra desde o governo Lula e mesmo por governos que passaram antes dele e que ele fez tudo para varrer para debaixo do tapete.

  3. E além de tudo o que você

    E além de tudo o que você falou Nassif, há nele um sofrimento incontornável pelo fato de Lula ter se tornado um MITO VIVO, paradoxalmente, engrandecendo sua biografia ao se tornar um preso político, perseguido por um governo autoritário, que é esse governo instituído não por Temer, mas pela Globo e seus soldados no Judiciário e Ministério Público Federal.

    Não consegui resgatar a reportagem, mas lembro que há uns dez anos mais ou menos, em um artigo da Isto é, um amigo íntimo de FHC deixou escapar, que a INVEJA e o ressentimento de FHC eram tão intensos em relação à fama e ao sucesso de Lula, então celebrado no mundo inteiro, que “ele não consegue dormir cada vez que Lula ganha mais um prêmio ou condecoração internacionais” – porque, e FHC sabe disso, Lula fez e se tornou o que ele queria ter feito e se tornado, mas optou, covardemente, por vender sua alma docilmente a Mefistófeles, bastando ao  astudo demonio afagar-lhe a vaidade, o narcisismo, e em troca dos aplausos da mídia e de sua classe social, mantém em coleira perversa seu cachorro de estimação…..  FHC é o ser que perdeu a prpria humanidade, a alma, o caráter, ´qualquer ideologia honesta, a biografia….. Nada sobrou!

  4. FHC é o personagem máximo que mídia consegue criar

    Se unirmos todas as forças de manipulação da mídia nacional… qual o máximo que se consegue criar???

    RESPOSTA: FHC!

    1-HOMEM DE FAMÍLIA X “PEGADOR DE REPÓRTER”:

    Graças a uma união de toda mídia nacional escondendo que o presidente, em plena campanha, engravidou uma repórter da Globo. A sequência de eventos que sucedeu esse espetáculo de mediocridade é típica de uma república de bananas… com um casamento de fachada sendo levado às últimas consequências… filhos fora do casamento varridos para debaixo do tapete.

    2-SOCIÓLOGO X EX-MARXISTA, ESQUEÇAM O QUE ESCREVI, PSEUDO-LIBERAL

    A imagem de sociólogo respeitado sem NUNCA citarem sua obra… o único que teve coragem foi Millor Fernandes que desmontou de forma magnífica a tão patética “obra” do sociólogo. Enquanto os adversários eram descritos como “comunistas” o único real “marxista” era o próprio FHC… que depois corrigiu o texto para se adequar às novas modas.

    3-LIBERAL MODERNO X FAMÍLIA MAMANDO NAS TETAS

    Esconderam que praticamente toda família FHC está mamando de alguma forma nas tetas da administração pública… o filho faturou contratos com a Petrobrás, o genro virou logo diretor da ANP, a filha tinha cargo fantasma.

    4-PAI DO REAL X GAROTO PROPAGANDA DE UM PLANO INTERNACIONAL IMPLANTADO NO GOVERNO ANTERIOR

    Quando vários países da America Latina decidiram seguir o tal Consendo de Washingto… quem diria que no Brasil ele quase se chamaria “Plano FHC”… que piada… virou “Plano Real”… FHC deu uma canetada e virou “pai” do filho que nunca criou.

    5-RESPONSABILIDADE FISCAL X EXPLOSÃO DAS DÍVIDAS

    Sempre vemos o nome de FHC atrelado a tal Responsabilidade Fiscal! Sinceramente, não existe um só indicador econômicoo dos anos de FHC que se aproxime de algo que se possa chamar de “responsabilidade”. Aliás, o limite da responsabilidade era ultrapassado frequentemente.

    6-HONESTO HOMEM PÚBLICO X FANFARRÃO CÍNICO

    Comprou a reeleição e diz que “compraram pra ele”. Por ser Tucano todo mundo finge que ele “não sabia de nada” sobre corrupção. Morava em apartamento de empresário… teve aeroporto construído em fazenda… saiu no Panamaleaks… é o pacote completo.

     

    FHC É UM AÉCIO QUE DEU CERTO!

  5. Pra se ter ideia da falta de

    Pra se ter ideia da falta de caráter de FHC, recomendo que seja visto o documentário Caro Francis, sobre Paulo Francis. A parte de FHC é uma em que ele fala sobre o processo que a petróbras moveu contra Francis nos EUA, depois que aquele disse que havia corrupção na petróbras (97, governo tucano ). Ali você vê um político que não pensa duas vezes não só em deixar um aliado ferido no meio do caminho como ainda lhe dá um chute no saco (rs). E aí se vê a falta de caráter da imprensa oficial = não me lembro de reportagem que investigasse essa denúncia que, no final, custou a vida de Francis. Bem, nada de novo na nossa imprensa oficial – sempre dando uma visão favorável a quem ela acha que é do seu mesmo ‘nível’ . Aliás, é impressionante como a classe média tem orgasmos quando um presidente ou futuro presidenciável ( o Barbosa, hoje ) diz que sabe falar vários idiomas, como se isso quisesse dizer alguma coisa sobre a competência política do dito-cujo. Aliás, já ouvi falar ( e não tenho como julgar pois nada sei da língua ) que o francês de FHC é bem chinfrim rs 

    • Confirmo

      A unica vez que o vi falando francês fiquei rindo. Não porquê ache que isso tenha importância, mas porque ele se vangloria de falar francês e espanhol e inglês e de rebolar no italiano…. O francês dele é do mesmo nivel de seu inglês: da pro gasto. Tudo uma grande bobagem.

  6. Suas ideiais não são suas,

    Suas ideiais não são suas, são do Rui Mauro Marini

    Florestan Fernandes morreu dizendo-se enviergonhado por tê-lo tutelado

    Eleva às alturas por gente que nunca leu suas obras

    Oriundo de uma escola empobrecedora do marxismo, os marxistas de fábrica, aqueles que acreditavam que o marxismo tinha as respostas para as crises do capitalismo e para sua salvação

    Não produziu nada de significante no mundo acadêmico, sua teoria da dependência é uma esparrela do desenvolvimento desigual e combinado do Trotsky

    Ladrãozinho até a medula

    Realmente pro gosto da classe média, que tb é limitada intelectualmente e acredita em qq um que passou pela academia

     

  7. FHC viveu como se fosse Luis

    FHC viveu como se fosse Luis XVI e vai morrer afogado num córrego paulista como se fosse Frederico Barba Roxa.

    Num outeiro próximo, o governo SP mandará colocar uma placa fúnebre:

    AQUI MORREU O PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

    Na noite seguinte alguém irá pichar na referida placa uma frase à altura do personagem FHC:

    “Aqui jaz um clone de  Dom Pero Fernandes Sardinha, mas nem mesmo os índios ousaram comer a carne podre dele.”

    Fim.

  8. FHC e o sonho

    Parece piada mais é a mais pura verdade. Tenho um sonho recorrente com FHC. Nesse sonho sempre que me encontro com ele, o mesmo  me cumprimenta efusivamente chamando pelo nome como se me conhecesse há muito tempo. Um fato intrigante nesse sonho, é que ele concorda  com tudo que falo num discurso sobre politica internacional e economia me tratando como um expertise no assunto. Pô, eu sou uma analfabeto em ambas as materias. Então, como pode mesmo sendo um sonho esse cidadão concordar com tudo que digo de forma entusiática? Só Freud poderia explicar. Porém, depois desse artigo do Nassif  começo a desconfiar que nem tudo no meu sonho é irreal.

  9. chocado mas não surpreso

    No futuro, FHC não sera estudado por sociologos mas por psicanalistas.

    Como sempre lembro os meus amigos coxinhas, FHC  vai virar nome de Rua mas Lula vai virar um mito.

  10. Velha história…

    … não custa nada lembrar da pendência intelectual (sic) entre ele (com o José Serra) e o Ruy Mauro Marini.

    O Marini (provavelmente um dos grandes intelectuais que este país já teve, marxista autêntico, não aquela palermice da Mariantônia), já tinha dado a carta. FHC é o pai do desenvolvimento dependente e associado (sic), o que significa tirar os sapatos e servir de garupinha pra presidente do primeiro mundo. 

    Apenas uma degustação leve, bem aqui: http://www2.unifap.br/borges/files/2011/02/Anatomia-de-um-ostracismo-nas-Ci%C3%AAncias-Sociais-Ruy-Mauro-Marini.pdf. 

    Pra alguma coisa a mais, bem aqui: http://www.marini-escritos.unam.mx/056_neodesarrollismo.html.

    Para não ser injusto. Parece que a USPI tem um grupo de estudos sobre o Marini.

    Mais um daqueles grupos cheios de gordura nas artérias. 

  11. Tudo com aval de uma mídia sem pudor
    Mas nada como ter uma mídia bandida, sem pudor, partidária etc do seu lado. Encombrem tudo. Esconde tudo que é ruim de uma pessoa e só mostram o lado “bom”.. acontece com FHC, Alkimin.. serra.. seguraram a peteca do Aécio até o último segundo…fizeram de tudo pra fazer do minerim um case de probidade. Não tenho dúvidas que atualmente nossa mídia é uma mestatase que ajuda a acabar com o restinho de saúde do país.

  12. O pior dessa social
    O pior dessa social democracia À brasileira é que nem neoliberal é; o “projeto dessa turma e colonial, ou seja, predar o que estiver ao alcance da mão e torrar lá fora.

    É absolutamente repulsivo que esses lavajateiros tenham limitado à partir de 2002 as “investigaçoes” dos ladroes que foram demitidos da Petrobras mesmo estes reiterando que a grana rolava desde 96.

    Nao foi à toa que o embaixador do golpe reafirmou em mais uma entrevista a “validade” da “tioria” que inspira toda essa chacrinha, a do sinistro projeto de poder petralha. Ele sabe muito bem como sempre funcionou o presidencialismo de coalizao, como passaram a reeleiçao, o monte de reformas constitucionais, as privatizaçoes, etc.

    O nivel do cinismo so nao é mais asqueroso do que o tamanho da boçalidade da trouxinhada que embarca nessa.

  13. Nassif,

    fiquei estarrecido ao ler ontem, com certo atraso, a entrevista de FHC ao suplemento do Valor. Antes suas ideias serviam para ser editor da revista “Vanity Fair”. Hoje, nem para isso. Ia escrever sobre o tema, mas você já o fez, como sempre, muito bem. Abração. 

  14. Em uma entrevista perguntaram

    Em uma entrevista perguntaram a esse senhor do que ele sentia mais falta quando presidente…….

     

    Podia falar que era de ajudar o país, o povo, o mundo (já que tem um ego inflado) a encontrar soluções para seus problemas, mas não……..

    Disse que sentia falta de ter um helicóptero sempre à disposição e de alguém para lhe abrir as portas (literalmente)……

    E ainda esperam que diga algo de util???

  15. Em Setembro 2018, o ministro
    Em Setembro 2018, o ministro Toffoli assumirá a Presidência do Supremo, vai colocar o Recurso Extraordinario do Lula pra ser julgado, Barack Obama será um dos Advogados a falar defendendo-o como Preso Político e Lula será ABSOLVIDO. Ganhará as Eleições e assumirá a Presidência da República em 1° de Janeiro de 2019.
    Wilson Luz PT/RJ 1388

  16. O boca de sovaco

    José Simão fez um resumo sensacional da personalidade e capacidades de FHC: boca de sovaco.

    Como convém ao sovaco, só se apresenta quando alçado e, não raro para exalar mal cheiro.

    Assim é a boca de FHC que só a abre para boutades, para sabedorias acacianas, quando não raro, para as mais rematadas tolices.

    Inútil, preguiçoso, incapaz de articular uma ideia original, este é o prócer do PSDB o partido que foi, sem nunca ter sido.

    Deveria se unir aos Olavos de Carvalho, aos Danilo Gentile, aos ultrajes à inteligência e bom senso.

     

    • fhc ou caozinho de
      Nessa foto ele se mostrou como sempre foi, o cachorrinho obediente, abanando o rabo e feliz, como verdadeiro lacaio dos EUA.

  17. Exemplo mor de como homens

    Exemplo mor de como homens pequenos tem sido (ir)responsáveis pela condução de grandes interesses.

    Sobre tal personagem, gostaria apenas de recordar trecho de entrevista do historiador Evaldo Cabral de Melo:

    “O brasileiro dedica pouca estima às verdadeiras especulações intelectuais, mas devota amor à frase sonora e à erudição ostentosa, que serviriam, no final das contas, apenas para marcar uma distinção social. É que para bem corresponder a esse papel, a inteligência há de ser ornamento e prenda, não instrumento de conhecimento e ação.” (Evaldo Cabral de Melo, Piauí, n.º104, maio de 2015, p.50)

      • Jealousy

        Não tem mais no mesmo nível. Como é mesmo o nome daquela  pseudo jornalista colonista(PHA), lambe botas dos marinhos, cujo marido é tucano e que nos acha  “uns fedorentos”?  Falando nisso, e aquele asqueiroso da tal cbn, a rádio que troca a notícia,  que “perseguia” o Haddad , dizendo que o mesmo não trabalhava, só andava “passeando”,será que está  fazendo os mesmos questionamentos ao playboy  dória?

        “Ciúme, você me tortura dia e noite”

        “O ciúme, a minha loucura”

  18. 2038

    Um dia fegacê vai brilhar! Ele vai conquistar o seu lugar de direito na história.

    Será no ano de 2038 quando ele será eleito vice (viiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiixe!) presidente na chapa do ÇERRA45.

  19. Que injustiça com FHC

    FHC é o pai das reformas.

    REFORMAS, melhor dizendo AS REFORMAS, com artigo definido: palavras mágicas que não querem dizer nada ou qualquer coisa, mas que servem como escudo para apontar o dedo para os outros acusando-os de serem contra… as reformas.

    A cada nova eleição, os candidatos tucanos podem sempre proclamarem-se a favor das REFORMAS.

    Ah… antes que esqueça.  FHC também  foi o inventor da telefonia celular.

    Demonstrou por A + B que, após seu governo, as pessoas passaram a abandonar o uso da telefonia fixa passando a usar a celular que, como todos sabem, foi inventada por ele.

    Trouxe também a competição para o ramo da telefonia. Agora o cidadão pode escolher qual a companhia que irá lhe esfolar, cobrando caro sem entregar o serviço prometido. Se sai da Oi, cai na Claro ou na Vivo ou na TIM. Todas competindo entre si para ver qual presta o pior serviço; Com isso FHC conseguiu desmoralizar os teóricos do livre mercado e da competição.

     

    • Não foi o inventor da telefonia celular…

      FHC não foi o inventor da telefonia celular, mas foi graças a ele que cada brasileiro conseguiu a sua linha telefônica. Antes as companhias telefônicas eram estatais falidas, e demoravam anos para instalar um simples telefone fixo. Na época do regime militar, serviam de cabide de emprego para militares aposentados, daí que veio apiada, a TELERJ demora a instalar telefones porque tem muito coronel e pouco cabo.

      As privatizações acabaram com isso. Os acertos de FHC superam seus erros.

      • E precisa entrega a R$ 1,00 as estatais por conta disso.

        E hoje estão muito mais quebradas, do que quando eram estatais. Está certo que os coronéis do qual falas não está lá. Mas não tem coroneis, não tem servidores, não tem atendentes, não tem atendimento físico algum, não consertam mais nada, os cabos dos telefones caem pelos chãos no Brasil inteiro. Fálidos com um colossal dívida, não tem nem o patrimônio entregue de graça, os tais bens reversíveis. Todos os prédios e terrenos entregues de graça, já foram vendidos, e ilegalmente, sem autorização governamental. O Michel Temer acabou de entregar os bens em mais de 240 bilhões, eles dizem que é 19 bilhões, depois de 20 anos esses bens valem 240 bilhões. Além desse dinheiro a dívida é de mais 80 bilhões de reais. Ou seja sucatearam tudo para cair fora.  Qual a conclusão disso tudo? A privatização é uma forma de entrega as estatais (por certo com seus problemas) de graça para eles mesmo. Grupos se formam para comprar, de graça, para tirar do estado, legalmente, e passar para eles mesmo. É uma quadrilha de ladrões, que roubam o patrimônio público através das privatizações.

        • Quebradas?

          Mas ontem mesmo eu falei ao telefone fixo e a ligação completou.

          As finanças das empresas privadas não me dizem respeito, são problema de seus acionistas. As finanças das empresas estatais me dizem respeito, pois é MEU dinheiro, do contribuinte. Se a empresa estatal dá prejuízo, quem paga sou eu e você. O contribuinte fica no lucro até se pagar para se livrar dela. Foi assim que a inflação acabou e o povo pôde comprar uma geladeira pagando em 15 vezes: sem sustentar estatais deficitárias, o Estado não precisou mais rodar a maquininha de fazer dinheiro.

      • E hoje a Oi é da família Jereissat(PSDB)

        Coincidência… em todo país do mundo a telefonia celular chegou na mesma época e na mesma intensidade.

        FHC salvou só o Brasil ou ele saiu voando e levando justiça e paz para todos os países do mundo?

        Os defensores de FHC ficam tentando colocar ele como responsável por evoluções tecnológicas do período e vítima da história do período . Tudo que deu errado foi por causa da “dificuldade da época” e o que deu certo foi graças a FHC, mesmo que ele só tenha doado uma estatal para seus apoiadores… isso vira “levar telefonia aos brasileiros”… mas ele quebrou o Brasil 3 vezes… “o Brasil era diferente, passava por crises”…

        Explica aí pra gente como os Jereissat do PSDB acabaram donos da Oi… e quanto ainda vai custar para salvar a empresa?

         

        • A telefonia celular chegou na mesma época…

          A telefonia celular chegou na mesma época em todo o mundo, mas a telefonia fixa era tecnologia velha, e aqui demorava uma eternidade para instalar um telefone antes da privatização.

          FHC não quebrou o país 3 vezes, ele pegou o país quebrado e sem reservas, portanto muito mais frágil às crises externas.

          Sei lá que é dono da Oi, mas enquanto meu telefone completar a ligação, não vou querer saber.

  20. Prezados Nassif e

    Prezados Nassif e camaradas

     

    Como fhc é uma estátua equestre, seu destino é ser cagado por pombos.

    Seus pelegos podem usar seus artigos (?) para limpar a merda (um caso de metonímia: usar merda para limpar merda)

    • estátua

      Não ficou claro a qual metade da estárua corresponde, a superior ou a inferior.

      Julgo mais apropriada a inferior.

  21. Sempre disse que o “pobrema”

    Sempre disse que o “pobrema” do “brasiu” não era a “corrupição”, mas a mediocridade dos caras que nos governam.

    Mas não estranho o nível de inteligência do FHC é o da classe média: de burro. Se bem que no caso dele com um verniz de cultura para ludibriar os idiotas mais incultos do que ele.

  22. Essa fixação das esquerdas com FHC…

    Essa fixação das esquerdas em malhar FHC (que a essa altura do campeonato é o mesmo que chutar cachorro morto) é para ser explicada mais por psicólogos do que por analistas políticos. Os argumentos se repetem carregados de absurda bossalidade.

    O Plano Real caiu no colo de FHC? Então quem foi o autor? O presidente Itamar Franco? Todos sabem que o plano começou a ser implementado por FHC quando ele ainda era ministro da economia de Itamar.

    Produziu desastres de monta em seu período? Faltou explicar porque foi reeleito.

    FHC conduziu o Plano Real em um cenário muito mais precário do que o atual, com o país dispondo de poucas reservas e muito mais vulnerável a crises internacionais, como a de 1997. Mas conseguiu entregar a seu sucessor uma economia estabilizada, condição indispensável para o sucesso de Lula, que surfou uma onda de prosperidade puxada pelo boom das commodities. O extraordinário aumento do consumo da classe trabalhadora foi causado sobretudo pela queda dos juros, o que permitiu financiamentos de longo prazo. É evidente que isso só seria possível em um cenário de inflação sob controle e bom nível de reservas. Não fosse por isso, o governo Lula teria sido mais um desastre, como foram todas as tentativas populistas anteriores à estabilização dos anos 90.

    Talvez esteja aí a explicação psicológico do ódio irracional dos petistas a FHC: eles ficam desgostosos de constatar que devem a ele todo o seu sucesso.

     

    •   Comentários desse tipo

        Comentários desse tipo costumavam me espantar. Depois, passaram a me irritar. Em seguida se tornaram mera curiosidade e, por fim, chegam a me divertir.

        É hilário o divórcio da realidade por parte de quem ainda elogia FHC. O Plano Real foi quase uma imposição do FMI para tornar o país novamente palatável no circuito bancário internacional; foi instituído e bancado por Itamar e montado por uma equipe econômica escolhida lá de fora e com o claro objetivo de, uma vez controlada a inflação, nos amarrar ao sistema bancário como Prometeu aos rochedos (a comparação tácita entre bancos e abutres é intencional). Desse errado o Plano, FHC negaria até conhecer Itamar; deu certo, e se tornou o orgulhoso padrasto, tão orgulhoso e vaidoso a ponto de gostar de ser chamado de pai, por obra e graça de uma sempre interesseira Globo.

        Eis que o Brasil, aquele país que a duras penas e moeda desvalorizada acumulou significativas reservas até o início do Plano Real (suficientes para bancar as importações de então por 1 ano e meio), vê-se com 1 real valendo mais que 1 dólar, a moeda daquela republiqueta insignificante. Alheio ao absurdo, FHC surfava no sucesso de algo que não era seu; estouradas as reservas pelo câmbio absurdo, FHC nada fez (sua especialidade, logo depois de atribuir sua culpa a outros) enquanto os juros da SELIC eram jogados na estratosfera até atingir 45% ao ano, algo obviamente insustentável – tão insustentável que até uma crise num paiseco (economicamente falando) como a Tailândia significou crise por aqui.

        Nesse ponto faço uma pausa e dou ainda mais risada do comentarista Pedro ABBM, que defendeu a ideia de que em 1997, depois de quase 3 anos de maravilhoso governo FHC, o país ainda era frágil.

        Avanço até 2002. Após privatizações escandalosamente… escandalosas e um apagão que “surpreendeu” um governo que investia apenas na destruição da economia nacional, tínhamos reservas insignificantes, existentes por mera obra e graça de empréstimos e mais empréstimos do FMI. Esse o país estável do comentarista Pedro ABBM, a quem, ao fim e ao cabo, sugiro apenas um reforço nas doses de Haldol. Ou não, caso prefira continuar a me divertir à beça.

       

      • Muito boa réplica

         

        André Élebê (segunda-feira, 23/04/2018 às 19:28),

        É claro que eu acho que há um pouco de exagero. O Luis Nassif aproveita para chutar cachorro morto porque sabe que isso aqui dependendo do cachoro atrai plateia e a gente emenda os chutes acreditando nesses exageros.

        O exagero para mim é não deixar claro que se não existisse G. Henrique de Barroso F. o plano Real sucumbiria. Só bem depois é que se não me engano Clovis Rossi reconheceu que G. Henrique de Barroso F. era o pai, mãe e cão de guarda do Real. É também exagero não deixar claro que o bom relacionamento de Fernando Henrique Cardoso com algumas lideranças no Congresso Nacional foi importante para aprovação de leis que ajudaram a implementar o Plano Real.

        Um exemplo do papel de Fernando Henrique Cardoso foi uma lei que expulsava da economia o carry over da inflação que o Plano Real criava. Esclarecendo. Se por desígnios dos deuses a inflação acabasse em 1º de julho, haveria um resíduo inflacionário em torno de 20% que deveria ser incorporado no processo de arrastamento do câmbio com a inflação, que repercutira nos aumentos salariais e que deveria também incidir nos títulos públicos.

        A lei previu isso e obrigou os institutos de pesquisa a utilizar metodologia de cálculo de inflação que descartasse este carry over. Foi ruim para os detentores de títulos porque a inflação que atualizava o título seria menor do que a inflação real. A FGV fez o cálculo descartado o carry over e fez o cálculo correto. O Luis Nassif na televisão falou que a FGV estava fazendo o cálculo correto (Que para Luis Nassif seria errado) para vingar que o governo havia reduzido as verbas para a FGV.

        O que eu elogio na sua réplica é ter pegado nos pontos frágeis do argumento de Pedro ABBM e ter recomendado a leitura com humor do comentário dele. Esta é uma prática que eu venho fazendo de longa data e dependendo da autoria você se diverte bastante com os textos. Não tenho visto há bom tempo os textos de Arnaldo Jabor, mas lembro que quando os lia com humor eles se tornavam mais divertidos do que os textos de Macaco Simão.

        E você esqueceu de apontar outra omissão do texto de Pedro ABBM, omissão esta relacionada à forma como o governo de Fernando Henrique Cardoso repassou a economia para Lula. Anualizando a inflação pelos últimos três meses de 2002, seja pelo IGP-M, seja pelo IGP, a inflação foi mais de 50% ao ano. Alías como o IGP-M é calculado antes dá para ver que o índice da Fundação Getúlio Vargas estava aumentando.

        Clever Mendes de Oliveira

        BH, 23/04/2018

        •   Agradeço e retribuo o

            Agradeço e retribuo o elogio, Clever – é apelido ou profecia de seus pais?

            Quanto ao FHC de bom relacionamento com lideranças, concordo em termos. Havia as costas quentes da mídia e a mesma lógica do mensalão – lógica que é inerente ao nosso sistema político-cultural, só não vê quem não quer. Basta lembrar que FHC refugava toda santa vez em que Toninho Malvadeza estava de maus bofes.

            Por fim, obrigado por me lembrar da inflação. Em 2002 o país estável estava para lá de instável, inclusive em relação ao maior fato propagandístico.

      • Evidenciando o aspecto psicológico
        Se esse tipo de comentário mexe com o seu emocional, atingindo-o pessoalmente, ao invés de ser apenas material para uma análise isenta, trata-se de uma evidência de que o repúdio a FHC tem mesmo explicações na psicologia, conforme eu enfatizei. Primeiro a irritação, que se procura neutralizar com o riso forçado. Igual à hiena, que diz a sabedoria popular, come m* e ri…  O Plano Real foi quase uma imposição do FMI? Se foi, devemos agradecer ao FMI, pois como você mesmo reconheceu, deu certo. Ou você sente saudades da inflação alta dos tempos do Sarney e do Collor? Agora, é engraçado que você diga que o FHC não teve nada a ver com o plano, se ele era o ministro da economia na época (se o plano tivesse dado errado, você diria que a culpa era do FHC, já que o ministro era ele).  O Brasil tinha significativas reservas às vésperas do Plano Real?  Se em 2002 tínhamos reservas insignificantes, de onde vieram os dólares que apenas dois anos depois eram tantos, que foi possível lançar o factóide de que o Brasil havia pago sua dívida externa? O Lula tirou do bolso dele?  Privatizações escandalosas? Você sente saudades dos tempos em que tinha que esperar anos para ter uma linha telefônica? Como diziam na época, a TELERJ tinha muito coronel e pouco cabo…  FHC pegou a parte difícil da estabilização, e entregou a parte fácil para Lula. É claro que a intenção dele não era essa – ele contava com alguém de seu partido para sucedê-lo – mas foi isso que aconteceu. Esse ciclo austeridade – gastança – crise tem se repetido desde o início da república, com diferentes atores conforme a época. O primeiro foi Campos Sales, que terminou o mandato altamente impopular, mas entregou a economia em ordem para Rodrigues Alves gastar bastante com o bota-abaixo, e depois estourou a crise, mas bonito na foto ficou Rodrigues Alves, e não Campos Sales. Durante o governo dos militares, Castelo Branco levou o país à recessão, mas conseguiu consertar a economia, o que possibilitou o “milagre” no tempo de Médici e Geisel, e depois a bomba estourou no colo de Figueiredo. Mas bonito na foto ficou Médici, e não Castelo. Na época atual, FHC tomou as medidas de austeridade impopulares e conseguiu levar o Plano Real ao sucesso, condição indispensável ao sucesso do governo Lula, que foi quem ficou bonito na foto. Depois a bomba estourou no colo de Dilma.  Ah, sim, você ainda não explicou porque um presidente tão desastrado foi reeleito. 

    • “Boçalidade”

      O post é uma critica à ultima entrevista de Fernando Henrique Cardoso ao jornal Valor. Portanto não trata-se aqui de “chutar cachorro morto”, pois FHC continua vivo e dando palpites na vida politica nacional todo santo dia e ainda afirma que a Lava Jato tem prestado grande serviço à nação… Quem não o conhece, que o compre.

      • FHC foi renegado por seu próprio partido

        É claro que Fernando Henrique Cardoso ainda fala, afinal está vivo e tem boca, mas como liderança relevante a nível nacional é de fato cachorro morto. Ele foi repudiado por seu próprio partido, que se negou a apresentar seu legado como bandeira e optou  por tentar um retorno tardio à social-democracia, achando que assim teria melhores condições de enfrentar o PT nas eleições, o que não ocorreu.

        Apenas a História fará justiça a FHC, e este juízo por enquanto ainda não é conhecido.

  23. A direita e o pombo!
    É fato que o pt errou ao colocar Dilma em 2014. Não lhe faltou caráter, faltou política.
    Pode-se dizer que a esquerda elegeu um poste “político”, mas o que dizer da direita, que, ao longo da história só teve postes….

    Como fhc.
    O mais empolado…
    O pombo!!

    A diferença é que os postes da direita sempre tiveram consciência de que eram miquinhos amestrados.

    A direita não se importa com o que é, se importa com o que parece ser…

    Fhc é patológico, não consegue ficar quieto, só fala bobagens e é aplaudido pelos nossos “empresários”;

    Igualmente patéticos, aceitam a entrega de bilhões para estrangeiros e banqueiros, aceitam um judiciário parcial e corrupto, a defender toda esta entrega em troca de luxo e suntuosidade, além de benesses como auxílio moradia.

    A sorte é que alguns empresários, mais lúcidos, já se deram conta de que só perderam com o golpe, sabem que este modelo só irá beneficiar Itaú, Bradesco,…, que provocará mais desemprego, miséria, e muita quebradeira.

    Estão se dando conta de que
    Fhc, o psdb, mdb, dem, pp, são o atraso, a entrega, e que só os partidários receberam as benécies da corrupção.

    Fhc, como fux, como barroso,…, serão esquecidos. Já Aécio é a cara e a prática da nossa direita.

  24. FHC, a ratazana entreguista do Brasil!
    Nassif, creio que a restauração da imagem de Ruy Mauro Marini, nosso verdadeiro príncipe dos sociólogos, passa pela desmistificação da perseguição que FHC e Serra lhe moveram, quando da publicação de sua “Dialética da Dependência” pelos Cadernos Cebrap em 1978, uma vez que Marin só conseguiu desmascará-los àquela época na Revista Mexicana de Sociologia, já que por aqui sua argumentação foi censurada pela dupla tucana. Como o cenário da desindustrialização paulista nos legou mais de duas mil áreas contaminadas – verdadeiras bombas-relógio repletas de metais pesados e outros venenos que estão se infiltrando no aquífero Guarani – e os patos-sapos de uma Fiesp movida a financiamentos a fundo perdido com nosso dinheiro, um Xadrez da Falsidade de FHC e Serra, com você, Emir Sader, Carlos Eduardo Martins e outros especialistas poderia iluminar o cenário do desenvolvimento nacional até para os empresários de boa fé porventura remanescentes. Com a vantagem de revelar os esqueletos à espera de remediação ou neutralização, como esses monturos químicos “sigilosos” que põem em risco a saúde pública e nossas últimas reservas hídricas. Marini, quase 21 anos depois de morrer de câncer, já previa nos anos 80 essa massa de desempregados americanos sitiados em containers e trailers similares às submoradias das favelas e outros redutos da pobreza desempregada do Brasil. 2) – Grande artífice ou co-responsável por esse quadro de exclusão que nos vitima, FHC talvez mereça um Monumento da Dependência Brasileira (jamais uma estátua equestre, sempre imponentes como a do Duque de Caxias em SP), quem sabe uma ratazana na rua XV de Novembro de nossa Bolsa de Valores, como contraponto merecido à estátua do Touro de Wall Street em NY. Uma ratazana como a que demonstra ser nas imagens em que se rebaixa-contorce e nos humilha aos pés de Bill Clinton, a ilustração por excelência do subdesenvolvimento político-industrial nacional.

  25. Máfia fhc esgoto a céu aberto desde 2002, antes era na moita….

    Fala e lê ingles de trás para frente, de frente para trás, de cima para baixo, de baixo para cima e….. de quatro como ninguem!!!!

  26. Sei não. Talvez, dignos

    Sei não. Talvez, dignos brasileiros tenham instado FHC a participar de alguma tentativa de resgatar o país da situação angustiante em que se encontra. Se isso aconteceu, certamente tiveram o não como resposta. Suponho que, como bom jornalista, Nassif talvez tenha sido informado sobre esse desastroso episódio e resolveu escancarar, mais uma vez, a verdadeira face do verdugo. Na minha opinião, nunca é demais bulir nas portas do inferno e mostrar, ao menos, uma pequena parte da silhueta do Cão.

    Se minha impressão esstiver correta, FHC perdeu mais uma oportunidade de conqquistar um bom lugar diante do povo brasileiro. Ou melhor, diante da História. Talvez se arrependa no futuro, o que me faria lembrar dos versos de João Guimarães Rosa:

    “Da meia-noite p’r’o dia, meu chapéu virou bacia…”

    Ou, quem sabe, uma chuva benfazeja venha lavar-lhe a alma. E, mais uma vez, me faria lembrar de outros versos do Rosa, “in” Sagarana:

    “Mariquinha é como a chuva:                                                                                                                                                                                 boa é, p’ra quem quer bem!                                                                                                                                                                                    Ela vem sempre de graça,                                                                                                                                                                                      só não sei quando ela vem…”                                                                                                            

  27. A grandeza de FHC é

    A grandeza de FHC é inversamente proporcional ao ódio de quem o critica.

    Quanto mais o criticam, mais sei que ele foi um presidente extraordinário.

    Seu legado durará gerações.

     

    • Sério????

      Eu só lembro do apagão e de todo dia azucrinar os meus filhos para tomarem banho rapidinho.
      Da Vale vendida a preço de banana.
      Do desemprego e das filas enormes diante de alguma vaga de trabalho, coisa que nunca tive o desprazer de ver nos governos Lula.
      O legado dele é o Plano Real? Nada disso!! O Plano Real é legado de Itamar Franco.
      Não odeio político nenhum. Acho até que, em vistas das circunstâncias, ele fez um governo razoável. Mas, fico triste ao perceber que a direita disseminou esse ódio que hoje enfrentamos.

      • Re: Sério????

        O legado dele é o Plano Real? Nada disso!! O Plano Real é legado de Itamar Franco.

        De FHC quando foi eleito ministro da fazenda por Itamar Franco você quis dizer? rs rs

    •   Das três frases, apenas a

        Das três frases, apenas a primeira é um absurdo.

        De fato, ele foi um presidente extra ORDINÁRIO. E isso fará com que seu “legado” dure gerações, infelizmente; tal qual Gengis Khan.

        

  28. Teve apagão, desemprego,

    Teve apagão, desemprego, submissão ao FMI, maxidesvalorização do Real, sucateamento da Petrobrás, compra de votos para a emenda da reeleição, entrega de patrimônio público a preço de banana de antigamente (hoje a banana é bem mais cara), SIVAM, PROER, epidemia de dengue, ninguém sabe onde foi parar o dinheiro arrecadado com a privataria, etc, mas, segundo algumas pessoas que conheço, o período fhc foi maravilhoso porque ficou mais fácil comprar uma linha telefônica… Me lembra a famosa história dos índios que trocavam ouro por espelhinhos com os portugueses.

  29. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome